>

30 de jan. de 2021

[Poesia] FLORBELA ESPANCA / Languidez

 



                           - Pedro Luso de Carvalho


Florbela Espanca nasceu na Vila Viçosa, em Portugal, a 8 de Dezembro de 1894. Na morte da poetisa Florbela Lôbo de Alma Espanca - esse era o seu nome de registro civil -, em 1930, um fato que não pode ser tido como coincidência, no tocante ao dia e ao mês de seu nascimento, 8 de dezembro, por ter sido suicídio a causa mortis da poetisa. Florbela Espanca morreu em Matozinhos, ainda muito jovem, no dia em que completou 36 anos.

Florbela cursou o Liceu de Évora e depois a Faculdade de Direito de Lisboa. Sua vida passou-se praticamente toda na capital do Alentejo. Na época em que tomei contato com a obra de Florbela Espanca, no Curso Clássico, há algumas décadas, ainda existia a casa da família, muito bem conservada, sem que nada tivesse sido mudado no ambiente em que vivera a poetisa.

Sobre a poesia de Florbela Espanca, Álvaro Lins diz que não é pictória, nem de cor local. “É a expressão, ao contrário, de um exaltado, às vezes delirante egotismo. Vibração, sensualidade, eloquência – eis alguns dos traços característicos da autora de Charneca em flor”.

Obras de Florbela Espanca: Livro de Mágoas, 1919; Livro de Sóror Saudade, 1923; Charneca em flor, 1931; Juvenília, 1931; As Máscaras do Destino, 1931; Cartas, 1931; Sonetos Completos, 1934.

Segue o soneto Languidez, extraído de Livro de Mágoas – em Sonetos Completos, 7ª ed. Livraria Gonçalves, Coimbra, 1946, pág. 43:





                    LANGUIDEZ

                                                            (Florbela Espanca)



Tardes da minha terra, doce encanto,

Tardes duma pureza d'açucenas,

Tardes de sonho, as tardes de novenas,

Tardes de Portugal, as tardes d'Anto.



Como vos quero e amo! Tanto! Tanto!...

Horas benditas, leves como penas,

Horas de fumo e cinza, horas serenas,

Minhas horas de dor em que eu sou santo!



Fecho as pálpebras roxas, quase pretas,

Que pousam sobre duas violetas,

Asas leves cansadas de voar...



E a minha boca tem uns beijos mudos...

E as minhas mãos, uns pálidos veludos,

Traçam gestos de sonho pelo ar...




________________________//_______________________


REFERÊNCIA:

LINS, Álvaro. BUARQUE DE HOLLANDA, Aurélio. Roteiro Literário de Portugal e do Brasil. Vol. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966, p. 361.







33 comentários:

  1. Florbela Espanca, a minha poeta preferida.
    Toda a sua obra é cheia de sensibilidade e emoção. Cada poema fala de sofrimento, de desencanto, do desejo à felicidade, a solidão…
    Excelente esta partilha amigo Pedro, obrigada!

    Beijinho e continuação de bom fim de semana !

    ResponderExcluir
  2. Sou um grande admirador dos poemas de Florbela Espanca. Este poema aqui oferecido é sublime. Lindíussimo.
    .
    Feliz fim de semana
    Cuide-se
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  3. Boa noite de sábado amigo Pedro.
    Ler sobre Florbela é viajar pelos descaminhos da angustia pela série de decepções que a vida lhe impôs principalmente com perdas. Uma escritora que nos envolve com sua poesia de dor e desencanto e tão jovem perdeu o prazer de viver. Muito boa sua resenha e escolha do poema. Não é atoa, que ela foi muito reverenciada pelos compositores na década de 70 por aqui e bem sabemos, o porque desta. Lembro de Fanatismo de Florbela que atravessou o país em todas as emissoras de rádio.
    Muito bonito seu trabalho Pedro.
    Grato por este e por partilhar conosco.
    Que a semana venha mais leve com este acender da esperança.
    Meu abraço amigo.

    ResponderExcluir
  4. muito bom Pedro
    fico sempre encantada com a poesia sonhadora da Florbela Espanca
    tem erotismo mas sempre uma grande leveza
    abraço, bom fim de semana

    ResponderExcluir
  5. A poetisa (poeta) de Vila Viçosa tantas vezes estudada em sala de aula. Mas ninguém a definiu tão quando ela mesma o fez, além de sobejamente ter-se revelado em seus poemas e ate na sua prosa poética (nos seus contos impregnados de poesia): O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais, há em mim uma sede de infinito; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudades… sei lá de quê!”
    Um grande abraço, meu amigo Pedro!
    Cuidando-se sempre. Os tempos ainda estão bicudos!

    ResponderExcluir
  6. Una dolce e valida autrice, che ho conosciuto in queste tue belle pagine.
    Molto efficaci i versi prescelti.
    Buona domenica, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  7. Florbela Espanca é um marco português!!! Gostei muito do blog e já o segui, quero convidar-te a visitar e a seguir o meu blog de volta <3

    www.pimentamaisdoce.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. A minha Poetisa preferida!
    Amei a sua publicação!!

    -
    Esta noite... quero que me seduzas
    .
    Beijo. Um confinado e feliz Domingo

    ResponderExcluir
  9. Un poema lleno de belleza y sensibilidad.
    Impresiona y apena mucho morir tan joven y de una manera tan triste.
    Un beso. Feliz comienzo de semana.

    ResponderExcluir
  10. Puede estar orgullosos los portugueses, de tener una gran poeta nacida en su hermosa tierra.

    Besos

    ResponderExcluir
  11. Pedro,
    Adorável publicação!
    Conheci a poesia de Florbela
    mais a a fundo através do
    Miguel Falabela que é um apaixonado.
    As poesias dela
    me davam uma inquietação.
    Então fui estudá-la, eu tinha meus
    tenros 27 anos, jovem, jovem; já casada,
    mãe de dois filhos e estudante de Artes Cênicas.
    Eu queria saber
    que mulher é essa que fala de amor
    de uma forma tão expressiva, e que
    mulher era essa tão exposta em uma
    época muito apertada para as mulheres.
    E minha surpresa foi total ao descobrir
    que tanto amor em palavras
    é a explosão de uma
    mulher que não teve maternidade
    realizada por mais que ela
    se empenhasse, até mesmo se
    separando para tentar mais uma
    vez em um outro relacionamento.
    Por isso realmente Florbela se define
    na palavra amor. Amo Florbela e sua obra
    tão maravilhosa.
    Sou grata por sua publicação,
    ela merece!
    Bjins e meus votos
    um fevereiro promissor
    e com esperança renovada.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  12. Pedro, sou fã incondicional de Florbela Espanca, pelo tanto que me tocam seus escritos. Nunca me preocupei com correntes, estilos, avaliações, pois o que me encanta é sempre o que me passa a escrita. É ela que me cativa e prende. E Florbela , que tão jovem faleceu, deixou um legado imenso para quem ama a poesia. Um lindo soneto você escolheu. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Pedro,
    Bela homenagem evocando Florbela Espanca, uma grande poetisa portuguesa que cedo partiu.
    Deixou uma bela obra, pena a sua vida ter sido tão curta. Linda e justa partilha.
    Um beijinho e boa semana, com saúde.
    Ailime

    ResponderExcluir
  14. Impossível não gostar da Florbela Espanca. Todos os poemas dela, alguns muito doloridos, nos tocam a alma. Foi uma mulher à frente do seu tempo. A sua insatisfação talvez derivasse disso. Gostei tanto de a ler aqui, meu Amigo Pedro.
    Cuide-se bem.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. ¡Hay tanta poesía por descubrir! ¡Hay tantos autores que desconozco!
    El sentir apasionado que esta gran poeta transmite en el poema que has elegido, nos anima a rebuscar en sus escritos y conocer algo más de su pasado.
    Gracias por revivirla en tu espacio.
    Cariños.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  16. Profonda poetessa di cui leggo la splendida poesia che ho molto gradito. Purtroppo per lei la vita non è stata dolce: l'ha fatta soffrire milto.
    Encomio per Florbella Espanca e per la sua letteratura che mi piace molto. Un caro saluto amico Pedro Luso da Grazia .

    ResponderExcluir
  17. Uma grande poetisa que muito aprecio.
    Brilhante escolha.
    Beijinhos e boa semana

    ResponderExcluir
  18. Bela escolha para relembrarmos os sentimentos mais profundos da alma de uma grande poeta. Intensa em todas as sua manifestações em uma escrita ao mesmo tempo lírica e ao mesmo tempo dolorida da alma feminina.
    Gostei muito!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  19. Obrigado por apresentar a talentosa e conceituada poetisa do seu país, Florbela Espanca.
    Bom trabalho.

    Saudações da Indonésia.

    ResponderExcluir
  20. Adorei o soneto, Pedro, envolvente, nos transporta para os pensamentos dela, no que pensaria ela naquelas tardes.
    Obrigada pela partilha, amigo, abração!

    ResponderExcluir
  21. Gosto muito de Florbela Espanca. Há uns dois anos fui a Vila Viçosa, percorri os locais por onde andou e terminei no cemitério junto do seu túmulo, à sombra do Santuário, onde D. João IV coroou Nossa Senhora da Conceição como rainha de Portugal, e onde o Papa João Paulo II esteve em oração.
    A Propósito, sabe que depois de D. João IV nunca mais nenhuma rainha portuguesa usou a coroa, porque a verdadeira rainha do país era Nª Sª da Conceição?
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  22. Boa noite caro amigo Pedro!
    Obrigada por ter partilhado connosco um pouco da alma de Florbela Espanca!
    Um beijinho de luz!
    Megy Maia🌺💜🌺

    ResponderExcluir
  23. Boa noite, amigo Pedro,
    Florbela Espanca, grande e maravilhosa poeta que a encontro pelos labirintos dos sentires!! Adoro!! Intensa e tão lírica de alma dolorida, uma mulher tão jovem envolta a tantos sentimentos profundos....Pena que ela se foi tão jovem.
    Obrigada por essa bela escolha e partilha.
    Tenha uma otima noite.
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Un hermoso soneto el de Florbela Espanca, al igual que toda su obra.
    Gracias por traerla a mi memoria.
    Saludos.

    ResponderExcluir
  25. Pedro
    Obrigada por nos ter trazido Florbela Espanca que nos deixou uma obra bem grandiosa, fruto de uma alma dorida e oncompreendida.
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  26. Olá, Pedro!
    Há algum tempo que eu não lia Florbela Espanca, a poeta de alma angustiada.
    Gostei deste soneto encantador.
    Obrigada por divulgares poetas portugueses no teu Veredas.
    Beijo, fica bem.

    ResponderExcluir
  27. Aunque se puso a estudiar derecho, al final en donde destacó en la poesía, pasando a estar en la lista de los grandes poetas portugueses, que tanta gloria dieron a su país.

    Besos

    ResponderExcluir
  28. Elegante, sensual, delicado, el poema contiene esa nostalgia propia del alma lusa que siempre nos arrebata y transmite tanto.
    Una pena que esta mujer tuviera un fin trágico. Pero nadie sabe los sufrimientos que esconde la mente.
    Deseo que estén bien. Un saludo, Pedro.

    ResponderExcluir
  29. Sempre fascinante, a profunda sensibilidade, melancolia, e emoção, que brotam das palavras de Florbela, assim que iniciamos a leitura de qualquer um dos seus trabalhos... sempre um imenso privilégio, poder contactar um pouco mais com o seu universo poético...
    Grata por mais uma formidável partilha, Pedro!
    Beijinho! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  30. Estimado Pedro.
    Também a vida de Florbela foi marcada por uma infância muito infeliz...
    Era uma poeta inteligente e ousada num tempo de moralismos hipócritas....
    Gostei de a encontrar aqui.
    Parabéns por este trabalho. Beijo
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  31. Olá, amigo Pedro!
    A escritora renomada com uma mensagem poética bela. Amo o entardecer e é um momento muito fecundo em todos os sentidos para mim.
    Esteja bem, amigo!
    Beijinhos fraternos

    ResponderExcluir
  32. A poesia de Florbela Espanca é arrebatadora. Com ela qualquer espaço é curto. Merece figurar entre os maiores.

    Beijos, Pedro.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho