>

17 de abr. de 2021

[Conto] PEDRO LUSO – A morte encomendada

 





A MORTE ENCOMENDADA

PEDRO LUSO DE CARVALHO



Na estrada de terra formam-se pequenos tufos de poeira, com o tamborilar dos cascos do cavalo contra o chão. Afiadas esporas pressionam o ventre do animal. Venâncio quer chegar à casa do compadre antes do anoitecer. A tarde é quente e silenciosa. Apenas o som do trotar obstinado quebra o silêncio. Venâncio ajeita-se na montaria. Lembra-se do trato recém-feito. A família do estancieiro não lhe pagará antes que a sua morte seja vingada. “Será que o compadre matou o estancieiro?” – questiona-se.

Mesmo conhecendo seu compadre – bom marido e bom pai –, Venâncio não deixa que a dúvida mude os seus planos. Pensa somente no dinheiro. Vem-lhe a mente a festa do batizado do afiliado. Lembrança que logo se apaga. Importa é levar adiante o seu plano. Qualquer descuido pode custar-lhe a vida.

Daqui já avisto a casa do compadre – fala em voz alta, como se conversasse com o animal, que avança na cadência de sua marcha.

Um frio perpassa-lhe o corpo. Conhecia bem a valentia do compadre. Mas sabe que, com cuidado, logo terminará o serviço. Sente-se então animado ao pensar na recompensa. No dinheiro, que facilitará a criação de seus dois filhos.

No pequeno sítio, o compadre prepara-se para a doma. Já havia encilhado o cavalo. Ventas inchadas, o animal relincha e se joga contra a cerca. Joga as patas dianteiras para o alto, e desce agitado. Forte coice atinge o palanque, no qual está preso pelo cabresto. O compadre pensa, com uma ponta de orgulho: “Gosto desse cavalo safado”.

Ia montar, mas esperou a mulher, que vinha em sua direção. Ela diz ao marido que Venâncio havia chegado, e estava à sua espera. O homem fica incomodado com a visita inesperada. “Tanto serviço tem por fazer”, pensa. Precisa domar o cavalo para os trabalhos do sítio. Deixa o animal e vai ao encontro de Venâncio. A mulher segue-o, caminhando atrás dele.

Buenas, Venâncio! – A que devo a visita?

Buenas, compadre! – Estou de passagem, e parei para ver o afiliado.

A criança chora no berço, no quarto ao lado da sala. A mulher pega o filho nos braços e o embala. Ouve pedaços da conversa dos dois homens. O tom da voz de Venâncio deixa-a inquieta. Nunca o viu assim. Um mau pressentimento faz com que aperte o filho contra o peito.

Mulher, o Venâncio vai ficar para um prato de sopa.

Está bem – responde ao marido. – Não demoro.

Os homens continuam conversando na sala. Venâncio tropeça ainda mais nas palavras. Com o lenço, seca o suor do rosto. A mulher vem avisar que a sopa está servida. Sentam-se à mesa. Terminada a sopa, os dois homens voltam à sala para continuar a conversa.

Compadre, me permite pegar meu afiliado? – Faz tempo que não vejo o guri.

A mulher não precisa ser chamada. Entra na sala com a criança e a entrega ao padrinho. Da cozinha, ouve a conversa dos dois homens, e os vê sentados, um diante do outro. Naquele instante, assusta-se com o estampido que ouve, e entra desesperada na sala, quando Venâncio entrega-lhe o filho e sai rapidamente. No chão, o marido agoniza.




_________________________//_______________________






31 comentários:

  1. Bah! Esse cumpriu a promessa! Lindo conto tão bem desenvolvido! abração, tudo de bom, lindo domingo pra vocês.chica

    ResponderExcluir
  2. Olá Pedro,
    Um conto duro, que se desenvolve em clima dos antigos filmes EUA
    e promessas de pistoleiros…
    bom fim de semana

    ResponderExcluir
  3. Oi pai!

    Belo conto!! A narrativa é perfeita! Nos situa de maneira muito viva no ambiente e vai se intensificando e criando uma tensão! Gostei demais!

    Abração!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alexandre, é sempre uma grande alegria receber-te aqui com esse belo comentário.
      Podes entrar sempre, que a casa é tua!
      Grande abraço, meu filho!

      Excluir
  4. Una morte già programmata quella di liberare la donna del marito. E Venanzio sarà il killer che farà il lavoro sporco a pagamento. Un racconto ben strutturato che rispecchia la trama che lascia in aspettativa il lettore fino alla fine del misfatto e, che ho molto gradito. Buon fine settimana caro amigo Pedro, un abbraccio da Grazia!

    ResponderExcluir
  5. Veramente avvincente, questo brano, di magnifica lettura
    Buona domenica, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  6. Un hermoso cuento que produce algo de tensión por las intenciones que lleva Venancio, con un final un poco triste.
    Un desarrollo del tema muy bueno y que me encantó leer.
    Un abrazo Pedro, y feliz domingo.

    ResponderExcluir
  7. Un narración que en algunas ocasiones se hace realidad en la que por dinero hay quien hace cualquier cosa.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  8. Olá Pedro!
    Amei de coração o teu conto foi fantástico a gente pelo menos eu gosto muito de ler estas coisas parece que estamos a ver o filme dá vontade de vir sempre aqui com muito boa disposição um beijinho e resto de um bom domingo

    ResponderExcluir
  9. Um conto intenso, profundo, que não sei se teve o final ou ainda se seguirá, ou seguirão, outros episódios. Gostei de ler, sinceramente,
    .
    Feliz domingo … abraço poético.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  10. Roberta Sartori Luso de Carvalho13:05

    Pedro, que elogio ser uma das primeiras a ler!!
    Poucos autores conseguem capturar e expressar em palavras a lentidão. O teu jeito de construir uma cena e encaminhá-la para um desfecho, por vezes, inexorável, especialmente no caso desse conto, é cativante. Em tão poucas linhas mostras uma relação entre os personagens que vai longe no tempo, na profundidade e na complexidade de sentimentos. Nossa, eu poderia escrever muito, muito mais sobre a quantidade e a riqueza de impressões que consegues gerar... É um privilégio poder te ler!

    Um beijo carinhoso!!
    Roberta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma alegria ver nesse espaço o simpático comentário da Professora e Tradutora Roberta, nossa querida nora. Como eu disse para o Alexandre, digo também para ti, a casa é tua, não precisa bater para entrar. Serás sempre bem-vinda.

      Um beijo e obrigado, Roberta.

      Excluir
  11. Oi Pedro, muito bom seu gosto, sua narração nos transporta e leva para o cenário e tensão da situação, que se cumpre.
    Olhe, estamos vivendo essas cenas e não é ficção, pessoas são corruptíveis sem a menor consciência pesada, sem afeto...mesmo com dúvidas. Dinheiro vale mais em uma sociedade decadente.
    Adorei a leitura, abraço!

    ResponderExcluir
  12. Precioso cuento, con un triste final. Es un reflejo de la vida misma, cuando menos lo esperas la vida se te acaba dejando apenada a tu familia y conocidos.

    Besos

    ResponderExcluir
  13. Ninguém merece um compadre deste! Um conto que traz a marca de muitos descalabros que vivenciamos e nos negamos a acreditar na frieza e ganância que também faze parte do ser humano. Muito bem desenvolvido seu conto. Boa noite

    ResponderExcluir
  14. Uma narrativa que nos envolve na tensão que, em crescendo, se concretiza. Gostei imenso de ler, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Un gran relato con un desenlace muy lamentable.
    Muy bien escrito y un placer su lectura.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  16. Um belo conto que adorei ler.
    Abraço, saúde e boa semana

    ResponderExcluir
  17. Pedro:
    triste final.
    Merecía mejor suerte.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Un racconto avvincente, letto con immenso piacere...
    Sereno giorno Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  19. Bom dia, Caro Pedro

    Bela escrita, com pormenores que nos introduzem no ambiente.
    Seguimos, vivendo os pemsamentos de Venâncio e desejando até ao
    último segundo que os laços de amizade e compadrio sejam
    mais fortes...
    Adorei estes momentos de leitura.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  20. El escalofrío va calando a medida que avanza el relato.
    Escueto, frío, el sicario ordena sus pensamientos apartando cualquier atisbo de sentimientos, nada deberá entorpecer su proyecto.

    En sus sienes golpea un único latido: "Estoy condenado, pero la recompensa salvará a mis hijos".

    Excelente, Pedro. Gracias por compartirlo.

    ResponderExcluir
  21. Muy bien llevado el relato, mantiene el suspense y el final aunque lo esperaba me ha sobrecogido
    Me ha gustado mucho
    Un abrazo
    Carmen

    ResponderExcluir
  22. Um belo conto, que nos mostra o que motivou algo assim...
    De acerto de contas em acerto de contas, se vai fazendo ainda justiça em muito lado... muitas vezes, sem se saber completamente toda a história...
    Será que Venâncio se vai responsabilizar pela educação do seu afilhado? Acho que será esse o papel de padrinho... substituir o pai em caso da sua morte... Acho que nem Venâncio, terá pensado que iria ficar com mais um "filho" extra para acabar de criar...
    Adorei ler! Beijinho! Continuação de uma semana, o melhor possível, com saúde para todos!
    Ana

    ResponderExcluir
  23. Um belo registo. A expectativa até ao final. Vamos lendo e criando um conflito interno, esperando que o desfecho não seja o que tememos. E o que tememos acaba por acontecer.
    Quantas vezes a sorte é tramada!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  24. Gostei do seu conto. Pela narrativa e pela dúvida que resiste até ao final.
    Muito bom, parabéns pelo talento.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Salve Pedro! um conto instigante! Fiquei até o final esperando um milagre que não aconteceu. Aconteceu o que muitas vezes acontece , somente a crueza da vida no seu aspecto mais sombrio.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  26. Un relato muy bien construido, con una historia dura y un fatal desenlace.
    He ido leyendo de tu mano con la intriga y el miedo hasta llegar al final.
    ¿Qué le ha llevado a Venancio a matar a su amigo?
    ¿Le ha matado por la recompensa?
    Me quedo con la intriga.
    Saludos

    ResponderExcluir
  27. Uau!!!
    Uma narrativa trágica bem estrutura e cativante.
    Perfeito senhor poeta-cronista. Venham mais crónicas... entre um e outro poema.
    Beijo, querido amigo, e feliz fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  28. Segui ao ritmo do trotear do texto. Esperei uma solução como num filme em que todos são felizes para sempre. Enganei-me. A vida, por vezes, deixa-nos órfãos.

    Este é um conto bem estruturado, amigo Pedro.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  29. Saint Michael pray for me and defend us in the fight that I am facing in my health. Amen!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho