>

10 de nov. de 2021

[Poesia] DISTANCIAMENTO / Pedro Luso de Carvalho

 

Nighthawks 1942 -  Edward Hopper




       DISTANCIAMENTO

              - Pedro Luso de Carvalho



Esta não é uma tarde qualquer,

não é como outras tantas tardes,

dos bons e saudosos tempos,

sob o sol de todas as estações.


Esta não é uma tarde qualquer,

não é como outras tantas tardes,

dos folguedos todos da infância,

mundo à parte d’outros mundos.


Esta não é uma tarde qualquer,

não é como outras tantas tardes,

não é como outras que eu vivi,

no deslumbrar da juventude.


Esta não é uma tarde qualquer,

não é como outras tantas tardes

em que vivi bem mais à frente,

com meus êxitos a comemorar.


Esta não é uma tarde qualquer,

não é como outras tantas tardes,

esta tem um peso de chumbo,

peso que eu mal posso suportar.


Esta não é uma tarde qualquer,

não é como outras tantas tardes,

é uma tarde de distanciamento,

uma inútil tarde de fria solidão.



 

__________//__________






35 comentários:

  1. Una dimensione del tutto diversa di vita, in un momento di triste solitudine, che nuoce pesantemente al cuore...
    Versi apprezzati.
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  2. A pintura de Edward Hopper significa bem a solidão e o distanciamento das pessoas. É terrível o sentimento de que se está só mesmo que haja alguém por perto. A solidão tem mesmo o peso do chumbo difícil de suportar... Excelente, meu Amigo Pedro.
    Tudo de bom para você.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Tardes de distanciamento ...Muito triste! Fico feliz que agora, pelo menos com a família podemos nos encontrar mesmo continuando com todos cuidados. Beleza de poesia,Pedro! abração, lindo dia.chica

    ResponderExcluir
  4. Olá, amigo Pedro.
    Um belo poema, que reflete os tempos difíceis que vivemos. Onde a nossa forma natural de vivemos o dia a dia, está condicionada pela pandemia.

    Gostei muito.

    Continuação de boa semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, Pedro.
    Temos tantas tardes bem vividas em nossas vidas, porém como bem o dizes em seus versos, elas mudaram, e para piores. Tanta coisa ruim acontecendo e nós nos escondendo. Até quando nossas tardes serão diferentes?
    Belo poema. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde Pedro,
    Um poema magnífico que fala dos sentimentos por que estamos a passar, porque apesar de tudo estar mais calmo, a pandemia ainda não foi embora.
    Beijinhos e continuação de boa semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  7. Inmenso poema.
    Triste pero muy bello.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  8. Pedro,
    É assim que a gente
    e as gentes vamos seguindo
    assim tão sozinhos.
    Lindos e sentidos
    versos.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  9. Bunas tardes amigo Pedro, por desgracia, existen muchas de esas tardes de soledad para muchas personas, una situación complicada, difícil de llevar y de entender, ya que algunos se llegarán a preguntar que han hecho mal en la vida para verse tan solos y en esa situación, algunos encontraran respuestas algo complicadas, pero otros muchas no llegaran a comprender, como bien lo muestra el cuadro de Hopper.
    Un gran abrazo y buen resto de semana, amor y paz amigo.

    ResponderExcluir
  10. Y a pesar de tanto aislamiento, siguen habiendo contagio, con nada más que disminuye las restricciones.

    Besos

    ResponderExcluir
  11. Una poesía muy bella y creo que en ocasiones estamos mas solos en grandes bloque de edificios que en un pequeño pueblo.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  12. E essas tardes, soturnas como noites, já se prolongam há quase dois LONGOS anos.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  13. Una poesía preciosa aunque triste con ese halo de soledad que expresan los versos, y que se leen muy bonitos con esa repetición en cada estrofa como si fueran un estribillo.
    Un abrazo Pedro y que pases un buen día.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha amiga Elda.
      Tu sabes que gosto muito dos teus belos poemas.
      Um bom final de semana, querida amiga.
      Beijp.

      Excluir
  14. Grazia Denaro18:34

    La solitudine è una brutta sensazione, a volte la si sente dentro l'anima anche se siamo attorniati da tante persone. Ci si sente gelati, certo ci dev'essere un motivo negativo per farci sentire così. Versi che immedesimano nella lettura della poesia. Un caro saluto amico Pedro, Grazia!

    ResponderExcluir
  15. Olá, Pedro!
    Lindo poema, cheio de sentimentos.
    É isso mesmo, essa solidão já se aproxima de dois anos e damos graças as famílias que estão todos em paz.
    Votos de boa noite e feliz sexta-feira.
    Um abraço amigo.

    ResponderExcluir
  16. Olá, amigo Pedro.
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar um Feliz fim de semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Oi, Pedro...a solidão é viciante...tudo tão perto pela televisão e a vida como vista por um binóculo... lembro agora dos versos de Drummond: " E AGORA JOSÉ?'
    um abraço

    ResponderExcluir
  18. Olá, amigo Pedro.
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar uma excelente semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Sentidas e profundas palavras num belíssimo poema.
    O confinamento trás a solidão, mas é um meio para tentar conter a propagação desse maldito vírus.
    Boa semana
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha amiga Maria Rodrigues.
      É sempre com satisfação que recebo tuas visitas e os ótimos comentários.
      Aproveito o ensejo para indicar o teu blog com edições com fotografias, sempre belíssimas.
      Um bom final de semana para ti e família.
      Beijo.

      Excluir
  20. ¿Y si, en el último minuto de la tarde, cambiara el rumbo de la vida?
    ¿Y si, dejara de soplar el viento norte y una suave brisa meciera los cabellos?

    Nunca se sabe cuando la meteorología cambiará sus planes...

    ResponderExcluir
  21. Tantas tardes já vivemos Pedro, tardes de infância feliz e despreocupada, onde correr na rua, brincar de bola ou de casinha era um deslumbre, mesmo sendo a bola de trapos, as bonecas de papelão e as casinhas construidas com pequenos arbustos, folhas e pauzinhos encontrados no quintal de nossos pais; parece que ainda as vejo debaixo das ramadas , protegidas assim do calor do sol e a saudade bate. A essas, outras tardes se seguiram, já com outras responsabilidades, problemas a serem resolvidos, dores e perdas, contentamentos , encontros, desencontros, mas sempre tentando caminhar juntinhos com os nossos queridos familiares e com grandes amigos que foram aparecendo, juntando as tardes deles às nossas, numa convivência que nos unia, apesar das diferenças, das qualidades e defeitos de cada um; sabiamos perdoar, pedir desculpa, aceitar, reconhecendo assim que todos nós erramos e que,com compreensão , não há motivo para distanciamento. Mas, tudo muda, Pedro e, com o passar do tempo, também nós mudámos e começamos a chegar à triste conclusão de que as pessoas se afastam umas das outras, porque andam preocupadas demais com os seus afazeres e nunca têm tempo para os outros.; creio que também nós já nos afastamos pela correria da vida, já deixámos de visitar amigos, alguns doentes, por falta de tempo e, agora que esta pandemia nos forçou a abrandar, vimos que não valeu a pena tanta correria. Sabes o que costumo dizer, Pedro? Não temos tempo para visitar um amigo ou um familiar doentes, mas, quando se vão, arranjamos maneira de ir ao funeral, mesmo que tenhamos de faltar ao trabalho. Para que? Simplesmente porque " é feio " perante a familia, não estarmos presente nesse último adeus. Já fiz isso, Amigo, mas arrependo-me muito. Parece que me tenho distanciado de ti, dada a minha ausência, mas, não! A distância é só a do oceano que nos separa, porque a amizade continua e vocês os dois estão bem perto de mim, num lugar especial do meu coração, aquele lugarzinho destinado aos grandes Amigos. Como sempre, um belo poema , embora triste. Um beijinho e saúde para todos aí. Por cá, as coisas estão a piorar, infelizmente
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha amiga Emília.
      Tu sabes quanto eu e a Taís gostamos de ti. É sempre com algria que recebo tua visita e os teus amáveis comentários.
      Um bom final de semana para toda tua família.
      Beijo, querida amiga.

      Excluir
    2. 🙏 🇧🇷 🇵🇹 🌻

      Excluir
  22. Olá, Pedro!
    Um lindo poema de profundas palavras, uma refleção sobre tudo o que passamos desde 2020. Confinamento e solidão, faz parte dos nossos dias.
    Tenha continuação de boa semana.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  23. Perfeita ilustração do sentimento de distancia, que causa isolamento, distanciamento, frieza, abandono numa tarde como tantas outras. Um belo trabalho Pedro para definir este momento, esta condição imposta. Mas é certo, que vamos atravessar e encurtar distancias e melhorar relacionamentos, quando a tarde passar com seus fantasmas.
    Abraço amigo e feliz semana.

    ResponderExcluir
  24. Thank you for nice information
    Please visit our website.. . .

    ResponderExcluir
  25. Existem tardes ( e dias) assim...

    mas, pelo menos, daí saiu um belo poema, meu amigo.

    Abraço amigo

    ResponderExcluir
  26. Aqui o distanciamento te inspirou lindamente, Pedro
    Excelentes versos!
    Um grande abraço
    Verena.

    ResponderExcluir
  27. Un poema muy profundo, la distancia es también fruto de inspiración.
    Un placer leerte Pedro.
    Después de un largo descanso os voy visitando
    Abrazo amigo.

    ResponderExcluir
  28. Olá, amigo Pedro!
    Nunca mais vivemos uma tarde como antes.
    Até a natureza chora de tristeza.
    Dias passam sem grandes movimentações.
    Noites em silêncio e solidão.
    Não é um ano qualquer...
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  29. Tardes que representam momentos, anos vividos em cada etapa
    da vida e que nos parecem irrepetíveis. À luz das nossas
    experiências recentes há como que uma barreira a separar-nos
    das nossas alegrias do passado.
    Mas, sabemos que havemos de voltar a rir e a andar pelas praças
    e jardins e aspirar os perfumes que as flores nos oferecem.
    E enquanto isso, "Il faut cultiver notre jardin", como aqui
    faz o nosso amigo Poeta Pedro Luso, nos seus poemas e reflexões.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  30. Sentimentos, que nos têm acompanhado há quase dois anos! Apesar de tudo, o tempo continua na sua marcha impiedosa... parece que foi ontem que tudo começou...
    Gostei imenso do inspirado poema, que tão bem traduziu um estado de alma, com que todos nos identificamos... principalmente num ou outro dia, em que tudo nos parece mais duro de suportar... pois afinal, esta maldita pandemia, ainda persiste, sem um fim ainda definido à vista...
    Supostamente já haverá alguns medicamentos que apresentam resultados bastante promissores... a ver vamos se já estarão disponibilizados no mercado, ao longo do ano que vem... e nos devolvem mais um pouco de normalidade, a par de novos e melhorados reforços de vacinas...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho