>

15 de ago de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Um Mundo Guardado






UM MUNDO GUARDADO

- PEDRO LUSO DE CARVALHO




As mãos trêmulas
da velha senhora
acariciam uma cômoda
de cedro antigo,
a guardar os seus sonhos.

Nas gavetas da cômoda
estão os colares, as cartas,
os brincos lá estão,
como estão os anéis
da velha senhora.

Transforma seu mundo
quando abre as gavetas
vendo a vida que teve,
ao ver o brilho das joias
e nas cartas, juras de amor.

Os olhos ainda a brilhar,
a velha senhora gira a chave
e fecha seu mundo,
mantendo fechado o brilho
das joias e o silêncio das juras.





                  *   *   *





31 comentários:

  1. Quantos segredos e jóias podem existir nessas velhas cômodas! Linda poesia! Espero teu dia tenha sido lindo! abraços,chica

    ResponderExcluir
  2. Um poema excelente! Amei!

    Beijos e um excelente dia!
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. As memórias guardadas na gaveta da cómoda para serem lembradas sempre que o coração pedir… Um poema muito belo, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia, amigo Pedro!
    O passado só volta quando as lembranças não estão cabendo na mente e o coração explode.
    Tudo muito lindo tanto na disposição poética como na beleza implícita da mensagem!
    Tenha dias felizes e abençoados junto aos seus amados!
    Abraços fraternos e carinhoso de paz e bem

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde:-Gavetas que guardam segredos de amores e desamores.
    .
    * Mulher: carinho ardente em nobre Poesia *
    .
    Feliz semana

    ResponderExcluir
  6. Às vezes temos necessidade de abrir velhas gavetas estejam elas em comodas ou simplesmente num qualquer recanto da memória.
    Um poema muito bonito.
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Tienes el gran mérito, amigo Pedro, de hacer poesía en forma clara, breve, amena y precisa.

    ResponderExcluir
  8. Querido Pedro, quanta sensibilidade nesses seus versos, amei ler, lindo e triste ao mesmo tempo, pois a vida tem disso, o tempo passa e as coisas mudam, os valores mudam, as lembranças, ah, só essas que não mudam nunca!
    Tenho que admitir, essas nostalgias nos pegam, a todos, não há como fugir, imagine só, tenho netos adolescentes que estão agora entrando na fase da "melhor idade" sim, eles sim são os que estão nessa bela, linda, maravilhosa idade, mas mesmo assim reclamam, não aproveitam como deveriam, mas os meus até tentam entender meus pontos de vista, ainda bem, não me sinto tanto sozinha!
    Rio muito de tudo, não por ser tola, mas por saber que a vida sem riso é triste demais, mesmo triste há que se tirar um belo sorriso nos lábios e no olhar!
    Adoro a minha idade, estou bem do jeito que imaginei que estaria, ano que vem completarei, em março, um belo ciclo setênio, farei 70 anos!
    Amei ler aqui, sempre há algo de bom para se absorver e eu absorvo sempre!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  9. A falta e as lembranças às vezes doem, dai ser preferível trancá-las. Belo e profundo poema amigo Pedro.

    Obrigado pela visita e pelo amável comentário deixado no nosso humilde espaço.

    Abraços, beijo no coração e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  10. Quantas recordações, se encontram trancadas nas velhas gavetas do passado!
    Lindíssima poesia, amigo Pedro! 👍
    Tenha uma semana muito feliz, beijo de Paz e Bem 😘

    ResponderExcluir
  11. Oi, Pedro... belo poema de lembranças...nas gavetas o passaporte para revisitar emoções.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Olá Pedro, um olhar e um video tape de toda vida,
    que se fez plena e hoje apenas lembranças sem brilho,
    mas que ainda fazem vibrar o olhos sequiosos da emoção,
    que um dia lhe fora arrancada por um senhor de nome tempo.

    Bela tela amigo e o poema perfeito mergulho nas saudades.
    Meu abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  13. Pedro Luso
    Apreciei a imagem, traçada em poesia, da velha senhora, a que uma pintura de Van Gogh dá o perfeito realce,
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Meu amigo Pedro...
    Um belo poema onde cada palavra faz brotar, certamente, doces recordações nas mãos trêmulas, da personagem da sua poesia.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  15. Las manos, los ojos, un par de libros (quizá de poesía). Y los recuerdos bailando a traves de su frente transparente.
    Qué buena interpretación del cuadro. Pedro.

    ResponderExcluir
  16. Cuántos recuerdos!!.
    Tu poema es muy hermoso .
    Sentimental y bello.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  17. Todo un mundo, en aquellos cajones, que guardan celosamente, los buenos recuerdos de tantos años atrás.

    Besos

    ResponderExcluir
  18. Eu tenho uma gaveta onde guardo pedaços do passado. Não tem chave porque a ela ninguém chega, trancada que está no meu coração...
    Amigo Pedro, gostei MUITO deste teu poema. Um encanto! Um gavetão de sensibilidade!
    Beijo e bom fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  19. Um belo poema meu amigo e não podia ter escolhido melhor obra para ilustrar do que este quadro do genial Van Gogh.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde, Pedro,
    quantas gavetas trancadas guardam o passado de alguém.
    As mãos trêmulas já revelam que o passado ficou distante da vida atual, que a saudade que resta fica trancada junto a tudo que a fez feliz, triste saber que alguém um dia irá abrir a gaveta e deixar escapar o brilho que ali ficou. Belíssimos versos repletos de melancolia. Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Lindo esse teu poema, e tão verdadeiro! Penso que herdamos de nossas mães, de nossas avós essa atitude de guardarmos cada pedacinho de nossas vidas, sejam joias, cartas, lembranças dos filhos quando pequenos e até nos surpreendemos quando encontramos, ainda, lembranças de nosso tempo de estudantes, lembrança das colegas, eternas lembranças!
    Tudo faz parte do nosso caminho e guardar lembranças só cessará só o dia em que partirmos.
    Show de poema!
    Um beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  22. Pedro, meu amigo,

    Estava saudosa de voar aqui neste universo imenso da sua
    poesia, como também do universo das crônicas da minha
    querida amiga Taís...

    Este seu poema é uma obra exemplar do talento de poeta e
    escritor. Uma narrativa encantadora que traz uma personagem
    no arquétipo feminino sublime do romantismo e da alma
    feminina, de guardar as preciosidades da vida nas gavetas
    da memória d'alma indestrutível na amorosidade silenciosa...

    "Os olhos ainda a brilhar,
    a velha senhora gira a chave
    e fecha seu mundo,
    mantendo fechado o brilho
    das joias e o silêncio das juras."

    Grata pela leitura das suas obras, sempre um privilégio
    o contato com a sua excelência poética e literária, meu amigo.
    Grata pela sua presença atenciosa lá no meu blog!
    Continuo sem muita assiduidade nas postagens no meu blog e
    nas visitas nos espaços dos amigos...

    Dias felizes!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  23. Oh Pedro, com todo seu talento trouxeste à tona lindas lembranças de muito momentos da felicidade da velha senhora.Um poema brilhante, omo tudo que vc escreve encanta-me! Sou fá de carteirinha !!

    Boa e abençoada semana!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  24. Amigo Pedro! Passando para agradecer a tua visita e amável comentário, assim como desejar muita saúde, amor, paz e felicidades para ti e para os teus.

    Abraços e beijo no coração de todos.

    Furtado

    ResponderExcluir
  25. Unos bonitos recuerdos que todos tenemos.
    Mi hijo está en Salvador de Bahía. quería que me fuese con él pero tengo miedo al largo viaje. Me hubiese gustado conocer tu País pero...ya me siento muy mayor para tan largo viaje.

    Un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  26. OI PEDRO!
    UMA CARACTERÍSTICA BEM CONHECIDA DE NÓS MULHERES, AQUI LINDAMENTE REPRESENTADA POR UMA VELHA SENHORA, GUARDAR NOSSAS HISTÓRIAS NUMA GAVETA, E CIUMENTAMENTE CHAVEÁ-LA, MESMO QUE NÃO HAJA NENHUMA JOIA POIS AS LEMBRANÇAS O SÃO.
    ACHEI EMOCIONANTE TEU POEMA, AMIGO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Caro Pedro,
    As gavetas de memórias são livros de amor. E se as encontrarmos vazias ... nós só vemos de folhas de trevo.
    Amei poema e pintura.
    O verão leva-me e traz-me devagarinho.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  28. Magnífico poema e imagem!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  29. Ter boas lembranças é tão bom! Guardá-las com amor sincero vale muito...
    Bonitos e significantes versos!
    Um abç

    ResponderExcluir
  30. Há gavetas que guardam uma vida...
    Excelente poema, parabéns pelo talento poético.
    Caro Pedro, um bom resto de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  31. Singular o modo dizer e guardar as memórias e outros serenos da "velha senhora"!
    Perfeito o poema, caro poeta!
    Um abraço,

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO