>

15 de out. de 2021

[Poesia] AS MÃOS FECHADAS / Pedro Luso de Carvalho

 

Giorgio de Chirico / Pintura metafísica



MÃOS FECHADAS

           - Pedro Luso de Carvalho




Mas para que as mãos fechadas,

se há clamor para se abrirem,

mão para outra mão apertar,

em cortês gesto de saudação,

pois rondam dias de sombra,

até que venham dias de luz.


Mas para que as mãos fechadas,

se há clamor para se abrirem,

se amigos temos para saudar,

são poucos, e muito valem,

pois a qualidade é que pesa,

há bons e maus na quantidade.


Mas para que as mãos fechadas,

se há clamor para se abrirem,

embora esteja tonto o mundo,

e tanta gente na mesma trilha,

com os projetos e os sonhos,

faróis a iluminarem caminhos.





____________________________________





32 comentários:

  1. de mãos abertas, em dádiva de amizade fraterna
    e o nosso pequeno mundo seria mais habitável.

    belo e sensível poema. gostei muito

    forte abraço, caro amigo Pedro Luso

    ResponderExcluir
  2. L'amicizia e la fratellanza non deve venire mai meno nei momenti in cui c'è bisogno di essere più uniti che mai, per combattere il nemico. Oltre la pandemia, bisogna essere tutti uniti per combattere quegli uomini stolti che sono al potere e, che non hanno a cuore la salute e la vita del loro popolo. Questo comportamento è abietto verso esseri umani di cui si dovrebbe avere cura. Splendida poesia che, ho avuto piacere di leggere e, che mi ha commossa tanto. Bravissimo Pedro, t'invio un grande abbraccio fraterno, vivi un sereno week end. Grazia.

    ResponderExcluir
  3. Olá, amigo Pedro!
    Seria bom que o mundo desse as mãos, que seja mais solidário, para quem sofre a devastação da guerra, da fome, da miséria, em vez de manter as mãos fechadas, ignorando a dor e o sofrimento.

    Excelente poema, que ao mesmo tempo, é um grito de revolta contra injustiça.

    Votos de um excelente fim de semana, com muita saúde!

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Lindo e bem inspirado poema,Pedro! Precisamos que as mãos de abram ...O mundo precisa ,aliás!Que se abram as mãos à amizade, solidariedade... abração, lindo fds,pelo jeito pra nós cinzento ...chica

    ResponderExcluir
  5. La gestualità intensa delle nostre mani, lascia significare il nostro carattere...
    Sempre bello leggerti, Pedro, buona domenica,silvia

    ResponderExcluir
  6. Maravilhoso poema. Amei ler! :))
    -
    Traçando os caminhos sombrios
    -
    Beijos, e excelente fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Un gran poema. Abrir nuestras manos con libertad y recibir la belleza de la amistad.
    Me gustó mucho.
    Un beso, Pedro.
    Feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  8. Abramos las manos por un mundo mejor, mas solidario, más humano y sobre todo menos hipócrita.
    Hermoso poema reivindicativo amigo Pedro.
    Un abrazo de amistad y buen fin de semana.

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante esta poesia, meus parabéns.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Hay que abrir las manos solidariamente, a aquellas personas que sufren y ahora lo está pasando mal.

    Besos

    ResponderExcluir
  11. É preciso dar as mãos solidariamente para que tenhamos um mundo melhor, meu amigo Pedro. E, para tanto, faz-se necessário tê-las abertas para o abraço, para a fraternidade.
    Um belo poema, meu caro amigo!
    Um grande abraço,

    ResponderExcluir
  12. Olá, Pedro!
    Um belíssimo poema, amei!
    Está precisando que a humanidades abram e dê as mãos em solidariedade aos menos favorecidos.

    Votos de uma boa noite e feliz domingo.
    Beijos, saúde e paz.

    ResponderExcluir
  13. Esas manos ya se van abriendo poco a poco y entonces los saludos y el cariño podrá expresarse con fuerza, y la luz surgirá de nuevo con ilusión.
    Hermosos tus versos, y como siempre un placer leerte Pedro.
    Un abrazo y feliz domingo.

    ResponderExcluir
  14. É sempre bom abrir e dar as mãos num gesto de amizade.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  15. A qualidade é que pesa...

    Bom dia de domingo, amigo Pedro!
    Sempre pensei assim, por sorte minha.
    Poucos de qualidade tanto no real como no virtual visto que de mãos e coração fechados não se faz aliança. Somos teia fraterna e a solidariedade anda escassa, nos fazendo adoecer.
    A Pandemia nos revelou quem de fato e amigo, por exemplo. Quem nos dá as mãos abertas.
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  16. Con las manos nos decimos muchas cosas y en estos tiempos no podemos ni tocar por ser lo que nos recomiendan.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  17. As mãos fechadas não prenunciam nada de bom.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  18. Para que o mundo seja melhor, a humanidade precisa abrir as mãos.
    Abraço, saúde e boa semana

    ResponderExcluir
  19. Boa noite Pedro.
    Bela pintura a ilustrar seu critico poema com olhar social e humanitário, onde as mãos que podem se fecham sobre a dor, a fome, a miséria. O mundo poderia ser bem melhor se as mãos se abrissem para acolher os que mais precisam, mas há uma corrente oxidada de nada fazer e ainda tirar o que se tem.
    Bravo Pedro sempre numa consciência perfeita em poesia.
    Um abração amigo e feliz semana.

    ResponderExcluir
  20. Olá, amigo Pedro.
    Esperemos que o humanismo e a solidariedade chegue a quem mais necessita.

    Votos de uma excelente semana, com muita saúde.
    Grande abraço, amigo Pedro.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Mãos fechadas e corações fechados.
    Gente que passa pela vida, não vive.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  22. Que demos as mãos até sentirmos o bater do coração dos outros. Que o mundo se torne mais fraterno. Gostei muito do poema.
    Uma boa semana com muita saúde, meu Amigo Pedro
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  23. Seu poema expressa o clamor de todos nós, Pedro
    Que a simplicidade das mãos dadas seja um gesto de transformação nesse nosso mundo caótico que presenciamos a cada dia.
    Sejamos parte dos que ainda clamam através dos poemas, encorajando à reflexão.
    meu abraço e feliz semana.

    ResponderExcluir
  24. Olá, Pedro, gostei muito do poema, sensível e incisivo. O mundo poderia ser bem melhor se as pessoas tivessem empatia e compaixão, pois é o coração, a alma, o olhar e o sentir que conduzem as nossas mãos para os gestos de solidariedade e amor.
    Bjs, Marli
    -
    Blog da Marli

    ResponderExcluir
  25. Há que abrir as mãos, caro Poeta de além-mar.
    Por haver tantas mãos fechadas é que o mundo cada vez vive mais fechado à Luz da Tolerância e da Solidariedade.
    Excelente alerta em forma de poesia.
    Gostei muito.

    Um abraço, de peito e braços abertos.

    Boa semana, Pedro, para si e Família.

    ResponderExcluir
  26. Oi Pedro...todo mundo sonha com as mãos abertas e também entrelaçadas, mas é preciso que passemos pelos momentos de reflexão e cuidados até como forma da amar. O coração não pode nunca se fechar em nenhum dos tempos e que breve, muito breve como diria Vinicius, o amor volte a ser fundamental.
    um abraço

    ResponderExcluir
  27. Sempre o mundo precisou de mãos abertas, prontas a acariciar, prontas a dar, a ajudar, a entrelaçar, a abraçar e prontas também a secar tantas lágrimas que marejam os olhos de pessoas cansadas das agruras da vida. Não sei se, hoje, essa necessidade é maior do que a dos outros tempos, mas, talvez a pandemia que estamos a vivenciar nos torne mais sensiveis à dor alheia; há também o factor idade que , por obrigação nossa, nos faz refectir mais na finitude da vida e na pouca importância que tem o tanto de bens materiais que acumulamos, muitas vezes em detrimento dos recursos dos outros. Mas, infelizmente, as mãos que se abrem são insuficientes e, apesar de incansáveis, não conseguem saciar a fome de afecto, de compreensão e de ajuda que vemos por esse mundo fora. Por esse mesmo mundo, as mãos continuam fechadas, as mais poderosas de punho em riste, sempre prontas a ordenar sem clemência, a apunhalar a matar; fecham as mãos e erguem-nas com orgulho, perante um povo que, de mãos estendidas pede, pelo menos, mais respeito, mais dignidade. Adianta pouco, pois o poder atrai e as mãos fecham-se em torno dele, de tal maneira que nem ar consegue escapar por entre os dedos. E como são grandes , açambarcadoras e implacáveis essas mãos , Pedro!!! E para quê? Um dia, a vida ordena que as nossas mãos se abram e tudo o que guardámos só para nós fica neste mundo, um mundo que quisemos só nosso, mas que, ao contrário, é de todos os seres viventes que nele habitam. Pouco podemos fazer para minorar o sofrimento que se vê a cada canto, mas as nossas mãos, apenas duas que são , chegam para estender aqueles gestos solidários a todos os que, no nosso meio , perto de nós ,carecem de pão , de um abraço , de um afago, ou simplesmente de um lenço que lhes seque as lágrimas. E são muitos...só que nem sempre nos damos ao trabalho de olhar à nossa volta. E as mãos continuam fechadas! Poema triste, como triste é a situação caótica em que se encontra a humanidade.Pedro, Obrigada pelo apelo que aqui fazes, em forma de poesia , mas muito pertinente. Um beijinho e que a vida vos abençoe a todos com SAÚDE e também com a capacidade de saber abrir as mãos àqueles que, de algum modo precisam de ajuda. 👏 🤲 🤝 🙏
    Emilia

    ResponderExcluir
  28. E há muitas mãos fechadas... é o que mais há.
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Que tenhamos,sempre, as mãos abertas e o coração livre, Pedro.
    Linda a sua poesia!
    Tenha um abençoado fim de semana.
    Um grande abraço
    Verena.

    ResponderExcluir
  30. Na verdade, o mundo sempre esteve com as mãos fechadas, até apertadas demais para tanto que a humanidade já atravessou guerras, pandemias, enchentes horrorosas, terremotos e outras coisas mais. As mãos se abrem, sim, mas logo fecham-se e cada um vai cuidar de sua vida. A solidariedade poderia andar de mãos dadas, mãos abertas e coração amigo.
    Mas, que as consciências estejam mais presentes após essa pandemia que pegou todos de surpresa.
    Belo e forte poema, que corações sensíveis tocam mais fortemente as mãos, para que elas se abram e espalhem o sentido de humanidade por todos os lugares.
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  31. E a grande maioria permanece de mãos fechadas... não seguindo de todo, o grande exemplo que foi Alguém, disposto a morrer de braços abertos, num verdadeiro exemplo de generosidade, abnegação, solidariedade e a humildade... embora pronunciem seu nome amiúde...
    Um dia, tais pessoas, verificarão que não terão conseguido agarrar muita coisa mesmo... saúde, espontaneidade, juventude, verdade... apenas se agarraram à sua condição... de amealhar solidões e insatisfações, em suas gaiolas douradas...
    Um inspirado e assertivo retrato deste mundo... de gente fechada, sobre si mesmo! Gostei imenso do poema!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  32. Caro Pedro

    Tantas e tão belas reflexões sobre o seu Poema acabei, agora, de ler.
    Mãos que se fecham, mãos que se recusam a ajudar, a acariciar, a serem solidárias.

    Assim, encaminho-me para o mais óbvio e concreto que tivemos a desdita de presenciar nos últimos tempos. Mãos que se escondiam, receando o temível vírus, e que não se aprestavam a apertar-se, a transmitir calor, tanto nos afectos como nos negócios.

    Penso que nos fez muita falta essa aproximação.
    Aproveitemos, pois, o mais possível essa coisa linda que é o toque, que leva a olharmo-nos nos olhos e a selar promessas.

    Grande abraço, meu amigo. Adorei as suas palavras.
    Olinda

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho