>

27 de jun. de 2021

[Poesia] PEDRO LUSO – O Político do Brasil

 

Congresso Nacional - Brasília




O POLÍTICO DO BRASIL

                               - Pedro Luso de Carvalho




Brasil altaneiro?

Pobre Brasil!

Escravos, não só negros,

mas todas as etnias,

que no Brasil aportaram.


Brasil altaneiro?

Pobre Brasil!

Donos dos escravos,

cruéis donos sem alma,

senhores feudais.


Brasil altaneiro?

Pobre Brasil!

Roubam os políticos

neste imenso país,

sem alma e sem lei


Brasil altaneiro?

Pobre Brasil!

Doença e morte

fome e miséria

venda nos olhos da justiça.


Brasil altaneiro?

Pobre Brasil!

o pobre viverá sua sina,

o político, o paraíso fiscal,

salvo as honrosas exceções.





__________________//_________________






35 comentários:

  1. Bom dia, Caro Pedro Luso

    Poema de grande recorte literário e histórico, lembrando
    o percurso desse imenso Brasil que, apesar de tudo o que de bom
    Deus lhe deu, porfia em caminhos que envergonham os
    seus filhos, por decisões infelizes de quem manda.

    Tenha uma boa semana, meu amigo.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  2. Pobre Brasil,pobre povo! Poesia bem verdadeira, infelizmente,Pedro! abração, lindo domingo de ventos uivantes e frio...chica

    ResponderExcluir
  3. E uma das grandes " frustrações " que vamos sentindo ao longo da vida é a decepção que sofremos com as instituições quer sejam a nivel poltico, quer sejam a outros aspectos da nossa socidade. Aqui tratada em forma de poesia, parecendo assim mais leve está a grande tristeza que sentimos por vermos que os nossos representantes, escolhidos em eleições livres, não cumprem o prometido ao seu povo e, não é só aí no Brasil, Pedro. Por todo o lado, o " trabalho escravo " continua, embora camuflado, o desrespeito pelos mais elementares direitos das pessoas é cada vez maior e a justiça, infelizmente, só funciona para aqueles que não podem pagar bons advogados qus, de recurso em recurso, vão levando o caso até prescrever. " Esse país altaneiro " este " cantinho à beira-mar plantado " e tantos outros com caracteristicas diferentes, mas sempre habitados por cidadãos trabalhadores, honestos, guerreiros, sofrem pelo desprezo daqueles que os deveriam representar e que, ao contrário, só pensam em si mesmos e no aumento do seu próprio poderio. E depois, Amigo, temos também a religião que deveria acolher os que a ela se entregam para aliviar o sofrimento, mas, que, com algumas excepções, felizmente, querem tirar-lhes o pouco dinheiro que têm, prometendo-lhes o paraíso e o fim das suas tormentas. Mas, sempre foi assim, Amigo! Pobre mundo! Pobre do necessitado que será sempre dominado pelo poder. Pedro, há muito que aqui não vinha, mas, li com muita atenção tudo o que tens escrito e a nostalgia nota-se em cada palavra dos teus textos e poemas. A nostalgia também me invade, porque sinto esse teu " Pobre Brasil altaneiro "como meu e também porque este meu cantinho à " beira-mar plantado " também está a passar por momentos dificeis, com mais miséria e fome. Um beijinho e SAÚDE para todos aí. Obrigada por partilhares connosco as tuas preocupações com o meu querido Brasil
    Emilia 🙏 🇧🇷 🇵🇹

    ResponderExcluir
  4. Bellas palabras de repulsa a tanta sin razón, a tanto robo, a tanta desfachatez política y a tantos y tantos organismos corruptos. Es hora del despertar ciudadano y decir ¡basta! ¡basta ya! es hora de poner en su sitio a todos estos gobernantes corruptos, pero para ello es el pueblo el que se ha de levantar y decir hasta aquí hemos llegado.
    Un fuerte abrazo amigo lleno de paz y felicidad.

    ResponderExcluir
  5. Estimado amigo Pedro, Brasil tampoco es ajeno a las desdichas que vienen padeciendo otros países y que se quiere también instalar en Europa.
    Bellas palabras de repulsa a tanta sin razón, a tanto robo, a tanta desfachatez política y a tantos y tantos organismos corruptos. Es hora del despertar ciudadano y decir ¡basta! ¡basta ya! es hora de poner en su sitio a todos estos gobernantes corruptos, pero para ello es el pueblo el que se ha de levantar y decir hasta aquí hemos llegado.
    Un fuerte abrazo amigo lleno de paz y felicidad.

    ResponderExcluir
  6. Olá Pedro,
    li ansiedade e tristeza nas palavras simples mas que atingem o seu objetivo
    da imagem de um país enorme e tão rico de riquezas naturais e de esplendorosas paisagens
    É verdade que a vida dos escravos foi triste, mas colocando num tempo em que os homens e todas as mulheres muito sofriam sem qualquer conforto que nos dá a civilização
    O que talvez seja mais terrível será de ler que existem
    cerca de cinquenta milhões de pobres desde o século passado,
    e ninguém pode deitar as culpas a ninguém
    e ninguém sabe o dia de amanhã, nem no Brasil nem na Europa
    E o medo e a pobreza não se escondem ainda nos museus da infelicidade
    Um abraço fraterno

    ResponderExcluir
  7. Ese mal no es solamente del Brasil, aquí ya comenzamos a padecer ya, el afán desmedido por acumular las riquezas por medio de impuestos desmedidos.

    Besos

    ResponderExcluir
  8. Un poema muy intenso para reflejar una realidad.
    Mis mejores deseos de mucha suerte y esperanza.
    Un abrazo fuerte.

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde de domingo, amigo Pedro!
    Os políticos dormem " eternamente em berço esplêndido.
    Eles tomam posse do Hino Nacional no que lhes é conveniente.
    A cada dia temos visto barbaridades inconcebíveis.
    Está previsto muito mais...
    Um poema cujo ritmo próprio se faz sentir, mas nosso país está no compasso da marcha fúnebre.
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixei registrado seu Onomástico aqui:
      https://www.idade-espiritual.com.br/2021/06/salve-sao-pedro-e-sao-paulo.html
      Tenha um dia abençoado com a proteção de São Pedro.
      Abraço fraterno de paz e bem

      Excluir
  10. Mesmo...A vida está apenas e só para os políticos! :)
    .
    Quantos gritos em silêncio já se ouviram...
    .
    Beijos, e um excelente Domingo

    ResponderExcluir
  11. Pobre país, pobres de nós, seu filhos órfãos.
    Quero meu Brasil de volta.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. A poesia tem este papel Pedro, falar, denunciar.
    A gente fica a lembrar de Gregório de Matos com sua boca de inferno, ao falar destes políticos desde aquela época. Que falta nesta cidade é a verdade, se o governo governa um sistema diz não e assim falta pão, a eles a vergonha. Um país que nos parece sem norte e reina a morte. Sem governo ou vive um desgoverno. Se a corrupção serve como base eleitoral no outro dai ela escancara a demagogia e vivemos loucos e desamparados em plena pandemia.
    Perfeito amigo, um pais altaneiro merece mais respeito, para que possamos ouvir o canto do sabiá ou sabe lá o que ainda nos reserva este desarranjo.
    Um abraço e boa semana amigo.
    Solte suas palavras pela democracia pela decência.

    ResponderExcluir
  13. Caro Pedro,
    Passaram uma borracha no lema da nossa bandeira... Não temos mais: “Ordem e Progresso”, na nossa “patriazinha”, onde o então ex-embaixador brasileiro, “Vinicius de Moraes”, escreveu em (1974), estando no exílio:

    “A minha pátria é como se não fosse, é íntima / Doçura... Teu nome é pátria amada, é patriazinha / Não rima com mãe gentil...”

    Passados 47 anos, a nossa pátria está cada dia mais “patriazinha” (tão pobrezinha)... Não “pobre de ouro”, de belezas naturais ou da gentileza e bravura de nosso povo, mas sim, de políticos probos.
    Abraços e bom começo de semana!!!

    ResponderExcluir
  14. O pior, meu Amigo Pedro, é que em todo o lado parece que regredimos nos valores, naquilo que realmente interessa. Já não há políticos há altura do que acontece?
    E o Brasil tem tentas potencialidades para ser um país fantástico... Gostei deste poema.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. É, amigo, o cenário é grave, sempre foi, mas agora mais ainda!
    Infelizmente cargos políticos não são procurados para promover o bem da sociedade, a maioria está pensando em se beneficiar e aos seus. Para isso mentem deslavadamente e mesmo em tempos com tantas informações, muitos se iludem com promessas que não condizem com o passado do pretendente ao cargo.
    E sabe, os cidadãos (sem generalizar) que não são políticos também agem com intuito de lucrar a qualquer preço, sem ética ou moral, vacilou, te passam a perna.
    A pergunta que fica, como sair desse emaranhado de bandidos na sociedade disfarçados de pessoas de bem?

    Adorei o poema, parabéns!
    Abraço, Pedro, ótima semana!

    ResponderExcluir
  16. Un poema en el que nos muestras con tristeza lo que esta pasando en tu país, aunque no es algo que solo pase en Brasil.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  17. O Brasil é um país extraordinário.
    Que está nas mãos de uma corja de salafrários.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  18. Sé que en una primera mirada a la política, a veces el alma se nos cae al suelo.
    Los autónomos y pequeños empresarios trabajamos, nos agotan a impuestos, mientras los dirigentes multiplican el funcionariado puesto a dedo, en la medida inversa a la realidad ciudadana.

    Pero, para no vencernos, es bueno echar una mirada al pasado y compararlo con nuestro hoy, donde en Europa, el analfabetismo, el hambre y las guerras civiles han ido disminuyendo. No me interesan nada los partidos políticos, yo ya traigo puesta de casa mi ideología, no necesito que nadie me vista, y lo único que me interesa del individuo que gobierna es la buena gestión de mis impuestos. Gestión, Gestión, Gestión.
    De ahí que haya entregado mi voto en diversas ocasiones a distintos partidos. Y por eso sé que nunca haré carrera política.

    De ahí que haya recibido con alegría una acción política que siempre tengo en la mente, al enterarme de que la nueva Presidenta de una Autonomía nuestra, ha empezado su mandato rebajando a 9, las 13 conserjerías que había en su Gobierno hasta hoy. Cuatro departamentos enteros de funcionarios con sus mandos, subalternos y allegados, además de una bajada de los impuestos y de ayudas a la vida (nuevos nacimientos y ancianos dependientes), en lugar de a la muerte (aborto y eutanasia).

    Y de ahí en adelante. Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  19. E há exceções na política brasileira? É como procurar uma agulha no palheiro. Mas há os que acreditaram e os que ainda acreditam que não há corrupção no atual. São os que não sabem o que se denomina de "Centrão". E ainda são muitos os iludidos.
    O que fazer com a incredulidade do brasileiro ou com a sua falta de informação?
    Um belo poema, meu amigo Pedro. Urge que aprendamos a votar para que façamos melhores escolhas.
    Cuide-se, meu amigo!
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  20. La corruzione dilaga nel mondo, noi poveri esseri non siamo salvaguardati, i politici negli ultimi anni, badano ai propri inteessi ed il popolo è lasciato nella malattia e nell'indigenza. La tua poesia porta alla luce queste ingiustizie e fa male al cuore per le sofferenze che il popolo deve patire. Ti auguro una buona settimana amico Pedro, e mi auguro che la situazione possa migliorare. A presto, Grazia.

    ResponderExcluir
  21. Dói muito essa tristeza com o nosso Brasil. E, em forma de poesia, parece até que dói mais.
    Aplausos para suas palavras, oportunas, pontuais e verdadeiras.
    Parabéns!
    Bjs
    Marli

    ResponderExcluir
  22. Lamento muito, Pedro.
    Com tanta gente digna e honesta nesse país, ficamos perplexos, com o exercício dos vossos políticos, embora saibamos que não há governos sem alguns corruptos.
    Excelente poema de intervenção dorida, não só pela mensagem, como pela forma. A repetição de versos no início das estrofes, além de ritmo, dá bastante ênfase.
    Vou estar ausente... Desejo-vos um inverno aconchegante e mais leve. Beijos, amigo.
    ~~~

    ResponderExcluir
  23. Pobre Brasil, lembro do orgulho que eu tinha ainda criança, mas isso foi devido ao "trabalho" das professoras; depois aquele orgulho deu lugar à contestações e nasceram outros olhares... Ficou o amor à pátria, e pouco orgulho. Hoje, nada mais a dizer, apenas uma tristeza misturada com muita indignação e a certeza de que pouca coisa ou nada mudará, principalmente a classe viciada dos que governam essa rica Terra.
    Beijinho daqui do lado, meu poeta!

    ResponderExcluir
  24. Boa noite, amigo Pedro.
    O Brasil, estará porventura a viver um dos piores momentos da sua história. A mentira, a miséria, a corrupção, e este flagelo da pandemia, trouxeram ao de cima tudo com mais clareza. E o grande responsável é este governo autocrático de Bolsonaro. Que esperemos que seja rapidamente exonerado.

    Excelente poema, amigo Pedro!

    Parabéns!

    Muito obrigada pela visita e gentil comentário.

    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  25. Te contesto a tu comentario en mi blog. Como veo que el tema de los puentes te interesa, he recordado una publicación de hace ya unos años.

    Es la que recuerdo ahora. Te pongo aquí el enlace a mi publicación, por si la quieres visitar.

    https://ventanadefoto.blogspot.com/2016/06/puentes-teruel.html

    Besos

    ResponderExcluir
  26. Es una pena que un País tan hermoso (como otros muchos), estén regidos por tan mala gente, solo piensan en ellos. Aunque los nuestros no se salvan, ni estamos tan mal, ni nos aprietan.
    Esperemos que todo se arregle de la mejor manera.
    Un gran abrazo a todos los brasileños y muy especialmente para ti.

    ResponderExcluir
  27. Boa noite, Pedro
    Agradeço a sua gentil visita aos meus blogs.
    Seja sempre muito bem vindo!
    Quanta verdade nestes seus versos.
    O que fizeram com o nosso querido Brasil?
    Um grande abraço
    Verena.

    ResponderExcluir
  28. A História está cheia de atrocidades, no Brasil e no resto do Mundo.
    O ideal é que não continuassem a escrever mais páginas históricas onde a exceção fosse a regra.
    Excelente poema, os meus aplausos.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Olá, amigo Pedro!
    Sem dúvida alguma, o Brasil está a atravessar neste momento um dos piores tempos da sua história. Principalmente após a ditadura militar. Este atual governo de Bolsonaro, é o exemplo maior.

    Belo poema, amigo Pedro!

    Abraço, e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  30. Oi, Pedro...difícil falar de Brasil sem lastimar. uma dialética de forças que se realiza entre trancos e barrancos e para não dizer que nada resta ainda ouso pensar que apesar dos pesares ainda temos um país que nos torna orgulhosos de sua beleza e de seu potencial de riqueza. Precisamos de uma moral ética e um conceito de brasilidade que ainda infelizmente faltam na maior parte das classes dominantes .
    Um abraço

    ResponderExcluir
  31. Boa tarde, amigo Pedro.
    Infelizmente colocou aqui um retrato triste, mas real de um Povo, que merece muito mais !
    Um pouco por todo o mundo, a corrupção e a ganância prevalecem, até quando ?


    Um abraço solidário e amigo.

    ResponderExcluir
  32. O poder corrompe... e o poder absoluto corrompe absolutamente... como já alguém disse... Jair parece ter tiques ditatoriais... vamos a ver se os processos democráticos continuam a ser mantidos, em 2022... com o caos em todas as vertentes em que ele parece desejar mergulhar o Brasil... olhando a figura... começo a ter sérias reservas quanto a tal!
    Um retrato poético bastante assertivo, deste desconcertante momento, que o Brasil está a atravessar... pois merecia bem melhor...
    Um beijinho! Votos de uma feliz semana, com saúde, para todos aí desse lado!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho