>

21 de fev. de 2022

[Poesia] TEMPO E HORA – Pedro Luso de Carvalho

 




TEMPO E HORA

Pedro Luso de Carvalho




Daqui ouço o tic tac do relógio

e suaves batidas nesse andar,

repetido andar tantas vezes,

fôlego incansável;

ali onde está,

no centro da sala de visita,

na casa de minha avó.



Daqui ouço o tic tac do relógio,

meu quarto está perto,

monotonia do pêndulo,

num vai e vem repetido,

num tempo de viuvez

e solidão,

na casa de minha avó.



Daqui ouço o tic tac do relógio,

em meio a conversas nervosas,

vindas da sala de visita

e do outro quarto,

na casa de de minha avó.



Agora ouço silêncio na casa,

depois a notícia,

num sussurro,

espanto do menino,

de que se apagou a chama,

na casa de minha avó.



E na sala de visita

o relógio,

sem nenhum som,

pêndulo imóvel,

ação do tempo,

na hora certa do tempo,

na casa de minha avó.





______________________//_______________________







30 comentários:

  1. Versi intensi, di momenti particolari di vita, espressi in un poetare di bella lettura...
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  2. MARAVILHOSO, Pedro... Pude ouvir daqui o tic-tac, tic- tac da casa de minha mãe e agora, eles silenciaram...Todos de lá! Adorei! abração, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Na casa de sua avó, onde se ouvia o tempo passar, no tic tac do relógio que foi "testemunha" da vida vivida por ela e pela criança que foi, meu Amigo Pedro. Gostei muito do poema.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Pedro
    Sensibilizada com a sua atenção, fico muito grata pela generosas palavras de pêsames pela perda que sofri, assim como pelos Parabéns Pelo Aniversário do meu blogue.
    OBRIGADA!

    PS - Lindo poema

    Uma semana feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Mariazita!
      Obrigado, minha amiga, pela visita, depois de tanto tempo. Claro que sentimos a sua ausência, Mariazita. Volte mais vezes.
      Votos de uma ótima semanaa com saúde e paz.
      Beijo.

      Excluir
  5. Os relógios também param...
    Magnífico poema, gostei imenso.
    Boa semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, caro Jaime.
      Obrigado, poeta, pela visita aoBlog Veredas e pelo seu comentário.
      Votos de uma ótima semanaa.
      Grande abraço.

      Excluir
  6. São memórias da nossa infância que não se apaga.
    Recordações inolvidaveis, que ficam para sempre, no gravador das nossas emoções.

    Excelente poema, amigo Pedro!

    Gostei muito.

    Votos de uma excelente semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. El tic tac del reloj tan parecido al corazón que sigue sonando hasta que se la acaban las pilas.
    Muy hermoso tu poema recordando ese reloj que daba vida en la casa de tu abuela, y que te ha quedado tan bonito repitiendo al final de cada estrofa.
    Un abrazo Pedro y buena semana.

    ResponderExcluir
  8. Uma linda e sensível memória que nos remete ao passado tão presente...
    viajamos no túnel do tempo e lembramos de cenas que ficaram quase como herança. Lindo!,lindo e lindo poema.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Que lindo poema, amigo Pedro!
    Lembrei o tic-tac do relógio da casa da minha vó.
    Que lembrança boa e hoje ele cala, na casa grande pois lá mora meu primo e preserva as boas lembranças num pequeno museu da família.
    Parabéns e uma ótima semana
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. oh!, he sentido ese tic tac amigo, que poema más humano, los relojes también se paran amigo
    Un precioso poema donde se siente la ausencia de la abuela.
    Feliz lunes. Un abrazo

    ResponderExcluir
  11. O menino no arregalar dos olhos, escondia todo o medo das assombrações, que diziam, sair pelas ruas quando o tic tac silenciava para as doze badaladas da meia noite. Uma lembrança me veio mestre Pedro, ao ler suas belas lembranças.
    Aplausos amigo e feliz semana com boas novas.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Excelente poema!! :)
    -
    Balancei-me, esquecendo certas agruras

    Votos de uma excelente semana. Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Também me lembro do relógio da casa da minha avó e tantas outras lembranças daquela casa... Hoje a casa da minha avó é "um retrato na parede", como diria Drummond. Gostei do poema, meu amigo Pedro!
    Uma boa semana para vocês, e a recomendação: Cuidem-se!
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  14. Amigo Pedro,
    Tudo tem seu tempo e hora certa, para chegar e partir. Mas as recordações de infância ficam para sempre.
    Adorei o seu poema.
    Mesmo à minha frente, tenho o Relógio de coluna que era dos meus pais, que de hora a hora, toca a Avé Maria. Um pouquinho deles que tenho aqui comigo.

    Beijinho e feliz semana!

    ResponderExcluir
  15. Belíssimo poema Pedro. O tempo passa, mas as recordações ficam,

    Estou retornando depois de um bom e merecido descanso. Gostaria muito, mesmo com pandemia, de poder continuar contando com o apoio e essas maravilhosas atenção e compreensão de todos vocês, pois é exatamente esse apoio que me fortalece e me induz a continuar.

    Agradeço de coração pelas honrosas visitas e belos comentários com palavras tão amáveis, prometendo retribuir a todos sem nenhuma exceção, pois, conforme costumo dizer, quem visita quer ser visitado, isso porquê, a reciprocidade deverá estar sempre acima de tudo.

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  16. Qué hermoso!!.
    Una dulce nostalgia de tiempo pasado y querido.
    Con grandes ausencias.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  17. Pedro,
    O tempo e as lembranças
    se fundem e deixam
    a Poesia assim
    Suave...
    Lindos versos.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  18. Olá, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar a continuação de ótima semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Un magnifico poema en recuerdo de tu abuela.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  20. Que tristeza me dió leerte, Ese tic tac que acompañaba horas de dolor. Todo va pasando y nosotros también nos vamos yendo. Un poema que describe una situación y nos llega en esta forma, merece nuestros aplausos Pedro. Y un abrazo siempre.

    ResponderExcluir
  21. Boa noite, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar um Feliz fim de semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Un poema de añoranzas Pedro. percibo dolor en el, y esa monotonía del reloj y su tic tac te llevan a los recuerdos seguro que añorados en casa de tu abuela
    Que tengas buen fin de semana poeta
    Un abrazo
    Carmen

    ResponderExcluir
  23. Amigo Pedro, relendo esse belo poema e desejando um feliz fim de semana com muita paz e saúde para você e família.

    Obrigada pela visita e comentário!

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  24. Caro Pedro

    Este seu belo poema evocativo de um tempo que não se perde
    no tempo mas encontra a sua morada nas recordações da meninice,
    traz-nos também a nós lembranças desse tempo.
    Da casa da avó, da sua maneira de ser, das comidinhas com sabor
    sem igual, o seu café com leite, a canja...enfim, uma saudade
    sem igual.
    Bom fim de semana, meu amigo.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  25. Boa noite, amigo Pedro.
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar uma excelente semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Reminiscências da infância
    Quer da casa da avó
    Quer quando se estava só
    Que o tempo traz da distância
    Num sabor numa fragrância,
    É saudades e é lembrança
    Da alma de uma criança
    (Alma eterna e ser finito).
    Ah, Pedro, como é bonito
    Rever o que a alma alcança.

    Belíssimo poema, meu caro poeta! Parabéns! Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderExcluir
  27. Uma fantástica inspiração, que nos remete para memórias... de tempos marcantes, pela positiva ou pela negativa, associadas a um simples som...
    No meu caso, tive possibilidade de recordar o tic-tac de relógio bem idêntico, ao que os meus avós tinham, a muitos momentos calorosos e festivos... Bons tempos, que não voltam mais... Eu ainda me recordo com saudade do relógio deles... mas de facto, também ele já não tinha salvação... ao tempo, nada escapa... só o próprio... e em momentos como os que atravessamos no momento, até questionamos... teremos ainda tempo, de aproveitar bem melhor o nosso próprio tempo?...
    Gostei imenso do inspirado poema, que nos fez viajar no tempo, e pelas emoções que o mesmo em tempos nos proporcionou...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana Freire!
      É sempre muito bom receber a sua, Ana. Volte sempre, que a porta estará sempre aberta.
      Uma ótima semana, com saúde e paz.
      Beijo.

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho