>

2 de ago. de 2020

[Poesia] CRUZ E SOUZA – Lua




           – PEDRO LUSO DE CARVALHO

CRUZ E SOUZA (João da Cruz e Souza), nasceu em Desterro, atual Florianópolis, SC, a 24 novembro de 1861, e faleceu em Sítio, atual município de Antônio Carlos, MG, a 19 de março de 1898. Seus pais eram escravos, negros; descendência africana, que, segundo Álvaro Lins, “deu um caráter particular ao simbolismo de sua poesia”.
No Brasil, Cruz e Souza é o poeta mais discutido e influente da escola simbolista – enquanto que os nome mais importantes na França são Rimbaud, Verlaine e Mallarmé. Cruz e Souza foi vítima de uma campanha extremamente agressiva por parte de pessoas que faziam parte do meio literário brasileiro, que não o aceitavam como chefe da escola, pelas audaciosas inovações de seus versos, e também pelo preconceito de cor.
Desafortunado também na sua vida particular, o poeta viu a tuberculose tirar a vida de sua mulher e de seus quatro filhos. Embora infeliz por essas perdas e por vive num ambiente de pobreza, contou com um grupo de amigos e discípulos dedicados. Ronald de Carvalho assim se posicionava acerca da poesia de Cruz e Souza, dizendo que “apesar de todas as suas insuficiências, a força de um precursor. Ele introduziu em nossas letras aquele 'horror de forma concreta', de que já o grande Goethe se lastimava no século XVIII”.
Obras de Cruz e Souza: Broquéis (1893), Missal, (1893), Evocações (1898), Faróis (1900) [Rio de Janeiro], e Últimos sonetos [Paris, 1905].
Segue o poem de Cruz e Souza, Lua (in Broqéis, Cruz e Souza. Rio de Janeiro: 1893, p. 49-51:


LUA
Cruz e Souza


Clâmides frescas, de brancuras frias,
Finíssimas dalmáticas de neve
Vestem as longas árvores sombrias,
Surgindo a Lua nebulosa e leva...

Névoas e névoas frígidas ondulam...
Alagam lácteos e fulgentes rios
Que na enluarada refração tremulam
Dentre fosforescências, calafrios...

E ondulam névoas, cetinosas rendas
De virginais, de prônubas alvuras...
Vagam baladas e visões e lendas
No flórido noivado das Alturas...

E fria, fluente, frouxa claridade
Flutua como as brumas de um letargo...
E erra no espaço, em toda a imensidade,
Um sonho doente, cilicioso, amargo...

Da vastidão dos páramos serenos,
Das siderais abóbadas cerúleas
Cai a luz em antífonas, em trenos,
Em misticismos, orações e dulias...

E entre os marfins e as pratas diluídas
Dos lânguidos clarões tristes e enfermos,
Com grinaldas de roxas margaridas
Vagam as Virgens de cismares ermos...

Cabelos torrenciais e dolorosos
Boiam nas ondas dos etéreos gelos.
E os corpos passam níveos, luminosos,
Nas ondas do luar e dos cabelos...

Vagam sombras gentis de mortas, vagam
Em grandes procissões, em grandes alas,
Dentre as auréolas, os clarões que alagam,
Opulências de pérolas e opalas.

E a Lua vai clorótica fulgindo
Nos seus alperces etereais e brancos,
A luz gelada e pálida diluindo
Das serranias pelos largos flancos...

Ó Lua das magnólias e dos lírios!
Geleira sideral entre as geleiras!
Tens a tristeza mórbida dos círios
E a lividez da chama das poncheiras!

Quando ressurges, quando brilhas e amas,
Quando de luzes a amplidão constelas,
Com os fulgores glaciais que tu derramas
Dás febre e frio, dás nevrose, gelas...

A tua dor cristalizou-se outrora
Na dor profunda mais dilacerada
E nas dores estranhas, ó Astro, agora,
És a suprema Dor cristalizada!...


* *


REFERÊNCIA:
LINS, Álvaro e Buarque de Hollanda, Aurélio. Roteiro Literário de Portugal e do Brasil. Vol. 2. Rio de Janeiro, Civilização brasileira, 1966, p. 273-275.

* * *



32 comentários:

  1. En verdad es un poeta que impacta.
    Así como la fluidez de su vocabulario, tan cuidado, nos lleva hacia los románticos europeos, su procedencia hace más sorprendente la elegancia de sus rimas, tan cercanas a Bécquer.
    No es fácil crear un lenguaje y este poeta para mí desconocido, y aún más situándolo en su tiempo y circunstancias, lo conseguía.
    Feliz verano, Pedro. Saludos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Ana, que você gostou do poema de Cruz e Souza, poeta que se constitui num marco para o Simbolismo no Brasil, cuja obra sempre foi objeto de procura pelos leitores a cada nova reedição.
      Obrigado pela visita.
      Ótima semana, minha amiga Ana.

      Excluir
  2. Bela biografia antecedendo a poesia linda ,com esse tema que encanta sempre: a lua! abração, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. O saber nunca ocupou lugar. Poema lindíssimo que muito gostei de ler.
    .
    Tenha um dia feliz
    Cumprimentos

    ResponderExcluir
  4. Biografias sempre são boas de se ler. Gosto muito. Bela poesia de um grande poeta. Tenha um boa semana.
    Élys

    ResponderExcluir
  5. A lua a eterna fonte de inspiração do poeta. O poema é lindo. Amigo Pedro, boa semana e beijos com carinho

    ResponderExcluir
  6. O poeta exala toda o sofrimento em versos subjetivos e deixa transcender no simbolismo astral toda a melancolia de uma vida de sobressaltos preconceituosos
    Um momento ímpar de leitura amigo Pedro
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  7. Lamento a minha ignorância, nunca tinha ouvido falar deste poeta. Talvez porque eu me tenha dedicado à poesia no feminino e a estudar poetisas.
    Grata por me ter dado a conhecer o poeta. Gostei do poema.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  8. Oi, Pedro, obrigada por esta interessante biografia.Eu imagino como deve ter sido difícil para ele conseguir se impor diante de um mundo intensamente preconceituoso em todos os setores de nossa sociedade.Teria que ser um grande poeta em sentimento e erudição, um verdadeiro ourives
    da poesia brasileira.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga Guaraciaba, a tua sensibilidade de poeta te leva a sentir com profundidade a poesia do nosso melhor poeta simbolista, Cruz e Souza. Grato pela visita.

      Um abraço.

      Excluir
  9. É maravilhoso conhecer um pouco mais de Cruz e Souza, o poeta negro, filho de escravos que sofreu com o preconceito da cor. Suas dores tais quais as da Lua cristalizaram-se em versos. Parabéns pela escolha desse poeta.
    Pedro, querido amigo, que você tenha um otima semana.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Vilma, Cruz e Souza. que por ser negro sofreu muitas agruras, deixou uma obra imortal, que o coloca à frente de todos os demais poetas simbolista do Brasil. A nossa cultura, que é formada de muitas raças, deve muito ao poeta negro.
      Boa semana, Vilma. Bj, Pedro

      Excluir
  10. Confesso que nunca tinha lido nada de Cruz e Souza.
    Mas gostei de saber um pouco acerca dele e do poema que escolheu.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, amigo Jaime, penso que você vai gostar dos outros poemas de Cruz e Souza, o nosso poeta simbolista de maior brilho.
      Um abraço poeta.

      Excluir
  11. Gostei de conhecer este poeta que embora seja uma influência da poesia do Brasil, eu desconhecia (ainda me falta aprender tanto...). A biografia que aqui nos fornece ajuda a compreendê-lo melhor. Obrigada meu Amigo Pedro.
    Muita saúde. Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, minha amiga Poetisa, acho que vais gostar dos poemas de Cruz e Souza, nosso poeta simbolista mais importante e mais influente.
      Uma ótima semana Graça. Um beijo.

      Excluir
  12. Boa tardinha de muita paz interior, amigo Pedro!
    "Dentre as auréolas, os clarões que alagam,
    Opulências de pérolas e opalas."

    A lua tem feito gracejos por aqui aparecendo em plena luminosidade vespertina ainda.
    Gostei de vê-la tão presente no poema do autor escolhido da vez.
    Tenha um final de semana abençoado!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde de paz, amigo Pedro!
      Vim reler e, por coincidência, como estou nos poetas brasileiros desde o início do ano, vou fazer referência a ele, muito em breve. Já está agendado.
      Gosto muito das biografias que põe aqui, fruto da sua boa pesquisa caprichosa.
      Tenha uma entrada de noite poética e abençoada!
      Abraços fraternais

      Excluir
    2. Olá, Roselia!
      Estudo a obra de Cruz e Souza desde o tempo em que cursava o antigo ginásio.Mais tarde, quando me preparava para prestar vestibular para a Faculdade de Direito, Em Porto Alegre, tive a oportunidade de conhecer melhor o poeta e a obra, embora a minha predileção fosse, como é, a poesia ligada ao Movimento Modernista.
      Obrigado pela visita e comentário. Um abraço.

      Excluir
  13. gostei de conhecer o poeta Cruz e Souza e o poema sofrido
    mas com uma rica diversidade de vocabulário
    vou procurar conhecê-lo melhor
    obrigada pela partilha
    Angela

    ResponderExcluir
  14. o poema também poderá ser uma declaração da sua revolta contra os elementos
    da natureza que impávidos assistem à sua dor de ter perdido a mulher e os filhos
    o desgosto foi enorme e segundo li, o poeta terá sido quase levado à loucura...

    Podemos ler : ..."filho de negros alforriados Guilherme da Cruz, mestre-pedreiro, e Carolina Eva da Conceição, João da Cruz desde pequeno recebeu a tutela e uma educação refinada de seu ex-senhor, o Marechal Guilherme Xavier de Sousa - de quem adotou o nome de família, Sousa. A esposa de Guilherme Xavier de Sousa, Dona Clarinda Fagundes Xavier de Sousa, não tinha filhos, e passou a proteger e cuidar da educação de João. Aprendeu francês, latim e grego, além de ter sido discípulo do alemão Fritz Müller, com quem aprendeu Matemática e Ciências Naturais..." pelo que dá para entender que o jovem Cruz e Souza teve "carinho" e educação durante a sua juventude

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Angela, pela visita e pelo teu ótimo comentário sobre o nosso poeta simbolista mais importante.
      Volte sempre.
      Uma ótima semana Angela.
      Pedro

      Excluir
  15. Olá Pedro querido


    Sempre muito bom ler suas postagens.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  16. Olá Pedro, que bom trazer o Cruz para esta sua bela série de grandes escritores. A importância de Cruz para o simbolismo, o seu combate ao preconceito.
    Muito belo trabalho e apresentação de Cruz e Souza.
    Grato amigo pela sensibilidade cultural partilhada.
    Meu terno abraço e boa semana para vocês.
    Agora depois deste banho com Cruz, vou ler as belas cronicas de Taís.
    Cuide-se e vamos sai desta bem.
    Meu abraço especial pelo dia de ontem dedicado aos pais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Toninho, Cruz e Souza sofreu discriminações por ser negro, mas a sua genialidade venceu todas as barreiras, menos, claro, as barreiras sociais e as da saúde (a tuberculose tirou-lhe a vida e a da esposa e dos quatro filhos).
      Obrigado amigo Toninho pela visita e comentário.
      Um abraço, caro poeta.

      Excluir
  17. Pedro,
    Eu amo ler e reler
    os poemas desse mago da poesia.
    Mas mergulhar na vida e obra
    é mágico.
    Bjins
    CatiahoAlc.
    https://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. Amei encontrar Cruz e Souza em seu espaço cultural. Esse, conheço desde a adolescência, pois fez parte de meus trabalhos escolares. Passou por tantas dificuldades! E nos deixou um legado de grande beleza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom, Marlene, o seu retorno ao mundo dos blogs. A Taís já havia me falado, muito contente, sobre essa boa nova.
      Que bom que você conhece e gosta da poesia de Cruz e Souza, nosso poeta maior do Simbolismo no nosso país.
      Agradeço sua visita e comentário, Marlene.
      Abraço.

      Excluir
  19. Ficamos sempre tocados e revoltados com a descriminação, algo de que não conseguimos libertar-nos definitivamente.
    Cruz e Sousa dá um passo gigante através da poesia. Muito bom, amigo Pedro, este destaque.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Teresa!

      Cruz e Souza deixou o seu legado: a poesia e o exemplo de coragem. A tuberculose tirou a vida da esposa e dos quatro filhos do casal. Com todos os reveses, o poeta não se deixou intimidar pelo racismo.
      Obrigado pelo comentário, querida amiga.

      Um beijo.

      Excluir
  20. Mais um autor que desconhecia... e, de uma apurada e imensa sensibilidade, pelo que pude apreciar do poema acima... e que me conquistou de imediato!...
    Procurarei aprofundar mais sobre a sua obra!... Como sempre, mais uma partilha de excelência, por aqui, Pedro!
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir
  21. como fazer uma redação sobre mds????

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho