>

29 de abr. de 2020

[Poesia] CARLOS DRUMMOND – A Federico Garcia Lorca



Pedro Luso de Carvalho

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE fez sua estreia em livro no ano de 1930, com Alguma poesia. Nessa obra o poeta reuniu trabalhos que havia começado a produzir a partir de 1925. Não se pode dizer que o livro, Alguma poesia, teve a unanimidade da crítica literária e dos leitores, mas não se pode negar que se via ali um grande poeta, que viria a afirmar-se com novas obras, como: Brejo das almas, 1934; Sentimento do mundo, 1940; A Rosa do povo, 1945; Claro enigma, 1951.
Drummond, possivelmente o nosso maior poeta, nasceu na cidade de Itabira, Minas Gerais, a 31 de outubro de 1902, e faleceu no Rio de Janeiro, a 17 de agosto de 1987.
FEDERICO GARCIA LORCA nasceu em Fuente Vaqueros no dia 5 de junho de 1898 e faleceu em Granada a 18 de agosto de 1936. Lorca já havia alcançado o reconhecimento da crítica e dos leitores como poeta e dramaturgo, quando se tornou vítima da Guerra Civil Espanhola aos 38 anos, como conta Ian Gibson no seu livro O assassinato de Garcia Lorca, no qual faz referência a um artigo publicado em El Liberal, jornal de Madri, no dia 2 de novembro de 1936, do qual transcrevo alguns trechos:

Mas será possível? Federico Garcia Lorca, o imenso poeta, assassinado pelos facciosos?
Uma última esperança de que tamanho crime não se tenha realizado leva-nos a perguntar: mas será possível a monstruosa aberração que supõe o assassinato do mais alto poeta espanhol dos nossos dias?
Todos os jornais publicaram a notícia que, segundo um jornal de Albacete, procedia de Guadix.
Conhecemos bem a louca e fria perversão dos traidores. Mas um nobilíssimo impulso da nossa alma nos leva a duvidar da veracidade da horrível informação.
Federico Garcia Lorca fuzilado pelos degenerados facciosos! Será possível tanta maldade? Embora temamos que sim, que essa gente é capaz de tudo, queremos acolher uma última esperança, repetimos, queremos acreditar que tudo, até a escala da maldade dos fascistas, tem um limite.A Espanha inteira, toda a Espanha democrática e republicana, vive momentos de angústia e os viverá enquanto não seja retificada ou ratificada a inimaginável maldade dos verdugos".
Federico Garcia Lorca foi fuzilado em agosto de 1936, em Granada, no início da Guerra Civil Espanhola, e seu corpo nunca foi encontrado.
Segue o poema A Federico Garcia Lorca, de Carlos Drummond de Andrade:

A FEDERICO GARCIA LORCA
Carlos Drummond de Andrade


Sobre teu corpo, que há dez anos
se vem transfundindo em cravos
de rubra cor espanhola.
Aqui estou para depositar
vergonha e lágrimas.

Vergonha de há tanto tempo
viveres – se morte é vida –
sob chão onde esporas tinem
e calcam a mais fina grama
e o pensamento mais fino
de amor, de justiça e paz.

Lágrimas de noturno orvalho,
não de mágoa desiludida,
lágrimas que tão-só destilam
desejo e ânsia e certeza
de que o dia amanhecerá.
(Amanhecerá.)

Esse claro dia espanhol,
composto na treva de hoje
sobre teu túmulo há de abrir-se,
mostrando gloriosamente
– ao canto multiplicado
de guitarra, gitano e galo –
que para sempre viverão
os poetas martirizados.


* *


REFERÊNCIAS:
Gibson, Ian. O assassinato de Garcia Lorca, Trad. de Ernani Ssó, Porto Alegre: L&PM Editores, 1988, p. 271.
Andrade, Carlos Drummond de. Antologia poética, 11ª ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1978, p. 93-94.


      *  *  *



32 comentários:

  1. Caro Pedro,
    Aqui o amigo citou dois dos melhores poetas do Mundo. Um totalmente conhecido por nós... Que com suas “pedras no caminho e noventa por cento de ferro nas calçadas e oitenta por cento de ferro nas almas...” - educou gerações com suas crônicas de humor refinado e poesias esplendorosas. “Drummond”, não é somente um excelente criador de versos, o nosso “Carlos” se tornou VERBO... Foi “ser gauche na vida!”.
    Já “Federico García Lorca”, ainda hoje (quase 90 anos após seu assassinato), é considerado um dos grandes nomes da literatura espanhola e mundial.
    Gostei muito da leitura.
    Um abraço! E cuide-se!!!

    ResponderExcluir
  2. Un'interessante,quanto utile, dedica poetica che ho molto apprezzato per forma e contenuto.
    Vari saluti, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Gosto imenso dos dois. Conheço a história de Frederico Garcia Lorca. Tenho uma biografia e um livro de poemas. Drummond se Andrade, é a par de Vinicius de Morais os meus poetas de eleição no vosso país.
    Gostei muito de ler.
    Abraço e saúde.

    ResponderExcluir
  4. Uno de los grandes poetas y dramaturgos del mundo y uno de mis preferidos.
    Leí los libros de Ian Gibson sobre este doloroso tema. Es un gran especialista en historia.
    Sin duda, una muerte injusta e inmerecida pero su obra siempre quedará para el recuerdo.
    Un beso. Mucha suerte.

    ResponderExcluir
  5. Beleza de post trazendo esse lindo poema e a homenagem de um a outro grande! abração, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  6. Dois poetas maravilhosos, quiçá dos melhores que existiram e existem. Leio muitos poemas tanto de um, como de outro.
    .
    Cumprimentos
    Cuide-se

    ResponderExcluir
  7. Adorei a publicação. Obrigada pela partilha!
    -
    Desalento...
    Beijos e uma excelente tarde!

    ResponderExcluir
  8. É sempre bom trazer a história de volta.
    Passamos, às vezes, muito tempo sem revisitá-la e esquecemos as lições que ela guarda. Dois eternos poetas. Não deveríamos passar um só dia sem revisitá-los, mesmo para lermos um poema de cada um deles.
    Um grande abraço, meu amigo!

    ResponderExcluir
  9. Dois grandes poetas, dois "monstros" da poesia.
    O poema do Drumond ao Lorca é um hino.
    Interessante homenagem.
    Caro Pedro, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. Es un poeta, al que admiro. Además es de Andalucía, tierra en que yo he nacido.

    Besos

    ResponderExcluir
  11. Boa noite de esperança, Pedro!
    Gosto muito de ver a amizade ente poetas.
    É muito salutar que quem goste das Letras seja amigo e apreciar o trabalho do outro. Fico muito contemplada quando vejo também respeito, ética e empatia.
    Muito bom ter passado aqui agora.
    Tenha um Maio abençoado!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, Pedro, mais uma postagem extremamente rica dentro da literatura. Carlos Drummond é um dos expoentes de nossa literatura, sempre foi aclamado por seus registros. Quanto ao nome, Federico Garcia Lorca me despertou muita curiosidade, vou procurar conhecê-lo mais, através de suas poesias e trabalhos na dramaturgia. Excelente postagem, aula valiosa para mim, obrigada! Tenha uma boa noite!

    ResponderExcluir
  13. Pedro Luso e sempre bom recordarmos os grandes escritores que o nosso mundo vem produzindo, que por sua vez, fazem elevar a essa mesma sociedade. Falecer de morte natural como Drummond, a sociedade fica com dever de gratidão; já a morte às mãos de guerrilheiros inimigos da cultura como Lorca: é um assassínio, que como qualquer assassínio politico, toda a sociedade, deve condenar e ter bem presente, para não possa voltar a acontecer.
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Carlos Drummond de Andrade só podia ter ficado indignado e perplexo com a morte de Garcia Lorca… O poema dedicado a Garcia Lorca é muito comovente. Poetas que nunca esqueceremos…
    Um bom fim de semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Pedro

    gosto dos dois poetas, que são eternos assim como as suas obras.

    o poema de Carlos Drumond de Andrade a Federico G.Lorca é um hino poético e realista.

    gostei bastante.

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  16. Bom dia Pedro
    Dois grandes poetas. Linda poesia. Abraços extensivos a querida amiga Taís. Feliz semana para vocês.

    ResponderExcluir
  17. Um encanto de publicação.

    ResponderExcluir
  18. dois poetas de primeira grandeza,
    na constelação dos poetas universais
    do nosso tempo cultural

    privilégio dos teus leitores
    e louvor para ti, que tão sabiamente os divulgas

    forte abraço, meu caro amigo Pedro Luso

    ResponderExcluir
  19. La fuerza de García Lorca ha impactado a gran número de poetas y otros artistas de todo el mundo.
    Por su influencia muchos estudiantes de humanidades decidieron estudiar el idioma español y a Granada no han dejado de llegar hispanistas.

    Interesante el poema que Carlos Drummond le dedicó a Federico. Saludos.

    ResponderExcluir
  20. Duas referencias intemporais
    Abraço

    ResponderExcluir
  21. Um grande do Brasil e da nossa língua comum!

    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  22. Voltei para ver as novidades.
    Aproveito para lhe desejar a continuação de uma boa semana.
    Um abraço, caro Pedro.

    ResponderExcluir
  23. Dois nomes de referência
    Que admiro e respeito
    Mesmo não sendo do jeito
    À minha luz de excelência
    Por gosto apenas. A essência
    Das obras, é muito boa,
    E ao universo ressoa
    A um e outro escritor.
    Mas tenho paixão e amor
    Só a Fernando Pessoa!

    Meu amigo Pedro, dizia Fernando: Não sou eu que escrevo, uma mão escreve em mim e eu creio que esse poemeto saiu por uma mão que escreveu por mim captando meu espírito indomável e politicamente incorreto. Perdão! É a pandemia que enlouqueceu-me, mas tive que ser espontâneo e deixar o que a mão alheia escreveu! Sabe que amo vocês dois - tu e Tais e me entenderás! Abraços! Laerte - o antigo vulgo Lalá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí está o comentário de Laerte Tavares, estimado amigo e poeta de reconhecido talento, membro da Academia de Letras de Santa Catarina, a demonstrar mais uma vez a sua admiração incondicional ao grande poeta Fernando Pessoa, que, no meu entender, é um dos mais importantes poetas da língua portuguesa.

      Ficamos muito contentes Taís e eu pelo teu comentário carinhoso, sentimento que como tu sabes é recíproco.

      Grande abraço.
      Pedro.

      Excluir
  24. Bom dia Pedro,
    Dois dos maiores Poetas, aqui lembrados num post extraordinário.
    O poema de Drumond a Lorca emocionou-me.
    Um momento muito belo este destaque aos dois.
    Beijinhos e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  25. Duas referências do melhor que há!

    Pedro
    Obrigada pela partilha

    Hoje venho dizer que acabei de fazer um post novo
    aqui:
    http://orientevsocidente.blogspot.com/

    Há mais de 1 mês que não fazia nenhum post neste blog
    também gerir 5 blogues não é tarefa fácil
    vai-se fazendo o que se pode!

    E, em silêncio, aguardo a sua visita
    Bom domingo,
    Kalinka / Tulipa

    ResponderExcluir
  26. Uma escolha perfeita, dois poetas que adoro ler.
    Bom domingo e fique bem
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  27. Grande mestre Pedro, sei de sua admiração pelo Drummond e hoje o encontro de dois maravilhosos da literatura para nos falar desta coisa maldosa da violência, que silencia a poesia, deste sistema brutal que espanca atores em palco e cala a voz dos que se arvoram a pensar diferente.
    Muito boa partilha amigo Pedro.
    Que a semana seja leve amigo.
    Meu abraço e muita paz para vocês.

    ResponderExcluir
  28. Caro Pedro

    Juntar aqui Drummond de Andrade e García Lorca é um presente para os seus leitores. Dois grandes que nos enriquecem culturalmente e através deles nos comprazemos no legado que nos deixaram.

    Obrigada, amigo Pedro Luso.

    Bom inicio de semana.

    Abraço

    Olinda

    ResponderExcluir
  29. Fuzilaram o poeta, mas a sua voz ecoará por todo o sempre. Ainda com mais força.

    E Carlos Drumond de Andrade soube elevá-lo ao estatuto dos imortais. Poema belo e eloquente.

    Grande abraço, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  30. Uma publicação ao mais alto nível, por aqui, sobre estes dois poetas maiores... que a própria vida!...
    Ambos com uma obra notável, e imortal!...
    Magnifica partilha, Pedro! Beijinho! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho