>

13 de jan de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO – Castigo





CASTIGO
– PEDRO LUSO DE CARVALHO



Alguém lembrará do bem que fiz?
Castigo se nada for lembrado,
depois que aplainei tantos caminhos,
para que andassem os pés descalços.

Alguém lembrará do bem que fiz?
Há os que pensam ser devedores
ante a mão que se abre em doação,
como sendo gesto de domínio.

Alguém lembrará do bem que fiz?
Não sendo esquecido pela mão
estendida, pródiga no auxílio,
as marcas não ficarão no tempo.

Alguém lembrará do bem que fiz?
Aguardem os beneficiados,
na caminhada terão castigo
no crepúsculo, beira da noite.




*   *   *




33 comentários:


  1. Pedro, teu poema ‘Castigo’ retrata, de forma realista, o sentimento das pessoas que se dedicam a fazer o bem, que primam por ajudar aqueles que precisam. Isso é fato, existem pessoas muito generosas, como também aquelas ingratas, um sentimento asqueroso. As teorias psicanalíticas dizem que aqueles que muito recebem, ficam com um sentimento de devedores, por serem muito favorecidos e alguns acabam sendo ingratos, revoltam-se, sem muita percepção de seus atos e o quanto magoam àqueles que os ajudam.
    Poema forte e triste quando começamos a pensar o quanto isso é comum no ser humano.
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Pedro!
    Interessante abordagem depois de uma conversa que tive há pouco tempo.
    Ser gratuito no doar-se é um grande Dom!
    A sensação de não reciprocidade desaparece no ar como fumaça...
    Um poema real e que foi concebido com sentimentos profundos de quem sabe bem O que exprimem os versos dele.
    Um dos mais expressivos que li aqui.
    Fez-me muito bem e foi como uma confirmação de tudo que sinto e como sinto.
    Muito agradeço sua preciosa partilha inspirada.
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Abraços fraternos de paz e bem
    🙏🙏🙏

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema e o tema tão comum na nossa sociedade...Uma pena o não reconhecimento, a ingratidão...abraços praianos,chica

    ResponderExcluir
  4. L'ingratitudine è una realtà molto diffusa nei tempi in cui viviamo
    Versi apprezzati, buongiorno Pedro

    ResponderExcluir
  5. A gratidão não abunda neste mundo, meu Amigo Pedro. Tantas vezes se faz o bem e nem sempre é reconhecido. Mas é bom continuar a fazê-lo porque quem pratica o bem há-de ter na alma a limpidez da pureza…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde! Um poema lindo demais!! :)

    Gélidos campos...
    Beijo, e uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  7. Bom dia meu querido amigo poeta, Pedro!
    Seus versos comoventes nos traz em mente o que todo mundo sabe, não se espera gratidão dos que são ajudados, pois há uma coisa que muitos têm e não querem admitir, orgulho, eis uma coisa que mata, portanto não são reconhecidos os bens feitores do mundo, pois o orgulho é o vencedor em tudo!
    Tens uma sensibilidade ímpar, me tocou profundamente, acho até que a frase "fazer o bem sem olhar a quem" diz tudo disso, sem olhar a quem e sem esperar nada em troca, nem gratidão!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  8. El amor es la base de todo, sin él el mundo estaría acabado.
    Pedro es un placer leer tus letras, gracias por compartir.
    Feliz lunes y semana amigo.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  9. Sempre um gosto ler o que escreve:))

    O nosso amigo Gil António, diz :- São os teus olhos o néctar

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda - Feira

    ResponderExcluir
  10. Magnífico poema!!.
    A veces, no existe el agradecimiento para el bien que se hace.
    Un placer tus letras.
    Un beso. Feliz semana .

    ResponderExcluir
  11. La naturaleza de nuestra especie no es mostrarse agradecida y menos aún que ese agradecimiento perdure en el tiempo. Tendemos a pensar que lo que recibimos es en función de nuestros méritos. Todo el poema merece ser destacado pero yo encuentro con más fuerza la siguiente estrofa:

    Alguém lembrará do bem que fiz?
    Não sendo esquecido pela mão
    estendida, pródiga no auxílio,
    as marcas não ficarão no tempo.

    Saludos muy cordiales y afectuosos.

    ResponderExcluir
  12. Belo poema que nos diz que gratidão nem sempre acontece. É mais fácil que se lembrem do mal do que do bem. Feliz semana

    ResponderExcluir
  13. Neste nosso mundo, tão distorcido... infelizmente, tende a contemplar-se a bondade... com o esquecimento!... Por norma, as pessoas têm uma memória muito curta... havendo até um ditado popular, no que se refere a tal... "Se alguém se lembra do bem que alguém lhe fez, só se lembra desse alguém quando precisa outra vez."
    E assim se caracteriza a norma, do interesseiro sistema de valores... que a grande maioria das pessoas, segue religiosamente...
    Fica-nos contudo a satisfação interior, de sabermos que fomos para outrem, o melhor que conseguimos ser... e de não termos quaisquer problemas de consciência...
    E como será cada vez maior a tendência, para a superficialidade absoluta... creio que seremos lembrados... pela última coisa que fizemos... e por vezes, toda uma existência... se resumirá somente a isso...
    Um belíssimo poema... que me fez reflectir... sobre algo em que nunca parei para pensar, em profundidade, confesso!...
    Beijinho! Feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  14. Oi, Pedro, há algum tempo li uma frase que foi atribuída a Ulisses Guimarães:
    "O dia do benefício é a véspera do dia da ingratidão". Para muito é assim mesmo, mas para os políticos é bem comum....Nas experiências da vida penso que a nossa maior recompensa já está no ato de se praticar o bem . Faz bem à nossa alma, se bem que receber um reconhecimento também é agradável; mas não nos prejudicarem já nos damos por satisfeitos. A vida sempre ensina e um dia a consciência falará mais alto.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Essa pergunta deve ser feita por muitas pessoas que fazem o bem e nem um obrigado recebem em troca; não é que se faça o bem para se ser reconhecido, mas agradecer não custa e anima a que o bem continue a ser feito. Mas, ao ler o teu poema lembrei-me especialmente dos idosos que passaram a vida a trabalhar para o bem dos filhos e no fim da vida acabam esquecidos, muitas vezes com pés descalços, caminhando frágeis, muitas vezes sem as minimas condições para uma vida digna; há também os que muito ajudaram os outros e depois, quando chega a velhice, não há um capaz de lhes fazer uma visitinha. No caso dos filhos que abandonam os pais, creio que o " castigo" virá sim, porque se eles não derem o exemplo perante os seus filhos, eles não aprenderão a respeitar essa fase triste da vida e farão o mesmo com os seus pais; um dia serão estes os largados à sua sorte, abandonados em casa ou em asilos; esse será o castigo para aqueles que não souberem reconhecer o bem feitobpelos seus idosos. Pedro, a cada dia devemos agradecer, pela saúde que temos , pelos filhos e netos que a vida nos deu, mas nunca devemos esquecer os que nos deram a vida, os que fizeram tudo para o nosso bem -estar e a melhor maneira de lhes agradecer é proporcionar-lhes uma velhice digna; não é preciso muito dinheiro para isso, porque o que eles mais querem é a presença dos filhos e dos netos e o seu afecto; não precisam de vida luxuosa, precisam de carinho e de saberem que, quando a hora deles chegar, partirão com os seu queridos junto deles. Sei que o meu pai partiu rodeado de carinho e com certeza acontecerá o mesmi com a minha mãe. Desculpa, Pedro , por falar neles, mas ao ler este teu poema foi inevitável. Sei que me entendes. Um beijinho e desejo-te saúde a ti e aos teus.
    Emilia

    ResponderExcluir
  16. Grande mestre Pedro, nos caminhos da vida somos continuamente castigados e ao mesmo tempo refeitos pela nossa própria determinação de reviver. Ficam as marcas e algumas cicatrizes que as vezes sangram.Mais que poesia uma reflexão de comportamento. Belo trabalho amigo. Bela tela na ilustração.
    Semana linda e leve para você e Tais.
    Abraço terno amigo.

    ResponderExcluir
  17. Pues... Espero que sí.
    Dependerá de lo selectiva que sea la memoria del individuo.
    Por mi parte nunca olvido el bien que me hicieron a mi o a los míos.
    Ni tampoco el mal por el mal, a sabiendas. Y estoy segura de que así debe ser.

    ResponderExcluir
  18. La gratitud muchas veces pasa desapercibida por nuestra ingratitud humana que a veces pesa más. Pero ya el simple hecho de hacer el bien, es para mi una recompensa.
    Un abrazo querido amigo.

    ResponderExcluir
  19. Um poema magnífico que fala magistralmente da ingratidão humana.
    A imagem é belíssima.
    Um beijinho,
    Ailime

    ResponderExcluir
  20. Sem boas memórias
    não existem bons amanhãs

    ResponderExcluir
  21. Esperar gratidão de quem ajudamos é inútil, conte sempre com a ajuda de quem você não espera, essa sim é verdadeira.
    Aprendi isto com a morte de meu pai, as pessoas a quem ele ajudou sumiram como fumaça...
    Gostei do poema Pedro.
    Grande abraço, Léah

    ResponderExcluir
  22. Pedro,
    Alguém lembrará Sim com certeza.
    A nós cabe seguir de poesia
    em poesia.
    Lindos versos.
    Bjins
    CatiahoAlc. do blog Espelhando
    Obs: se desejar conhece meu blog de Frases
    https://frasesemreflexos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. "Faz o bem, sem olhares a quem..."
    certos de que em cada esquina espreita a inveja e a traição
    sem ilusões, portanto.

    gostei muito do poema, caro Pedro Luso

    forte abraço

    ResponderExcluir
  24. Devemos estar sempre reconhecidos pelo bem que nos fazem.
    Magnífico poema, parabéns.
    Caro Pedro, bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  25. Hermoso poema, amigo Pedro, que refleja los dobleces de muchas almas.

    Qué tengas un buen fin de semana.

    ResponderExcluir
  26. Pedro, fiquei profundamente emocionada com o teu poema. (Emocionada e quase sem palavras...)
    A gratidão é uma escolha, então, sejamos autênticos.
    Poema belíssimo. Tela magnífica.
    GRATA eu sou, meu amigo, pela tua poesia e pela tua amizade.
    Beijo e bom domingo.

    ResponderExcluir
  27. O bem raramente é lembrado, mas isso também não importa muito


    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  28. Maravilhoso poema!
    Devemos lembrar sempre o bem que nos fazem!
    Convido-o a ler o último capítulo de "Um Oceano entre nós"
    Espero que goste
    Beijinho

    ResponderExcluir
  29. Pedro, a gratidão é um sentimento que devia estar intrínseca em todos os corações, mas infelizmente isso não acontece e quantas vezes somos confrontados com actos de ingratidão por pessoas de quem não estávamos mesmo nada à espera.
    Sentido, profundo e belo poema.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  30. Também sou dos que sentem que a gratificação é mesmo de quem pratica o bem.
    É uma forrma de purificação. A vida e tão breve!

    Belo poema!

    Beijos, Pedro.

    ResponderExcluir
  31. Belo poema, Pedro. Aqui se apreende o valor das palavras, dos gestos, das ações... Aqui se apreende como a linguagem cria o seu próprio sentido independentemente da significação nela contida...
    Um abraço, caro poeta!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO