>

13 de fev. de 2021

[Poesia] LÊDO IVO – A coruja

Lêdo Ivo


- Pedro Luso de Carvalho



Lêdo Ivo, escritor e poeta, estreou na poesia com As imaginações, livro que foi publicado em 1944, no Rio de Janeiro, pela Pongetti. Dessa data, até 2008, quando publicou Réquiem, pela editora Contra Capa, teve uma produção poética bastante extensa. Às suas inúmeras obras poéticas somam-se às Antologias poéticas, nas quais participou.

O escritor iniciou-se no romance em 1947, com As alianças, com o qual obteve o Prêmio da Fundação Graça Aranha, que teve a sua publicação no Rio de Janeiro, pela Agir. Em 2007, foi publicado o romance A morte do Brasil, em sua 3ª edição, em Belo Horizonte, pela Editora Leitura. Entre 1947 até 2007 produziu outros romances importantes.

A narrativa curta também foi explorada por Lêdo Ivo; o seu primeiro livro de contos, Use a passagem subterrânea, de 1962, foi publicado em São Paulo pela Difusão Européia do Livro, em 1962. Depois, foram publicados: O flautim, Um domingo perdido, entre outros.

A crônica igualmente atraiu Lêdo Ivo: A cidade e os dias, foi publicada pela O Cruzeiro, em 1957 – outras se seguiram. O escritor também se fez presente no ensaio; escreveu, entre outros: Lição de Mário de Andrade, em 1951, O preto no branco. Exegese de um poema de Manuel Bandeira. Na literatura Infanto-juvenil, fez sua estreia com O menino da noite, em 1995 – outros vieram nessa esteira.

Lêdo Ivo nasceu em Maceió, a 18 de fevereiro de 1924, e morreu em Sevilha, no dia 23 de dezembro de 2012. Foi membro da Academia Brasileira de Letras.

Segue o poema A Coruja, de Lêdo Ivo (in Ivo, Lêdo. Calabar: um poema dramático. Rio de Janeiro: Record, 1985, p. 90-91):



A CORUJA

      - Lêdo Ivo 



Minha noite é o dia

que enxota os sóis intrusos.

Qualquer vento enferruja

os portões e os navios

e muda em garatuja

as inscrições latinas

acima das cornijas.

Minha noite é a luz

sem subterfúgios

que atravessa o fundo

das agulhas mais finas

ou a fagulha dormida

em seu leito de hulha.

Só junto aos semáforos

desta capitania

sou a sentinela

das coisas encobertas

velhas botijas de ouro

gárgulas de cimalha

tocaia ou valhacouto.

E na alvura da noite

branca de mandioca

e esplêndida de coitos

estou onde está o homem:

na malha que o cinge

no abraço que o enlaça

na traça que o rói

no passo do sonâmbulo

na prega da mortalha.



_____________________//___________________



REFERÊNCIA:

Disponível em: <http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=767&sid=150> Acesso em 02 jun. 2013.




28 comentários:

  1. Caro Pedro,
    “Lêdo Ivo” dizia que:

    “Um autor lido unicamente uma vez não tem leitores, por mais retumbante que seja o seu sucesso ”.

    Ele outorgava co-autoria dos seus escritos ao leitor... E dizia ser ele, um escritor menor diante de tantos bons escritores existentes (vivos e idos)... E em (23 de dezembro de 2012), aos 88 anos, em “Sevilha - Espanha”, o nosso “Ivo” passou a ser ido também.
    Abraços e bom feriadão de Carnaval (sem samba), mas, seguimos neste “baile de máscaras” infindo!!! 😷

    ResponderExcluir
  2. Mais uma bela poesia e escolha aqui,Pedro! Sempre assim...Aprendemos contiogo! abração, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Grazie infinite, Pedro, per farmi conoscere, coi tuoi notevoli articoli, autori notevoli, di cui leggo i bei versi...
    Buona domenica e un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  4. |Oi Pedro, enigmático poema, muitas palavras tive que pesquisar, parece-me falar de um observador da vida noturna das coisas que se passam nas cidades frias e metalizadas (imaginando isso em tempo de industrialização a todo vapor), onde as pessoas descansam, amam (corpos) e se decompõem toda noite, diariamente morrem um pouquinho. Sei lá, acho que viajei :D
    Abraço, bom feriado, amigo!

    ResponderExcluir
  5. Mais um escritor que desconhecia. Gostei do poema.
    Abraço, saúde e bom domingo de S. Valentim

    ResponderExcluir
  6. No lo conocía.
    Ha sido un placer su poema.
    Es muy interesante todo lo que compartes. Y se aprende mucho.
    Mil gracias.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  7. Um poema que li e reli, Pedro. O que traz a noite para quem vive nela? O que representa, mostra, esconde? Você tem a capacidade de, em uma biografia, sintetizar sem deixar de fora os pontos mais importantes. E escolhe, para nós, significativos versos dos autores que homenageia em seu espaço. Gostei demais. Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Conheço mal a poesia de Lêdo Ivo. Mas gostei imenso do que li aqui. Esre poema é lindíssimo!
    "estou onde está o homem:
    na malha que o cinge
    no abraço que o enlaça
    na traça que o rói
    no passo do sonâmbulo
    na prega da mortalha." Tão actual.
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Cuide-se bem.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Un'altra bella poesia di un autore che non conosco. mi ha fatto piacere leggere la sua poesia, molto enigmatica ma che dice molto sulla vita degli uomini. Un caro saluto, caro Pedro da Grazia.

    ResponderExcluir
  10. UM BELO POEMA! PRECISEI LER ALGUMAS VEZES PARA CAPTAR O SENTIDO ATÉ QUE LI DO FIM PARA O COMEÇO E ENTÃO MINHA MENTE SE ABRIU PARA SUA BELEZA!
    UM ABRAÇO

    ResponderExcluir
  11. Siempre compartes una extraordinaria selección de poetas y escritores.
    A veces es difícil comprender los sentimientos del autor en sus versos.
    Cariños.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  12. Que bela escolha da produção de Ledo Ivo. É para ler e reler. O poema nos remete à obra do artista, do escritor, do artífice da palavra. É para revisitá-lo urgentemente.
    Um abraço, meu amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  13. Pedro:
    ojalá todas las noches se conviertan en luz.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, Pedro. Belíssima escolha para publicar e compartilhar conosco,Lêdo Ivo. Conheço um pouco de sua escrita.Em seu poema "A coruja", deixou-nos muito claro onde devemos estar,"estou onde está o homem".É bom conhecermos mais sobre autores, escritores e poetas. Gosto desta parte da literatura.
    Obrigada, boa noite!

    ResponderExcluir
  15. Mais um poeta que desconhecia, ao ler este belíssimo poema fiquei fascinada.
    Um poema actual e tão apropriado para estes dias.

    "Minha noite é a luz
    sem subterfúgios
    que atravessa o fundo
    das agulhas mais finas..."

    Obrigada pelo cuidado na escolha de poetas que nos oferece, amigo Pedro.

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  16. Um grande poema e, sem dúvida, um prestigido e ilustre membro da ABL...
    Sensibilizaram-me especialmente, os últimos seis versos: «estou onde está o homem...»
    Uma referência cultural para todos os brasileiros...
    Dias bons e serenos, meu amigo. Beijos
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrijo, deveria constar 'prestigiado'. Peço desculpa pelo engano.

      Excluir
  17. Um escritor com uma obra importante mas que, apesar disso, não conhecia.
    O poema que escolheu é magistral.
    Obrigado pela partilha.
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Começando pelo título do poema,"A Coruja", bem significativo, admiramo-nos perante a apologia da noite que enfeita de luz. E no decurso das suas palavras encontramos essa disposição de descoberta daquilo que pode dignificar o Homem.
    Não conhecia Lêvo Ivo e adorei tomar contacto com a sua obra.
    Mérito seu, caro Pedro.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  19. Gostei de conhecer o autor deste magnífico poema.
    Beijinho e saúde, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  20. Pedro,
    Que delícia saber
    um poucos mais.
    Adoro vir aqui sempre.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  21. Não o conhecia, grata por sua partilha.

    ResponderExcluir
  22. Lêdo Ivo, mais um poeta-escritor de língua portuguesa que acabei de conhecer.
    Foi bom ter sido aqui, pois além dos dados biográficos dos poetas que divulgas tu acertas na escolha do poema para primeira leitura. Eu, que não sei poetizar mas gosto de palavras, saio daqui sempre desejando saber mais sobre o homenageado.
    "A Coruja" é um poderoso (lindos os últimos 9 versos) e actual poema.
    Magnífica partilha, meu querido amigo Pedro!
    Beijo, bom fim-de-semana, muita saúde.

    ResponderExcluir
  23. Bom final de semana, amigo Pedro!
    Minha noite é a luz

    sem subterfúgios...

    Gosto muito de encontrar algo que me toque o coração por onde vou passando nas poesias postada pelos amigos. Sempre encontro uma pista para a vida.
    Esteja bem, amigo, proteja-se!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  24. Hay en todo el poema un halo de grisura envolviendo el hábitat del búho.
    Tan evocador, dando la sensación de que, si levantas la vista, lo verás arriba conversando con la gárgola.
    Rodeado de esas polillas decoradas con ojos de búho, que al primer descuido, serán su alimento.

    Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  25. Pedro
    Mais um poeta que não conhecia, e gostei do poema.
    Obrigada por assim partilhar.
    Obrigada pela sua visita
    Gostei de ler.
    Bom domingo!
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  26. Belíssimo poema, desconhecia o poeta, obrigado pela partilha.
    Fique bem, beijinhos

    ResponderExcluir
  27. Um poema denso... sob um formato leve... também tive de o ler várias vezes... Mais um autor que adorei ficar a conhecer por aqui... Grata pela excelente divulgação aqui feita, que nos remete, para autores chave, do panorama literário brasileiro!
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho