>

4 de set de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Museu Nacional






MUSEU NACIONAL

- PEDRO LUSO DE CARVALHO




Faz-se presente a desgraça,
é o fogo que queima,
queima sem cessar,
impiedosamente.

Os responsáveis tentam apagar o fogo,
homens e mulheres falam,
falam sem cessar
querendo o fogo apagar.

Desculpa plausível
não haverá,
o fogo queimou sem cessar
a alma do Brasil.

Parte da História é queimada,
fica empobrecido o país,
o povo sofre e chora
pela memória perdida.





* * *






44 comentários:

  1. Eis um momento cristalizado.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Pedro!
    Uma fatalidade que arde em nosso coração pois nossa história fica desememoriada, esfacelada...
    Hoje, nos noticiários, nos informaram sobre outras possibilidades em outros Museus como o de Petrópolis também.
    Nossa! Só de ouvir, é assustador!
    Parece-me que o Brasil está mais do que 'queimado' em tudo e muito além do que supomos ou sabemos até.
    Este fogo vem metoforizar o que vivemos: um caos ardente.
    Sua poesia está bem sentida: povo brasileiro que chora porque sofre.
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e e bem

    ResponderExcluir
  3. Querido poeta Pedro, com dor na alma a gente vê o descaso com nossa História!
    Tanta riqueza cultural e histórica destruída pelo fogo por negligência, isso é quase que impossível de aceitar!
    Concordo com cada verso, a alma do Brasil virou cinzas, que pena, que pena!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. Tristeza demais...uma perda irreparável!😔😔😔 abrs chica

    ResponderExcluir
  5. Amigo Pedro!
    Que grande perda para o vosso País quanta tristeza!
    Nós Portugueses também lamentamos muito toda essa perda amigo, irmão!
    Nossas Pátrias estão ligadas para sempre, e as nossas culturas também.
    É muito triste que estas riquezas históricas do nosso passado terminem em cinzas.
    Todos lamentamos o sucedido, que infelizmente, não há como recuperar!
    Beijo com carinho e fraternidade, meu amigo.

    ResponderExcluir
  6. Ho letto la notizia ed è sempre una grande tragedia quando viene distrutto un pezzetto della storia di un Paese.
    Buona settimana caro Pedro, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  7. Divino e muito triste!

    Beijos e um excelente dia!

    ResponderExcluir
  8. Un drammatico epilogo dopo un incendio, che ha devastato luoghi ed animi
    Un caro saluto Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  9. Uma perda irreparável, meu Amigo Pedro. Foi com consternação que ouvi a notícia e vi as imagens desse "fogo que queima, queima sem cessar, impiedosamente", como diz no poema. E o Brasil ficou mais pobre sem parte dessa memória que o Museu guardava.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Estimado Pedro.
    Como referi no meu 'post', também lamento muito...
    Nós reconstruímos o Chiado, mas os valores de um museu são insubstituíveis, por isso, o incêndio que mais me emocionou foi o que destruiu parte da antiga Faculdade de Ciências de Lisboa e os seus museus de História Natural que eu conhecia ao pormenor...
    Fico orando para que estas chicotadas psicológicas façam despertar líderes de ótimo nível moral, para o vosso país.
    O meu sentido abraço, Amigo.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  11. Disse tudo e disse bem, Pedro. Muito triste. A pessoa na foto com as mãos na cabeça representa exatamente o choque que todos nós levamos ao saber do incêndio.

    Abração, amigo.

    ResponderExcluir
  12. Ese incendio que quemó 200 años de recordación es, estimado Pedro, una tragedia no solo para Brasil.

    ResponderExcluir
  13. Um momento triste para um país que já passa por tantos problemas. Aguardamos que no futuro possamos ver uma nação melhor administrada para não termos tantas tristezas.
    Um abraço amigo.
    Élys.

    ResponderExcluir
  14. Es triste y sin reparaciñon pero de esas cenizas debe nacer al ansia de la reconstrucción. Un nuevo lugar para guardar la memoria. Será díficil pero no imposible.

    Lo siento mucho y comprendo el sufrimiento de Brasil. Un abrazo para todos los brasileños desde el corazón de Alcalá de Henares.

    ResponderExcluir
  15. Faz tempo que história e memória deste país está virando cinza. O Museu Nacional é literalmente o exemplo mais palpável, visto em rede nacional. E os outros, camuflados pela mídia?
    Triste Brasil!, plagiando o "Boca de Inferno"!
    Abraços, meu amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  16. Pedro,
    que tristeza quando um património desaparece assim pelas chamas, quando parece que o fogo, lá como também demasiadas vezes por cá, está nas "mãos" da incúria e pinta de destruição a nossa história e os bens que desejamos deixar para os nossos filhos e netos :(

    ResponderExcluir
  17. Leia-se na primeira linha: Faz tempo que história e memória estão virando cinza.

    ResponderExcluir
  18. Fica empobrecido o país e o resto do mundo. Uma tragédia cultural que se segue à do Museu da Língua Portuguesa em 2015, ao Memorial da América Latina em 2013, e o Teatro da Cultura Artística em 2008.
    Como se alguém quisesse acabar com a cultura no Brasil.
    Abraço

    ResponderExcluir
  19. Dizes tudo nos teus versos, meu amigo.TUDO!
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  20. Silenciamos amigo Pedro diante a inércia estúpida dos responsáveis pela guarda de nossas memórias numa especie de samba do afrodescendente ensandecido para ser politicamente correto,kkk Projetos existiam, mas a burocracia burra emperrou em discussão de sexualidade de anjos enquanto os cupins progrediam e os fios cansados de tanto transportar elétrons desgovernados foram pelo calor levados à fadiga e lambidos pelas chamas. Dói amigo e sua poesia grita aos cantos cantos dos palácios.
    Meu abraço e que os deuses do fogo protejam tantos outros museus espalhados pelo Brasil em situação precária como este.

    ResponderExcluir
  21. Una gran pena que has sabido reflejar muy bien en tu excelente poema.

    Lo siento mucho.

    Un beso.

    ResponderExcluir
  22. o Fogo que tudo leva...
    Saudade

    ResponderExcluir
  23. Desolador, que lástima que toda la historia se vaya en una llama, ya no se remplazan los objetos perdidos.
    Un saludo.

    ResponderExcluir
  24. Tudo uma questão de cuidar!

    ResponderExcluir
  25. Boa tarde Pedro,
    Daqui também o meu pranto.
    Uma perda gigantesca e irreparável!
    Coragem para todos os irmãos brasileiros neste momento de luto.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  26. Uma dor de alma perdas desta natureza.. e como é possível haver ainda quem se regozige com a destruição de qualquer acervo histórico??


    A minha solidariedade embrulhada num abraço

    ResponderExcluir
  27. dorido teu poema, amigo Pedro
    como quem sente a Pátria dilacerada pelo desleixo
    dos poderes públicos, que em graus diversos, se verifica em toda a parte.

    um poema, muito sentido e muito belo

    forte abraço

    ResponderExcluir
  28. Bom dia Pedro
    É meu amigo por um descaso tudo vira cinza. Mas uma tristeza para entrar na lista das tristeza que estão ocorrendo no nosso Brasil. Lindo feriadão. Abraços.

    ResponderExcluir
  29. Bom dia, Pedro,
    poema triste, porém verdadeiro, infelizmente sem poder de reparo,
    pois tudo se foi, queimou a história do Brasil, do mundo, do Universo.
    Basta-nos chorar pelas tantas destruições, e desta vez nem as desculpas, nem as esfarrapadas explicações nos deixarão tranquilos.O descaso com a coisa pública é notório.A pergunta é: até quando vamos continuar perdendo o nosso querido Brasil. Parabéns pelo seu poema que nos representa. Abraços!

    ResponderExcluir
  30. Linda poesia.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. Las llamas abrazadoras devoran todo lo qje encuentra a su paso. No respeta la Cultura ni el patrimonio de una gran nación. Los documentos son insustituibles y el dolor de la población, no encuentra consuelo.

    Besos

    ResponderExcluir
  32. Um poema sentido de um acontecimento tão triste.
    Uma perda irreparável.
    Peço desculpa pela ausência, mas estou agora a começar a por em dia as visitas após o regresso das férias.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  33. Olá Pedro, tristeza, muita dor, ver como só aparece um arremedo de preocupação depois da porta arrombada, lá vem o presidente com o cadeado nas mãos((: Só rindo para não chorar! Quantas e quantas vezes antes interditaram o museu, por conta de infiltrações...Se a múmia, andasse fugiria para sua origem.
    Mas deixando a ironia de lado, amei seu poema que mostra a tristeza e a dor de um brasileiro. Parabéns pela inspiração.
    Abração, Léah

    ResponderExcluir
  34. Es una gran desgracia. Un pueblo sin historia es vulnerable. Espero que los documentos estuvieran microfilmados y pueda recuperarse parte de la memoria histórica. No queda consuelo...y lo siento en el alma. Por todos los brasileños.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  35. Oi, Pedro...um retrato da incúria e da ignorância do Brasil contemporâneo...afinal para que Museu, para que saúde, para que história?
    Um abraço

    ResponderExcluir
  36. Uma verdadeira tragédia meu amigo que nos atingiu a todos e reflecte bem o desprezo dos nossos politicos pela cultura, agora vêm todos chorar lágrimas de crocodilo.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  37. Una tremenda desgracia, Pedro. No sabes como lo siento querido amigo.
    Te envío un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  38. Uma tragédia irreparável, que deixou a todos em grande tristeza, pois a memória, a História findou em cinzas.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  39. Olá Pedro querido


    Realmente uma tragédia...

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  40. Que tristeza, espero que un país tan grande como Brasil salga de esto, son momentos duros. Saludos desde El Blog de Boris Estebitan.

    ResponderExcluir
  41. Pedro Luso, é lamentável deixar perder assim, parte importante da memória de um povo, sabendo-de que os poderes instituídos, deixando e ideia de serem analfabetos, nunca essa lhes importou. Bom o poema, para notícia futura.
    abraço

    ResponderExcluir
  42. Cuanta pena, querido amigo. Intento ponerme en vuestro lugar y tengo la sensación de que es imposible, ¿Qué hacer?

    Sólo se me ocurre pensar en locuras, como salir a la calle y motivar a la gente, mover a los medios, comenzar a pedir e ir recopilando y recogiendo todo lo histórico que haya en manos privadas para empezar de nuevo a reconstruir el tesoro. Locuras.
    Dios mío, Pedro. Lo siento desde lo más profundo.

    ResponderExcluir
  43. Uma perda irreparável... que talvez tenha mostrado, as fragilidades, na conservação do património histórico... por cá, tivemos um governo... que a primeira coisa que fez na altura, após a sua eleição, foi acabar com o Ministério da Cultura... cultura na altura... simbolizava desperdício de dinheiro, puro e simples... felizmente nesse período nada de trágico, assim com tais proporções aconteceu, pois todas as verbas ligadas à cultura foram canalizadas para outros fins... actualmente... a importância da cultura, no nosso país, foi devidamente reposta... mas ainda pagando um preço... pela total inexistência de medidas, ao longo de toda a anterior legislatura...
    Como dizia Camões... mudam-se os tempos... mudam-se as vontades... e o autor de tais vontades, por cá... ainda hoje, não deixou saudades... no mundo artístico, sobretudo... compreensivelmente...
    Um sentido poema, que assinala este trágico acontecimento...
    Abraço
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO