>

2 de mai. de 2022

[Poesia] PERIGOS DA CIDADE – Pedro Luso de Carvalho

 

Porto Alegre - RS / Brasil



PERIGOS DA CIDADE

                          Pedro Luso de Carvalho




O risco está na rua,

aonde passas distraído

num mundo de sonhos,

dores e remorsos –

manchas na alma.


Está ainda na esquina,

ângulo e armadilha

– duas ruas, dois riscos –

aonde caminhas tonto

pelo calor e brilho do sol.


O risco está na praça,

onde a rua desemboca,

quando passeias na tarde,

em que sentas e dormes

com os risos das crianças.


O perigo está na cidade,

na rua e na esquina,

na avenida e na praça,

onde o bandido espreita,

incansavelmente.





________________//________________






31 comentários:

  1. Hola Pedro. Es cierto el peligro está en la calle aunque no nos demos cuenta ni nunca nos toque sufrirlo, pero cada vez proliferan más los que provocan esa inseguridad.
    Hermoso poema que define el riesgo en cualquier esquina.
    Muy bonita la foto que compartes.
    Un abrazo y buen día.

    ResponderExcluir
  2. O perigo está em todo o lado. Temos que estar atentos ao chão que pisamos para não sermos surpreendidos até pela nossa própria sombra. Gostei do poema, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Um poema que mostra os perigos do nosso país .
    Infelizmente estamos a deriva dos bandidos.
    É uma verdadeira guerra, até quem mora nos Sítios longe das cidades estão sendo vitimas dos bandidos.
    Só Deus para nos proteger.

    Amigo Pedro, tenha uma boa semana e um feliz mês de Maio, com
    Saúde e muita paz.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Pedro, linda a tua poesia e infelizmente o perigo está em todos os lugares nessa nossa cidade e em todas. Todo lugar é lugar para esses bandidos estarem esperando vítimas fazer.
    abração, linda semana! chica

    ResponderExcluir
  5. Há sempre perigo em todo o lado, mas o risco é maior nuns sítios do que noutros.
    Magnífico poema, que põe o dedo numa das maiores feridas sociais.
    Boa semana, caro amigo Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Fabulosa publicação! :)
    -
    Não adianta contrariar o coração...

    Beijos, e uma excelente semana

    ResponderExcluir
  7. O perigo está em todos os lugares, bandidos para todos os lados e a segurança está por vir. Isso, se vier! Acredite se quiser.

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  8. Belo e muito profundo poema Pedro. Parabéns!

    Abraços e muita saúde para todos.

    Furtado

    ResponderExcluir
  9. Estupendo poema em que denuncia algo que não deveria acontecer , pelo menos frequentemente, numa cidade : o risco de um perigo sempre espreitando.

    Abraço cordial com voto de semana boa, meu amigo

    ResponderExcluir
  10. Hay ahora más peligro en las calles, los delicuentes nunca descansan.

    Besos

    ResponderExcluir
  11. Ciudad moderna: lugar donde los rostros esconden las intenciones de quien te mira de soslayo, rostros que esconden las conciencias, miradas que inquietan, que rompen nuestra paz... es un buen punto de partida para que comencemos a preguntarnos qué hacemos los hombres con nuestra vida y qué hace el gobierno y la policía. Ha sido un placer, como siempre. Saludos muy afectuosos y cordiales.

    ResponderExcluir
  12. Nunca consegui entender essa insegurança que se vive, principalmente, nas cidades grandes onde não se pode caminhar, com calma, sem medo de assaltos, por vezes tão violentos. Costuma-se dizer que essa situação se deve às desigualdades sociais, à concentração das riquezas em " meia dúzia, de mãos, enquanto tantas outras não têm onde pegar um pão para a boca; acredito que esse seja um dos factores, pois a revolta entranha-se em determinadas pessoas transformando - as em criminosas, mas, Pedro, acho que não é só isso; há muitos pobres, muitas pessoas que se vêem em situação de miséria e são incapazes de assaltar ou de roubar um simples pão; esses pedem ajuda e, felizmente, encontram sempre quem os ajude. Há outros factores que os levam por outros caminhos, como por exemplo, a droga e a facilidade em adquirirem armas torna-os ainda mais perigosos. E há um facto que gostaria de salientar, a mania que temos em ostentar aquilo que o dinheiro nos permite ter; os telemóveis, cada vez mais sofisticados, são apeteciveis àqueles que não os podem ter e, por acaso, há necessidade de andarmos a passear , sempre com eles na mão, muitas vezes atravessando a rua sem qualquer atenção ao trânsito ? Não há um bolso ou uma carteira onde o coloquemos? Apesar da multa pesada, vejo muitos condutores usando o telemóvel e param num sinal vermelho continuando a conversa, sem se preocuparem que, perto deles, pode estar alguém ansioso por ter um aparelho desses. Não há nada que justifique esses actos, mas a ostentação também pode ser evitada. Vivemos " num mundo de sonhos, dores e remorsos " e os sonhos que muitos não conseguem realizar " mancham-lhes a alma " que escurece de maldade. Dores, têm muitas, esses seres infelizes e remorsos? Acredito que alguns deles também os tenham. Pedro, o teu poema retrata um problema muito sério que nos preocupa e que é dificil de resolver...não sei...mas talvez haja também falta de educação por parte dos pais; hoje, eles têm dificuldade em dizer um " não " às crianças e elas não ficarão preparadas para as frustrações que terão de enfrentar quando crescerem. A vida vai dizer-lhes o NÃO que os pais não souberam dizer. Não entendo nada deste assunto, caro Amigo e o que acabo de escrever não passa de uma simples opinião e, portanto, pouco ou nada vale. Quem me dera ser " perita " e conseguir resolver este grave problema, mas...sou pequenina demais , Pedro! Gostei do poema, mas do tema...bem...acho que nem tu gostas, não é verdade, Amigo? Um beijinho e que tudo corra bem quando passeares pela linda cidade de Potalegre, sem bandidos por perto
    Emilia

    ResponderExcluir
  13. senti um arrepio com o ambiente das "cidade sem alma" que tão bem retratas-
    abraço, meu caro Pedro Luso

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, amigo Pedro,
    Assim é meu amigo. Principalmente nas grandes cidades e em certos locais é de facto muito perigoso.
    Excelente poema! Onde retrata uma realidade bem presente no nosso quotidiano.

    Votos de uma excelente, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Uma das grandes vantagens de Macau, uma cidade excepcionalmente segura.
    Abraço

    ResponderExcluir
  16. Bom dia, Pedro.

    Algo sério está acontecendo dentro das cidades, e estamos impotentes para fazer qualquer coisa em relação à isso, tamanha incoerências.

    Bela poesia.

    ResponderExcluir
  17. Muy bien reflejado en tu poema ese peligro que siempre nos acecha.
    Excelentes tus letras.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  18. Muy bien reflejado en tu poema ese peligro que, día a día, siempre nos acecha.
    Excelentes tus letras.
    Un beso .Feliz semana.

    ResponderExcluir
  19. Estimado amigo Pedro, hoy da, el peligro nos acecha en cualquier lugar y en cualquier momento.Las calles se están haciendo intransitables como bien recoges y expresan tus bellos versos. Las leyes y la justicia parecen hechas para ellos y castigar a gente honesta y de buena voluntad. Tenemos un mundo del revés.
    Un fuerte abrazo amigo y te deseo, paz y amor en tu vida.

    ResponderExcluir
  20. As crianças da tua geração e da minha geração tinham liberdade de brincar nas ruas, nas praças, de soltar pipas (sem cerol), de jogar bola, bolinha de gude, de andar de velocípede e bicicleta, de brincar de esconde-esconde, etc..., mas, hoje as ruas são dos traficantes, das milícias, da bandidagem generalizada.
    São tempos sombrios e viróticos, meu amigo Pedro, que infelizmente saem de teus versos e tornam-se realidade nua e crua nas grandes urbes espalhadas pelo Mundo.
    Um grande abraço e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde Pedro
    O perigo está em toda a parte!
    Não só na rua, por vezes em casa através do PC.
    Aqui em Portugal não é ainda muito grave, mas temos de estar atentos a todos os perigos, venham de onde vierem.
    Um poema que se impõe a uma sã reflexão.
    Dia e semana feliz!
    :)

    ResponderExcluir
  22. Felizmente aqui em Portugal, ainda não sinto esse medo do perigo, mas penso que o risco pode sempre ocorrer, basta estarmos no sitio errado, à hora errada.
    Interessante e reflexivo poema.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  23. Nada mais certo, caro Pedro. Confiadamente, vamos andando e as armadilhas espreitam. Poderemos pensar que estamos seguros, que se pode passear sem medos mas nem sempre é assim. Como bem diz, cada esquina, cada rua pode representar um perigo.
    Gostei muito do seu poema.
    Tema de reflexão, como sempre acontece aqui.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  24. Amigo, Pedro, Passando reler esse belo poema e desejar um bom fim de semana.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  25. Olá, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito gostei, e desejar um Feliz fim de semana, com muita saúde.

    Abraço amigo

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Bom fim de semana mestre.
    De noite a cidade parece que dorme, mas não.
    As criaturas da noite se liberam e nos assustam e elas já não perambulam só pelas noites, elas vagam pelos raios solares, pelo dourado da tarde e a vida tornou-se um grande perigo.
    Viver é muito perigoso Pedro.
    Um feliz dia de todas as mães de sua vida amigo.
    Meu terno abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  27. O perigo está por toda parte,Pedro
    Nem nas nossas casas estamos seguros.
    Lamentável, isso.
    Desejo um Feliz Dia das Mães para as mães da sua família.
    Um grande abraço.
    Verena.

    ResponderExcluir
  28. Como diziam os antigos "viver é perigoso". e também como se dizia é bom estar "com um olho no peixe e outro no gato". Pensei em muitos ditados e percebi que nunca estiveram tão contemporâneos ...quem sabe que "depois da tempestade venha a bonança".
    Um abraço

    ResponderExcluir
  29. É Pedro,
    O perigo ronda.
    Lindos versos sobre uma
    realidade.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  30. É Pedro,
    O perigo ronda.
    Lindos versos sobre uma
    realidade.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  31. Adorei o poema. E imaginei-o de imediato ligado a uma qualquer grande cidade... mas às vezes, até nas pequenas cidades ou aldeias, acontecimentos perigosos também ocorrem! Por isso, creio que o perigo mora em qualquer lado... Cabe-nos a nós, também recorrer a alguma dose de cautela, para evitar muitas situações... que não nos trazem qualquer vantagem. Existe uma grande variedade de circunstâncias que não podemos evitar... mas haverá muitas outras, que poderemos ajudar a não as despoletar...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho