>

6 de mai. de 2019

[Poesia] PEDRO LUSO – A Busca Interior






A BUSCA INTERIOR
PEDRO LUSO DE CARVALHO




Vi nascer mais um dia, como outros
dias nascidos com o dourado do sol,
na praia escondida.

Ouvi o cativante murmúreo das ondas
do mar nas noites de um verão de fogo
em insoldável mistério.

Interminável recomeço de dias e noites,
ondas crespas e tontas com o borbulho
sob o sol e as estrelas.

Inútil a sondagem interior, meu intento,
queria apenas saber um pouco de mim,
mas havia o sol e o mar.





*   *   *





36 comentários:

  1. E o sol e o mar são tentações demasiado fortes para o comum dos mortais.
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Il sole e il mare, estrapolano con il loro vibrare la parte più intima di noi stessi.
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Tão lindo Pedro,
    que sejamos "esquecidos" de nós mesmos, perante a beleza e o mistério que nos rodeia :)

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. Adorei o poema e o look do blogue!:)

    Beijo e um excelente dia.

    ResponderExcluir
  5. Desde a tela, só beleza aqui,Pedro. O cenário escolhido pra busca interior lindo: mar, ondas ,céu...Mas por vezes eles são tão lindos, chamam tanto a atenção que esquecemos de nós... Adorei! abração,chica

    ResponderExcluir
  6. Bella questa tua poesia intimista.
    Felice giornata, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  7. Más vale no buscarse en el interior porque se puede perder uno, mejor la superficie donde calienta el sol y los paisajes son hermosos, como esta hermosa pintura que muestras.
    Un precioso poema que me ha encantado leer.
    Un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  8. Bom dia querido amigo poeta sensível, criativo, seu poema tem um quê, me fez lembrar que, quando se busca o interior quase sempre ficamos dispersos pelo exterior, mas pelo mar, ondas lindas e o sol, ah, que seria de nós sem essas belezas né mesmo?
    Acho que tudo isso existe só pra isso mesmo, nos tirar de nós mesmos que nem sempre queremos ver o que temos dentro, bem no fundo da alma, acho que isso é mesmo coisa de poeta/poetisa da vida!
    Amei ler, como sempre, aqui ficaria sem pressa de sair!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  9. Y basta ese sol y ese mar, amigo Pedro, para cambiarnos el ánimo y estimular notablemente nuestras vidas.

    Gran saludo austral.

    ResponderExcluir
  10. Un poema lleno de belleza.
    La pintura es muy linda.
    Gracias por compartir tan bonitas letras.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde Pedro,
    Poema belíssimo!
    «queria apenas saber um pouco de mim,
    mas havia o sol e o mar.»
    Lindo e profundo.
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderExcluir
  12. Haverá lugares de facto, que nos despertam... de nós mesmos... e nos devolvem ao mundo... do qual havíamos esquecido que pertencíamos... o quotidiano, por vezes, tem essa incrível capacidade... de reduzir o mundo... apenas ao nosso próprio mundo... de problemas e soluções... na pressa do tempo... e depois lugares haverá... que nos mostram, que as preocupações da vida... em determinado lugar... perderam a sua real dimensão, e talvez esteja na hora de relativizar...
    Um belíssimo poema que nos mostra que a nossa incessante busca e inquietude interior... por vezes também conhecem, e reconhecem, tempos de pausa...
    Beijinho! Feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  13. Boa noite de paz, amigo Pedro!
    Li aqui duas vertentes que me tocaram muito. Uma inicial foi a necessidade de não haver plateia quando se trata de autoconhecimento... E um arduo trabalho de determinacao onde e um consigo...
    Outra coisa que me veio à leitura do seu poema, foi que pensar em si mesmo fica relegado quando nos deparamos com a extrema beleza do sol ou do mar... Comigo isto acontece muito.... Saio de mim na caminhada matinal. É extasiante!
    Mas o que conta mesmo é a beleza do seu poema.
    Gostei muito de passar por aqui nesta hora...
    Tenha dias abençoados!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  14. A busca pelo auto conhecimento é intrínseco ao ser humano mas há sempre janelas que nos desviam do caminho e voltamos sempre ao ponto inicial
    Um poema lindíssimo amigo Pedro
    Beijos no coração

    ResponderExcluir
  15. Um caminho todo cheio de mistérios amigo, este no encontro nos nosso mais puro e profundo eu, mas que trilhamos sempre e muitas vezes mergulhamos e emergimos belamente, outras arranhados na descoberta de nossa nudez.
    Uma bela inspiração amigo.
    Meu terno abraço de paz.

    ResponderExcluir
  16. Mais um poema fantástico :))

    Hoje :-As estradas são como os sentimentos, inconstantes

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderExcluir
  17. Sempre a nos maravilhar meu amigo!

    PS - Lamento a forçada ausência, aos poucos vou tentando retomar e chegar aos blogues que sigo.

    😉 Abraço

    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subcrevam

    ResponderExcluir
  18. Un bello poema, Pedro desde la necesidad de encontrarnos a nosotros mismos con nuestra pequeñez, ante la grandeza de la naturaleza.
    Un saludo afectuoso.

    ResponderExcluir
  19. há lugares assim, que aquietam!
    e nos capturam em seu sortilégio...

    e há poemas assim, que deslumbram
    em sua luz vertical!

    abraço, distinto Poeta, Pedro Luso
    um privil+egio ler-te, meu amigo

    ResponderExcluir
  20. Mar e sol...os meus elementos preferidos.
    Neles me busco, mas nunca me encontro. É pedregoso o caminho que nos leva a nós mesmos.
    Meu amigo Pedro, me encanta e emociona a tua sensibilidade poética, bem patente neste poema magnífico.
    "Inútil a sondagem interior, meu intento,
    queria apenas saber um pouco de mim,
    mas havia o sol e o mar."
    Beijo, poeta.

    ResponderExcluir
  21. E o instante é para saborear em plenitude. Há céu e mar e a infinitude encontra morada.

    Amei!

    Beijos, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  22. Gostei desta busca interior amigo Pedro e aproveito para desejar um bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  23. Entrar dentro de si e conseguir ver tudo o que ama é um privilégio só concedido a quem, se procurando, encontra o sol e o mar... Lindíssimo, o seu poema, meu Amigo Pedro. Um beijo.

    ResponderExcluir
  24. Há sempre "boas" desculpas para não fazermos essa busca interior...
    Excelente poema, parabéns.
    Caro Pedro, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Deber de buscar siempre en nuestro interior para no equivocarnos, preciosas letras.
    Abrazo

    ResponderExcluir
  26. Que pases un buen fin de semana

    ResponderExcluir
  27. Pedro, feliz de quem busca na alma, o que o nosso ser contém! E é no silêncio da meditação sem pensar que nos vimos por dentro. E o teu desfecho é extraordinário - mas como me enxergar se havia o sol e havia o mar? Parabéns! Belo poema! Grande abraço! Laerte.

    ResponderExcluir
  28. Cada día que amanece es nacer a una vida con numerosas espectativa...en nosotros estar en encontrar el camino perfecto.

    Besos

    ResponderExcluir
  29. Pedro,
    Entendo o quanto é difícil, às vezes nos encontrarmos nessa incessante busca pela paz, pelos nossos ideais! De um lado temos a construção, do outro temos a desconstrução dos fatos, da vida, e as ideias desaparecem e renascem como se fossem encantadas.
    Mas a busca interior brotou, sim, nesse teu belíssimo poema! Nota-se que veio com força!
    Beijinho, meu poeta!

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde,Pedro,
    caso difícil,caro advogado, percebo ser uma busca dificílima,pois quando nos percebemos, vamos notar que muitas das características que estão conosco não nos pertencem, e quando pensamos estar no caminho certo da nossa busca interior, surgem maravilhas como: o mar, o dourado do sol,as ondas, que nos levam ao devaneio e aí, nossa busca pelo nosso "EU", pára por um tempo, até voltar e com mais força. Gostei muito do seu poema, traz a filosofia embutida nele.Tela e imagem perfeitas. Abraço!

    ResponderExcluir
  31. Era demasiado intenso o deleite dos sentidos, para possibilitar uma introspeção organizada e perfeita...
    Normalmente, a montanha é mais favorável, quando a conhecemos e o Amigo, se a memória não me engana, parece ter raízes nas alturas...
    Dias bons e aprazíveis.
    O meu abraço.
    ~~~

    ResponderExcluir
  32. O seu poema está formalmente interessante e correto, como sempre.
    Muito expressivo, rico em imagens e figuras que o tornam muito belo e expressam grande criatividade.
    Tudo bom Pedro.
    ~~~~~

    ResponderExcluir
  33. oi, Pedro, uma meditação completa que nunca deixa de incluir o mar e o sol como a alegria do princípio de todas as coisas e da vida...e que nos dispõe às primeiras alegrias do existir,ainda nas experiências primeiras...é tudo novo e é tudo belo, um chamado , um apelo que nos permite abrir os olhos depois da noite escura.
    belíssima reflexão poética.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  34. Um lindo poema, mas o mar e o SoL possuem uma energia tão sublime que algumas vezes não nos permitem ir ao nosso interior,
    Um grande abraço amigo Pedro Luso.

    ResponderExcluir
  35. o "mundo é lá fora", não é verdade, Poeta?
    não há metafísica que compense a beleza do nascer do Sol

    gostei muito, meu caro Poeta

    forte abraço, meu amigo

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO