>

8 de abr de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Os Corvos






OS CORVOS
PEDRO LUSO DE CARVALHO



Não incorreria no erro indesculpável
de aos corvos negar sabidos méritos.
Não é deles a missão da assepsia?

Limpo o solo de tudo o que é pútrido,
para ser plantada a terra está pronta,
no céu planam os corvos vigilantes.

Quase cometi injustiça, confesso,
não se nivelam corvos e políticos,
que das aves de rapina são presas.

Conhecem as suas presas os corvos.
As putrefatas carnes dos políticos
são, dessas aves, os fartos banquetes.





*  *  *





35 comentários:

  1. Pedro,

    Depois de tudo que vimos acontecer nesse nosso país no dia de ontem – 7 de abril - e tudo que vivemos, esse poema é o retrato onde tudo ficou: no chão. Ora, se milhões de brasileiros foram para as ruas reivindicar por quase tudo, é porque algo de errado existe! Ou esses milhões estavam brincando? Nós brasileiros é que sabemos como estão as coisas e o que foi destruído. Nós sabemos como estão nossas Instituições. Sabemos como está nossa saúde, educação e segurança. Os 60 mil assassinatos num ano, será que é pouco?
    Os corvos... sim, precisamos deles para limparem a podridão que permeia no país, para fazerem o que sabem, acabar com os vermes que proliferam e nos devolverem a assepsia que não era perfeita, mas longe de ser o que se tornou. Que venham os corvos cumprirem sua missão, e que nos devolvam o país que tínhamos – sem dúvida, muito mais saudável!!
    Fiquei emocionada com esse poema, é um grito, nosso pedido de socorro!! Eu sou brasileira!!! Gosto do meu país! Precisamos do nosso orgulho de volta!

    Beijo, daqui do lado. Parabéns pela beleza desse poema.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pra ti Pedro por esse grito na bela poesia e o comentário da tua Taís foi lindo e verdadeiro. Queremos, como brasileiros, poder confiar e acreditar! Mas preá mim, justiça não é feita pela metade. ou sóo para uma parte. Quero ver os vampiros todos na mesma condição e aí sim, creio teremos motivos de festejar. Não vejo como "gastar rojões" antes da hora... abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Situazioni politiche, non soddisfacenti, che creano il disappunto della popolazione
    Versi di grande realtà, un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  4. Políticos e corvos ... corvos e políticos... a assimetria perfeita.
    .
    * Saudade de ter ... Saudade *
    .
    Feliz início de semana
    Bom dia.

    ResponderExcluir
  5. Muito bonito e sentido! Amei!!

    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  6. Um poema que é um grito de alerta para o que se passa no Brasil. Que a negrura dos corvos não teime em andar por aí.
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  7. Muy bueno este poema . Una verdad.
    Un abrazo. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  8. Interesante poesía, que refleja la casta política.

    Besos

    ResponderExcluir
  9. Soberbo poema!
    Pedro, eu li e ouvi o teu grito de desalento.
    Nada posso fazer para atenuar tanta dor, mas aplaudir os versos do poeta e as palavras da Tais, eu posso!
    Para ambos, um abraço apertado.

    ResponderExcluir
  10. ... e depois dos corvos, meu amigo?

    os vamapiros? que comem tudo»
    ás águias e as botas cardadas?

    em qualquer caso os corvos (não o poema que tem sua marca de qualidade) estão a ser bastante selectivos

    abraço amigo

    ResponderExcluir
  11. Lembrou-me uma canção do grande José Afonso.
    Eles comem tudo e não deixam nada.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  12. Grande inspiração,Pedro Luso. Poesia e reflexão
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  13. Hola, Pedro.
    Desde luego, seguro que los cuervo tendrán muy claro dónde se encuentran los manjares más sabrosos. Y además pagados por nosotros.

    ResponderExcluir
  14. O Pedro é um 'homem de leis' percebe bem de corvos e abutres...
    Eu,de longe. pergunto-me se tanto mau cheiro - como relatais - não anda a confundir o sinistro olfato dos corvos...
    Abraço, Amigo
    ~~~~

    ResponderExcluir
  15. Que pena que os corvos não comam os vampiros que vos governam.
    Abraço

    ResponderExcluir
  16. gostaria de ter essa visão otimista sobre a realidade, mas não consigo mais acreditar na pureza das intenções...me parece mais um jogo de cena entre alternância de poder onde a política é feita para melhor satisfazer interesses econômicos...
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Guaraciaba no poema não há nenhuma nesga de "otimismo sobre a realidade". O poema é, ao contrário do que você diz, pessimista. Como não ser pessimista quanto ao futuro do Brasil depois que os políticos deixaram o país na falência. Não temos educação, saúde, segurança, trabalho etc.
      Um abraço.
      Pedro

      Excluir
  17. Parabéns Pedro pela coragem em dizer tudo que está engasgado em nós!
    Bjs e obrigada pela visita e comentário.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  18. Pedro... A podridão persiste. Parece não haver término. Nós, os um pouco mais velhos já nos fartamos de tanta ilusão. Pobre país. Parabéns por tocar no assunto.

    ResponderExcluir
  19. Caro Pedro,

    Um poema excelente e marcante com toda a estrutura expressiva
    da qualidade grandiosa da poesia:
    "Quase cometi injustiça, confesso,
    não se nivelam corvos e políticos,
    que das aves de rapina são presas."
    A ironia na excelência poética, apresentada com
    a sua mestria habitual, admirável poeta.

    Preciso salientar que vivemos um momento triste, sofrido
    e preocupante com o nosso ar democrático a nos faltar.
    Não somente os políticos corruptos de todos os partidos
    numa grande lista, com alguns nem citados nesta lista
    decorrente de um fator de imensa gravidade, que se trata
    da parcialidade criminosa dos que julgam, a promover com
    que alguns fiquem tranquilamente na impunidade. E toda uma
    seriedade, imparcialidade e ética necessárias são negociadas
    nesta corrupção sistêmica e infelizmente incorrigível até
    este momento.
    Aprecio sempre imensamente a leitura das suas
    obras poéticas, meu caro amigo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzete,

      Quanto aos políticos corruptos, que destruíram tudo o que tínhamos já bem encaminhados, como a educação, a saúde, o trabalho e a segurança, deverão ser todos julgados para que paguem por seus crimes, independentemente de partidos políticos. Ninguém pode ficar fora do facho da Justiça. O mesmo vale para os empresários corruptores por seus atos criminosos. O povo está atento para tudo o que está ocorrendo no nosso país.

      Obrigado, minha amiga Suzete, pelas palavras sobre o meu poema. Muita gentileza de tua parte.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  20. Não quero de jeito nenhum menosprezar o teu belo poema que é um desabafo de um patriota muiti maltratado, mas vou-me juntar ao grito de indignação da Tais, um grito sofrido que é também o meu, tão longe daí, mas bem juntinha ao coração dos meus irmãos brasileiros. Sou luso-bradileira, tenho duas pátrias que muito amo e já não consigo ouvir as noticias que me chegam daí, Pedro. O meu posto fala precisamente de patriotismo e ser patriota e isto mesmo, amigo, sofrer pelo nosso pais, pelas angústias do povo, pelas injustiças que ele sofre e não ficar preso a ideologias, a feitos passados. Os corvos são muito melhores, pois fazem o seu trabalho honesto, limpando a sujeira por outros deixada. Estava e ainda estou orgulhosa da justiça que agora se começa a fazer no Brasil; apesar dos pesare, nunca se viu tanto politico atrás das grades e espero que o Supremo não se deixe iludir e que ponha os olhos nos corvos, deixando que a limpeza se faça. Sabes que tenho medo do STF? Tem lá uns camaleões!!! Esperemos que tudo corravpelo melhor e que não haja necessidade dos militares entrarem em acção. Beijinhos, Pedro
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emília,

      Sobre a corrupção que assola o Brasil, concordo plenamente contigo (e com a Taís), a maior corrupção da História do nosso país. Quanto aos ministros do S.T.F. eu também guardo reservas para pelo menos cinco deles, que não me inspiram confiança.
      Obrigado Emília, amiga luso-brasileira.

      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  21. Corrigindo. ...meu pos,,, patriotismo é. Pesares

    já agora falo de uma noticia que vi há pouco, há uns determinados deputados camaleões que querem mudar não de cor , mas de nome ; mas estarão eles num circo? Isto já é brincar com coisas sérias!!! Será que vão permitir? Não faltava mais nada!!! Beijinhos, Pedro
    Emilia
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, minha amiga Emília, agora deputados estaduais, deputados federal e senadores do PT estão fazendo requerimento aos seus respetivos presidentes para usarem nessas casas o nome Lula como parte do sobrenome de cada um deles. É uma verdadeira loucura. Vamos ver no que isso vai dar.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  22. acho que já se perdeu toda a confiança nos políticos
    um poema muito forte e acutilante
    beijos
    :)

    ResponderExcluir
  23. Grnial Pedro, u ngrito al que me uno, y sí, somos un banquete de muchos para unos pocos, que a costa del pobre viven como Dios.
    Gracias amigo por tu huella.
    Un abrazo y feliz tarde noche.
    Bss

    ResponderExcluir
  24. Urubu voou no espaço,
    Mas há outra atmosfera.
    Prenderam o cara que era
    O viés da penca ou engaço

    Com frutos podres em laço
    De conluio, hoje quimera,
    Passado morto, a espera
    Que tudo vire num traço

    De apenas recordação
    Do fim do grande ladrão,
    Para dar exemplo ao mundo

    Que tudo tem solução.
    Creio ainda na nação.
    Sem o lado vagabundo!

    Amigo Pedro, lindo teu poema, que deixou fazer uma releitura em versos rimados, este contumaz versejador. Parabéns amigo! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo Laerte, tu que és poeta, que brincas com as rimas com destreza, vens enriquecer esta postagem com o teu belo soneto.
      Obrigado amigo poeta.
      Um grande abraço.
      Pedro

      Excluir
  25. Poderia apenas aplaudir Pedro, não o que comentar, apenas dizer-lhe que ontem numa certa apatia com nossa política, me pus de frente para a estatua de Gregório de Matos e fiquei horas a pensar, como ele faz falta hoje, mas vejo agora seu poema e creio que ele tem substituto.Vamos parafrasear amigo Pedro, o que falta nesta politica é a verdade, se lhe ponha a vergonha.
    Perfeito Pedro a carne somente às de rapina talvez.
    Abraços e saio daqui com uma espécie de alma lavada ao ver que jogou o leite ruim na cara dos caretas.
    Basta!
    Bom fim de semana amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recebo a visita de mais um poeta, entre outros que aqui estiveram: TONINHO. Nossos amigos blogueiros conhecem a sua sensibilidade e o seu talento para a poesia. No seu comentário, Toninho, você disse que que depois de ter ficando longo tempo em frente a estátua do Gregório de Matos, grande poeta brasileiro, filho de Salvador, Bahia, seu conterrâneo, você disse:

      " (...) fiquei horas a pensar, como ele faz falta hoje, mas vejo agora seu poema e creio que ele tem substituto."

      Não preciso dizer, poeta Toninho, que recebo o seu elogio como estímulo do amigo.
      Um grande abraço.
      Pedro

      Excluir
  26. A corrupção não é apenas um problema brasileiro, já que é uma prática corrente em todo o mundo, mesmo nas "melhores" democracias, como a americana. Só que ela é praticada de um modo mais sofisticado nos países mais ricos e de um modo mais básico nos países menos desenvolvidos.
    A Justiça mundial, por outro lado, tem dado sinais que quer moralizar a política, não dando tréguas aos políticos corruptos, ainda que as provas da corrupção seja das coisas mais complexas de ser conseguida. Parece-me, em qualquer caso, que a Justiça brasileira está politizada (a votação de 6-5 na prisão do Lula parece-me disso demonstrativa). E não é de admirar, dado que os juízes são nomeados pelos políticos (coisa aberrante, não exclusiva do Brasil).
    Indo ao que interessa, o seu poema é brilhante, não só pelo conteúdo mas também pela forma poética que o constitui. Parabéns.
    Bom fim de semana, amigo Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  27. Tínhamos um político, que frequentemente comparava a política a uma porca... pelo tanto que associamos política... a pocilga... e pelo facto de uma natureza porca... sustentar tanto político mamoso, corrupto e sem escrúpulos...
    Belíssimo poema, Pedro, que não poderia sintetizar melhor... a putrefacção, que gira em torno dos políticos, e das suas causas tendenciosas... porque bem antes de pensarem governar o povo... governam-me muito bem... a eles mesmos!...
    Um grande abraço! Feliz fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  28. OI PEDRO!
    CLASSE CORROMPIDA. QUE BOM PUDÉSSEMOS JOGÁ-LOS AOS CORVOS, ACHO QUE NÃO FICARIA UM SEQUER.
    MUITO BOM AMIGO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO