>

10 de jun de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO - Noite e Fantasmas




NOITE E FANTASMAS
PEDRO LUSO DE CARVALHO



Escrevo este poema na noite,
meus fantasmas em torno,
breu feito de mistério.


Longa é a noite, vã a espera
de ver brotar uma flor,
feito rosa na roseira.

Meu coração pede que pare,
mas temo os fantasmas,
que castigos impõem.

Perdi noites luminosas, risos
e cânticos, perdi palavras,
a alma perdi na noite.



* * *  




34 comentários:

  1. Tantos fantasmas podem se perder na noite...
    Linda poesia! Abração e linda semana! Chica

    ResponderExcluir
  2. É assustadora a noite quando os vampiros comem as rosas, os risos e as palavras. E não deixam nada.
    A tela, de Edvard Munch, tão adequada!

    Beijinho, Pedro.

    ResponderExcluir
  3. Entendo tão bem essas tentativas, essas insistências nas construções de um texto ou de um poema, e por razões diversas teimamos e nada conseguimos! As ideias não se juntam, tudo fica sem harmonia, sem encaixar a beleza com a técnica. Mas insistimos, não nos dobramos a fantasmas noturnos que aparecem para fazer o reboliço na página em branco! E porque somos insistentes, conseguimos, no entanto, construir um belo poema dizendo na real, tudo o que aconteceu!
    Noites perdidas não mais! Rosas desabrocharam e colheste o drama que podes mostrar. Com insistência pode-se conseguir um rico poema, ou um texto qualquer que venha a calhar. Sentar diante de uma tela em branco e cantar um drama, cantar o nada? Nenhuma ideia a florescer?
    Daqui, saiu um botão de rosa que desabrochou! E como gostei!

    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  4. Nella notte accadono magie e sogni inaspettati, per farci apprezzare la bellezza d'una radiosa alba....
    Buon inizio di settimana e un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  5. Por vezes é na escuridão que percebemos a luz que tanto procuramos...
    Beijinho*
    Fanny

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso poema!! Amei!

    Beijo e uma excelente semana

    ResponderExcluir
  7. Pela noite, a memória é lenta e a escuridão é o lugar de todos os fantasmas…
    Muito belo, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Los fantasmas aparecen en el silencio de la noche ocupando el lugar de los pensamientos floridos, y entonces las palabras escritas se hacen oscuras y sin perfume.
    Una sincera exposición en tu poema de los pensamientos del momento de escribir.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  9. Pedro,fantasmas todos nós podemos ter em nossos pensamentos em noite que não conseguimos adormecer,mas é possível retirá-los deixando que as flores floresçam!
    Gostei muito.
    Bjs e uma ótima semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  10. La noche es larga a veces. Y siempre misteriosa.
    Tu poema es, como siempre, muy bello.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  11. Muito bom, este poema:))

    Do Gil António: - Serás em meus versos a minha doce amada.

    Bjos
    Votos de uma boa noite.

    ResponderExcluir
  12. Fujam fantasmas "que impõem castigos" porque o poeta tem encontro marcado com a verdade da poesia.
    Pedro, mais um belo poema. A escolha do "Vampyr", de Munch, foi acertadíssima.
    Abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  13. um grande Poema, em seu "recorte" clássico, Pedro
    gosto de dessa atmosfera, que se bem leio, evoca subtilmente
    o poema Fausto (Goethe).

    (peço desculpa se esta aproximação é abusiva)

    forte abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tive essa intenção, poeta e amigo Manuel, de evocar, mesmo que sutilmente, o poema Fausto, de Goethe, mas essa sua lembrança deixa-me lisonjeado, sem ter o que desculpar, mas sim agradecer.
      Um grande abraço e boa semana.
      Pedro

      Excluir
  14. A noite Pedro não é uma criança, como queríamos.
    Nela cabem todos os fantasmas e todos os sentimentos do mundo.
    Se na noite nos danamos, nesta mesma noite nos inspiramos a exorcizar velhos fantasmas de uma infância perdida.
    Um poema, uma interiorização magnifica amigo.

    Uma semana boa neste clima terrível de Copa que vai levar a um temporário esquecimento de nossas tantas mazelas. Fazer o que?
    Meu abraço de paz mestre.

    ResponderExcluir
  15. Longa e aterradora é a noite, quando os pesadelos substituem os sonhos aprisionados nas injustiças dos dias.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Oi, PEDRO. um clima noturno que faz acordar os nossos medos primitivos. conheço bem esse clima atávico. Soube passar muito bem no poema,
    Um abraço

    ResponderExcluir
  17. Los fantasmas que llevamos dentro, salen por la noche para hacer aparecer nuestros pequeños miedos, Tan sólo nos podemos librar de ellos si nos enfrentamos abiertamente a esos miedos que invaden nuestro mundo interior.

    Besos

    ResponderExcluir
  18. Los fantasmas, amigo Pedro, nos acompañan muchas veces de día y aunque estemos muy despiertos, pero principalmente en la oscuridad de la noche en que los capta en plenitud tu vena poética.

    Abrazo chileno.

    ResponderExcluir
  19. Hay veces que los fantasmas nos persiguen, si es de noche, las horas se hacen interminables.
    Lo que no podemos consentir es que alteren nuestros sentimientos y pretendan robarnos el alma.
    Cariños y buena semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  20. Un poema que habla de miedos ocultos, de penas que no se cuenta. Me ha gustado mucho leerlo.
    Un abrazo, estimado Pedro.

    ResponderExcluir
  21. Contrarrestar las lágrimas.
    Neutralizar las penas,
    a golpe de esperanza y de poemas.

    ResponderExcluir
  22. Amigo!
    Esse eu poético, rodeado por fantasmas que castigam e acaba por perder a alma na noite, depois de perder alegres e sublimes manifestações de vida, inspira piedosa comiseração.
    Agradeço a Deus os fantasmas não me incomodarem minimamemte...
    O poema está lindo e didático, ensina que é imprescindível fazer frente forte aos fantasmas...
    O meu abraço, Pedro.
    Ps- Agradeço as palavras simpáticas que deixou no meu blogue, cheguei a pensar que já não apreciava o meu trabalho; creia que o seu incentivo me é importante. Bj

    ResponderExcluir
  23. É uma grande verdade meu amigo!
    É pela noite dentro que nossos fantasmas nos visitam!
    Muitas vezes nos baralham... confundindo o sonho com a realidade!
    Adorei!
    Bjo Fraterno.

    ResponderExcluir
  24. E no entanto, a noite com os seus fantasmas, é um espaço tão vasto e inspirador, para os poetas...
    Magnífico poema, Pedro! E muito bem harmonizado, uma obra de Munch, que ainda não conhecia!
    Abraço! Continuação de uma óptima semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  25. Boa noite, Pedro,
    seu poema repleto de belas e bem selecionadas metáforas, nos mostram as noites feitas de breu, com fantasmas a nos assombrar, trazendo os mistérios que a noite tão bem cultiva.
    Enfim, durante a noite a espera é longa, e por ser longa, por fim perdemos-nos na noite. Excelente, seu poema. Boa noite!

    ResponderExcluir
  26. Em português luso, apenas acrescetaria, só "não perco o norte".
    Muito bom meu amigo.
    Um abraço.

    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  27. Un bello poema, Pedro. La noche con su oscuridad y sus miedos como metáfora del interior del alma humana.
    Abrazos querido amigo.

    ResponderExcluir
  28. Meu caro Pedramigo

    INFORMAÇÃO

    Como deixei escrito no final do quarto texto da saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGÓLICO fiquei seriamente a pensar em terminar a sua publicação. Isto porque o primeiro episódio teve uma boa aceitação (52 comentários e correspondentes respostas), o segundo ficou-se pelos 20 e o terceiro ainda menos, 18…
    O apelo para uma boa polémica só teve uma resposta. A da Nonamamiga.
    Escuso de matutar mais no problema: fico-me por este último texto. Continuarei a escrever a saga mas para outra finalidade. Obrigado a todos os que me acompanharam e também a quem o não fez


    ResponderExcluir
  29. Pedro, meu amigo

    Este seu belo e original poema descreve a dinâmica
    do silêncio da noite (unidade com o silêncio do poeta
    no seu ofício das palavras...), a traduzir-se em poesia
    no seu processo parto-beleza (inspiração), nesta arte
    das palavras a florirem em significados para cada leitor:

    "Longa é a noite, vã a espera
    de ver brotar uma flor,
    feito rosa na roseira."

    Pressinto que os nossos poetas, Drummond e João Cabral
    iriam abraçar este seu poema na mesma respiração poética
    da arte deles...
    Parabéns sempre pela sua arte poética, meu caro amigo.

    Um feliz domingo na paz com a querida Taís (um casal que
    eu nutro grande estima...).
    Beijo.

    ResponderExcluir
  30. A noite solta todos os nossos fantasmas.
    Maravilhoso poema
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  31. por vezes ele vem pela noite
    é preciso estarmos quietos
    para não os aacordar
    um dia eles irão definitivamente

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  32. E o pior é que os fantasmas só existem dentro de nós...
    Parabéns pelo poema, achei-o excelente.
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO