>

17 de jun. de 2020

[Poesia] LUIZ DE MIRANDA – Breu das Almas




PEDRO LUSO DE CARVALHO


LUIZ DE MIRANDA (Luiz Carlos, Goulart de Miranda, Uruguaiana, 1945) não é apenas um dos poetas gaúchos mais importantes; ele está colocado entre os melhores poetas modernos brasileiros, que deram seus depoimentos sobre a obra de Miranda: Carlos Drummond de Andrade, Ferreira Gullar, Raul Bopp, Guilhermino César, Nelson Werneck Sodré, José E. de Lima Alves,
Alguns dos poetas e críticos brasileiros mais representativos falam sobre a poesia de Luiz de Miranda (in Antologia de Poemas/Luiz de Miranda. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987), como veremos a seguir:

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE: “Poesia aberta, comunicante, como um sopro de vida e insatisfação”.
FERREIRA GULLAR: “No caso de um poeta como Luiz de Miranda, as soluções formais resultam da necessidade de formular o vivido e sentido, emoções e ideias que são expressão de um compromisso claro com seu país e o seu tempo. A poesia de Luiz de Miranda fala de nós todos”.
RAUL BOPP: “A poesia de Luiz de Miranda revela a sensibilidade do verdadeiro e grande poeta. É uma contribuição definitiva à literatura brasileira”.
GUILHERMINO CÉSAR: “De qualquer modo, penso que Memorial assinala uma vertente; reúne-se ao que de melhor existe no Brasil”.
NELSON WERNECK SODRÉ: “Luiz de Miranda sabe que a solidão é provisória e decorre de derrota, exílio, distância, saudade. Escreveu longe e perto. Sua poesia se junta a de alguns, uns poucos, que souberam ver o que viu, sentir o que ele sentiu. A época, amarga e opaca e escura, é atravessada por essa poesia como um relâmpago. Sua luz denuncia auroras. Do provisório, entrevemos o definitivo”.
JOSÉ ÉDIL DE LIMA ALVES: “Poeta comprometido com a realidade do seu país e de seu continente, ele trilha os caminhos percorridos por um Pablo Neruda, um Atahualpa Yupanqui, um Ferreira Gullar, com seu canto enérgico de protesto”.

O poema que segue, BREU DAS ALMAS, de Luiz de Miranda, integra o livro “Trilogia da Casa de Deus”, Prêmio Nacional de Poesia 2001, da Academia Brasileira de Letras (In Trilogia da Casa de Deus./Luiz de Miranda. Porto Alegre: Editora Sulina, 2002, p. 143-144):


BREU DAS ALMAS
Luiz de Miranda
a Vanja Orico


Em mim, o silêncio do mar,
pulsando a remota invernia,
somente descem a ampulheta dos dias,
frêmitos e de prata impura,
na vidraça onde morre o vento.

Por milhares de anos foi assim,
um balde de ternura ao fim
da borrasca, da solidão e do medo.
Em mim, morrem todos os segredos,
tombam as tempestades
cobertas de esquecimento.
Puída e cheia de pó,
a alma canta o que fui de menino
a se perder para sempre
no trevoso breu dos anos,
mas ainda à noite me alucino
na contemplação dos velhos retratos,
fechados a sete chaves no meu quarto.

Homero e Dante me consolam
no plenilúnio do paraíso.
A morte vem sem aviso,
tecendo os noturnos do adeus.

Ninguém me ama,
e tarda, tarda muito, amanhecer,
mas viver, como disse antes,
é ir com todos
sem nunca se perder.

Vou pelas vielas da minha pátria,
tão esquecida, miserável e humilhada
nos gabinetes do poder.
Pátria pobrinha da minha alma,
te canto sempre em tom maior.
Entre lendas e beijos,
te coloco ao pé dos santos,
para que envolvida pelos seus mantos
permaneças viva e intocada.
Pátria minha, sempre amada.

Em mim está bem desperto
o pólen, a pétala, a pérola
que descem comigo ao inferno,
e voltamos lúcidos à vida,
do breu das almas e do inverno.
Não haverá mais partida ou despedida.


Porto Alegre,
1º de setembro de 2000.


*  *  *




30 comentários:

  1. Esta publicação é Divida. O Poema completa-a!
    ~~
    Beijos e um dia feliz!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia:- Pela amostra, sem dúvida, um poeta de elevado valor. Gostei muito do poema.
    .
    Deixando cumprimentos
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Bom ver o nosso poeta por aqui . Poesia linda e bem do seu estilo. Só acho que ele não tem reconhecimento apesar das boas recomendações...abraços, lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  4. Una serie di bellissimi versi di un autore, che ho conosciuto, tramite questo tuo valido ed esauriente articolo.
    Cari saluti, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  5. No conocía a este poeta. Muy de agradecer hayas compartido esta fantástica información.
    El poema me ha gustado mucho.
    Gracias siempre.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  6. El mejor testimonio de lo que has dicho, son sus obras y ahora lo he podido comprobar al leer ese verso.

    Besos

    ResponderExcluir
  7. Querido amigo poeta sensível, Pedro!
    Que escolha, que percepção, em tempos nebulosos estamos todos sensíveis em busca de algo que nos dê alento, em mim também fica essa busca, respostas que não temos!
    "Breu das Almas", lindíssimo poema com versos bem claros e diretos desse poeta escolhido por você e eu não o conhecia! Luiz de Miranda, vou procurar para ler mais, amei!
    Deixo aqui abraços bem apertados repletos de boas energias!

    ResponderExcluir
  8. poema de dimensão épica! gostei muito conhecer esta plêiade de poetas
    que com grande mérito teu, caro amigo, nos dás a conhecer

    Poesia de que és esmerado cultor sobretudo como consagrado Poeta
    que teu exemplo se multipique

    grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Gostei de conhecer Luiz de Miranda, mais um poeta de que nunca tinha lido nada.
    Obrigado pela partilha
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  10. Um poeta reconhecido pelos seus pares que são escritores de grande qualidade intelectual. Confesso que não conheço Luiz de Miranda, mas gostei muito do que li sobre ele e do poema que aqui nos deixa revelando um poeta sensível e atento ao que o rodeia. Obrigada.
    Muita saúde, meu amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. "Poesia de que és esmerado cultor, sobretudo, como Poeta consagrado.
    Que o teu exemplo se multiplique"

    Assim deve ler-se, depois de catadas umas gralhas e as devidas vírgulas.

    peço desculpa

    ResponderExcluir
  12. Uau!
    Não conhecia o autor.
    Lindo, profundo, necessário.

    ResponderExcluir
  13. Poema maravilhoso, Pedro, obrigada pelo compartilhamento! Ao ler cada verso me senti um grãozinho na ampulheta da vida escorrendo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Confesso, meu amigo Pedro, não conhecia a poesia de Luís de Miranda. E fui pinçar estes versos extraídos do poema SOBREAVIDA
    "Sobreavida deponho
    desde Uruguaiana
    de uma rua secreta
    a tudo o que nela era
    pedra, pó, brilho de árvore
    contra os olhos
    respiração de grama
    debaixo dos pés".

    Uma bela partilha.
    Um forte abraço,

    ResponderExcluir
  15. Gracias.
    Hay veces en que una simple frase te descubre a un autor que te fascina. Alguien del que nunca habías oído su nombre, o quizá sí, pero al que tu ignorancia ha hecho que pases de largo sin oír su melodía. Así me ha sucedido con este poeta del que, como le pasaba a Unamuno en su "Me duele España", puede sentirse el mismo llanto en lo más profundo del poema que nos muestras.

    Luiz Miranda me ha tenido todo el día alrededor de un libro suyo, "Salve Argentina". Es un grande y no será lo único suyo que leeré. Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Ana, essas coisas também acontece comigo. Um livro que ficou perdido entre outros por descuido, como é o caso que contas sobre “Salve, Argentina”, poema de Luiz de Miranda, de grande fôlego, escrito em espanhol, que, pelo que entendi, estava contido o poema, sem que dele te desces conta. Que bom, Ana, que gostaste de “Salve Argentina” e do poema postado, “Breu das Almas”, os dois de Luiz de Miranda. Obrigado, Ana. Beijo. Pedro

      Excluir
  16. Um poeta de culto. Gostei muito do poema e gosto quando alguém acrescenta mais um pouco.
    Postagens de grande mérito teu e privilégio nosso.

    Grande abraço, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  17. mas viver, como disse antes,
    é ir com todos
    sem nunca se perder.

    Boa noite de sábado, amigo Pedro!
    Suas escolhas por aqui estão sempre excelentes.
    Me identifiquei com estes versos acima...
    Tenha um ótimo final de semana abençoado!
    Cuide-se!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  18. Obrigada Pedro pela apresentação de um poeta tão visceral que em sua plenitude consegue ser universal sem perder as raízes.Um abraço

    ResponderExcluir
  19. Caro amigo Pedro estou amando esta sua serie de apresentação de grandes escritores.
    Depois de Bandeira vem com Luiz de Miranda com seu olhar critico sobre nossa sociedade, como bem ilustra o Breu das Almas.
    Grato Pedro por mais esta generosidade.
    Um bom domingo e feliz semana amigo.
    Meu terno abraço de paz.

    ResponderExcluir
  20. Não conhecia o autor... pelo que foi uma grata descobri-lo, neste seu fantástico post, Pedro, que nos incita a mergulhar fundo na obra do autor!...
    Belíssima partilha!
    Beijinho! Votos de um excelente domingo e uma óptima semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  21. Não conhecia e gostei do que li.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  22. Caro Pedro

    Muito me apraz conhecer pela sua mão, este Poeta brasileiro, Luiz de Miranda, que ombreia com Poetas de renome como Drummond de Andrade, Ferreira Gullar.

    Este Poema que nos traz é belo e tão cheio de sentimento que se tem quase a certeza, como se diz acima, que Luiz de Miranda escreve para todos nós. Numa passagem ou outra vemo-nos retratados na nossa solidão e desesperança.

    Mas como diz Nelson Sodré: “Luiz de Miranda sabe que a solidão é provisória e decorre de derrota, exílio, distância, saudade". Em alguma reentrância da vida talvez se albergue a esperança de que necessitamos todos.

    Gostei muito, caro Pedro.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  23. Pedro
    Confesso que não conhecia Luiz de Miranda, mas gostei do que li e já tenho nas minhas notas para pesquisar a sua obra.
    Por isso muito obrigada pela partilha.
    Agradeço a sua visita e deixo votos de muita saúde.
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  24. Siempre es un placer visitarte querido amigo, Pedro. Nos abres nuevos horizontes hacía la poesía de grandes autores. Algunos quizá menos conocidos como es mi caso, pero siempre enriquecedores.
    Gracias por tu generosidad.

    ResponderExcluir
  25. Sempre um prazer conhecer novos horizontes na linha da via poética.
    Um abracinho viajante!🌷
    Megy Maia🌈

    ResponderExcluir
  26. No conocía a este insigne poeta, pero coincido en el en el amor que siente por su amada Patria.
    Veo que somos muchos los que lloramos por nuestro País.
    Un fuerte abrazo amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  27. Bello poema. Gracias Pedro por dar a conocer a los buenos poetas de tu tierra. Un abrazo.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  28. Em mim, o silêncio do mar,
    SEMPRE a paz de uma praia
    vendo ao longe as ondas
    conversando com a areia

    e, assim continuo
    confinada a quatro paredes
    somente desce a ampulheta dos dias

    a alma chora de tristeza
    Ninguém me ama,
    ninguém se lembra que existo

    Obrigada pela partilha, Pedro.
    Gostei do poema, é brilhante.
    Continuação de bom fim de semana
    Beijo da Tulipa.  

    Quer espreitar?
    http://meusmomentosimples.blogspot.com/
      
    http://pensamentosimagens.blogspot.com/

    http://momentos-perfeitos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bravo, Tulipa!
      Que bom, minha amiga, que você gostou do poema de Luiz de Miranda.
      Entre os nomes que concorreram ao Premio Nobel de Literatura na última reuniu da Academia Sueca para essa escolha constava o nome de Luiz de Miranda, por indicação da Pontifícia Universidade Católica (PUCRS).
      Quem sabe receba esse galardão, que é merecido, quando a Academia Sueca decidir pelo melhor poeta para lhe dar o prêmio.
      Um abraço Tulipa, e um bom final de semana, com muita saúde. Pedro.

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho