>

26 de mar. de 2022

[Poesia] DOIS MUNDOS – Pedro Luso de Carvalho


Carrinhos vazios de crianças mortas em Kiev / Ucrânia

 



DOIS MUNDOS

Pedro Luso de Carvalho




Vejo pouca gente nas ruas,

do bairro onde moro.

As pessoas andam distraídas,

e é morna a tarde de outono.

Do verão resta a lembrança.


Será esta a minha cidade,

com esse ar de civilidade?

Pergunta para si mesma

a mulher solitária,

já liberta das sombras.


Na cidade há esperança,

esse é meu sentimento –

e que seja de toda gente.

Que brinquem as crianças,

no verde dos parques.


Que dirão essas crianças,

as crianças daqui,

das crianças de lá,

as crianças da Ucrânia,

as que a Rússia matou?


O sol dará luz à História.

Nela o registro do horror:

mortes de crianças,

de pais de crianças,

de avós de crianças.


Vidas tiradas por canhões,

retrato da Rússia cruel.

E eu que havia pensado,

em santa ingenuidade,

que Stalin estava morto.




_____________//______________






33 comentários:

  1. Bom domingo de paz, amigo Pedro!
    Uma tristeza horrível nos abateu uma vez mais.
    Há dois anos uma mortandade na humanidade e agora, um novo holocausto aterrador.
    Que nossas criancinhas do mundo inteiro tenham sossego de uma infância feliz!
    Os idosos possam descansar de uma vida de trabalho e desfrutar da velhice com dignidade...
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  2. Eventi drammatici, che hanno scosso il mondo nella loro terribile cruenza e fatto riprecipitare la mente a 100 anni or sono...
    Versi apprezzati.
    Un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Um poema triste, meu Amigo Pedro ao lembrar as imensas crianças mortas pela guerra desencadeada por um louco com a ganância do poder. A História anda sempre a repetir-se... Que as crianças da sua rua possam brincar felizes e descuidadas.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Es cierto Pedro, dos mundo hay hoy, los que nos encontramos fuera de la guerra, de momento a salvo donde nuestros niños viven felices, y ese otro donde las familias tienen el dolor inmenso de haber perdido sus hijos por culpa de una guerra que no termina nunca, por un indeseable mandatario.
    Fantástico tu decir poético Pedro.
    Un abrazo y buen domingo.

    ResponderExcluir
  5. Fortes teus versos na linda poesia, Pedro e ao imaginarmos e vermos o que se passa por lá, a sensação é de tristeza e desesperança. Pobre povo! Loucos no governo é isso que dá! Pena! abraços, lindo domingo! chica

    ResponderExcluir
  6. Una guerra injusta, en dónde pierde siempre los seres más indenfensos.

    Las personas de bien solamente desean,vivir en paz.

    Besos

    ResponderExcluir
  7. Um poema que retrata a crueldade da invasão russa da guerra que provocou.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderExcluir
  8. Fico desolada com esta imagem... ;((
    Gostei de ler!
    *
    Entre as brechas do tempo...

    Votos de um excelente Domingo. Beijos

    ResponderExcluir
  9. Tus letras reflejan muy bien ese dolor y esa crueldad tan grande.
    Un poema muy emotivo que llega hasta el corazón.
    Un beso. Feliz domingo.

    ResponderExcluir
  10. Meu bom amigo Pedro,
    As guerras não produzem nada além de novas batalhas sem utilidade alguma e sem ingenuidade. Triste observar mulheres, idosos e até adolescentes, segurando armas na “Ucrânia”, defendendo suas vidas e sua pátria. Que Mundo é este que estamos vivendo?
    A destruição de hoje, que está sendo escrita na História com sangue inocente, por estes seres (ditos) humanos e, que são fecundos só no que existe de pior: ganância, violência, egoísmos e inveja. Triste e dura realidade, meu caro Pedro. Precisamos de paz e observamos gente comum morrendo de bala... De medo... De sede e fome... De tudo que está associada às necessidades básicas de qualquer pessoa.
    Não bastasse o vírus que não desiste de nós, vem esse “filho da Putin” (retrato fiel da Rússia cruel), para ferrar com tudo de uma vez por todas.
    Um abraço, boa semana e cuide-se bem!!!

    ResponderExcluir
  11. Não é a Rússia, é um minorca complexado que está a aterrorizar o Mundo.
    Complexo napoleónico.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  12. Poema triste, que reflete a crueldade desta guerra infame, onde morrem milhares de Inocentes, entre eles, muitas crianças.

    Poema chocante, que li e reli, com lágrimas nos meus olhos...

    Votos de uma excelente semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Un bello y triste poema que retrata la sinrazón de las guerras inútiles.
    Gracias por tu denuncia.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  14. Triste, me ha conmovido muchisimo porque es algo que dia a dia nos va haciendo daño, ojalá y termine pronto, ka destruccion de los pueblos se queda peueña ante lo que estan padeciendo todos sus habitantes y con horror sabemos que muchos niños han perdido la vida
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  15. Um poema muito forte, que mostra uma guerra absurda, cruel, covarde e que colocou um país em desespero, em sofrimento, em luta constante, mas jamais acovardado!
    Há mais a dizer sobre uma inexplicável matança de indefesas crianças, idosos, hospital, maternidade e se muitos horrores a humanidade já viveu no passado? Não aprendemos nada, muitas guerras não deveriam ser esquecidas! Isso prova que somos os mesmos, não evoluímos, aqueles que fizeram a guerra no passado, estão de volta, com as mesmas intenções, mas com armas mais poderosas e destruidores. Não tem perdão.
    Beijinho, querido, o que escreveste, vai no coração de todos.

    ResponderExcluir
  16. Pedro,
    Um poema forte e sentido.
    Acho que são
    Mundos que se confrontam
    e nós afrontam,
    dependendo do modo
    de lermos.
    Bjins de boa semana
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  17. Pedro no suelen ser las guerras muy justas y los grandes culpables siempre suelen estar bien a resguardo.
    En esta guerra estoy seguro que buena parte del pueblo ruso esta en contra de ella.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  18. Esperemos que esta tragédia acabe rapidamente, pois não é concebível uma guerra estupida em pleno século XXI a mando de um ditador louco.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  19. Estimado amigo, Pedro, una imagen vale más que mil palabras, y la que acompaña hoy tu bello y triste poema pone los pelos como escarpias. Sí, tienes razón Stalin sigue vivo, probablemente habita en el cuerpo prestado de Putin, un loco que nunca debería de haber llegado a presidir ese país. Dios quiera que esta sin razón termine cuanto antes y no se extienda.
    Por un mundo mejor, feliz, en Paz y armonía te deseo un feliz día y resto de semana amigo mío.
    Un gran abrazo.

    ResponderExcluir
  20. Bom dia Pedro,
    Um poema maravilhoso e ao mesmo tempo inquietante e triste.
    Dois mundos, duas realidades!
    Que haja paz na Ucrânia, porque já chega de tanta chacina, de tanta loucura por parte daquele déspota putine.
    Para mim um dos seus melhores poemas!
    Gostei imenso.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  21. " Dois mundos " foi o titulo escolhido para este teu poema de revolta, de incompreensão, como se fosse um grito que te sufoca o peito mas que não consegue sair por mais que tentes; a angústia prende-o bem no fundo e só te fica esse olhar apagado que, através da janela se espanta com o vazio do parque da tua cidade. Dois mundos, Pedro, o nosso que, por enquanto,tem vivido em paz, um outro que sempre sente o horror das guerras e, tanto num quanto noutro, temos as crianças, seres indefesos que sofrem atrocidades mesmo no mundo considerado pacifico; é a violência doméstica, é a fome, é o abandono por aqueles que os trouxeram ao mundo e que os deveriam amar e proteger acima de tudo; Ao olhar esses carrinhos vazios, Pedro, o meu coração apertou de angústia e senti uma terrivel vergonha de pertencer à raça humana, a única capaz de semelhantes atrocidades; o mesmo senti quando em Buapeste, às margens do Danúbio, vi os " sapatinhos de bronze ", um memorial aos judeus que, ali colocados, homens, mulheres e crianças, foram fuzilados pelos nazis, tendo sido obrigados a descalçarem-se para que os sapatos fossem depois reaproveitados; tombaram no lindo Danúbio azul que faz questão de lembrar a todos os que admiram a sua beleza que as suas águas já tiveram cor de sangue inocente e que aqueles sapatinhos são a melhor homenagem que pode fazer a esses homens, mulheres e crianças. Pensei, sinceramente, Pedro, que horrores desses não mais acontecesses, mas, ao olhar esses carrinhos vazios, vejo que estou errada e espero que, pelo menos um dia, alcançada a paz, alguém se lembre de homenagear esses meninos com um memorial de " carrinhos vazios" de crianças mortas em Kiev. Também eu, Amigo, pensei que " Hitler estava morto " ...santa ingenuidade "...nem Stalin, nem Hitler, nem tantos outros loucos que por ai andam. Obrigada, Pedro, pelo poema triste que connoco partilhas, onde se nota toda a tua decepção pelas maldades existentes neste mundo que, mesmo se o dividirmos em dois, terá sempre crianças a sofrer, se não for pela guerra será pela falta de carinho, de atenção, enfim...pela falta de amor. Um beijinho, Pedro e que depressa voltes a ver a alegria das crianças nos parques da tua cidade. já que na Ucrania, infelizmente, não voltará tão cedo
    Emilia 🌏 🕊 🌏

    ResponderExcluir
  22. Que imagen tan dura, tan triste. No imagino el dolor, el miedo, la pérdida. Me apenan los niños y los padres aún más. Porque siempre sufre más el que queda vivo. Un poema sentido poeta. Un abrazo desde Uruguay.

    ResponderExcluir
  23. As crianças mortas são o lado mais trágico de uma guerra sem qualquer sentido.
    Excelente poema, os meus aplausos para o seu talento.
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  24. Pedro

    A foto de suporte ao seu poema lucido e forte, é de partir o coração.
    Acho que todos lamentam esta situação, e esta guerra.
    Será que a oração ajuda?! Já não sei!
    Boa semana com saúde.
    Um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  25. Ah, meu caro amigo, Estaline está vivo e recomenda-se... e não só a Leste.

    Meu abraço de estima

    ResponderExcluir
  26. Palavras profundas e sentidas num belíssimo poema que retrata uma dura e dolorosa realidade.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  27. Logo a foto é algo chocante!
    Mas, muito realista nos dias de agora, infelizmente

    Quando ao seu poema forte, só lhe posso dar os Parabéns!

    Vê-se pouca gente nas ruas, será uma cidade-fantasma?
    Nalguns corações ainda há esperança

    Se quiser, passe aqui:
    http://momentos-perfeitos.blogspot.com/

    Beijinho da Tulipa e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  28. Sentido poema mestre.
    Nos olhos das crianças daqui a cena horripilante das crianças de lá, pisoteadas por tanques e soldados desalmados, que matam sem razão em nome de uma autonomia que busca o poder a todo custo no banho de sangue de inocentes crianças, que se não mortas estão órfãs.
    Que a paz venha para a Ucrânia.
    Um feliz domingo para vocês.
    Um abração amigo

    ResponderExcluir
  29. Oi, Pedro... trágico destino do mundo! uma realidade que salta das páginas da história com toda sua crueldade e crueza. Atos covardes de maldade explicita que não tínhamos consciência de poder acontecer novamente e de repente salta da escuridão do nada o que ainda existe de perversidade e ambição.
    Um abraço . Paz prevaleça sobre todos!

    ResponderExcluir
  30. Boa noite, amigo Pedro.
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar uma excelente semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. Há demasiados Estalines a emergir no momento, em vários pontos do mundo... Nós temos a ilusão da existência de paz... mas desde que o mundo é mundo... acho que nunca houve um dia sequer, sem guerra, por motivos políticos, económicos ou religiosos em qualquer ponto do globo... pela primeira vez... temos é uma guerra em tempo real... muito bem documentada... de pessoas com as quais nos identificamos... mas tendemos a ficar indiferentes perante outras guerras que ocorrem há décadas... por exemplo, não passa pela cabeça de ninguém acusar Israel de genocídio... e no entanto, o que é que se pratica na Faixa de Gazza?... Só um pequenino exemplo...
    O problema... é que vivemos hoje, num mundo muito mais interligado, por conta da globalização... e o bater de asas de uma borboleta... pode causar um furacão no outro lado do mundo, pela teoria do caos... que funciona muito bem, num paralelismo económico, assente em bolsas e tendências especulativas cada vez mais voláteis... também pela existência de informação em tempo real... no fundo... um outro tipo de pandemia... em que todos acabarão por ser afectados de alguma forma... quando super potências estão envolvidas em conflitos de larga escala... como a todo o momento, se pode tornar o caso...
    Gostei imenso do poema, Pedro... pois aborda o problema fundamental deste nosso tumultuado mundo, mesmo na mouche... tal como também diz a canção...

    "There´s so many different worlds
    So many different suns
    And we have just one world
    But we live in different ones"

    Beijinhos, Pedro! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  32. Don Pedro:
    parece que la barbarie surge cuando menos se lo espera uno. ¡Este Putin, horrible heredero de Stalin y de Hitler.
    ¡Maldito sea!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  33. Para horror nosso cada vez mais o mundo é governado por loucos.
    Uma tragédia o que acontece pelo mundo fora.
    A Ucrânia é a mais mediatizada, mas tantas e tantas que existem mais "caladas"
    As suas palavras tocam fundo e a imagem é esmagadora.
    Até quando!.
    Brisas doces*

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho