>

13 de jan de 2014

[Crítica] PEDRO LUSO – Croce: poesia e literatura





            
          
            CROCE: POESIA E LITERATURA
                            – PEDRO LUSO DE CARVALHO

Benedetto Croce, historiador, escritor, filósofo e político italiano, nasceu em 25 de fevereiro de 1866, em Pescasseroli, na região de Abruzzo, e faleceu no dia 20 de novembro de 1952, em Nápoles. Croce exerceu os cargos de senador (1910) e de ministro da educação (1920-21), tendo apoiado Benito Mussolini no início do governo fascista, por algum tempo, até o momento em que passou a fazer-lhe oposição. Exerceu grande influência sobre o pensamento literário e artístico de seu país.
Dentre as obras de Croce, que compõem 44 volumes, a mais importante é Breviário de Estética. O conjunto de sua obra está dividido em: a) Filosofia do Espírito; b) Ensaios Filosóficos; c) Escritos de História Literária e Política. A obra de Croce é extremamente variada, uma verdadeira universitas litterarum, como, por exemplo, ensaios sobre Goethe, Shakespeare, Ariosto, Corneille, etc. Rudolf Bourchard disse sobre a obra de Benedetto Croce: “Não é fácil apresentar, em breve síntese, o único grande sistema da Europa contemporânea”. Bourchard  conclui dizendo que “Não só a complexidade do seu pensamento, mas também a quantidade dos seus escritos concorrem para dificultar um apanhado geral sem grandes riscos de mutilações”.
Segue trecho do livro A Poesia, de Benedetto Croce:
Na consciência estética atual vem incidindo, cada vez mais profundamente, a diferença entre Poesia e Literatura, já muito sentida na época romântica, embora percebida apenas por alguns aspectos particulares nas épocas precedentes, inclusive a antiguidade greco-latina. Hoje, esta diferença em geral assume a forma de contrastes com certo desprezo para com a “literatura”, que só encontra defensores entre os destemidos que sentem uma espécie de prazer em parecerem retrógrados e reacionários. O contraste e o desprezo não encontram uma justificativa lógica e os motivos que conduzem à própria distinção nem sempre são bons, fazendo com que a diferença nem sempre corresponda à verdade. No entanto, ela persiste substancialmente, e, vagarosamente afirmada nos dias atuais, se mostra necessária e útil para ajuizar e desfazer confusões que, de outro modo, continuariam a nos atormentar.
Mas o que é literatura? Qual a sua definição, isto é, a sua natureza, seu nascimento ou gênese no espírito humano? Em decorrência disso, qual a sua função? Procurei em muitos livros, em quase todos os de estética, poética e retórica e (certamente por não ter procurado bem) não encontrei resposta para a pergunta ou achei-a insatisfatória. Eu mesmo, que há muito tempo estudo poesia e literatura, me apercebi de nunca ter assumido a resolução de penetrá-la a fundo, nem de tratar à altura para responder todas as dificuldades e objeções que agora me proponho. Uma coisa é possuir um conceito e outra é ter consciência dele, ou melhor, redescobri-lo renovadamente e defini-lo em função das dificuldades surgidas e das objeções propostas. E, no entanto, isto é o que o homem sempre se vê obrigado a fazer, pois, ao contrário dos animais e dos deuses, está condenado a pensar.
Em futuras postagens pretendo fazer novas abordagens sobre poesia e literatura sob a perspectiva de Benedetto Croce, como expõe no seu livro A poesia.


REFERENCIA:
CROCE, Benedetto. A Poesia. Introdução à Crítica e História da Poesia e da Literatura. Tradução de Flávio Loureiro Chaves. Edições da Faculdade de Filosofia da Universidade Federal do R. G. Do Sul. Porto Alegre, 1967, págs. 5-6.
LAROUSSE, Petit. Dictionnaire Encyclopédique Pour Tous. 24ª tirage. Paris: Librairie Larousse, 1966.


   *  *  *


5 comentários:

  1. Uma boa indicação, Pedro Luso. Fiz especialização em Teoria da Literatura, tendo como texto-base o livro La Poesia, de Croce. Estou me lembrando agora: Tenho escrito ultimamente que poesia é imagem, e ponto. Se você não cria imagem não cria poesia. Isso está lá em Croce. Que chega a exagerar - na busca da poesia pura, que vê em Dante. Em Camões, nos Lusíadas, aí o exagero, nem via poesia.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Pedro, muito boa a sua postagem.
    É imprescindível conhecer Croce para compreender o que é literatura.

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    passando para desejar a você,
    um bom fim de semana,
    fui pega por varias ites....sinusite,
    faringite e por ai vai.estou pessima ai ai ai
    volto na segunda.
    beijos.
    muito bo indicação!
    otima postagem..

    ResponderExcluir
  4. Querido Pedro, gostei muito do seu blog
    já estou te seguindo.
    Se desejar fazer parte da minha sala de visita fique a vontade.
    http://blogdocarloshamilton.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. ░░░░░░░░
    ░█▀█░♥░░
    ░█░█░░░░
    ░█░▀▀▀█░
    ░▀▀▀▀▀▀░
    ░░░░░░░░░░░░░
    ░▄███▄░▄███▄░
    ░███████████░
    ░▀█████████▀░
    ░░░▀█████▀░░░
    ░░░░░▀█▀░░░░░░░░░░░░░░░░░░░
    ░█▀▀▀█░░░░░█▀▀▀█░█▀▀▀▀▀▀▀█░
    ░▀▀█░▀▀█░█▀▀░█▀▀░█░░▀▀▀░░█░
    ░░░▀▀█░▀▀▀░█▀▀░░░█░░▀▀▀▀▀█░
    ░░░░░▀▀▀▀▀▀▀░░░░░▀▀▀▀▀▀▀▀▀░
    ░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░ ★MaRiBeL★

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO