>

10 de mar de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO - As palavras





AS PALAVRAS
- PEDRO LUSO DE CARVALHO




Quem sabe, num dia de sol
possa resgatar as palavras, 
os espinhos no labirinto.

Quem sabe, protegidas d'alma
essas palavras, esquecidas
nos desvãos ácidos do tempo.

Quem sabe, venha a inspiração
com o retorno das palavras,
para o poema que quer luz.

Quem sabe, surja meu poema
com as palavras esquecidas,
em brincadeiras de menino.





*   *   *






37 comentários:

  1. Boa noite de paz, amigo Pedro!
    O coração de menino tem livre acesso às belezas da vida. Dá grande abertura ao acesso às palavras livres e perfeitamente encaixada como as que encontrei sabiamente poetadas no contexto da boa literatura e bonita do poema seu.
    Tenha dias felizes e abençoados por Deus!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  2. Muy grato leer tus bellos poemas.
    Un placer visitarte.
    Un beso.
    Feliz semana.

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez, um magnífico poema!

    Desejo-lhe uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  4. El retorno de las palabras siempre es bienvenido, amigo Pedro, sobre todo y en este caso para completar otro de tus poemas cortos llenos de sabiduría y humanidad.

    Saludos australes.

    ResponderExcluir
  5. Hay veces que las palabras no regresan en un tiempo, pero en este caso regresaron en tu poema con belleza para contarlo.
    Me encantan las pinturas de Renoir.
    Un abrazo y buena semana.

    ResponderExcluir
  6. As palavras sempre surgem pelo caminho e tomara sejam sempre iluminadas...Lindo poema,Pedro! abraços, chica

    ResponderExcluir
  7. Amei o poema!! Parabéns:)
    Beijos e um excelente dia

    ResponderExcluir
  8. "Quem sabe, surja meu poema
    com as palavras esquecidas,
    em brincadeiras de menino."
    As palavras a precisarem de inocência para se soltarem. O seu poema a convocar a luz para esquecer as sombras… Muito belo!
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Se olvida por un momento, pero de nuevo vienen otra vez a la memoria.

    Besos

    ResponderExcluir
  10. As palavras são mágicas. Elas fazem a paz e a guerra, a felicidade e a desgraça. Elas fazem até bonitos poemas como este.
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Estou de acordo com a Elvira "as palavras são mágicas" gostei bastante deste belo poema amigo Pedro e aproveito para desejar uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  12. Hola Pedro, esas "PALABRAS OLVIDADAS" hay que traerlas a tierra para que no se pierdan.
    Feliz día.
    Un beso

    ResponderExcluir
  13. Muito bonita e inspiradora a sua poesia.

    ResponderExcluir
  14. Há palavras que respiram por guelras

    ResponderExcluir
  15. Labor do poeta cuidar das palavras para que respirem em "liberdade livre" e na busca da sua "inocência" e simplicidade primordiais, se desembaracem de estridências agudas e efeitos vistosos que, por vezes, tanto as maculam.

    a tua poesia tão despojada e tão plena de sentido
    é exemplar a diversos títulos, caro Pedro Luso.

    grande abraço

    ResponderExcluir
  16. Pedro Bom dia de quarta-feira.
    Toda a poesia é fantástica
    mas volto a essa estrofe
    "Quem sabe, num dia de sol
    possa resgatar as palavras,
    os espinhos no labirinto."
    Verdadeiramente lindos versos!
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  17. E como seria bom... se as palavras fossem sempre usadas... sem espinhos, nem sombras... apenas espalhando beleza... como num belo jardim florido... fazendo por tornar tudo à nossa volta, bem melhor...
    Um poema muito belo, que de uma forma subtil, nos mostra os vários alcances, e fins, da palavra...
    Beijinho! Desejando a continuação de uma óptima semana...
    Ana

    ResponderExcluir
  18. Pedro

    quem sabe?! e você seja novamente menino e a inpiraçao seja um rio de palavras

    gostei muito.

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  19. Quem sabe... sabe...
    Porque o poema é magnífico.
    Caro Pedro, bom resto de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Quem sabe se não é o menino que sonha invocar, novamente, as palavras.
    Quem sabe...

    Um abraço

    ResponderExcluir
  21. As palavras sedutoras escondem-se e em véus de poesia sempre disfarçam , mas deixam entrever todos os sonhos escondidos...e assim tudo se diz como se não pudesse.
    Belo poema!

    Um abraço

    ResponderExcluir
  22. Namoro este belo Renoir amigo e fico na sua inquietação,
    onde as palavras parecem fugidias, e o poema a mendiga-las,
    e numa revoada de passarinhos coloridos, elas sobem ao ar,
    e assim se agasalham na pagina do nobre escritor poeta.
    E nós ficamos aqui admirados e aplaudindo.
    Belo trabalho da nossa poesia amigo.
    Um bom fim de semana para vocês.
    Meu terno abraço de paz.

    A violência existe e nos entristece, mas a poesia vem gritar por nós.

    ResponderExcluir
  23. As palavras podem não brotar no momento exato em que os poetas desejam, mas brotam sentimentos que sabem substituí-las maravilhosamente. E sentimentos, todos compreendem, pois é emoção, e emoção quando se manifesta, não há nada que a substitua.
    Muito lindo, meu poeta!!!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  24. El mejor poema cuando juntas las el (no) olvido con la mirada del niño
    Abrazo

    ResponderExcluir
  25. Pedro Luso que sabe se o poema terá razão, mas que e gostoso de ler é. A ilustração é como outro poema.
    Abraço

    ResponderExcluir
  26. Que harmonia, meu amigo! Realmente a infância é o mais luzido poema a que podemos aspirar. E, não há dúvida, que soubeste incorporar essa magia.

    Beijo, Pedro.

    ResponderExcluir
  27. Con la belleza de la luz del sol, siempre se puede rescatar palabras bellas. Porque la palabra es bella en si misma está llena de vida.
    Hermoso poema, Pedro.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  28. OI PEDRO!
    LÚDICO.
    QUEM SABE DAS PALAVRAS CERTAS PARA QUE O POETA CRIE, É O MENINO QUE CADA UM FOI.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  29. Pedro Luso, meu amigo,
    Perdão pela minha ausência!
    Eu peço a tua clemência:
    Tenha paciência comigo!

    Esclarecer, nem consigo
    Palavras! Mas tens ciência
    Que toda nossa vivência
    É relacionamento antigo

    Que chancela o teu perdão
    Por minha falta que em vão
    Faço a justificativa.

    Quero que saibas irmão,
    Quando vou para Armação
    Minha alma é dela cativa.

    Meu nobre e prezado amigo, mea culpa, mea maxima culpa! Estive fora da blogosfera desde de dezembro e quando voltei, comecei a pagar dívidas de quem veio tanto em meus espaços, pois minha mulher ainda criou uma fanpage para me relacionar com "o mô povo" da praia. E nessa fanpage como é do facebook, tem mais aderência dos meus amigos pescadores de Armação... Bem, cá estamos! Parabéns pelo poema maravilhoso que vem do teu cerne da alma. Os meus, vêm do cálculo matemático contando pés de versos e engendrando rimas. Lindo poema, amigo! Deus seja louvado! Abraços! Laerte.

    ResponderExcluir
  30. Caro amigo Pedro se achas que este poema maravilhoso, precisa de luz, de sol, e de mais palavras! O que poderemos dizer de um poema seu com todos esses requisitos? Que diga-se de passagem todos eles estão aí neste poema, que repito MARAVILHOSO.
    Grande Abraço, Léah

    ResponderExcluir
  31. A ilustração é explêndida!

    Quanto ao poema, suas dúvidas dão a cada um uma viagem peculiar, digna do mesmo.

    Abraços, meu querido!

    Proseando num dia

    ResponderExcluir
  32. Porém, Pedro, ficou um belo poema, bem em conformidade com o seu estilo depurado e contido.

    Regressando de uma pausa, gostava de o ver no meu blogue, onde deixa sempre palavras gentis e amáveis, mas muito raras...
    Embora não seja o seu dia D, tenho um mimo para si.
    Abraço, Amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  33. Esa mirada hacia tiempos de luz está llena de esperanza. Ansiando nuevos y buenos tiempos que están al llegar.
    Saludos desde Barcelona en primavera.

    ResponderExcluir
  34. Até achar a música que escorre das palavras quando desaparece a treva momentânea, não há coisa melhor que este jogo, esta brincadeira com as palavras e acordá-las, abrindo vertentes quando se transformam em jorro... Maravilha de poema!
    Um abraço, caro amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  35. Poema que corre ao "contrário" até à última estrofe. Cresce de intensidade para um desenlace belíssimo do menino cujas palavras crescem e soltam-se da natureza pura.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  36. Há "palavras" luminosas que nos atraem sem que o sintamos.
    Talvez por isso eu me encontrei com elas agora, neste exacto momento.
    Pedro, mais uma belo poema, querido amigo.
    Beijo.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO