>

5 de jun de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO – A Noiva






A NOIVA
– PEDRO LUSO DE CARVALHO



Esta foi estação ferroviária,
pessoas partiam, chegavam
em sonhos no percurso do trem,
nas longas ou nas curtas viagens.

Um dia, ordem superior dada
fechou as portas da velha estação.
Nos trilhos locomotivas presas,
em áspero sono na ferrugem.

Nos corações dos ferroviários
vivem estação e locomotivas,
os encantos das viagens vivem
com ruídos das rodas nos trilhos.

Há boatos na cidadezinha
de que nas noites de lua cheia
uma moça vestida de noiva
espera seu noivo na estação.

Quem esperar pela lua cheia,
verá a noiva à espera do trem.




  *   *   *






35 comentários:

  1. Lindas lembranças da velha estação de trem que eu ia com minha tia avó olhar a lua. De lá,parecia maior! E lembro até o cheirinho da estação! Adorei o poema e a tela! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Uau. Que bonito poema:))

    Hoje:-Por vezes existem dias sem cor.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderExcluir
  3. Um poema lenda?
    Gosto do poema. Estações desativadas é coisa que não falta em Portugal.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedro querido


    Adoro essas histórias que o povo conta...

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  5. Boa noite de paz, amigo Pedro!
    Gosto tanto de viajar de trem que fiz isso umas cinco vezes já. Duas de ida e volta de Vitória para BH e uma num trem turístico num percurso de algumas horas de Marechal Floriano a Araguaia, cidade com turismo ítalo germânico muito acentuado e que gosto demais.
    As festas lcoais são lindas com todas danças típicas.
    O passeio de trem tem um valor imenso pois a natureza se faz mais bela...
    Uma estação de tem é uma metáfora deslumbrante para mim...
    Ah! Lembei-me de outro passeio em MG na saudosa Maria Fumaça. Inesquecível!
    Sua poesia me cheira a uma noiva que esperou seu noivo que não veio. Será?
    Uma sensação de tristeza no ar... pelos vagões com ferrugem, pela lua cheia, pelos trilhos e pela estação abandonada...
    Lindo demais o cenário que acompanha seus versos!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  6. Que poema maravilhoso, caro Pedro. Mas tenho de admitir que este género de histórias que o povo conta me deixa arrepiada! Pobre da noiva...

    Um bom resto de semana para si!

    ResponderExcluir
  7. Como se dice muy poético, las esperas en las estaciones siempre son emocionante, un abrazo.

    ResponderExcluir
  8. Olá, meu amigo Pedro!
    Gostei muito desta história que tu tão bem contaste em verso.
    Memórias alegres ou sofredoras de encontros, chegadas e partidas, viagens feitas ou apenas sonhadas, manterão para sempre activa a velha estação de trem. Memórias a que se juntam lendas curiosas e fantasiosos, VERSOS e telas pintadas a acrílico.
    Beijo, poeta.

    ResponderExcluir
  9. En Chile, amigo Pedro, donde también han desaparecido trenes y estaciones con el paso del tiempo, hay mucha añoranza por ellos e igualmente se cuentan historias similares a los de aquellos novios eternos. Los de más edad recordamos con nostalgia esos viajes, que llenaron con alegría nuestros días de juventud.

    ResponderExcluir
  10. Como amante de comboios, gostei bastante deste belo poema amigo Pedro.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Pedro,
    Lindos e saudosos versos, goso muito de viajar de trem, j fiz uma bela viagem de Sampa pra Santta Fé do Su, trem bem aparelhado com camas e reustaranes e comissáio de bordo, viagem maravilhosa, além d elindos passeios lá por gramado nas serras gaúchas.ecentemente fi visitar o novamente o museu dos rens em Paranapiacaba. até doeu n'alma o abando o das velhas locomotivas se desmanhchado de ferrugem, o lugadp de serras e mata e pertence ao Municipio de Santo André.

    Ganhei meu dia lido essa marailhhosa história,

    Feliz findi com sua Taís.

    Bjs no core!

    ResponderExcluir
  12. Me gusta mucho viajar en trén .Las estaciones tienen un encanto especial.
    Bellos recuerdos me trae tu lindo poema.
    Un beso. Feliz fin de semana,

    ResponderExcluir
  13. Si alguna vez tuviera la loca idea de meterme en política, sería para tener el poder de devolver el tren a tantos pequeños lugares que se abandonaron por habérselo quitado. Aunque sea deficitario. Aunque nada más suban o bajen dos vecinos de cada estación.

    Sólo con quitarse de encima a un puñado de ineptos y corruptos, sólo con eliminar las comidas "de trabajo", sólo con suprimir la mayoría de coches oficiales devolveríamos la vida a muchos pueblos. Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  14. gostei muito do poema, amigo Pedro Luso
    dói o coração ver uma estação ferroviária encerrar

    dói quase tanto como ver noiva viúva!
    tens toda a razão, amigo - uma bela analogia e
    excelente poema!

    forte abraço

    ResponderExcluir
  15. E sempre piacevole leggere le tue opere.
    Felice weekend, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  16. Buen fin de semana Pedro

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde, Pedro, belo poema que nos conta uma história, quantos fatos
    semelhantes a este devem existir?
    Pensei também nos passageiros que ficaram a esperar o trem voltar, assim como a noiva a espera do noivo chegar. Extremamente brilhante, quando o poeta consegue colocar a história nos seus versos.Gostei muito.Tenha um lindo final de semana. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Me encanto el poema tan natural y bello viaje.
    Abrazo

    ResponderExcluir
  19. Olá Pedro
    Adorei o poema, é uma história poética cheia de imagens e sentimentos <3
    O quadro também é lindíssimo
    Obrigada pela partilha
    Beijinho

    ResponderExcluir
  20. Um poema de muitas historia saudosistas caro Pedro, por este Brasil são tantas localidades adormecidas com a extinção dos trens. Como mineiro tenho um trem nos olhos e no coração.Trens aprisionados apodrecendo nas estações e o romantismo das plataformas ficaram nas lembranças e uma moça surge no meio da noite lua cheia. Muito bom amigo.
    A ilustração perfeita de uma bela obra arte.
    Uma boa semana amigo.

    ResponderExcluir
  21. Oi Pedro! Belíssimo poema e a o ler a gente viaja na imaginação, no sentir dos ferroviários saudosos, da noiva que em noites de lua vem esperar seu amado e o quadro é encanto para nossos olhos.
    Beijos e uma semana feliz!

    ResponderExcluir
  22. Um estação de comboio é sempre um cais de chegadas e partidas. Que pena estarem a acabar com elas… Cheio de mistério, o seu poema, como se fora uma lenda…
    Uma boa semana, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  23. Oi, Pedro, um belo poema de tantos ingredientes que nos falam à alma, num local de encontros e desencontros, de chegadas e partidas de esperança e desencanto, de vida e solidão....Gostei muito!

    ResponderExcluir
  24. Olá Pedro,
    as memórias vivem de afetos nos nossos corações:)
    imagens de vidas passadas, rotinas perdidas, sons adormecidos, poesia da um passado de alma lenta mas repleta de aromas e sabores:)
    nostálgico mas bonito !
    abraço
    Angela
    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  25. OI PEDRO!
    ESTAÇÕES DE TREM TEM UM "Q" DE ROMANTISMO QUE NOS AGUÇA A IMAGINAÇÃO, COMO ACONTECEU CONTIGO NESTE TEU LINDO POEMA, QUE NOS PASSA A IDEIA DE UMA LENDA E SEUS MISTÉRIOS.
    PARABÉNS AMIGO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.bcr/

    ResponderExcluir
  26. Un bello poema, Pedro. Las estaciones están llenas de misterios y secretos, como el de esa muchacha vestida de novia que espera.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  27. Também por aqui, há linhas e estações que fecharam...
    O poema é magnífico, gostei imenso.
    Caro Pedro, continuação de boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  28. Muito interessante!
    E essa tela, de um trem parecido com o Trem Histórico que percorre as encostas do Douro aqui em Portugal, fazendo relembrar um passado.
    Abraço

    😉
    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subcrevam

    ResponderExcluir
  29. Uma bela imagem para um excelente poema.
    Gostei muito mesmo.
    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  30. Esa estampa del tren antiguo te ha venido muy bien para tus versos tan románticos.
    Esos trenes los recuerdo cuando en mi niñez iba a visitar a mis abuelos a los pueblos de Toledo.
    Tanto la fotografía como los versos, han quedado perfectos.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  31. Um poema que põe em evidência a importância fundamental do caminho ferroviário em pequenas cidades isoladas...
    A feia máquina barulhenta a tornar-se origem de saudade e lendas...
    Muito interessante e poetizado com perfeição.
    O meu abraço, Amigo.
    ~~~~~

    ResponderExcluir
  32. É tão triste ver estações abandonadas.
    Maravilhoso poema.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  33. Uma belíssima inspiração, para um palco de encontros, desencontros e despedidas, como é uma estação ferroviária... em que haverá personagens... com almas, que não se esgotam em uma só vida...
    Beijinho! Feliz fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  34. O comboio nunca partiu de um coração enamorado de emotivas recordações. Este poema leva-me em carris de saudade. Muito belo, Pedro!
    Beijos.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO