>

23 de jun de 2011

[Conto] GUIMARÃES ROSA / Desenredo

João Guimarães Rosa


                 por  Pedro Luso de Carvalho

      

        JOÃO GUIMARÃES ROSA nasceu em Minas Gerais (1908) e faleceu no Rio (1967), três dias após tomar posse na Academia Brasileira de Letras. Médico, exerceu a profissão em várias cidades do inteior mineiro. Diplomata, serviu em Hamburgo, Bogotá e Paris. Estreou em 1946, com o livro de contos: Sagarana.

        O reconhecimento de escritor, no entanto, só viria dez anos depois, quando foram lançados, quase simultaneamente, o ciclo de novelas: Corpo de Baile, e o romance: Grande Sertão: Veredas. A partir de então, foi a glória. E a obra do excelente contista se enriqueceu ainda de quatro novos títulos: Primeiras Estórias, Tutaméia, Estas Estórias e Ave, Palavra, os dois últimos surgidos postumamente.

        João Guimarães Rosa é o autor brasileiro contemporâneo de bibliografia crítica mais extensa, o mais estudado nos círculos universitários. É também um dos nossos escritores mais traduzidos.
       
        O conto Desenredo, de João Guimarães Rosa, integra a obra Contos escolhidos. Seleção de contos: Ricardo Ramos. São Paulo, Editora Três, 1976, p. 60-65.



                                               [ESPAÇO DO CONTO]
                                           

                                                     DESENREDO

                                                                         
         
       Do narrador a seus ouvintes:

       - Jó Joaquim, cliente, era quieto, respeitado, bom como o cheiro de cerveja. Tinha o para não ser célebre. Com elas quem pode, porém? Foi Adão dormir, e Eva nascer. Chamando-se Livíria, Rivília ou Irlívia, a que, nesta observação, a Jó Joaquim apareceu.

       Antes bonita, olhos de viva mosca, morena mel e pão. Aliás, casada. Sorriram-se, viram-se. Era infinitamente maio e Jó Joaquim pegou o amor. Enfim, entenderam-se. Voando o mais em ímpeto de nau tangida a vela e vento. Mas muito tendo tudo de ser secreto, claro, coberto de sete capas.

        Porque o marido se fazia notório, na valentia com ciúme; e as aldeias são a alheia vigilância. Então ao rigor geral os dois se sujeitaram, conforme o clandestino amor em sua forma local, conforme o mundo é mundo. Todo abismo é navegável a barquinhos de papel. 

        Não se via quando e como se viam. Jó Joaquim, além disso, existindo só retraído, minuciosamente.

        Esperar é reconhecer-se incompleto. Dependiam eles de enorme milagre. O inebriado engano.

       Até que – deu-se o desmastreio. O trágico não vem a conta-gotas. Apanhara o marido a mulher com outro, um terceiro... Sem mais cá nem mais lá, mediante revólver, assustou-a e matou-o. Diz-se, também, que de leve a ferida, leviano modo.

       Jó Joaquim, derrubadamente surpreso, no absurdo desistia de crer, e foi para o decúbito dorsal, por dores, frios, calores, quiçá lágrimas, devolvido ao barro, entre o inefável e o infando. Imaginara-a jamais a ter o p´r em três estribos; chegou a maldizer de seus próprios e gratos abusufrutos. Reteve-se de vê-la. Proibia-se de ser pseudopersonagem, em lance de tão vermelha e preta amplitude.

         Ela – longe – sempre ou ao máximo mais formosa, já sarada e sã. Ele exercitava-se a aguentar-se, nas defeitosas emoções.

        Enquanto, ora, as coisas amaduravam. Todo fim é impossível? Azarado fugitivo, e como à Providência praz, o marido faleceu, afogado ou de tifo. O tempo é engenhoso.

        Soube-o logo Jó Joaquim, em seu franciscanato, dolorido mas já medicado. Vai, pois, com a amada se encontrou – ela sutil como uma colher de chá, grude de engodos, o firme fascínio. Nela acreditou, num abrir e não fechar de ouvidos. Daí, de repente, casaram-se. Alegres, sim, para feliz escândalo popular, por que forma fosse.

        Mas.

        Sempre vem imprevisível o abominoso? Ou: os tempos se seguem e parafraseiam-se. Deu-se a entrada dos demônios.

        Da vez, Jó Joaquim foi quem a deparou, em péssima hora: traído e traidora. De amor não a matou, que não era para truz de tigre ou leão. Expulsou-a apenas, apostrofando-se, como inédito poeta e homem. E viajou fugida a mulher, a desconhecido destino.

        Tudo aplaudiu e reprovou o povo, repartido. Pelo fato, Jó Joaquim sentiu-se histórico, quase criminoso, reincidente. Triste, pois que tão calado. Suas lágrimascorriam atrás dela, como formiguinhas brancas. Mas, no frágio da barca, de novo respeitado, quieto. Vá-se a camisa, que não o dela dentro. Era o seu um amor meditado, a prova de remorsos. Dedicou-se a endireitar-se.

        No decorrer e comemos, Jó Joaquim entrou sensível a aplicar-se, a progressivo, jeitoso afã. A bonança nada tem a ver com a tempestade. Crível? Sábio sempre foi Ulisses, que começou por se fazer de louco. Desejava ele, Jó Joaquim, a felicidade – ideia inata. Entregou-se a remir, redimir a mulher, à conta inteira. Incrível? É de notar que o ar vem do ar. De sofrer e amar, a gente não se desfaz. Ele queria apenas os arquétipos, platonizava. Ela era um aroma.

        Nunca tivera ela amantes! Não um. Não dois. Disse-se e dizia isso a Jó Joaquim. Reportava a lenda a embustes, falsas lérias escabrosas. Cumpria-lhe descanuniá-la, obrigava-se por tudo. Trouxe à boca-de-cena do mundo, de caso raso, o que fora tão claro como água suja. Demonstrando-o, amatemático, contrário ao público pensamento e à lógica, desde que Aristóteles a fundou. O que não era tão fácil como refritar almôndegas. Sem malícia, com paciência, sem insistência, principalmente.

      O ponto está em que o soube, de tal arte: por anti-pesquisas, acronologia miúda, conversinhas escudadas, recomendados testemunhos. Jó Joaquim, genial, operava o passado – plástico e contraditório rascunho. Criava nova, transformada realidade, mais alta. Mais certa?

        Celebrava-a, ufanático, tendo-a por justa e averiguada, com convicção manifesta. Haja o absoluto amar – e qualquer causa se irrefuta.

        Pois, produziu efeito. Surtiu bem. Sumiram-se os pontos das reticências, o tempo secou o assunto. Total o transato desmanchava-se, a anterior evidência e seu nevoeiro. O real e válido, na árvore, é a reta que vai para cima. Todos já acreditavam. Jó Joaquim primeiro que todos.

        Mesmo a mulher, até, por fim. Chegou-lhe lá a notícia, onde se achava, em ignota, defendida, perfeita distância. Soube-se nua e pura. Veio sem culpa. Voltou, com dengos e fofos de bandeira ao vento.

       Três vezes passa perto da gente a felicidade. Jó Joaquim e Vilíria retomaram-se, e conviveram, convolados, o verdadeiro e melhor de sua útil vida.

         E pôs-se a fábula em ata.


                                                        
                                                         
(In Tutaméia / João Guimarães Rosa. Rio, José Olympio, 1967.)


                                                                            *     *     *


10 comentários:

  1. Parabéns pela postagem!!! Um verdadeiro banho de cultura, se me permite a expressão.
    Beijos, querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre um prazer receber visita da amiga gaúcha Sônia Silvino.

      Abraços,
      Pedro.

      Excluir
  2. Belo trabalho, Pedro... Estou escolhendo algo do Veredas para publicar no meu blog-biblioteca, que está à sua disposição http://academiaposmoderna.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado caro Beto. Em breve farei uma visita no seu blog-biblioteca.

      Um abraço,
      Pedro.

      Excluir
  3. Pedro..ja li algumas cronicas suas no Blog da querida Tais. Adorei.
    Não vou comentar agora, porque meus olhos insistem em não permacerem abertos.
    manhã leio e comento com calma.
    Feliz por ser meu seguidor!
    Bj
    Ma Ferreira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ma,

      A sua visita e esta ponta de conversa já é o suficiente.

      Abraços,
      Pedro.

      Excluir
  4. uma tela de Di Cavalcanti. Um conto de Guimarães Rosa. Um bonito blog que é preciso seguir.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Élys, por sua visita.
      Sem dúvida, Di Cavalcanti e Guimarães Rosa são dois nomes da maior importância nas artes do Brasil.

      Um abraço,
      Pedro.

      Excluir
  5. Anônimo16:41

    não tenho palavras meus sinceros parabéns.
    fiquei maravilhada ao ler.
    um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Volte sempre, quem sabe não mais na condição de "anônimo".

      Pedro.

      Excluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO