>

25 de jan. de 2021

[Poesia] EGIPTO GONÇALVES – A Bucólica Margem

 

Egipto Gonçalves


                                  

                              - Pedro Luso de Carvalho


Egipto Gonçalves nasceu em Matosinhos, uma vila que foi o centro de uma grande indústria de sardinhas em conservas. Passou a viver na cidade do Porto desde 1948, aí residindo até a sua morte, em 2001. Seu nome completo era José Egipto de Oliveira Gonçalves. Exerceu ao longo de sua vida atividades diversas. Publicou seus primeiros livros em 1950. Em 1951 fundou a revista A Serpente (1951), tendo depois participado na fundação e direção de outras revistas literárias: A Árvore (1952-54), Notícias do Bloqueio (1957-61), Plano (1965-68), e Limiar (de que saiu o primeiro número em 1992). Foi escritor e tradutor.

Ao poeta Egipto Gonçalves foram concedidos os seguintes prêmios: Prêmio de Tradução Calouste Gulbenkian, da Academia das Ciências de Lisboa pela seleção de Poemas da Resistência Chilena (1977); Prêmio Internacional Nicola Vaptzarov, da União de Escritores Búlgaros (1985); e, mais: Prêmio de Poesia do Pen Clube, o Prêmio Eça de Queirós e o Grande Prêmio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores com o livro E No Entanto Move-se (1995). Sua obra encontra-se traduzida para o espanhol, francês, búlgaro, polonês, turco, romeno e catalão. Egipto Gonçalves (José Egipto de Oliveira Gonçalves) faleceu na cidade do Porto, Portugal, em 29 de Janeiro de 2001. Segue o poema  'A Bucólica Margem':



                     A BUCÓLICA MARGEM

                                              (Egipto Gonçalves)



Sento-me então a olhar o rio,

os pensamentos formam cardumes

que contra a corrente se insurgem

mas as águas são inexoráveis;

olhando-as, a superfície cintila,

propaga-se como se fossem notas

de um piano na garupa de um cavalo

que se dirige para o mar.



O Douro bebe as cores da cidade,

sobre elas eu abro o coração

em que te encontras, as colinas

emolduram as raízes que à terra

nos ligam. Para os meus olhos

é momento de pausa: as coisas

que interrogo não resistem à maré,

não dão respostas; perdem-se no mar

como tudo o que a memória não reteve.



Mas este rio

já foi longamente folheado, nele

escrevemos

o romance que nos deu uma casa,

nos cortou o cabelo, nos afastou

das rugas, nos entregou o azul

(tecido, nuvem, divã, janela...)

o voo das artérias, lugar do corpo,

portas que amanhecem, espelho

onde fazemos fluir a vida.

Acordes

da guitarra que forja o horizonte,

que guia o sinuoso voo das gaivotas

e acaricia a pele que rasga atalhos

no interior dos sonhos. Estarei

vivo enquanto assim me guardar

teu coração. E no seu lucilar,

esta água imita o fogo

que devora sombras e escombros,

libertando a asa que no sangue

respira. A foz está próxima,

mas o horizonte é o teu olhar.

No leitor do carro, a guitarra flexível

sublinha o que divago; os acordes

disparam,

encontram-me na trajectória do seu alvo.





REFERÊNCIAS:

ROZÁRIO, Denira. Palavra de Poeta / Portugal. Introdução de Antônio Houaiss. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.

TORGAL, Adosinda Providência; FERREIRA, Madalena Torgal. Relâmpago, nº 6. Porto: Publicações Dom Quixote, 2001.





29 comentários:

  1. Pela amostra foi sem dúvida um enorme poeta. Grato pela partilha.
    .
    Um feliz início de semana
    Cuide-se
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde!
    Uma publicação simplesmente bela e interessante! Obrigada pela partilha!

    -
    Sou a alma da minha força.
    .
    Beijo e uma excelente semana.
    Protejam-se!

    ResponderExcluir
  3. Un gran poema. Un placer poder acercarme a la figura de este, sin duda, buen escritor.
    Un beso. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  4. Linda poesia e confesso ,tua amiga aqui, não conhecia esse poeta.Gostei! abração,chica

    ResponderExcluir
  5. Preciosa la poesía, que nos has dado a conocer de este escritor.

    Besos

    ResponderExcluir
  6. Conheço vagamente, sou mais de Lisboa e Sul... Também não partilho da sua ideologia política...
    Gostei do poema, Pedro. Realmente digno de constar em qualquer coletânea de Literatura de Língua Portuguesa.
    Dias de paz e resiliência... Abraço amigo.
    ~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  7. Que belo texto, Pedro,
    a comunhão do poeta com o rio, com o amor à flor de pele
    gostei muito!
    obrigada pela descoberta!
    não conhecia esse poeta e vou guardar o nome, com carinho!

    ResponderExcluir
  8. uma boa partilha! é sempre bom ler poesia que nos fala à alma e ao pensamento1
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Un valido autore che non conoscevo.
    Molto belli i versi proposti..
    Buon martedì, e un sorriso, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  10. Belíssimo poema dedicado ao rio Douro. Egipto Gonçalves foi um grande escritor de língua portuguesa. Sempre admirei e continuo a admirar o que escreveu. Gostei muito de o ler aqui, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  11. Tão esquecido o poeta de “Notícias de Bloqueio”, quase passou em branco o seu centenário de nascimento em 2020. Eis um fragmento deste emblemático poema: “Aproveito a tua neutralidade, / o teu rosto oval, a tua beleza clara, / para enviar notícias do bloqueio / aos que no continente esperam ansiosos. // Tu lhes dirás do coração o que sofremos / nos dias que embranquecem os cabelos... / tu lhes dirás a comoção e as palavras / que prendemos - contrabando - aos teus cabelos. // Tu lhes dirás o nosso ódio construído, / sustentando a defesa à nossa volta / - único acolchoado para a noite / florescida de fome e de tristezas. // Tua neutralidade passará
    por sobre a barreira alfandegária / e a tua mala levará fotografias, / um mapa, duas cartas, uma lágrima... //...
    Um abraço, meu caro amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  12. Gosto sempre se conhecer a história se escritores. Observar sua obra., Este não conhecia. Gostei.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  13. É sempre bom recordar Egipto Gonçalves.
    Um excelente trabalho.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  14. Bonito e forte poema, Pedro!
    Não importa o que se viva, a foz é fatal, então vivamos, sentemos nas margens do rio para lembrar os caminhos até o final de se juntar ao mar.
    Abração!

    ResponderExcluir
  15. Egipto Gonçalves parece ler no rio a sua rebeldia. É o rio que eu, também, folheio.
    Grande poema! Este poeta de Matosinhos foi uma boa escolha, caro amigo Pedro.

    Saúde!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Pedro,
    Que lindos versos e que
    publicação rica,
    como é seu costume.
    Que a semana seja boa
    e os dias sejam vividos
    com saúde.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  17. Meu querido amigo Pedro, obrigada por este belo poema de Egipto Gonçalves, poeta português que acabei de conhecer.
    Obrigada também, por aqui trazeres poetas menos conhecidos.
    "O Douro bebe as cores da cidade" do Porto e das encostas vinhateiras. Um deslumbramento!
    Deslumbrada... vou reler!
    Beijo, fica bem.

    ResponderExcluir
  18. Pedro, não o conhecia, mas me encantei com a riqueza de seus versos. Você faz um trabalho de divulgação magnífico, eis que sempre procuramos saber mais sobre os autores que nos apresenta. Gostei demais! Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Obrigada amigo Pedro, por nos oferecer este belo poema de Egipto Gonçalves.
    Por entre interjeições e deslumbramentos, embarcamos numa viagem pelo amado Douro do poeta.

    Um beijinho com o desejo que esteja bem !

    ResponderExcluir
  20. Excelente el enorme trabajo que realizas de divulgación de escritores y poetas.
    Es muy hermoso este verso sobre el río.
    Gracias.

    ResponderExcluir
  21. Bom dia, caro Pedro,conheço pouco sobre Egipto Gonçalves, mas você nos incentiva a ir além, na pesquisa e na poesia, já anotei o nome das revistas, quero ler mais sobre o nobre poeta português.O poema que postou é de uma riqueza inenarrável, os versos que falam sobre o rio, que guarda ou que registra a vida de quem por alí mora ou passeia.Maravilhoso. Gratidão. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  22. Boa tarde, Pedro!
    Sempre enriquecendo nossas almas!
    Com tamanha sapiência!
    Um doce abracinho!
    Megy Maia😗🌞😗

    ResponderExcluir
  23. Que poema tan hermoso,
    sinceramente un lujo
    apreciarlo.

    Besitos dulces

    Siby

    ResponderExcluir
  24. Um poeta com uma obra interessante, mas que está quase esquecido.
    A sua iniciativa, por isso, é de louvar, dando a conhecer um poeta que muitos portugueses nem sabem que existiu...
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Caro Pedro

    Bela homenagem de Egipto Gonçalves ao rio Douro. Nele se escreveram e se escrevem as histórias de muitas vidas, inclusivamente a do poeta.

    Muito obrigada, meu amigo. Trabalho meritório o seu.

    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  26. É interessante sua garimpagem Pedro neste trabalho minucioso de apresentar escritores poetas pelo mundo, que não conhecia. Um olhar sobre o rio e todas as inquietações que assolam o ser na sua travessia pela vida. Há uma analogia perfeita e passagens interessantes como o piano nas costas de um cavalo, é fantástico o sentido que ele nos apresenta.
    Grato amigo e feliz semana na família.
    Cuide-se e vamos vencer mais esta.
    Meu abraço de paz.

    ResponderExcluir
  27. Um autor português, que adorei vir descobrir aqui, e sobre o qual procurarei saber mais, futuramente! Grata por mais uma publicação reveladora de um talento... que andará meio esquecido... pois realmente, nem o nome me é vagamente familiar...
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderExcluir
  28. Olá, amigo Pedro!
    O romance que nos entrega o azul só pode ser belo e eterno.
    Esteja bem, amigo!
    Beijinhos

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho