>

15 de fev. de 2020

[Poesia] PEDRO LUSO – Na Janela





NA JANELA

– Pedro Luso de Carvalho



Guardo a imagem do homem
na janela,
a esconder-se
no outro lado da vidraça,
quando por ali eu passava.

Eu era menino, ainda lembro
daquele homem,
do seu vulto,
a esconder-se na alva cortina,
que mais mostrava que escondia.

Quando eu passava pela casa,
na quietude
das manhãs,
tomado de medo do homem,
olhava-o com o canto dos olhos.

Com as perninhas a tremer,
sem fôlego,
corria, corria,
até chegar à minha escola.

Todos diziam que era louco,
o pobre homem.
Uma criança,
foi tudo o que nele pude ver.




*  *  *




43 comentários:

  1. Osservazioni poetiche sulla figura di un ragazzo inquieto, che mette soggezione...
    Versi originali, molto apprezzati.
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  2. Quando si è giovani, si è facilmente impressionabili e pregiudizi e discriminazioni colpiscono facilmente la fantasia.
    Ciao Pedro, felice weekend.
    enrico

    ResponderExcluir
  3. Linda casa que abrigava o pobre homem que medo ao menininho transmitia... Linda poesia,Pedro! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Pedro,
    Eu amo sua poesia, e seu
    texto melembra uma cronica
    que o Palhaço Poeta escreveu
    essa semana.
    Ótimo fim de semana.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  5. “...Todos diziam que era louco, o pobre homem. Uma criança,foi tudo o que nele pude ver.”

    Meu caro Pedro,
    Aqui, “tudo que pude ver”, foi mais um belo poema... Com razão, empatia e êxtase na admiração do olhar, que é diferente em cada um de nós!
    Um abraço meu amigo e bom final de semana!!!

    ResponderExcluir
  6. La casa se ve bonita.
    Misterio en su interior.
    Un interesante y estupendo poema.
    Un beso. Feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  7. Que lindo, a bela casa inspirando e você com sua sensibilidade foi criando e rimou com perfeição dando sutilmente a sugestão do que vai no coração de um menino!
    Pode até ser suas próprias lembranças, pois eu sei como é isso, na minha rua tinha um castelo que diziam ser assombrado, eu menina passava em frente e tinha imensa vontade de entrar lá, nossa, lendo aqui e eu me lembrei disso!
    Amei, parabéns, você sempre criativo!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  8. Boa noite de sábado, amigo Pedro!
    Fui lendo e entrando na cena, logo me veio à mente uma casa em Petrópolis (RJ) que se dizia ser mal assombrada.
    Hoje em dia, é um lindo local para se passar e tomar um excelente lanche. Tem cobrado ingresso para quem se atreve a subir as escadarias...
    Seu poema me trouxe à memória uma boa lembrança de lugar onde morei e adoro.
    Vi algo aqui ao ler... E o poeta viu algo similar a ele na ocasião.
    Muito bonito um olhar de pureza de criança onde os demais vêem outra coisa
    Tenha uma nova semana abençoada e feliz!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  9. Mais um brilhante poema. Adorei! :)

    -
    Candura e entusiasmo de andar em liberdade
    -
    Beijos. Bom Domingo!

    ResponderExcluir
  10. E talvez contudo... o isolamento, lhe assegurasse a felicidade, e a paz de espírito... que se calhar o mundo real não lhe proporcionaria... e se pensarmos bem... no estado actual deste nosso deplorável mundo de hoje... guerras... pandemias... desigualdades... infortúnios e injustiças de toda a espécie... quase que dá vontade, de lhe ir bater na porta e implorar... "Deixe-nos também entrar!...
    Uma belíssima inspiração, que nos faz pensar, no mundo dos outros...
    Beijinho! Feliz domingo!
    Ana

    ResponderExcluir
  11. Es normal que se ocultara. las gentes hablaban de él y lo calificaba de loco. No quería llamar la atención y sentir el desperecio de las gentes.

    Besos

    ResponderExcluir
  12. Olá Pedro! Seus versos sensíveis mostra a sensibilidade das crianças em olhar com outros olhos para tudo. As crianças muitas vezes podem ser cruéis, estão aprendendo, se moldando e são cheias de esperança de um mundo com olhar além das cortinas, grades, porões...
    Adorei seu sensível poema!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. O lindo puro olhar das crianças trás sempre imagens que muitas vezes não captamos e ou entendemos. Lembranças e medos que carregamos e que nos moldam pela vida. Por isso que dizem que todo menino é um rei Pedro, porque ele pode ver muito mais além. Interessante que as imagens nos acompanham pela vida.
    Muito boa inspiração e construção deste sentimento em poema.
    Uma semana de bom descanso amigo em meio à farra de Momo.
    Meu abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  14. PEDRO,
    Essas são as lembranças da nossa infância que não esquecemos, entre tantas outras. São os medos que passamos do desconhecido e que na época tomavam uma dimensão bem maior, mas que nos amadureceram. O pior de meus medos, na época, era o de perder meus pais numa viajem qualquer. Nascemos numa época que tínhamos medo de pessoas esquisitas, mas nada acontecia! Era nossa imaginação a trabalhar. Nascemos embalados por canções do Bicho papão, do Lobo mau que comeu uma pobre velhinha e outras coisas bem esquisitas. E homens estranhos atrás de cortinas parece que nos espiavam. Mas aqui estamos com lembranças que nos amadureceram e se transformam em belos poemas! Quem dera as crianças de hoje sentissem medo do louquinho da cortina! Não; hoje a 'barra' é mais pesada. Belíssima inspiração do louquinho criança que ficou na tua memória.
    Beijinho, meu poeta.

    ResponderExcluir
  15. Que libertad más hermosa la que se ve desde esta ventana Pedro.
    Excelente poema.
    Feliz semana.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  16. Os medos da infância, num poema cheio de sensibilidade.
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  17. O menino "com as perninhas a tremer" via o homem/criança à janela.
    Não sei o que via o homem escondido atrás da vidraça.
    Espreitando pela janela da alma do poeta consegui ver dois seres que se olhavam mas não se viam. Acontece tanto!
    Poeta meu amigo, gostei do que aqui li e vi.
    Beijo, boa semana.

    ResponderExcluir
  18. De louco todos nós temos um pouco e de crianças também. Talvez o homem tivesse tanto medo do menino como o menino dele. Ou quem sabe o menino lembrava ao homem o menino que fora. Na realidade não sabemos, mas o poeta não escreve a realidade, porque o que ele vê, é a magia, o sonho, a beleza, que o comum dos mortais não consegue enxergar.
    Gostei .
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  19. Siempre haces unas poesías preciosas. Siento mucho no saber hacerlas yo pues por más que lo intento, no me salen.
    Claro que para eso estan amigos como tu que hacen buenas letras.
    Un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  20. são as crianças e os loucos
    e os poetas

    favoritos dos deuses.

    muito belo o teu poema, amigo Pedro Luso

    abraço

    ResponderExcluir
  21. Um relembrar dos medos do tempo de criança.
    Lindo poema
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  22. Acho que esta expressão chegou pacientemente, sem "muito esforço". Bastou fechar os olhos para encontrá-la sóbria e concreta para "dizer" os medos da infância. E ditos com uma beleza rara, mas no rigor e na clareza.

    Um abraço, meu caro amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  23. Em cada ser humano um mundo, as vezes alegre, as vezes triste ...um universo de complexidades. Bela e sensível a percepção do menino que intuia !
    Um abraço

    ResponderExcluir
  24. Mesmo com portas abertas e janelas escancaradas
    os medos são condição humana
    só é preciso condicioná-los
    Abraço

    ResponderExcluir
  25. Os medos da infância são inevitáveis...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Caro Pedro, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  26. Los miedos infantiles y la atracción por aquello que se nos antoja distinto. Esa misma sensación la he sentido cuando salía a mi encuentro por una calleja del pueblo donde veraneaba, un chico que no estaba muy bien, dando voces. Hasta que un día hablé con él y pude ver la belleza de su interior con la que me identifiqué. Muy bello tu poema, Pedro.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  27. Te deseo un feliz fin de semana.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  28. Recuerdos infantiles que no se olvidan y regresan convertidos en bellas poesías. Un abrazo.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  29. O olhar do menino via os medos atrás da cortina naquele homem louco! E quantos de nós não morrríamos de medo de algumas pessoas esquisitas que por ventura encontrávamos? Amigo Pedro, seu poema traz muitos ecos por nós vividos! Parabéns!! Paz e bem!

    ResponderExcluir
  30. Oi Pedro,
    Desculpa a demora.
    Estava de repouso, estou doente
    Todos nós quando pequenos tínhamos medos de fatos verídicos ou lendas que nos estremecia e sebo nas pernas.kkk
    Mas, se pudéssemos voltar no tempo(Ah!Como fui feliz!)
    Obrigada pelo carinho
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  31. Votos de um excelente Carnaval... em espírito de alegria... mas longe de indesejadas confusões, que também sempre vêm a reboque deste dia...
    Beijinhos! Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, querida amiga Ana. Vou aproveitar os feriados de Carnaval para descansar e para minhas leituras de livros e de trabalhos de minhas amigas e amigos postados na Internet.

      Bom Carnaval, Ana.
      Beijo.
      Pedro

      Excluir
  32. Guardo a imagem do homem
    na janela, a esconder-se no outro lado da vidraça,
    quando por ali eu passava.

    Fiquei imaginando, Pedro!
    Tão bom poder ler e ficar presa às palavras
    imaginando a cena!

    a 18 de janeiro ainda passei em alguns blogues de amigos, 
    mas depois disso não mais andei pela blogosfera, 
    vários problemas juntos fizeram com que tivesse um enfarte 
    e,
    só agora devagar vou retomando as visitas e os meus posts, 
    já tinha saudades

    2020 não começou da melhor maneira, 
    logo dia 13 perdi a minha prima-irmã
    depois a minha hospitalização
    veremos se Março vem com momentos mais positivos

    entre ontem e hoje fiz posts novos
    se quiser espreitar
    pode ser aqui:
     
    http://momentos-perfeitos.blogspot.com/ 

    e, aqui:
    http://tempolivremundo.blogspot.com/

    embora nos outros dois blogues haja tbm posts novos,
    estou a retomar 
    esta actividade que me dá tanto prazer.

    Beijinhos da Tulipa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem-vinda minha amiga Tulipa. Pelo que dizes o ano não começou bom para ti, com a perda de tua prima-irmã e o teu enfarte. Mas agora tudo haverá de mudar, com o restabelecimento de tua saúde. Ficarei torcendo por ti, Tulipa.

      Logo farei minhas visitas aos teus blogs.

      Beijo.
      Pedro

      Excluir
    2. Muito obrigada pelas suas palavras Pedro!
      Tomara que sim: Mas agora tudo haverá de mudar, com o restabelecimento de tua saúde. Lá o espero nos meus blogues
      Beijo

      Excluir
  33. Linda poesia e ótmos dias de recesso.

    ResponderExcluir
  34. Uma poesia encantadora que me fez reportar aos tempos da minha infância. Lembrei do homem da janela que metia medo em todas as crianças da rua. Ao chegar na adolescência descobri que o homem era gentil, amigo e gostava de crianças, ficava triste ao vê-las correndo com medo dele. Tive vergonha da criança covarde que fui para com este senhor.
    Abraços afetuosos!

    ResponderExcluir
  35. Os medos que tivemos e temos. Recordo a janela com um louco (diziam) em tempos tão idos.
    Belo poema do nosso poeta Pedro Luso e boa escolha da sua amada.

    Abraço, ternamente, este casal que nos envolve no carinho que os une.
    Aplausos.

    ResponderExcluir

  36. Sim, o homem, uma criança com medo de tudo.
    O que poderia estar para lá da cortina? Porventura,
    receios infundados, patológicos, ou até com prova
    dada de que o mundo por vezes é um lugar perigoso.

    Abraço, caro Pedro.

    Olinda

    ResponderExcluir
  37. Qué preciosa imagen en tus palabras poéticas. El tiempo niño al que volvemos, al que nos gusta volver...
    Saludos. Muy bello!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho