>

1 de set. de 2021

[crônica] PEDRO LUSO – Hoje tem reunião de condomínio




             HOJE TEM REUNIÃO DE CONDOMÍNIO

                                                         – Pedro Luso de Carvalho




O marido ouve o toque da campainha, mas como não é seu feitio atender ao telefone, interfone e tampouco campainha, deixa esse incômodo para sua mulher.

A campainha tocou, mulher.

A mulher sai correndo em direção à porta. Chega esbaforida, depois de ter tropeçado no tapete e batido a perna na quina da mesa. Abre a portinhola e recebe uma rajada de vento.

Desculpe-me acordar a senhora – diz o zelador do prédio.

Não me acordou, é quase meio-dia...

O zelador entrega-lhe um envelope e pede que assine o protocolo de recebimento. A mulher assina na linha sobre o nome do marido.

Era o zelador – diz a mulher ao marido. – Ele deixou este envelope.

O homem abre o envelope e lê a convocação do síndico para uma reunião extraordinária.

No dia e hora marcados, lá estão alguns moradores na sala de reunião. Como não há quórum, o síndico aguarda algum tempo para a segunda chamada, e depois abre a reunião com quinze condôminos.

Boa noite a todos. Hoje vamos analisar três orçamentos para a pintura do edifício.

Quanto vai custar a pintura? – pergunta um homem, já curvado pela idade.

Nos orçamentos temos preços diferenciados, talvez possamos ficar com o mais barato.

E quanto é esse mais barato? – pergunta uma mulher. – Todos aqui sabem que o meu falecido marido deixou uma minguada pensão.

Eu também ando apertada – manifesta-se outra moradora. – Como vocês também sabem, o meu marido está desempregado a um bom tempo.

Então mande esse folgado parar de beber e procurar um emprego – diz a solteirona do prédio.

Isso não é da sua conta, mal educada. Por que você não procura um marido e deixa de encher o saco?

O síndico diz que todos devem contribuir para que a reunião corra com normalidade, para que possam resolver o problema da pintura externa do prédio.

Vou ler aos senhores os itens que fazem parte do orçamento com o menor preço – fala com voz baixa, para que se esforcem para ouvi-lo.

É bom que essa leitura termine antes que comesse minha novela – diz a mulher vistosa, com as pernas à mostra.

A novela, meu Deus! – exclama outra moradora. – Eu não posso perder o último capítulo. – Se me dão licença...

Depois que a mulher deixa a sala, antes que se decida pela pintura, uma após outra, das nove mulheres, levantam-se e saem. Ficam na sala apenas seis condôminos.

O síndico mal recomeça a falar sobre os orçamentos quando os seis homens entreolham-se cúmplices, numa surda troca de ideias, e retiram-se com discrição.

Na sala fica apenas o síndico, com o olhar fixo nos orçamentos. Logo, diz para si mesmo: “eu é que não vou ficar aqui plantado, justamente hoje, e perder o final da minha novela”.





___________________________//__________________________





36 comentários:

  1. Mais ou menos assim no meu prédio quando se fala de despesas.
    Tantas desculpas!!!!

    ResponderExcluir
  2. Aqui é o mesmo. Somos só oito moradores mas mesmo assim nas reuniões só costumo aparecer eu e o meu vizinho do lado que é por unanimidade há vários anos o administrador do prédio. Era para ser um morador a cada ano, mas quando chega a hora de mudar, todos se recusam.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  3. Por desgracia amigo Pedro hoy día, todo se traduce a sentarse delante de la pantalla tonta y contemplar serie tras serie, de esa forma y poco a poco cambian los esquemas de la vida y hasta el propio pensamiento de las personas, estamos viviendo una nueva era digital y lo peor de todo es que, tratan a la gente como rebaños, lo blanco pasa a ser negro y viceversa. Poco a poco se va introduciendo una forma de adoctrinamiento. Debemos de llevar mucho cuidado sobre todo con los niños.
    En los edificios, muchas veces las personas que lo habitan no son conscientes de que, los mantenimientos, son esenciales para su buena conservación.
    Un abrazo y buen resto de semana.

    ResponderExcluir
  4. Xiii isto acho que é o típico dos moradores em prédios. Pelo menos nos mais "pobres" . Gostei de ler!:)
    -
    Tens a doçura que ninguém domina
    .
    Beijo, e um excelente dia.

    ResponderExcluir
  5. Un brano che rispecchia, una vivida realtà, negli incontri collettivi...
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  6. rsssssssssssssssss... Muito legal tua crônica! E reunião pra aprovar gastos é mais dose do que nunca! Adorei o bom humor! abração, chica

    ResponderExcluir
  7. Olá, amigo Pedro.
    Curiosamente, estas situações relatadas nesta crónica, são semelhantes um pouco por todo o lado. Podem viver no mesmo condomínio 10 condóminos, mas cada um tem as esfecificidades. Não têm os mesmos rendimentos, nem os mesmos problemas. Por isso, estas discussões são o prato do dia.
    Gostei muito desta sua crónica.

    Continuação de ótima semana com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. hahaha...já estava achando que o machismo imperava neste condomínio!
    Novelas boas realmente prendem, melhor nem começar.
    Não deve ser fácil morar em condomínios, são tantas realidades, nos altos e baixos que vivemos, ter que se adaptar ou mudar é complicado e tristes situações podem acontecer.
    Adorei a crônica, como nos leva a crítica antecipada e redenção logo a seguir, parabéns Pedro!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Muy interesante tu publicación,
    Ten buena semana

    ResponderExcluir
  10. Os constrangimentos nas assembleias dos condomínios é uma marca registrada. É a dura realidade. Ninguém quer assumir a administração, mas há sempre um olhar questionador do condômino lançando dúvidas sobre a administração... Sem retoques, é um retrato o que narrador nos conta. Sobressai o espírito criativo do autor/narrador nos dando com humor e ironia um retrato vivo da vida nas assembleias dos condomínios.
    Maravilha, meu amigo Pedro. Cuide-se, já que não conseguimos cuidar dos condomínios como desejamos.
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  11. Una reunión de vecinos, siempre es motivo de conflictos y nunca se llega a un acuerdo.

    Besos

    ResponderExcluir
  12. En tu articulo es por la telenovela, pero pudo ser por el partido de futbol. Pero desgraciadamente algunos solo asisten a las reuniones si algún tema les interesa o proponer resolver algo que les beneficie.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  13. É por essas e outras que toda a gente se escusa a ser administrador de condomínios. Aquilo a que o Pedro refere como síndico.
    Uma dor de cabeça, todos reclamam da necessidade de efectuar obras no prédio, mas quando chega a hora de enfrentar os custos, todos fogem «com o rabo à seringa». Felizmente, não tenho esses problemas, mas também assumo as despesas todas...😀

    Um abraço e meu obrigada por estes momentos de descontração, Pedro

    ResponderExcluir
  14. Pedro, voltei para informar que acabo de conseguir colocar o seu blog na minha lista com a sequência da data de publicação. Tive de usar uma ligeira alteração no nome do blog, mas resultou. Anda bem, que não desisti. :)

    ResponderExcluir
  15. Boa Pedro,
    Essa praia também é das nossas!
    Desta vez lá o valor da pintura foi aceite, e não foi o mais barato porque alguém argumentou que o trabalho do dito não tinha sido de confiança num outro local da cidade!
    Antes que os prédios envelheçam, com as tintas desgastadas, damos uma força e deixamos votos de sucesso a todos os administradores de condomínios!!!

    ResponderExcluir
  16. Lo que suele pasar cuando hay que tomar decisiones en grupos y nadie está dispuesto a tomarlo en serio
    Un buen relato retrrato fiel de lo que suele pasar
    Un abrazo Pedro
    Carmen

    ResponderExcluir
  17. A mais recente pintura do prédio, por lá na Ericeira, com a respectiva substituição dos terraços, valeu-me o estuque de quase todas as divisões estalado... em 2019... quando se colocam 3 martelos automáticos em simultâneo a funcionar... estou despachando as consultas da minha mãe, agora em Setembro, e aguardando que a pessoa, que avançará com a situação para processo e me dará assistência, também termine a sua participação na Feira do Livro em Lisboa, já que é autor também... entretanto vamos deixar mais uns dias passar, ao longo deste mês, entre o ping pong de descartar responsabilidades entre o empreiteiro da obra e a empresa de condomínio...
    É um encontro sempre super emocionante, as reuniões de condomínio! Aqui onde moro também o é... a última... foi para aí há mais de 10 anos, quando o telhado do prédio caiu!... Como não houve muitas obras desde então... deduzo que estão aguardando que o prédio caia para arranjar mais qualquer coisa, seguindo a mesma lógica, da reparação do telhado...
    Na ultima que houve na Ericeira... quase todos decidiram terminar com a empresa do condomínio, para depois a readmitirem 10 minutos depois!
    Cada reunião de condomínio minha... é uma verdadeira montanha russa de emoções fortes... saindo muito pessoal rouco, das mesmas!... :-D
    E no momento, por lá na Ericeira... também a pintura do prédio deu brasa... pois ainda não terminou o prazo de garantia da obra, e já está tudo dando sinal, que a estrutura metálica, não foi bem tratada, num edifício junto ao mar... e fissuras, estão de novo surgindo em todas as varandas, de alto a baixo... e o tratamento dado nas madeiras dos varandins... é de morrer de rir... já desapareceu bem antes dos dois anos, da obra... uma água acastanhada que terá desaparecido certamente logo no Inverno passado!...
    Adorei o seu texto, Tais, que me fez sorrir! No final quase todos chegaram a acordo... impensável perder-se o final da novela!... Mas pelo menos... ainda vão conseguindo chegar a acordo... nas minhas... há gritos... muitos gritos e quase nunca ninguém se entende!... :-))
    Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  18. Troquei os nomes... e já não fui a tempo de corrigir... :-)) Tenho também o blog da Tais aberto, em simultâneo para visitar de seguida... é no que dão as pressas!...
    Bom fim de semana de semana, Pedro! Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  19. Felizmente só assisti a uma reunião dessas e foi para acompanhar quem me pediu...


    Abraço, bom final de semana

    ResponderExcluir
  20. Muito bom ler sobre nosso cotidiano, Pedro
    Não importa muito o motivo da reunião, as reclamações aparecem e muitas vezes hilárias. E a ala feminina não se conforma perder capítulos da novela e com total razão rs e as reuniões começam com discussões e acabam sem quorum , sempre.
    Grande abraço, Pedro_estou passando para as últimas visitinhas aos amigos, antes de fugir um pouco das reuniões de condomínio rs
    Bons dias , feliz Setembro!

    ResponderExcluir
  21. Son casi siempre complicadas las reuniones de vecinos. Es difícil coincidir todos y estar de acuerdo. Siempre hay alguna persona que discrepa.
    Un beso. Muy feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  22. Amigo Pedro, paso a saludarte y al propio tiempo desearte también un buen fin de semana con mucha precaución amigo.
    Un gran abrazo desde Alicante-España.

    ResponderExcluir
  23. Acabamos de pintar o prédio, Pedro
    Ainda bem que o síndico daqui só faz obras e pintura quando o prédio tem alguma reserva.
    Temos sorte.
    Gostei muito da sua bem humorada crônica.
    Te desejo um abençoado fim de semana.
    Um grande abraço
    Verena.

    ResponderExcluir
  24. Olá, amigo Pedro!
    Passando por aqui, relendo esta excelente crónica, que retrata as diversas controversas deste tipo de situações.

    Votos de um excelente fim de semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. um texto "sério" e bem humorado.
    assim se "constrói" a "verdadeira democracia"... rss
    forte abraço, Poeta

    ResponderExcluir
  26. Poderia ser um conto de humor, mas é uma triste realidade meu caro amigo, digo de cadeira por ter ocupado esta função por muitos anos. Para marcar uma assembleia de condomínio, tem que analisar o dia, programação de futebol e capítulos de novela. Nunca no fim de semana. Jamais na sexta e ainda assim, o quórum será sempre insuficiente. E quando se realiza, é aquela balbúrdia de reclamação de coisas sem relevância.
    Uma boa semana com feriado amigo e que sensatez reine no dia 7, estou preocupado com os intolerantes e os malucos, que seguem maluco.
    Meu abraço de paz amigo.

    ResponderExcluir
  27. As assembleias dos condomínios são mais ou menos conflituosas por mais educadas que sejam as pessoas. Gostei do humor do seu texto.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  28. Bom dia, Pedro.
    Interessante percebermos que em todas as reuniões há alguém que reclama sobre algo.
    Agora reunião de condomínio deve ser estafante.
    Mas até que dá para rir um pouco. Até dá um pequeno "drama". Muito interessante sua crônica, é o nosso dia a dia. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  29. Madre de Dios!!

    Pero quizás tenga su lógica lo que cuenta. Imaginemos que algo similar ocurriera en el Parlamento, donde después de insultarse un rato, la escena se desarrollara como la que cuenta su entrada y ninguno de los proyectos que se proponen, se aprobara. Y después...¡Todos a ver una telenovela!

    Arreglar, no arreglarían nada. Como ahora.
    Pero quizá si ahorraríamos tiempo y dinero.
    Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  30. Son casi siempre complicadas las reuniones de vecinos.

    ResponderExcluir
  31. Oi Pedro, não sei se captei uma ideia ou uma ironia mais profunda mas admito a semelhança no descompromisso e na omissão.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  32. Olá, Pedro

    Parece que todas as Assembleias de Condóminos sofrem desses desaguisados.
    Tenho disso todos os anos e há um pormenor interessante: fala-se de tudo,
    deriva-se para assuntos que nada têm a ver com o Condomínio e na hora de se
    decidir sobre a ordem do dia nunca há consenso, nem disponibilidade.
    O seu texto descreve na perfeição o quão difícil é esse relacionamento.
    Grande abraço.
    Olinda

    ResponderExcluir
  33. É bem assim! Reuniões de condomínio são vistas como uma praga em que levam um anos para decidirem algo pequeno. É a reunião dos estresses, fala-se de tudo que possa beneficiar a poucos interessados. É o exercício da política menor, a revelação dos interesses pessoais. Haja paciência. E faz tempo que conhecemos isso, não? Já temos experiência de sobra... Mas acho que valeu mais ter visto o final da tal novela!
    Adorei essa realidade contada com humor. Se tirar o humor, muitas dessas reuniões de condomínio viram caso de polícia ou de hospício.
    Beijinho!!

    ResponderExcluir
  34. Caro Pedro,
    Resido em um grande condomínio, com uma unidade por andar, em frente a praia e mesmo assim, morando em um lugar diferenciado, muitas pessoas conseguem encontrar “cabelo em ovo”, pois, estes “conciliábulos”, muitas vezes seriam desnecessários, porque, antes da pandemia já eram massantes (sendo presenciais) e hoje, mesmo ainda acontecendo virtualmente, continuam com a mesma pauta de quatro tópicos, em qualquer condomínio:

    Barulho fora do horário;
    Má utilização das vagas de garagem;
    Utilização dos elevadores sociais (segundo o estatuto), de maneira indevida por funcionários de entrega, animais domésticos e moradores em traje de banho;
    Além das benditas cotas extras.

    Mas, vamos levando com humor, pois, esta atual fase do nosso país está efervescente.
    Abraços e assim, fica encerrada esta sessão extraordinária!!!

    ResponderExcluir
  35. Felizmente não tenho reuniões de condomínio. Mas sei que muitos têm pavor. Fazer o quê , não é verdade???

    Agora esta novela... Até eu fiquei curiosa pelo seu final! srsr
    Um abraço Pedro!


    Gostando demais do teu blog!
    Abraço!

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho