>

15 de ago. de 2022

[Poesia] POVO SEMPRE À MARGEM – Pedro Luso de Carvalho

 

Kiev (Ucrânia) atacada pela Rússia - foto CNN




POVO SEMPRE À MARGEM

                     – Pedro Luso de Carvalho





As cordas da lira arrebentaram,

já que todos vivem suas vidas

na luta desigual,

onde poucos podem muito

e muitos pouco podem.



As cordas da lira arrebentaram,

ante a plêiade de corruptos

com jeito para subtrair,

onde a justiça só é feita

se for pobre o criminoso.



As cordas da lira arrebentaram

por haver carência de justiça,

mas o dia dos ajustes virá,

cedo ou tarde virá esse dia,

então o bem se imporá ao mal.



As cordas da lira arrebentaram,

hoje ninguém mais a quer ouvir.

Som ausente e cordas feridas –

a melodia cede lugar às bombas,

a explodirem em nossos ouvidos.






_________________//_________________






19 comentários:

  1. Un placer leer tan profundo, reflexivo y bello poema.
    Excelente.
    Un beso. Te deseo felices días.

    ResponderExcluir
  2. La situación en que vive nuestra sociedad, la has clavado en tu poema...algo está fallando para que esto suceda así.
    Besos.

    ResponderExcluir
  3. Tão linda tua poesia e muita pena dá, pois sempre estoura e sobra para o povo! abração,chica

    ResponderExcluir
  4. Este es el real y cruel mundo que nos ha tocado vivir. Al poderoso todo se le permite, el pobre lo pagará caro e incluso llegado el momento hasta con su vida. Desgraciadamente, todo tiene un antes y un después, pero en este caso la justicia no creo que llegue, ni tan siquiera se pronuncie con absoluta rotundidad. Es el mundo de los poderosos.
    Bellos y lamentables versos, amigo Pedro, todo un placer su lectura.
    Un fuerte abrazo y buen resto de semana.

    ResponderExcluir
  5. Excelente poema. Adorei ler!!
    -
    Coisas de uma Vida

    Beijos e uma excelente semana

    ResponderExcluir
  6. Una bella poesía de carácter social ya que como dices la cuerda siempre se suele romper por el lado mas débil o mejor dicho del mas débil.
    Aquí en la época de cumplir con la Hacienda Publica nos decían que "Hacienda somos todos" a lo que alguno añade "unos mas que otros".

    Saludos.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, amigo Pedro,
    Palavras contundentes, onde a injustiça e a desigualdade estão bem patentes neste excelente poema!
    Votos de uma ótima semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Boa semana mestre Pedro.
    Vivemos o mundo do que quem pode mais, mais se agracia e se beneficia. O poder espalha sua fúria e injustiças nos quatro cantos do mundo. A justiça cega para os menos validos e arregala os olhos para os poderosos.
    Um belo poema crítico da desigualdade social, que tanto incomoda os de boas intenções.
    Abraços de paz amigo.

    ResponderExcluir
  9. Um louco varrido permite-se colocar o Mundo em perigo.
    Só acredito numa solução do conflito com a eliminação dele.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, amigo Pedro!
    Estamos vivendo um mundo irracional.
    Estão brincando de serem deuses.
    Não devem ter tido infância saudável, onde se brincava com soldadinhos de mentirinha...
    Valha-nos Deus!
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Abraços fraternos de paz

    ResponderExcluir
  11. Guerras por um palmo de terra... quando muito em breve, todos estarão lutando entre si por um copo de água potável, com as drásticas alterações climáticas que assolam já o mundo... e aqui na Europa, bem se fazem sentir, neste Verão... (o mais estranho, abrasador e aflitivo das nossas vidas)...
    À devida escala... o percurso da humanidade... caminha para o destino que teve a Ilha de Páscoa. Um verdadeiro paraíso... até ser povoada!
    Adorei o poema, que tão bem descreveu o espírito tribal, que infelizmente continua a comandar os destinos do mundo.
    Um beijinho! Continuação de uma feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  12. Um belo grito poético Pedro! Impossível manter as cordas da lira diante dos sons que hoje se ouve. Não perdemos a esperança de ver o bem vencer, de cessarem as injustiças, dos chamados "poderosos" perderem o trono. O que não sabemos é quantos giros o relógio precisará dar até isso acontecer. Abraço.

    ResponderExcluir
  13. muito bom! . a poesia não altera a realidade. nas ajuda!
    grande poema, Poeta Amigp
    forte abraço

    ResponderExcluir
  14. Olá, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente trabalho que muito apreciei, e desejar um excelente fim de semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. boa tarde Pedro
    um poema sentido que é um grito acerca de uma situação que ninguém quer nem deseja.
    povo que sofre e desespera e não vê tréguas.
    tempos tristes e conturbados.
    tenha um bom fim-de-semana.
    Beijo
    :)

    ResponderExcluir
  16. Um poema sublime. Um grito de dor e tristeza perante uma terrível guerra que pode por em risco todos nós.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  17. Poema arrebatador, onde a realidade do mundo , é exporta em versos fortes e indignados, com uma dose de desesperança, bastante natural , tendo em vista o estado atual em que vivemos. Estudiosos tem afirmado que a Terra nunca viveu um só dia sem guerras, conflitos, dor e miséria causadas pela desigualdade entre os povos. Como cristã convicta eu cultivo a esperança de que estamos experenciando uma grande transição planetária , para um novo ciclo de regeneração onde a Liberdade, a Fraternidade e o amor irão prevalecer. Teu poema, é inspirador Pedro, para um pensar mais alto e profundo. Mil parabéns.
    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  18. Querido Pedro,
    Não há justiça neste mundo, para tantos...
    Devemos até rezar mais a Deus por ouvir o grito dos suprimidos e por conceder justiça. Que o bem pode conquistar o mal.
    Sabendo que TODOS estarão diante de seu juiz final; Não haverá nenhuma fuga no final...
    Abraços,
    Mariette

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho