>

19 de jun. de 2022

[Poesia] NOITE DE FRIO – Pedro Luso de Carvalho

 

Moradores de Rua 




NOITE DE FRIO

         – Pedro Luso de Carvalho




Nesta fria noite de inverno,

noite de vento minuano,

vento minuano zunindo

nas cumeeiras de casas,

vento rangendo nas árvores,

e cá dentro o fogo ardendo,

fogo crepitando na lareira

diante de corpos aquecidos.


Lá fora os desafortunados,

corpos cobertos por trapos,

corpos imundos e a fome,

castigo do vento na noite,

vento gélido na alma,

vento martirizando,

zunindo nas ruas e avenidas,

onde dormem os miseráveis.


Não se nega a força do vento,

como nobreza não se nega

ao sentir como sua a dor

e de todos ser solidário

prato de sopa quente,

sopa que ao vento desafia

na gélida noite de inverno,

diante da dor dos desvalidos.




          __________________//__________________






34 comentários:

  1. Algo que felizmente não vemos em Macau.
    Revoltante e aviltante.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  2. Caro Pedro,
    É triste verificarmos tantas pessoas passando estas necessidades básicas, que com à “COVID”, acelerou muito o número dos menos afortunados que vivem nas ruas (pois, o termo “morador de rua”, é algo incompreensível)... Ninguém deveria viver sem um lar, pois, nascemos do ventre... Residimos ali primeiramente.
    As atividades sociais (iguais as do Rotary), por exemplo, ajudam no vencer o frio somado a fome (de todos os dias), porém, o inverno será longo e o quadro econômico caótico que vivemos, com uma inflação galopante, que está sendo abastecida com gasolina a peso de ouro, faz os recursos minguarem e com isso, a solidariedade acaba ficando mais fina que um lençol acetinado, que pouco aquece.
    Um texto tocante meu bom amigo.
    Abraços e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  3. É principalmente nas noites de vento, chuva e frio que ainda se torna mais triste e dolorosa a parca e difícil situação daqueles que nada têm.
    Palavras sentidas num poema sublime.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Hola Pedro. Cuanta gente sufriendo las inclemencias del tiempo por no tener un hogar donde cobijar sus cuerpos y donde saciar su hambre.
    Estas calamidades no se acaban nunca, y a veces parece que aumentan sin tener un fin posible.
    Hermoso tu poema que pone en claro la gente que lo pasa mal.
    Un abrazo y feliz semana.

    ResponderExcluir
  5. Um poema cheio de preocupação pelos que sofrem com o frio e não têm o que vestir, nem um prato de sopa quente. O vento é mais cortante para aqueles que não têm o conforto de um lar, de um afago, de um agasalho. Que sensibilidade nas suas palavras, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Debe de ser muy duro pasra la noche al interperie, bajo el frío de invierno. En muchos lugares , hay disponibles albergues, para esas noches frías de invierno.
    Feliz semana. Besos.

    ResponderExcluir
  7. Incrível assistir sempre , a cada inverno, as mesmas cenas...Tão triste! Tua poesia, como sempre maravilhosa! abração,chica

    ResponderExcluir
  8. Os sem-abrigo são o lado negro de uma sociedade que não é suficientemente solidária com os pobres. Claro que são os governos que traçam as políticas sociais. mas os governos fazem aquilo que a sociedade exige (a menos que haja uma ditadura).
    Excelente poema, os meus aplausos.
    Boa semana, caro Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. olá Pedro, realmente é triste que existam pessoas sem teto,
    sem agasalho, sem alimento que lhes aqueça o corpo e alma
    um abraço

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde de paz, amigo Pedro!
    Ambos expressamos nossa compaixão pelo frio que abate os desabrigados. No Espiritualidade, também fiz uns versinhos.
    Seu poema está uma manto.de misericiórdia...
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde Pedro,
    Um poema magnifico que nos chama a atenção para as injustiças da sociedade!
    Pobres dos pobres que dormem ao relento no frio gélido da noite.
    Um problema que tem demorado tanto a resolver e cada vez há mais desvalidos da sorte. Não chegam os agasalhos, as sopas quentes, muito mais os governos terão que fazer.
    Beijinhos e uma boa semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  12. Muy bello y realista tu poema.
    Una situación de gran tristeza que tus letras han sabido reflejar muy bien.
    Un beso. Te deseo una excelente semana.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito da publicação :))
    -
    Coisas de uma vida |A ilusão...

    Beijos, e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  14. Pedro, não há o que falar sobre seus versos, que mostram um olhar atento e sensível a uma dolorida realidade. Você abordou tudo, com propriedade e talento. A foto já nos toca e ler seu poema o faz ainda mais. Abraço.

    ResponderExcluir
  15. Gracias, Pedro, por tan sentido y solidario poema-denuncia.
    Es increíble ver como en pleno siglo XXI, siendo capaces de llevar al hombre a la luna, no somos capaces de llevar un plato de comida caliente, y dar albergue a las personas necesitadas, de las mueren millones todos los años en el mundo por hambre y falta de atenciones médicas.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  16. Querido amigo Pedro, seus versos em um poema sentido, pois aqui em São Paulo também está cada dia mais moradores enfileirados em ruas!
    Que triste situação, o frio dói, a fome também, a fome doença que é bem diferente da fome de algumas horas e isso nem nos dá idéia do que é a fome de verdade , tanto quanto o frio que congela aos poucos!
    Enfim... Mesmo com toda solidariedade não se pode ver isso ter fim, que pena que é assim!
    Abraços apertados e quentinhos de carinho, amigo poeta sensivel!

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde, Pedro!

    Uma cena mais triste que outra. Diante do egoísmo que é tudo, menos novo, ainda bem que alguns se dispõem na escola da misericórdia e não perdem a oportunidade de levar ao menos um prato de sopa, um cobertor... que para os aflitos tornam-se em ouro.

    Poesia especial.

    Abraço.

    Renata

    ResponderExcluir
  18. Um retrato sério e real da realidade de cada vez mais gente.
    Um abraço e saúde

    ResponderExcluir
  19. Nos dejas una poesía llena de realismos que se ven en muchas ciudades.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  20. Retrato de uma cidade, um país que reúne todos os elementos para ser um modelo de degradação,. não econômica , mas moral e ética.e desprezo total pelos direitos humanos. no limite da barbárie.,
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  21. Describes una triste realidad que cada vez afecta a más gente ¡Qué triste es no tener un techo para vivir ni un plato de sopa caliente!
    Algunos son unos privilegiados, lo tienen todo o casi todo, pero otros...
    Tu poema invita a la reflexión y a valorar lo que tenemos.
    Cariños y buen fin de semana.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  22. Ojalá Pedro que todas las manos unidas y solidarias borraramos tanto hambruna y frio de cuerpo y alma
    Un poema para despertar conciencias
    Un abrazo y buen fin de semana

    ResponderExcluir
  23. Infelizmente ainda existem muitas vidas difíceis.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  24. Ya de vuelta de ese corto período vacacional saludando a los amigos.
    Gran tristeza y realidad en tu bello poema-protesta amigo, Pedro. Desgraciadamente, el mundo no está equilibrado, unos mucho, otros, muy poco o nada. Con todos los avances que hoy dispone, la humanidad parece increíble que se puedan dar situaciones tan lamentables. ¿Dónde está la solidaridad? ¿Dónde la humanidad? Todo queda en un inmenso vacío.
    Un fuerte abrazo amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  25. o poeta sozinho náo pode mudar o mudo - mas pode ajudar
    um belo poema que é mais parce uma oração laica.
    Parabéns, POeta. Gostei muito

    forte abraço

    ResponderExcluir
  26. Boa noite, amigo Pedro,
    Infelizmente, uma triste realidade, que a toda a hora nos faz refletir sobre as injustiças que existem. Onde uns têm tudo, e outros vivem na mais profunda miséria.
    Excelente poema para todos reflectirmos.
    Votos de um excelente fim de semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Da mucha pena la pobreza de esas personas y la indiferencia de todos te mando un beso.

    ResponderExcluir
  28. Triste e dolorida verdade. Poesia sensível, linda!
    Tenha uma ótima noite e excelente final de semana.

    ResponderExcluir
  29. Tre leo de nuevo Pedro, un grandioso poema que nos invita a la solidaridad
    Un abrazo y buen fin de semana

    ResponderExcluir
  30. Pedro,
    Obs:
    Com a mudanças que o Blogger vem
    trazendo, acabei comentado
    no texto errado
    Bjibs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Catiaho Reflexod'Alma08:35
      Pedro,
      Toda noite eu
      no conforto da minha humilde casa
      peço a Deus que
      assista aqueles que por
      algum motivo só tem
      por teto o céu ou
      as marquises
      Em tempos frios
      eu rogo que Deus dê alguma
      forma aqueça seus corpos
      expostos.
      Seu poema reflete
      lindamente ou seja caoticamente essa dura
      realidade.
      Bjins de bom domingo.
      CatiahoAlc.
      do Blog Espelhando

      Excluir
  31. Don Pedro:

    triste realidad, los que no tienen un techo donde cobijarse del frío.
    Triste y bello poema.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  32. Esta tragédia dos sem-abrigo é uma infâmia, por ser consequência da cobiça de criaturas para quem o lucro é o mais importante , nada se preocupando com o seu semelhante.

    Dói a alma ao ver pessoas assim , sem tecto nem pão.

    Parabéns pela postagem, meu amigo.

    Abraço com voto de um bom Julho.

    ResponderExcluir
  33. O povo para ser obediente, tem de passar fome... era o que defendia por cá um cardeal nos tempos da ditadura... e tal conjuntura... costuma ser também do agrado... de muitos coronéis!... Enquanto houver uns Sinhôzinhos Malta, no poder... esta conjuntura é-lhes favorável! Como se controlam cidadãos cultos e auto-suficientes?... A miséria serve quem gosta de poder... e quem gosta de o manter...
    Belíssimo poema, sobre um duro presente, que a conjuntura mundial... infelizmente tenderá a manter e desenvolver, com o seu contributo... de instabilidade prolongada, nos tempos mais próximos...
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho