>

18 de ago de 2010

[Conto] MOACYR SCLIAR - Milton e o Concorrente



                    por Pedro Luso de Carvalho


        Moacyr Scliar, médico e escritor, nasceu a 23 de março de 1937, em Porto Alegre (RS), no Bom Fim, bairro no qual predomina a comunidade judaica. Em 31 de julho de 2003 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, na cadeira nº 31. Na sua posse na ABL, em 22 de outubro de 2003, foi recebido pelo poeta gaúcho Carlos Nejar.

        O conto que segue, Milton e o concorrente integra o livro O anão e a telvisão, de Moacyr Scliar, publicado pela Editora Globo, em 1979: 

                                                    

                                                         [ESPAÇO DO CONTO]

                                            
                                                  MILTON E O CONCORRENTE
                                                                                                                              (Moacyr Scliar)



        Milton ainda não abriu a sua loja, mas o concorrente já abriu a dele; e já está anunciando, já está vendendo, já está liquidando a preços baixo do custo. Milton ainda está na cama, ao lado da amante, desta mulher ilegítima, que nem bonita é, nem simpática; o concorrente já está de pé, alerta, atrás do balcão. A esposa – fiel companheira de tantos anos – está a seu lado, alerta também. Milton ainda não fez o desjejum (desjejum? Um cigarro, um copo de vinho, isto é desjejum?) - o concorrente já tomou suco de laranja, já comeu ovo, torrada, queijo, já sorveu uma grande xícara de café com leite. Já está nutrido.

         Milton ainda está nu, o concorrente já se apresenta elegantemente vestido.

         Milton mal abriu os olhos, o concorrente já leu os jornais da manhã, já está a par das cotações da bolsa e das tendencias do mercado. Milton ainda não disse uma palavra, o concorrente já falou com clientes, com figurões da política, com o fiscal amigo, com os fornecedores. Milton ainda está no subúrbio; o concorrente, vencendo todos os problemas de transito, já chegou ao centro da cidade, já está solidamente instalado no seu prédio próprio. Milton ainda não sabe se o dia é chuvoso, ou de sol, o concorrente já está seguramente informado de que vão subir os preços dos artigos de couro. Milton ainda não viu os filhos (sem falar da esposa, de quem está separado); o concorrente já criou as filhas, já formou-as em Direito e Química, já as casou, já tem netos.

         Milton ainda não começou a viver.

         O concorrente já está sentindo uma dor no peito, já está caindo sobre o balcão, já está estertorando, os olhos arregalados – já esta morrendo, enfim.


                                                          * *  *

3 comentários:

  1. Moacyr Scliar é mesmo muito bom! Anteontem assisti sua entrevista no Roda-Viva da Cultura. Não sei se passa aí. Excelente entrevista, excelentes respostas. Um grande escritor!

    Esse conto eu não havia lido!
    Valeu, Pedro.

    abço
    Cesar

    ResponderExcluir
  2. Pedramigo

    Já há uns tempos que não vinha até cá, entretido que ando com o que pretendo venha a ser um novo livreco. Uns quantos textículos, com x, que o integrarão, tenho vindo a publicálos lá no meu barraco.

    Hoje, chego aqui uma vez mais com muito prazer.Moacyr Scliar é um escritor magnífico. Os seu contos fabulosos. E tu escolheste um que é um espantoooooooooo, como dizia o Jô Soares. Muito obrigado.

    Um pedido: passa pela Travessa para veres os textículos; obrigado

    Qjs à Tais e abs para tu

    ResponderExcluir
  3. Estou lendo dele com a Ana Maria machado "Amor em texto, amor em contexto", bem interessante. E agora encontro "Milton e o conorrente". Como sempre, boas leituras faço aqui...


    abraços

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO