>

31 de mar de 2011

MARIO QUINTANA / Natureza

Mario Quintana

                                 por  Pedro Luso de Carvalho
               

           O poema em prosa, que segue, Natureza, de Mário Quintana ((1906-1994), foi extraído de seu livro Na Volta da Esquina, Porto Alegre, RBS/Editora Globo, 1979, p.45-46:

                                 
                
                                              [ESPAÇO DA PROSA POÉTICA]

                                                                NATUREZA
                                                                 (Mario Quintana)

     
       Não, nada de piqueniques! O encanto das paisagens numa tela é que elas não têm cheiro, nem temperaturas, nem ruídos, nem mosquitos. Nada, enfim, do que acontece nas desconfortáveis paisagens reais. Quando estive no Rio, o P.M.C.¹, meu colega, amigo e editor, se ofereceu para “uma tarde destas” me mostrar o Rio. Agradeci-lhe horrorizado: 

        - Não, muito obrigado, Paulinho! Eu sou evoluído: o que mais me agrada no Rio são os túneis... 

        Creio que ele suspirou de alívio.

        Pois bem que ele deveria saber, como poeta de verdade, que nunca se deve ser apresentado a uma paisagem. É uma situação embaraçosa. Nem ao menos se lhe pode dizer : “Muito prazer em conhecê-la, minha senhora!”

        Esse não pode ser um conhecimento voluntário, aprazado, mas uma lenta osmose inconsciente, de modo que no fim se fique pertencendo à paisagem, e vice-versa.

        Não se pode conhecer nada num minuto e só por isso é que os turistas não conhecem o mundo.

        Jamais acreditei em observação direta, principalmente quanto à criação poética. Tanto assim que quase dei a um de meus livros o belo título de “O Viajante Adormecido”. Só não o fiz porque a Gabriela me observou que o poderiam apelidar de “O Leitor Adormecido”...

        Fraqueza minha! E por que não o “leitor adormecido” mesmo? A comunicação poética, no seu mais profundo sentido, não é acaso subliminar? Os poetas que dizem tudo acabam não dizendo nada. Porque a poesia não é apenas a verdade... É muito mais!

        A Poesia é a invenção da Verdade.



¹ P.M.C. - Paulo de Mendes Campos, poeta mineiro.

                                                         
                                                          *  *  *

       
 [Para conhecer um pouco da vida e da obra o autor, clique em MÁRIO QUINTANA].


                                               

4 comentários:

  1. Certa vez um amigo veio me visitar. Ele vinha de uma cidade com aproximadamente 500 mil habitantes, e nesta de algo em torno dos 30 mil quis andar para conhcer. Mas o que mostrar? que cantos lhe apresentar?
    No final da visita, uma conclusão: ele, um desconhecido, me apresentou a minha própria cidade, aos encantos, às coisas despercebidas por estes olhos míopes.
    Às vezes somos tão pretensiosos...

    Lindo o texto do Quintana...

    Bjs

    Para o blog dp Pedro luso.

    ResponderExcluir
  2. Sensacional, Pedro. Adorei.

    Aliás, me compadeço do sofrimento do Quintana: também prefiro os túneis aos matagais (cheios de coceiras, insetos e surpresas peçonhentas). Homus Urbanus.

    abço
    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Lindo,só Quintana.
    Mas amo a NATURA e uso of
    Bela escolha.

    Com admiração,

    Cris



    Apareça.

    ResponderExcluir
  4. É sempre bom ler e reler Quintana.
    bjs

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO