>

23 de jan. de 2020

[Poesia] PEDRO LUSO – Os Cupins





OS CUPINS

-- PEDRO LUSO DE CARVALHO



Neste verão os cupins vivem aqui,
na querida Porto Alegre,
cidade de todos
que aqui moram,
minha cidade por adoção
e de outros filhos adotivos,
como o ilustre poeta
Mário Quintana,
que aqui chegou bem antes.

Meu canto é sobre cupins,
do tema não fugirei,
já que são assuntos
em conversas tantas
de mulheres aflitas
e de homens zonzos,
com tantas falas e zumbidos.

Há tantos cupins na casa,
voando na tarde,
na noite adentro,
por aqui
por ali
com ares de trapezistas
dos melhores circos,
depois perdem as asas
qual flores despetaladas.

Sem asas furam madeiras
deixando no chão
sobras dos seus jantares
e suas asinhas incolores.

Pensei em vender a casa,
mas Taís, mulher de fibra,
não concordou,
daqui não quer sair.

A impressão que ficou
é que Taís amor pegou
aos bichinhos voadores,
destruidores de móveis,
portas e janelas
bem longe de nossas vistas,
num trabalho silencioso,
devastador trabalho.

Como recordação,
ficam as madeiras
corroídas
e as asinhas
descoloridas
em todas as peças da casa.




*  *  *



41 comentários:

  1. Boa noite Pedro.
    Imagino mesmo a mulher guerreira a querida Taís iria se render aos cupins. Mete foto neles rsrs. Tirando o tom de brincadeira eu dei conta do cupin com incenso. Já tinha colocado muitas coisas e nada os móveis de madeira indo embora. Até que um funcionário da loja me disse toque fogo deles é eu respondi e vai junto á casa inteira no fogo. É foi aí que ele me explicou o quê era cupim. Eu nem fazia ideia é ele me explicou que eles morrer em alta temperatura. Tipo colocar incenso no local acesso. Água morna etc. Deu certo por um tempo, depois eles me venceram me difiz de todos os móveis de madeira. Boa sorte na reforma. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  2. rsssrsss, adorei, excelente poema que me pegou de surpresa, conseguiste retratar a minha agonia, mas moramos num país tropical, nossa rua é arborizada e a dedetização é solução temporária. Os cupins vão, mas voltam quando sentirem saudades da casa, comida e roupa lavada! Temos tudo o que os cupins adoram: calor e madeira. E voam para nossas casas onde há mais madeira e livros! Adoram livros. Não adiantaria mudarmos de casa, eles estão por todos os lugares.
    É um estresse, sim, só tenho medo de um dia 'eu' precisar de um tratamento psiquiátrico rssss - odeio cupins, baratas e aranhas.
    Beijinho daqui do lado!

    ResponderExcluir
  3. Animali fastidiosissimi, che invadono la casa, molto ben delineati nei versi della tua bella poesia.
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  4. Bem humorado poema sobre esses bichinhos chatos que resolveram atacar nossa Poa... Adorei o bom humor! abraços, chica e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  5. Hola Pedro, parece que este bicho silencioso os invaden y no hay forma de terminar con ellos. Buen poema para denunciar a las termitas destructoras de las maderas, ojalá hubiera algo eficaz para que no volvieran aparecer.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  6. ¡Vaya, amigo Pedro!
    Eso de que Tais no aceptó el cambio, me recuerda a un amigo que sostenía la existencia solamente de dos tipos de matrimonio: 1.-Manda la mujer 2.-Se separan, jajaja.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia de paz, amigo Pedro!
    Interessante que, lendo os dois primeiros comentários, aprendi sobre incenso que gosto de usar. Depois, que Taís odeia os peçonhentos como os que citou e eu também.
    Já tive ataque de cupim... Uma barbaridade.
    Espero que a situação aí melhore.
    Quanto ao poema, retratou humoradamente a realidade enjoada daí.
    Tenha paz e alegria!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  8. Muito bom. Obrigada pela partilha!
    -
    Cansada de estar cansada...
    Beijo e uma excelente tarde!

    ResponderExcluir
  9. Nunca imaginei que fosse possível um poema sobre tal praga.
    Magnífico, gostei imenso.
    Caro Pedro, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  10. :-)) Imagino o som... por eles produzido... quando a casa está em silêncio... a minha avó tinha uma casa de campo, onde havia alguns, nos barrotes do tecto, e nas portas... à noite, na hora de dormir... parecia que o som que produziam, arranhavam o nosso cérebro!... :-D
    Adorei o poema!!! Tal como o Jaime... estava longe de imaginar, que tal praga pudesse ser abordada sob uma vertente tão poética...
    Eu não sei se resulta... mas a minha mãe, costuma usar um pequeno truque, para afastar mosquitos na cozinha... e o que é facto... é que nunca mais se viram... ela costuma espalhar em pontos estratégicos, em pequenos recipientes, pimenta preta... e há quem corte rodelas de limão... onde espete cravinhos da Índia... são duas soluções naturais... que parece, que azucrinam muitos asudos, e eles se afastam... sobretudo do limão com cravinho da Índia... se nesses daí, funcionam ou não... não custa experimentar... no limite do desespero... já não há mais nada a perder... e depois são produtos naturais, que facilmente se encontram no mercado... e não causam quaisquer intoxicações... aos demais habitantes da casa... que não tenham asas... :-))
    Beijinho! E... boa sorte, nessa luta!... :-))
    Ana

    ResponderExcluir
  11. Oi, Pedro, o cupim é uma praga ...eles comem tudo desde sempre e infelizmente além dos próprios ainda temos que lidar com os cupins políticos que já são metáforas de nossa história.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Gostei de ler. É preciso muito talento para transformar uma praga como essa num poema tão interessante.
    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Jaime, até fui ver no dicionário esse nome cupim, pensando será mesmo isso que dá para fazer um poema ?!
    talvez poeticamente falando deles, sentimos menos medo e relativizamos o assunto !?
    abraço e boa semana
    Angela

    ResponderExcluir
  14. Pedro,
    Adoro essa forma de
    abordagem de assuntos
    através da poesia.
    É fantástico e dinâmico.
    Quanto aos cupins: por aqui
    as formigas chegaram 1º
    que os cupins e será uma
    festa quando se juntarem.
    Adorei ler.
    Bjins de bom fim de semana.
    CatiahoAlc./Reflexod'Alma
    entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  15. Na vida nada é perfeitamente inútil

    ResponderExcluir
  16. Olá amigo Pedro,
    Poeta que é verdadeiramente poeta, vê poesia em tudo, e vc construiu um interessante poema. Ai ai cupins são devastadores mesmo, e vc sabe que existem pessoas pior que cupins? Gostei de ler seu poema.

    Bjs no coração e boa semana que se inicia.

    ResponderExcluir
  17. Resulta duro comprender que nos vencen. Estos soldados valientes y correosos son inasequibles al desaliento, trabajan día y noche, mastican y mastican con la seguridad de que por uno que caiga, otros diez saldrán de su guarida con los colmillos bien afilados y ocuparán su puesto. Chapó.

    ResponderExcluir
  18. La dignidad es un componente que va unido a la calidad de la persona. No se adquiere, ni se vende, ni puede comprarse.
    El hombre que arrastraba su carrito subiendo y bajando una y otra vez las cuestas para conseguir un poco de dinero para su familia, iba elevando su categoría humana. Así mismo, la conductora demostraba una carencia de alma patética.
    Querida Tais, caer en la miseria podemos hacerlo cualquiera. Pero levantarse, no rendirse y luchar por pocos medios que tengamos, sólo está al alcance de los mejores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Ana recebi este comentário que não foi dirigido para mim. Vou guardá-lo aqui até você enviá-lo para a última crônica da Taís. Beijo.

      Excluir
  19. Muito interessante o seu poema sobre os cupins que lhe invadem a casa. Estou a imaginar a Taís a juntar-se a eles já que não os pode vencer.
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  20. Posso imaginar a luta da Taís contra esses invasores silenciosos que acabam com a nossa mobília e nós dá um baile quando tentamos limpar suas asinhas transparentes espalhadas pelo chão. Interessante o seu poetar sobre os cupins
    Um ótimo dia amigo Pedro
    Um abraço

    ResponderExcluir
  21. Sí que es difícil combatirlos.
    Lo has expresado muy bien en tu poema.
    Sin duda, excelente.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  22. Pedro, desculpa mas depois de ler o teu poema e os comentários não consegui deixar de rir. Uma barrigada de riso!
    E não devia, eu sei, pois o assunto - que com seriedade risível relatas - é sério, sim senhor!
    Tudo se vai resolver. Poeta capaz de poetizar sobre os malvados cupins + mulher de fibra, não se deixam derrubar por bichinhos voadores que depois de rodopiarem perdem as asas e furam madeira. (o que eu aqui aprendi...)
    Hoje, 2 beijos. Boa semana, queridos amigos.
    (Tais, nada de caíres de amores por bichinhos que engolem palavrinhas de livros, tá?!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Teresa!
      É muito bom te ver de volta ao meu blog, com teus amáveis comentários.
      Claro, Teresa, que o tema do poema tem lá a sua graça. A nossa amiga Chica, que comentou acima, disse que achou o poema muito engraçado.
      A minha avó, por exemplo teria dito que esses bichinhos também são filhos de Deus.
      Não sei se tu conheces o poeta Augusto do Anjos? Nos seus poemas estão presentes vermes e outras coisas mais. Quando ele morreu Olavo Bilac disse que “a poesia não perdeu nada” (as palavras podem ser outras, mas a mensagem de Bilac foi essa). A obra de Augusto dos Anjos é hoje estudada e por muitos admirada.
      Uma excelente semana, querida amiga, com muita paz.
      Um beijo.

      Excluir
    2. Obrigada, amigo Pedro! Acredita que nem eu sei por onde andei, o que importa é que voltei!
      Nunca ouvi falar do poeta Augusto dos Anjos e, curiosa, fui pesquisar: nasceu em Paraíba, 1884; faleceu em 1941, de pneumonia; tem apenas um livro publicado "Eu", 1912.
      Li alguns poemas. São diferentes de tudo o que já li e o vocabulário utilizado pode chocar alguns leitores. Eu senti um misto de estranheza-admiração: pelos temas tratados e pela audácia do senhor.
      Sem dúvida, vou ler mais e quem sabe, um dia o leve ao meu Rol. Para censura chegou a da sua época.
      "Eu, filho do carbono e do amoníaco,/Monstro de escuridão e
      rutilância,/Sofro, desde a epigênese da infância,/A influência má dos signos do zodíaco."(Versos do poema «Psicologia de um vencidos")
      Da meia dúzia de poemas que li, estes versos são os mais «simplinhos» que encontrei.
      Pedro, gostei da dica.
      Beijo.

      Excluir
  23. que bicharocos estranhos esses cupins, amigo Pedro
    será que sairam de um qualquer livro de Franz Kafka?
    para teu contentamento ... rs

    grande abraço

    ResponderExcluir
  24. Caro Pedro,
    por aqui o caruncho come a madeira, de modo que deve ser o mesmo bicho. Esses cupins deram um curioso e belo poema. Gosto de poemas da vida quotidiana. Espero que se mudem rapidamente. Que praga! Por aqui há um produto que os mata, mas não me lembro do nome. Já o usei na recuperação de uma mesa que trouxe da aldeia. Os buraquinhos ficaram à mostra porque lhe conferem antiguidade. A mesa não valia muito, mas recorda-me a minha avó.
    Tenho algures um poema que abandonei com a ideia de voltar a ele, Quem sabe um dia!
    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Pedro,
    muito obrigada por ler e comentar lá no Espelhando.
    Quando Vc comentou duas letras pularam e
    minha pergunta é: quer que eu publique assim mesmo?

    ResponderExcluir
  27. São uns bichinhos que quando aparecem é difícil de os exterminar e os móveis é que pagam.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  28. Passei para ver as novidades.
    E gostei de reler o seu magnífico poema.
    Caro Pedro, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Estimado amigo Pedro
    Hoje vim trazer um convite.
    Neste ano de 2020 quero alinhavar no meu blog Sonhos e Poesia um projeto intitulado "Café Poético" , quinzenalmente será apresentado na minha página uma pérola poética de sua autoria à sua escolha para que possa ser apreciado pelos nossos amigos e amigas leitores. Maiores informações no meu blog. Passe por lá, leia a postagem e sinta-se à vontade para aceitar ou recusar o convite.
    Beijinhos poéticos

    ResponderExcluir
  30. Es el terror de los habitantes de la casa, cuando atacan a sus maderas...de ahí que tengan tan pocos admiradores.

    Besos

    ResponderExcluir
  31. Cheguei, finalmente, Pedro! Desculpa esse atraso; não costumo deixar as pessoas à minha espera e muito menos faltar aos compromissos, mas, avisei a Tais por e-mail de que não daria para chegar a tempo ao teu escritório. Mas ela, tão " baratinada " com os cupins e depois com a arrumação, talvez não te tenha dado o recado; talvez até ela esteja um pouco zangada, Pedro, porque, fazer um poema aos cupins que tentavam arruinar a cozinha dela, é uma maldade, não te parece? Mudar de casa, dizias tu, mas, Amigo, achas que eles não vos seguiriam? " Cama, mesa e roupa lavada " , tudo de graça e, ainda por cima, o dono da casa a dedicar-lhes um poema...tratamento " vip " ; além disso, também " são filhos de Deu" e, como qualquer criaturinha de Deus, tem os seus direitos e merecem todo o respeito. Não me ri tanto como a nossa amiga Teresa, mas, achei uma piada aproveitares a praga para fazeres um poema: além de engraçado, é um caso inédito, pelo menos para mim que sou pouco conhecedora do mundo poético. Pedro, agora que o problema está resolvido, " reza " para que os cupins não tenham lido o poema e, assim, se afastem de vez da tua linda cozinha. Um beijinho e que a semana seja tranquila, com toda a bagunça, agora, arrumadinha
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emília, a Taís transmitiu o teu recado, que estavas muito ocupada e que virias mais tarde ao meu blog. Claro que ela jamais ficaria zangada contigo. Ela gosta muito de ti.
      Gostei muito do teu comentário, querida amiga. Na realidade, uma bela crônica nesse teu comentário. Dei boas risadas com tudo o que disseste. Depois que me chamaste a atenção fico torcendo para que os cupins não tenham lido o poema.
      Uma boa semana, Emília.
      Beijo.

      Excluir
  32. Don Pedro:
    Termitas, odiosos insectos que devoran los recuerdos.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  33. Quem pode com estes bichinhos de asas descoloridas, somente o fogo amigo Pedro. Ainda que a guerreira Taís os tenha concebidos como amiguinhos, haverá sempre um restinho de comida, que vem como alerta, que logo tudo vai ruir.
    Bela humorada inspiração nestes devastadores.
    Abraços amigo.

    ResponderExcluir
  34. Amei ver os cupins em forma poética e com muito humor. Taís é uma mulher, além de sensível (dos cupins tornou-se amiguinha rsrsrs), sábia, de fibra e guerreira.
    Beijos afetuosos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre uma alegria receber a tua amável visita, querida amiga Lúcia. Espero que volte sempre.

      Beijo.
      Pedro

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho