>

28 de mar de 2012

CLARICE LISPECTOR - Laços de Família




                   por Pedro Luso de Carvalho



       Alguns traços da vida de Clarice Lispector: aos 24 anos estréia na literatura com o romance Perto do coração selvagem; exerce a profissão de jornalista (1940); forma-se em Direito e casa-se com o colega e futuro diplomata, Maury Gurgel Valente (1943); deixa o Brasil para acompanhar seu marido em missão diplomática (1944); edita o seu melhor livro de contos, Laços de família (1960); publica o seu melhor romance, A paixão segundo G.H (1964); separa-se do marido e retorna ao Brasil; sofre as consequências de incêndio em seu quarto, provocado por um cigarro aceso, e passa três dias em estado grave; depois, é acometida, por alguns anos, de depressão; publica uma de suas principais obras, o romance Água viva (1973); escreve a novela A hora da estrela (1977); não mencionei outras obras importantes.

        Clarice Lispector publica os seus primeiros contos em uma edição dos Cadernos de Cultura do Ministério da Educação; com a ampliação dessa edição, a escritora forma o livro Laços de família, título de um dos contos, que integram a obra (1960); a Livraria José Olympio Editora reedita-a em 1978 (9ª edição) - outras reedições foram feitas de Laços de família -; outros doze contos compõem esse livro, que é uma das obras-primas do conto brasileiro.

        Escolhi, para esta postagem, um pequeno trecho do conto de Clarice Lispector, Laços de família, do livro com o mesmo título, reeditado pela da José Olympio Editora, 1978, 9ª ed., págs. 114-115:

        “No meio da fumaça Catarina começou a caminhar de volta, as sobrancelhas franzidas, e nos olhos a malícia dos estrábicos. Sem a companhia da mãe, recuperara o modo firme de caminhar: sozinha era mais fácil. Alguns homens a olhavam, ela era doce, um pouco pesada de corpo. Caminhava serena, moderna nos trajes, os cabelos curtos pintados de acaju. E de tal modo haviam-se disposto as coisas que o amor doloroso pareceu a felicidade – tudo estava tão vivo e tenro ao redor, a rua suja, os velhos bondes, cascas de laranja -, a força fluía e refluía no seu coração com pesada riqueza. Estava muito bonita neste momento, tão elegante; integrada na sua época e na cidade onde nascera como se a tivesse escolhido. Nos olhos vesgos qualquer pessoa adivinharia o gosto que essa mulher tinha pelas coisas do mundo. Expiava as pessoas com insitência, procurando fixar naquelas figuras mutáveis seu prazer ainda úmido de lágrimas pela mãe. Desviou-se dos carros, conseguiu aproximar-se do ônibus burlando a fila, espiando com ironia; nada impediria que essa pequena mulher que andava rolando os quadris subisse mais um degrau misterioso nos seus dias.”

        Clarice Lispector nasceu em Tchetchelnik, na Ucrânia, no dia 10 de dezembro de 1920, e morreu no Rio de Janeiro, no dia 9 de dezembro de 1977, aos 56 anos.


                                                        
                                                               *  *  *

2 comentários:

  1. Boa noite.

    Adoro contos. Esse trecho ficou como se, inteiro.
    Já li muito pouco da obra dela. Ela parecia muitas Clarices em uma.

    Tenha um lindo fim de semana.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Pedro! Tudo bem?
    Gostei muito de receber tua visita e de ver que ficou seguindo o blog.
    Um abraço! Fica com Deus.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO