>

7 de abr. de 2021

[ Poesia] PEDRO LUSO - Numa tarde vazia

 

Crepúsculo de Porto Alegre / Brasil - foto Stella Breitman



NUMA TARDE VAZIA

     - Pedro Luso de Carvalho




Naquela tarde vazia,

o sol a morrer no horizonte

sento-me à mesa,

no vazio da cafeteria.


Assusta-me este abandono,

os fregueses todos sumidos

Sinto-me invisível ali,

pareço não mais existir.


A garçonete parece-me de cera,

absorta e presa ao balcão

até espremer os olhos esverdeados,

e quem sabe, um leve sorriso.


Pensativo na solidão do crepúsculo,

mal respirando sob a máscara,

vi rodopiar sob a calçada

um velho jornal levado pelo vento.


A garçonete por detrás da máscara,

se sorriu nunca saberei,

mesmo tão próxima de mim,

ao deixar na mesa, quem sabe, o meu último café.



____________________//___________________







30 comentários:

  1. Poema lindíssimo que muito gostei de ler. A foto é fascinante.
    .
    Cumprimentos poéticos.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. Boa noite de paz, amigo Pedro!
    É um estilo de vida estranho que vivemos. Todo mundo ou uma grande parte) com medo de tudo e de todos.
    Nunca mais vimos um sorriso bonito que alegra a alma.
    Nunca mais podemos ir a uma cafeteria sossegada e conversar com amigos na paz e respirando normalmente.
    Mas... Estamos vivos ainda que não pareça...
    Sua poesia tem grande sensibilidade. Capta o além do cenário nas suas emoções.
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Oi,Pedro, são realmente momentos estranhos os que estamos vivendo, impensáveis como se vivêssemos numa realidade paralela...um futuro ainda abstrato. Jamais imaginei viver assim .Só o presente é eterno por enquanto.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Un periodo molto difficile da vivere, per la grave situazione sanitaria, che ci ha costretto, ad un inaspettato isolamente, che ci creanon pochi problemi psicologici...
    Buongiorno, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  5. Linda foto,Pedro! E tua poesia, perfeita para o momento atual... Mas que não seja o último café...Melhor que seja o último antes do fim da pandemia,rs..abração, chica

    ResponderExcluir
  6. Un crepúsculo precioso, igualmente la poesía que me ha encantado leer.
    Llegará el día que todo se verá bello, como bella es la vida a pesar de los pesares.
    Un abrazo Pedro y a cuidarse pues la cosa va lenta...

    ResponderExcluir
  7. Olá Pedro!
    O seu poema está lindo embora nós neste momento estamos a viver tempos muito difíceis mas eu tenho muita esperança que a gente um dia ainda vai fazer um piquenique todos juntos e vai ser maravilhoso...um beijinho e que Deus lhe traga tudo o que merece.

    ResponderExcluir
  8. A estranheza do nosso olhar para os outros tão bem expressa neste seu poema, meu Amigo Pedro.
    Muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Maravilhoso poema, Pedro, captou toda solidão, angustia e incertezas deste tormento que parece não ter fim.
    Até a próxima poesia e café! Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Obrigada pela partilha de mais um fascinante poema! ;)
    -
    A vida tem sonhos que vão partir ...
    -
    Beijos e uma excelente tarde!

    ResponderExcluir
  11. Quando você achar que perdeu o chão, que não há mais saída pra você, saiba que a sua força deve estar no Senhor. Ele te sustentará, Ele te levará a pastos verdejantes 💖


    ResponderExcluir
  12. Interessante combinação desse poema com essa deslumbrante imagem de Porto Alegre.
    Abraço e saúde.
    😉
    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subscrevam

    ResponderExcluir
  13. Has descrito muy bien, en este bello poema, esa sensación de desamparo y vulnerabilidad de estos momentos en los que nos encontramos con el coronavirus.
    Felicitaciones.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  14. Siamo soli, abbandonati alla nostra solitudine, ci è vietato interagire con i nostri simili per paura del contagio e, le persone con cui interagiamo non scorgiamo i lorolineamenti. Dobbiamo fare tutto in fretta e poiché le strade e i locali sono vuoti, ci sentiamo abbandonati senza nessun conforto di qualcuno che ci stia vicino. Questa pandemia ci sta portando all'alienazione piano piano. Speriamo che pssa finire prest, ma ni non saremo più gli stessi. Caro amico Pedro dalla tua poesia si sente tutta la tristezza che ti è passata per l'anima scrivendola, mi sembra di esseree vicino a te a provare quello sconforto che hai provato tu. . Sei stato bravissimo. Complimenti. Un affettuoso saluto da Grazia!

    ResponderExcluir
  15. Llevamos mucho tiempo ya con este problema y ya registramos el cansancio de la situación...hasta que no lo perdemos, no nos damos ciuenta de lo felíces que éramos unos años atrás.

    Besos

    ResponderExcluir
  16. En este articulo vemos dos partes diferentes; primero la bella fotografía que puede ser de cualquier época, la segunda el magnifico poema de tu autoría.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  17. Strano periodo quello che stiamo vivendo. Non vedere il volto coperto dalle mascherine, limita anche il modo di avvicinare le persone. Buon weekend, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  18. No, no, Pedro, nunca el último. Mejor el antepenúltimo.

    A veces uno no es consciente de la profundidad con que plasma sus emociones en un poema, dejándolas escapar por alguna grietecilla inadvertida.
    Claro que, con la mascarilla, y si además se llevan puestas las gafas, empañándose, la realidad se vuelve engañosa.

    Unos versos para guardarlos y echarles un vistazo cuando todo esto acabe y ya los diarios vuelvan a interesarnos y dejen de volar por las calles vacías, querido amigo.

    ResponderExcluir
  19. Pedro:
    ese vacío se nota más con la máscara, porque ni podemos dirigir una sonrisa a los demás y saber si nos sonríen.
    Es muy triste.
    Pero todo volverá a la "normalidad".
    Abraços.

    ResponderExcluir
  20. Un gran poema que describe muy bien la situación que estamos padeciendo.
    Confiemos en que, no tardando mucho, podamos recuperar la ilusión.
    Te deseo un feliz fin de semana.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  21. Um poema que traduz os tempos que correm.
    E que é excelente. Parabéns pelo talento e inspiração.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  22. Amigo Pedro,

    Um poema muito revelador do vazio que nos envolve e nos faz sentir invisíveis.
    Vivemos tempos, em que até o esboço de um sorriso, está mascarado.
    Muito belo e intenso, parabéns.

    Um beijinho e muita saúde .

    ResponderExcluir
  23. Ainda que vazia, a tarde é reveladora da atmosfera em que se vive. Perscruta a todos insidiosa a querer saber de que modo nos abrigamos do que falta.
    Belo poema, caro amigo Pedro!
    Ainda que a cafeteria esteja vazia, cuide-se!
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  24. Volverán los tiempos pasados, volveremos al abrazo, la risa, el apretón de manos, me ha gustado mucho leerte, al mismo tiempo espero mantener aunque he tardado mucho, la amistad
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  25. Olá Pedro!
    Passei para lhe desejar um bom domingo e dizer que não é preciso dar a receita para sua esposa faça uma surpresa e você mesmo faz é muito fácil de fazer só precisa ter um pouco de paciência...beijinho

    ResponderExcluir
  26. Pedro,
    Nesses tempos é bem assim
    mesmo,
    Só mesmo a poesia para
    nos proteger e definir
    nosso sentimento.
    Lindos versos.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  27. Um poema que retrata os tempos difíceis da pandemia.
    Espero e desejo que esteja bem.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderExcluir
  28. Ah! Como me revejo nesse seu poema!!

    Bom domingo :)

    Abraço por sobre o oceano.

    ResponderExcluir
  29. A beleza deste teu encantador poema está em que não falaste no vírus, nem em pandemia, nem em doença, mesmo assim traçaste o atual quadro de enorme tristeza em que vivemos: sente-se a solidão, o abandono, a ausência de pessoas, na distância da garçonete que nem sorriso viste e talvez seja o último café, ninguém sabe o que acontecerá com cada um de nós.
    Uma triste beleza!

    Maravilhoso, beijinho, meu poeta!

    ResponderExcluir
  30. Não só a " tarde está vazia," nem só o sol se esconde no horizonte, nem tampouco só os sorrissos se escondem; também os olhos, Amigo, não são os mesmos: caminham cabisbaixas, as pessoas, reflectindo nas dúvidas, nas incertezas, na angústia de não saberem como pôr na mesa o pão para os filhos e nós, mais " sortudos" impossibiltados de lhes estender a mão, de lhes dar um abraço, de lhes dizer que amanhã o sol brilhará e que tudo será diferente. O sol pode ser que até brilhe nas cidades, nas estradas, nos caminhos e veredas, mas será incapaz de levar luz a esses corações torturadas, muitos, pela perda de familiares e amigos, mas outros tantos pela fome que começa a entrar em suas casas, antes com a fartura suficiente. Vazios de gente, continuam por cá os cafés, restaurantes, teatros, lojas pequenas e tantos outros espaços, mas pior que isso, começa a esvaziar-se, por completo, o coração das pessoas, o coração de algumas que ainda tinham dentro dele alguma esperança . Sei que sou uma " abençoada " pela vida, mas, mesmo assim, sinto-me vazia, vazia de afectos, de abraços, de um alegre convivio à volta de uma mesa e não posso deixar de me sentir triste pelo que vejo à minha volta. Não sei escrever um poema como o teu, Pedro, mas, como diz a nossa Amiga São, revi-me nele e por isso, deixo-te o meu muito obrigada por teres colocado em verso aquilo que também sinto. Um beijinho, querido Amigo e, se ando um pouco ausente, podes ter a certeza que a culpa é do " vazio de muitas das minhas tardes" Aos meus dois queridos Amigos, desejo SAÚDE e a alegria possivel. Deixo também um abraço bem forte, grande o bastante para chegar a Portalegre

    Emilia

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho