>

22 de mai. de 2022

[Poesia] A MENINA E A CHUVA – Pedro Luso de Carvalho

 

Praça da Alfandega - Porto Alegre / Brasil




A MENINA E A CHUVA

               – Pedro Luso de Carvalho




A chuva caia incessantemente

na tarde já na beira da noite.

A menina olhava da janela

a rua molhada lá embaixo,

aonde andava trôpega gente.


E continuava a chuva fina,

que se estenderia na tarde.

E a menina ainda lá na janela

diante de uma gota d’água,

gota que na vidraça brilhava.


O deslumbramento da menina

com a brilhante gota da chuva

a descer pelo fio de luz,

chegou na vidraça e explodiu.

Então, do deslumbre fez-se a névoa.




___________//__________






25 comentários:

  1. Por aquí agradeceríamos algo de ese agua que os llueve por allí y nos narras en el bello poema cuya protagonista es una niña.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  2. Um poema que gostei bastante!!
    -
    Recebam com carinho ...

    Beijos, e um excelente Domingo.

    ResponderExcluir
  3. Estaria em Macau com esta mistura de chuva e humidade???
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  4. Deslumbrei-me com a gota de água, como a menina do seu poema. Era brilhante, mas transformou-se em névoa. A lembrar que tudo é transitório, até a beleza...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá, amigo Pedro,
    Poema muito bonito, que muito gostei de ler.
    Parabéns!

    Votos de uma excelente semana com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Amigo Pedro Luso, eis um belo poema que me entristeceu no final.
    Seria um raio que desfez a vidraça, ou, ( como eu prefiro pensar) a menina que observava a chuva caindo na rua lá em baixo, desceu e veio também caminhar sob a chuva miudinha e, quiçá, uns passos de dança ensaiar?

    Gostei muito. :)
    Um abraço, meu amigo Pedro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga Janita, a menina do poema ficou bem na sua janela, pois nada de mal lhe aconteceu. O que explodiu foi a gota da chuva ao atingir a janela, e com a explosão da gota, fez-se a névoa.
      Muito obrigado, amiga Janita,
      Uma boa semana.
      Um abraço.

      Excluir
    2. Ah, bem...quando li "explosão", fiquei logo aflita e nem reli - para entender melhor - a última estrofe. Muito grata pela informação adicional, amigo Pedro.
      Dizem que a poesia não se explica, porém, neste caso, foi para mim de grande valor a sua nformação, meu amigo .
      Muito grata.
      Um abraço

      Excluir
  7. Caro Pedro,
    Assim fiz minha leitura da menina e sua janela:
    “A menina olhava da janela” e chego a acreditar, que os olhos dela também “chovem”, pois, motivos não lhe faltam... Seja de emoção, seja de saudade... Agora, a gota que explodiu na vidraça por fora, traz emoção, névoa e lágrimas, explodindo por dentro da vidraça também.
    A menina continua na janela. observando o “andar de câmera lenta”, daquela gente que quase não consegue se mover.
    Um abraço e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  8. É belo o teu poema!
    Como todos de tua lavra
    De versos em que a palavra
    Garante a arte e o tema,
    A mensagem por suprema
    Arte que alma cria
    O que há de poesia
    No, então, texto literário
    E o engenho extraordinário
    Dá sustentação à via.

    Parabéns pela tua arte que repartes como parte da partilha. Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderExcluir
  9. Como é bom poder da janela observar a chuva, faz lembrar época do inverno na fazenda.

    Lindo poema, amigo Pedro!

    Desejos de uma excelente semana.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Um belíssimo poema, este A menina e a chuva. As crianças se deslumbram com tantas e tão simples coisas que a nós os adultos nos deixam indiferentes ou sequer vemos.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  11. La lluvia siempre tiene un encanto especial.
    Es un poema muy dulce y, sin duda, muy hermoso.
    Un placer leerlo.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde, amigo Pedro.
    Dizem que quando lemos um poema, cabe a nós o interpretarmos como o enterdermos, já não é mais o autor do mesmo. Interessante ,pois cada leitor seu, faz uma interpretação diferente, com certeza. Imaginei-me junto à janela vendo a chuva, as lágrimas rolavam em meu rosto por pena de quem estava sob as gotas molhadas. E num impulso meu choro explodiu juntando-se com a chuva. Gosto de dar outros sentidos aos versos. Gostei muito. Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Un poema hermoso Pedro, como la visión de la niña mirando la lluvia en los cristales, atenta a que hacían las gotas de agua al resbalar en la ventana.
    Versos llenos de serenidad que me ha encantado leer.
    Un abrazo, y que tengas una buena semana.

    ResponderExcluir
  14. Um belíssimo poema amigo Pedro de que gostei bastante.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  15. Bonitos versos de esta niña, que más que mirar como llueve estaba abstraída en los dibujos que le regalaban las gotas de agua en el cristal, aislándose de lo que la rodeaba.
    Un fuerte abrazo, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  16. Gostaria de saber que todas as meninas ficariam, assim, felizes e deslumbradas com a chuva que viam cair através da sua janela, uma chuva miudinha que atrapalhava as pessoas que na rua caminhavam; para essa menina do teu lindo poema, Pedro, era um encanto poder apreciar a beleza de uma gota " explodindo " na sua janela, mas, infelizmente, há tantas e tantas meninas que não conseguem essa pequenina felicidade; no casebre onde vivem nem janelas há e a chuva, mesmo miudinha e leve, teima em cair no telhado de lata e, gota a gota lá vai molhando o colchãozito que , no chão, lhes serve de cama; está triste, esta menina e tantas outras que, erguendo as mãozinhas , em oração, pedem aos céus que lhes mande, pelo menos, um raio de sol para alegrar os seus coraçõezinhos tristes. E são tantas, tantas estas meninas, Pedro... que não podem sentir esse " deslumbre, nem com as gotas da chuva, nem mesmo com os raios de sol; a vidinha delas é sempre uma " névoa " . Sinto um " arrepio " quando penso nessas crianças que nunca puderam " ser meninos " e que vão crescendo na esperança de um dia terem uma bela vidraça por onde possam ver a chuva caindo de mansinho nas ruas da sua cidade. Muitas conseguem, felizmente!
    Adorei, como sempre, Pedro. Obrigada e fica bem, com saúde , especialmente. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  17. Boa Tarde Pedro
    E o deslumbramento tomou conta da menina.
    Confesso que também gostava muito de ver a chuva cair e gostava de chapinhar nas poças de água para grande aflição da minha mãe.
    Este poema terno e belo levou meus pensamentos a um retorno à minha infância.
    Continuação de semana abençoada com muita saúde.
    Um Beijo
    :)

    ResponderExcluir
  18. Boa noite, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar a continuação de ótima semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Poema doce e ternurento. Gotas, gotinhas de chuva, ainda hoje
    adoro vê-las a cair, a minha respiração a embaciar a janela.
    É sempre um deslumbre para mim.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  20. Olá, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito gostei, e desejar um feliz fim de semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Lindo o encantamento da menina diante de uma janela a ver a vida que fluía, ainda que sob uma chuva. Que belo instante do deslizar da gota cadenciadamente até se desfazer diante dos olhos puros de encantamento.
    Belo poema do encantamento num dia de chuva.
    Abraços de paz e luz mestre.

    ResponderExcluir
  22. Uma simples gota traz beleza. Instante de magia, bem versado e encantador. Muito bom ler os seus poemas, Pedro. Abraço.

    ResponderExcluir
  23. O nosso país, está numa situação de seca tão severa, actualmente... que se uma gota de chuva cair... uma grande parte de nós ficará maravilhado a apreciar... algo há muito não visto!...
    Um belo poema, que também nos relembra, o encanto que facilmente as crianças encontram em tudo o que as rodeia...
    Um beijinho!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho