>

23 de dez. de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO – Desencanto






DESENCANTO

— PEDRO LUSO DE CARVALHO



Há um navio atracado no porto.
Quem sabe seja esta a hora
para mudar o rumo
da vida que leva,
para fugir das teias,
dos laços emaranhados,
que o aprisionam.

Não há tempo para dúvida,
vida melhor poderá existir
lá adiante, onde se põe o sol,
onde tudo é novo,
águas da nascente
a correr para o mar,
protegidas pelas margens.

Não se justifica o atraso.
O navio atracado não espera,
partirá com os corajosos,
que levam em suas malas
unicamente o necessário,
deixando para trás as dores
e as feridas abertas.





*   *   *





35 comentários:

  1. Bei versi però ci vuole coraggio per lasciarsi tutto alle spalle e come Peter Pan partire alla ricerca della “isola che non c’è”.
    Ciao amico Pedro.
    Felice settimana
    enrico

    ResponderExcluir
  2. Nuove aspettative di vita, in un nuovo percorso, diverso nei suoi equilibri, per una saggia motivazione interiore.
    Lirica molto apprezzata,buona settimana e un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. O drama da emigração, e o barco em espera. Muito bom.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  4. Sería fantástico que los más desfavorecidos pudieran coger rumbo en ese barco anclado, y dejar las mochilas cargadas de dolor, y ligeros de equipaje navegar hacia otro lugar donde las heridas se les curen.
    Muy bonito tu poema Pedro, me encantan todas las estrofas.
    Un abrazo y buena semana.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia

    Divino este poema. Um barco atracado que, poderá ou poderia ser como uma vida parada.
    Existe sempre uma nova partida
    .
    Feliz inicio de semana.

    ResponderExcluir
  6. LINDA poesia e há que se ter coragem...O navio ali atracado só levará quem assim for! ADOREI! abração,chica

    ResponderExcluir
  7. Mudar o rumo. Encher os olhos de mar. E partir, mesmo que só pela imaginação. Porque sempre um sonho nos arrasta…
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Más allá de donde se pone el sol, amigo Pedro,puede estar la meta de tantos sueños y esperanzas.
    Abrazo austral.

    ResponderExcluir
  9. Pedro,
    Que forte, verdadeiro e belo poema! Geralmente as pessoas nutrem uma esperança e seguem a vida infeliz que levam. Entregam suas vidas ao acaso, dão voz ao destino com a esperança que um dia tudo melhore. E o tempo vai passando e nada acontece. Um dia morrem, e apenas uma palavra corre na boca daqueles que o conheceram: 'coitado, encontrou a paz'. Isso é mais comum do que se pensa. Triste.
    Grande inspiração.
    Beijinho daqui do lado, meu poeta.

    ResponderExcluir
  10. Aplausos!
    Uma beleza seu poema, Pedro.
    Nesse barco não cabem dores.

    ResponderExcluir
  11. Lindo poema, mas que tudo seja um encanto

    Beijinho no coração e votos de uma boa semana
    Blog |danielasilva-oficial.blogspot.com
    Loja | www.facebook.com/danielasilvaqb

    ResponderExcluir
  12. Mais um poema fantástico!! Amei!
    -
    A densidade do tempo entristece meu olhar
    Beijo e uma excelente Semana.

    ResponderExcluir
  13. Qué precioso poema!!!!.
    Palabras de esperanza.
    Te felicito.
    Un beso.
    Feliz semana.

    ResponderExcluir
  14. A veces dan ganas de subir a un barco y no pensar ni en lo que se deja atrás ni hacia dónde se va.
    Abraços, Pedro.

    ResponderExcluir
  15. Oi, Pedro, quantas esperanças levam no coração aqueles que partem...o pai do meu pai dizia que quem sai de sua terra muda o seu destino.Mas também quanta saudade leva em seu coração! fica um sentimento de que perdeu alguma coisa pelo caminho...um pouco de sua identidade sendo o mesmo e também já sendo outro.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Boa noite de nova semana, amigo Pedro!
    Estou suspirando ao ler seu poema, vejo como um bom sinal. Para mim, me disse seu poema que meu espirito respirou livremente na sensacao de ver o barco navegar serenamente.
    Creio que, hoje, partiria feliz ao encalco do que me e sabido no coracao.
    Apesar de seu poema apresentar novas possibilidades, novos rumos... Sinto-me em paz profunda em embarcar ao que me e familiar. Nao me bateu desejo de nova opcao. Navegaria conforravelmente.
    Gostei tanto de ler figuras que voce utiliza em seu poema e ainda permanecer na paz. Sem dor na alma e sem bagagens pesadas as costas.
    Que nossos rumos sejam pacificadores!
    Bela mensagem de positividade passa o poeta na leveza e na simplicidade. Uma arte bonita a sua. Parabens!
    Tenha dias felizes!
    Abracos fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  17. Uma bela tela Pedro para inspirar.
    E seu poema vem como moldura para falar deste momento, que há de perda de esperanças e de buscas de soluções. Momentos que a sensação de fuga nos abraça e um barco, um navio vem impulsionar esta ideia, como um alivio para o coração aflito e desejoso de felicidade e para tal levamos nossas angustia para lançaremos sobre as águas do mar.
    Parabéns Pedro nesta bela construção.
    Meu abraço na feliz semana.

    ResponderExcluir
  18. Su referencia a llevar en los bolsillos sólo lo suficiente para cambiar de vida, me parece de gran importancia.
    ¿Qué impide muchas veces cambiar el rumbo? Atarse a lo emocional, a lo material...
    Cuando lo cierto es que el barco, la vida, no espera. Cuando debe partir, parte.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  19. Ese es el dilema de la vida. ¿Zarpar a la ventura, esperando que el barco nos lleve a un desstino mejor? O quedarnos con la vida que tenemos, sin arriesgar nada.

    Besos

    ResponderExcluir
  20. Um excelente poema meu amigo, não é fácil partir rumo a novas paragens.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  21. Bom dia querido amigo Pedro,

    Desculpe minha ausência por aqui, alguns probleminhas com o PC, e outros de ordem pessoal limitaram minhas visitas.

    Que bonito poema, a esperança aliada a coragem e vislumbrar outras paragens, destaco:

    "
    Há um navio atracado no porto.
    Quem sabe seja esta a hora
    para mudar o rumo
    da vida que leva,
    para fugir das teias,
    dos laços emaranhados,
    que o aprisionam."

    Deixo o lnk do novo blog, lá tem festa pra nossa amiga Chica, passa lá e deixe seu carinho.

    https://celebrandosuavida.blogspot.com/2019/11/vamos-celebrar-com-chica.html


    Bom dia de paz.
    Saudações amigo.

    ResponderExcluir
  22. Gosto imenso de partir mesmo sem sair do lugar. É uma ideia motivadora. Mudar de rumo, deixando para trás a bagagem que não nos faz falta.
    Belo poema, meu amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  23. Muy interesante esta bonita poesía. Siempre son hermosas las letras en las que esta el mar y mucho más, cuando hay barquitos por medio.
    Un abrazo amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  24. Lindo seu poema. A imagem que ilustra e a poética me sugere velejar pelas constantes indecisões dos que estão à deriva da vida. Abços.

    ResponderExcluir
  25. ¡Hola, Pedro!

    Nos dejas un precioso y profundo poema que hace reflexionar. Claro que sí, todos tenemos ese barco esperando para el último viaje, liviano sin equipaje, no nos hará falta, pues anclará en otro puerto y con esperanza, se espera encontrar un reino lleno de paz y amor.

    Pues este mundo que nos toca vivir está lleno de contrariedades, está contaminado de crueldades sin sentido y no nos gusta para vivir. Pareciera qué, lo que mola es tener dinero a montones, los corruptos no se conforman, quieren millones y millones salga de donde salga y para allá nada se lleva. Llegaran totalmente pobres.
    Un placer leerte Pedro, tu poema es una lección de vida. Gracias.

    Te dejo mi fraterno abrazo me gratitud y estima.
    Se muy, muy feliz.

    ResponderExcluir
  26. Breve o navio vai partir. Pensar rápido, decidir a melhor solução e embarcar ou não.
    UM abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  27. O desencanto, por vezes, leva a procurar novas águas, novos rumos, novos portos...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Caro Pedro, tenha um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  28. Esos emigrantes que dejaban atrás su tierra y familias, sólo llevaban esperanza en el alma y unas ganas enormes de poder regresar.
    Muchos de ellos, lo habían vendido todo para poder comprarse un pasaje.
    Cariños.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  29. Sempre é hora de seguir viagem.

    ResponderExcluir
  30. A tua imagem e poema
    Representam-me desafio
    Tênue, sobre um fino fio
    De uma navalha que acena
    O corte à incisão pequena,
    Porém propõe ser mortal
    Se a tempestade naval
    Afundar a embarcação
    E matem planos que estão
    A nos nutrir, bem ou mal.

    Tudo depende da nave
    Que está nos levando ao porto
    Com vida; não depois de morto.
    Se a imagem é naufrágio grave
    Tendo escaleres por chave
    De rota a um porto seguro,
    Quem planejou o futuro
    Não contava com naufrágio
    Pagando um caro pedágio
    Ao oceano obscuro.

    Porém se aquele navio
    Está ancorado em porto
    Levando o povo ao conforto
    Em desembarques a fio
    Para um cais à foz de um rio,
    Não há, pois, quem chegue morto!

    Então, Pedro Luso, penso
    Que a vida é renovação
    E se é ruim onde eles estão,
    Acenem o branco lenço,
    Procurem no mundo imenso
    Um lugar de esperança,
    Visto que quem busca alcança
    Sempre seus objetivos.
    Pois luta é própria dos vivos
    Que enxergam nela a bonança!

    Meu amigo, Pedro Luso, como sempre nos deixas no ar à complementação do contexto para que façamos parte de tua arte poética e que cada um entenda a seu modo. O teu poema diz que há um navio atracado - o da figura parece à deriva próximo a um farol que denota perigo. Um escaler dá de ver claramente que se afasta da embarcação maior que tem a escada para saltar de bordo arriada ao costado. Há um pequeno bote a vela que denota estar se aproximando do navio à ajuda... Seria uma iminência da nave afundar? Fico com essa hipótese. Parabéns pelo poema e imagem de complementação à postagem! Grande abraço! Laerte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um comentário digno do poeta, meu dileto amigo Laerte Tavares, que, além de ser talentoso poeta tem larga experiência na vida marítima, daí ter dito que o barco não se encontra no porto, além de outras observações que denotam a sua vivência no mar, embarcações, o tráfego marítimo, etc. Mas como o poeta Laerte também tem vivência nas artes plásticas, certamente aceitará a minha justificativa de a obra postada acima do poema não seja exatamente um navio no porto, qual seja dita justificativa: quis fazer uma homenagem ao grande pintor brasileiro, Jerônimo José Telles Júnior, natural do Recife, cidade dos nossos grandes poetas Manuel Bandeira e João Cabral de Melo Neto.
      Agradeço à presença amigo Laerte.
      Grande abraço.

      Excluir
  31. Valeu, meu prezado amigo!
    Penitenciar-me venho:
    A obra não é o desenho
    Do poema que o bendigo!

    Abertos olhos, consigo
    Enxergar, de sobrecenho
    Sereno, pois teu engenho
    Está de acordo comigo

    Como o eterno aprendiz
    Que vê na arte o matiz
    Da cor que mais nos seduz.

    O teu poema, pois, diz
    Que mudar é diretriz
    À alma buscando luz.

    Parabéns, grande poeta! Abraço fraterno! Laerte.

    ResponderExcluir
  32. Há que ter a coragem de procurar novos rumos.
    Ao ler o seu maravilhoso poema, lembrei-me logo da minha filha, que foi com a família, à procura de novos horizontes.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  33. Desencanto... sempre a semente, que inspira coragem, fé, mudança... e esperança em algo melhor...
    O que nos impulsiona... fazendo acreditar, que a possibilidade se pode tornar realidade!...
    Belíssimo, e tocante poema, sobre este sentimento... que costuma premiar, os que nunca desistem... e que sabem... que em algum outro lado... um porto de abrigo... ainda lhes calhará no destino!...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir
  34. Magnífico poema, amigo Pedro!
    Este tocou-me particularmente pois assisti ao «embarque» duma filha. Ela, uma filha corajosa. Eu, uma mãe angustiada. Doeu! Dói!
    Beijo.


    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho