>

16 de nov de 2010

JORGE LUIS BORGES – Por que você escreve?


                    [PEDRO LUSO DE CARVALHO]

       
        Emir Rodrigues Monecal, escritor e professor de literatura, fez a pergunta que segue  a Jorge Luis Borges, o nome mais importante da literatura argentina, e também um dos mais representativos escritores – ficcionista, poeta e crítico literário – da língua espanhola: Por que você escreve  (in Borges por Borges. Tradução de Ernani Ssó. Porto Alegre: L&PM, 1987, p. 134-135); transcrevo abaixo a  resposta de Borges


 Porque não posso não escrever, sem esse peculiar sentimento de desventura que engendram a covardia e a deslealdade. Acho que raciocino e invento melhor que outros escritores; sei que quase todos escrevem melhor do que eu, que a quase todos ajuda uma espontânea e negligente facilidade que me está vedada e que não conseguirei nem pela meditação nem pelo trabalho nem pela indiferença nem pelo magnífico acaso. Escrevo, no entanto, porque para mim não há outro destino. (Sei disso desde a já remota infância.) Para minha salvação, de nada serviria ganhar batalhas como meu bisavô Suárez, nem morrer na cruz como o Redentor, nem trair o Redentor por trinta dinheiros como Judas Iscariotes fez; Judas, cujo misterioso destino era trair. Cada homem tem seu destino, para lá da ética; esse destino é seu caráter (há dois mil e quinhentos anos, disse-o Heráclito na Ásia Menor); esse destino é a ética secreta do homem; assim eu interpreto o aforismo que se lê na falsa folha de rosto de cada um dos quatro volumes da História de San Martin: “'Serás o que deve ser, senão não serás nada”. (Meu pai discutia comigo essa interpretação; afirmava que San Matin disse mais ou menos: Serás o que deve ser – serás um cavalheiro, um católico, um argentino, um membro do Jockey Club, um admirador de Uriburu, um admirador dos extremos rústicos de Quirós -, senão não serás nada – serás um israelita, um anarquista, um negro ignorante, um primeiro auxiliar; a Comissão Nacional de Cultura ignorará teus livros e o doutor Rodríguez Lareta não te mandará os seus, valorizados por um autógrafo... Suspeito que meu pai se enganava.)


                                                                  *  *  *      
        
        

2 comentários:

  1. Fantástico, Pedro. Não conhecia esse texto-resposta. Senti uma incrível e poderosa identificação com um trecho, que colo abaixo:

    "...sei que quase todos escrevem melhor do que eu, que a quase todos ajuda uma espontânea e negligente facilidade que me está vedada e que não conseguirei nem pela meditação nem pelo trabalho nem pela indiferença nem pelo magnífico acaso..."

    Esse sou eu.

    Pelo menos tenho algo em comum com Borges!

    Abraços forte
    Cesar

    ResponderExcluir
  2. Anônimo21:54

    http://quasartechsciencie.blogspot.com.ar/2017/06/jorge-l-borges-y-la-indagacion-de-la.html

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO