>

14 de dez de 2010

GARCIA LORCA / A Lua e a Morte



        No que se refere a morte do grande poeta espanhol Federico Garcia Lorca, transcrevemos o que o jornal El Liberal, de Madri, publicou no dia 2 de novembro de 1936 (in Ian Gibson, O assassinato de Garcia Lorca, Trad. de Ernani Ssó, Porto Alegre, L&PM Editores, 1988, p. 271):

         "Mas será possível? Federico Garcia Lorca, o imenso poeta, assassinado pelos facciosos?

        Uma última esperança de que tamanho crime não tenha se realizado leva-nos a perguntar: mas será possível a monstruosa aberração que supõe o assassinato do mais alto poeta espanhol dos nossos dias?

        Todos os jornais publicaram a notícia que, segundo um jornal de Albacete, procedia de Guadix.

         Conhecemos bem a louca e fria perversão dos traidores. Mas um nobilísimo impulso da nossa alma nos leva a duvidar da veracidade da horrível informação.

        Federico Garcia Lorca fuzilado pelos degenerados facciosos! Será possível tanta maldade? E embora temamos que sim, que essa gente é capaz de tudo, queremos acolher uma última esperança, repetimos, queremos acreditar que tudo, até a escala da maldade dos fascistas, tem um limite.

        A Espanha inteira, toda a Espanha democrática e republicana, vive momentos de angústia e os viverá enquanto não seja retificada ou ratificada a inimaginável maldade dos verdugos”.

        Garcia Lorca foi fuzilado em agosto de 1936, em Granada, no início da Guerra Civil Espanhola, e seu corpo nunca foi encontrado.Estava com 38 anos quando foi assassinado, e já era considerado um dos maiores poetas e teatrólogos da Espanha.

        O poema A Lua e a Morte, de Federico Garcia Lorca, in Antologia Poética, tradução de William Agel de Mello, São Paulo, Martins Fontes, 2001, p.39-41:


              A LUA E A MORTE

A lua tem dentes de marfim,
Quão velha e triste assoma!
Estão os álveos secos,
os campos sem verdores
e as árvores murchadas
sem ninhos e sem folhas.
Dona Morte, enrugada,
passeia pelos salgueirais
com seu absurdo cortejo
de ilusões remotas.
Vai vendendo cores
de cera e de tormenta
como uma fada de conto
má e enredadora.

A lua comprou
pinturas da Morte.
Nesta noite turva
está a lua louca!

Eu, enquanto isso, ponho
em peito sombrio
uma feira sem músicas
com tendas de sombra.

                  
                                           (by Garcia Lorca)
                  

Um comentário:

  1. QUERIDÍSSIMOS AMIGOS!!!

    Neste final de ano quero desejar a todos vocês uma paz imensa! Saúde transbordante! Dias inundados de conquistas! E um oceano de felicidade!

    Obrigada pelas visitas, doces palavras e todo o carinho a mim dedicados nesses meus oito meses de vida blogueira!

    Vocês fizeram mais do que enfeitar os meus blogs, fizeram toda a diferença na minha vida!

    Amo vocês!
    Sueli Gallacci.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO