>

28 de set de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO - Homens Vazios






HOMENS VAZIOS
- PEDRO LUSO DE CARVALHO



Neste tempo vago,
tempo de homens vazios,
vejo-os no meu vagar
em meio a escombros.

Vago neste tempo presente,
respinga-me essa lama
pisada por homens vis,
que trilham o lamaçal.

Busco a salvação neste vagar,
neste vago tempo,
tempo de homens vazios,
sem pátria, sem lei.

Serão salvos esses homens,
malditos homens
mergulhados na lama?
Serei acusado por omissão?




*    *    *






36 comentários:

  1. Um tempo de homens vazios. Um tempo em que é preciso tomar o pulso à esperança para não morrermos de desespero. Um poema muito profundo e inquietante, meu Amigo Pedro.
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Al final los normales serán los anormales, profundísimo poema, genial Pedro.
    Feliz fin de semana.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  3. A coisa está realmente DANADA!Tua poesia ficou linda, como sempre... Pena o resto!!! abraços, chica

    ResponderExcluir
  4. Um dia será luz inteira

    ResponderExcluir
  5. Un'attenta osservazione poetica, sugli uomini privi di personalità, che gettano inutilmente, al vento, la loro preziosa vita
    Poesia molto apprezzata
    Buon fine settimana e un caro saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  6. Lindo. Quiçá um frito de revolta.

    Hoje » Um sonho de nada

    Bjos
    Votos de um óptim Sábado

    ResponderExcluir
  7. Es un poema lleno de profundidad .
    Muy bueno.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde amigo Pedro!
    Uma poesia para ser bem refletida aos momentos que estamos passando aqui no nosso País.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  9. Simplesmente belo!! :)

    Emoções loucas, frenéticas...
    Beijos e um excelente fim de semana

    ResponderExcluir
  10. Boa Tarde, Pedro!
    Gosto de poemas onde a reflexão se faz sentir. Também sinto que temos parte na responsabilidade social e uma certa consciência de culpa nos cabe bem.
    Deus te abençoe muito!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  11. Duas perguntas muito pertinentes a que não sei responder. Quando o caos e a corrupção se instalam, a salvação torna-se difícil. O poder é uma lama muito viscosa.
    Gostei de ler
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente este belo poema reflecte os dias actuais amigo Pedro.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  13. Otra vez, amigo Pedro, un poema profundo e inquietante. Dicen " a buen entendedor, pocas palabras".Más no hace falta para que quedemos tristemente meditando.

    ResponderExcluir
  14. Um poema perturbador e bem inserido em caminhos vazios de humanidade. Vejo-te como poeta atento e interventivo.

    Beijinho, amigo Pedro.

    ResponderExcluir
  15. Un poema especial.
    Que tengas una buena semana.

    ResponderExcluir
  16. Um poema que reflete bem a atualidade...É uma pena que o tempo passa e pouco muito pouco se altera.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde, Pedro,
    estamos em um momento em que há muitas almas vazias, mentes que se gastam em negociações lamacentas e, que com isso levam outros a cair no abismo infernal.
    Hoje vivemos tempos difíceis, precisamos ter a capacidade de saber separar o joio do trigo, pois ainda restam homens que possuem bom caráter. Que Deus nos ajude!Belo quadro dos notívagos. Abraço!

    ResponderExcluir
  18. A omissão existe quando podemos fazer algo e fechamos os olhos. Belo e profundo poema Pedro. Parabéns!

    Aproveito para agradecer pelas carinhosas palavras deixadas no nosso humilde espaço, quando do nosso aniversário, meu e dos meus filhos.

    Abraços e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  19. Num tempo em que se deseja fugir do lamaçal, não como os homens vazios que se demitiram da sua humanidade; mas por horror ao putrefato; surge essa questão fundamental... Por muito que custe, uma pessoa frontal e honrada não pode se demitir da sua responsabilidade, não pode ceder à indiferença ou acomodação por comodismo. Há que dominar o asco e enfrentar...
    Um alerta muito pertinente, estimado Amigo.
    Um abraço cordial.
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  20. Oi, Pedro...realmente um momento de desalento...sem horizontes , sem terra firme, sem nenhuma opção.Gostaria de ser mais arguta para equacionar melhor, mas parece que andamos em círculos e a história se repete eternamente.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  21. No todos soms así, pero la sociedad de hoy, hace que haya muchas personas sin principios ni valores.

    Besos

    ResponderExcluir
  22. ser poeta consciente e lúcido (enfim, POETA)
    tem traz esse ónus, meu caro Pedro Luso:

    - carregar o peso (que não a culpa) dos "homens" vazios...

    um enorme Poema de um Poeta de eleição! grato

    forte abraço




    ResponderExcluir
  23. Un bello poema que retrata el alma humana en estos tiempos convulsos, donde apenas se valora lo importante.
    La omisión sería real si dejáramos de prestar ayuda a esos hombres vacíos ayudándoles a salir del fango. Pero muchos de ellos prefieren estar ahí.
    Es complicado.
    Abrazos, Pedro.

    ResponderExcluir
  24. Homens vazios numa pátria a esvaziar-se de princípios morais e éticos. Quando uma pátria carece de exemplos, de homens bons, de patriotas o cenário é de desgraça, de pobreza, de doença! E a mudança, se vier, vem lentamente, com trabalho e suor para resgatarmos tudo que um dia deixamos acontecer. Que um dia acreditamos.
    Agora, resta juntar os cacos e refazer a obra, com certeza poderá ficar bela novamente. Mas com uma cicatriz para que nunca esqueçamos o que um dia deixamos aconteceu...

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  25. Maravilhoso arrasou, obrigado pela visita.
    Blog: https://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  26. Sinais do tempo em poesia.
    Abraço

    ResponderExcluir
  27. É isso, um dos grandes problemas sociais é a omissão.
    Magnífico poema, parabéns.
    Caro Pedro, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  28. É o que me mata mestre, omitir ou crer no inconfiável?
    Beleza de construção crítica e poética.
    Os homens vis proliferam e meu coração fica triste.
    Bom domingo para uma semana mais leve.
    Que o processo seja de paz e que a gente não precise marchar outra vez.
    Meu abraço amigo.

    ResponderExcluir
  29. Infelizmente, homens vazios de princípios proliferam por todo o lado.
    Magnifico poema.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  30. Hola, Pedro. Leo tu poema a la vez que suena de fondo un reportaje sobre las elecciones que tenéis en curso. Hay un hilo que conecta ambas acciones y me pregunto qué pensarás de los resultados. Saludos.

    ResponderExcluir
  31. Pedro, meu grande amigo, tiro um tempo para vir aqui te saudar!... Vocês (tu e Tais) são-me caros e meus padrinhos nas incursões neste meio - a blogosfera! Devo muito a vocês, amigos - minha gratidão! Teu poema é de uma estrutura robusta e reverberante no inconsciente da consciência humana - no anímico do ser! Ah... "vago tempo de homens vazios"!... Dizes muito ao dizer o cotidiano! Parabéns, Pedrão! Grande abraço! Laerte.

    ResponderExcluir
  32. Saludos Pedro, no lo he hecho antes porque llevo unos días un poco pachucha. El cambio de tiempo me ha sentado mal y he pillado un resfriado, ya estoy mejor pero he tenido que hacer cama.
    Como siempre me han gustado mucho los versos tuyos.
    Un fuerte abrazo.

    ResponderExcluir
  33. Olá Amigo Pedro: Poema maravilhoso e atual, fala de nossas amarguras e tormentos que esta humanidade vil nos traz. Mas não se atormente não é omissão, não há, as vezes por mais que queiramos, sabemos que estamos de mãos atadas pouco podemos fazer, a maioria vil é maior e no momento está vencendo, mas é só no momento.
    Fé e esperanças
    Abraço forte Léah

    ResponderExcluir
  34. Olá, Pedro!
    Mas que belo, sagaz e poderoso poema, meu amigo.
    Que se esboroe ao vento esse "tempo de homens vazios", empalhados, hediondos, que atormenta o poeta porta-voz do povo.
    Haja esperança!
    Beijo, poeta.

    ResponderExcluir
  35. Vivemos mesmo num tempo, de homens vazios... que fazem o tempo presente regredir para o passado... com o seu radicalismo e fundamentalismo inflamados... vivemos num tempo... em que o descontentamento, retirou de tal forma a necessária lucidez, tanto a dirigentes como dirigidos... e em que se elegem pequenos ditadores, como os novos salvadores, um pouco por todo o lado... vivemos num tempo impensável... se a racionalidade do mundo... não estivesse tão afectada, em tão alto grau, como está, a nível mundial...
    Inspiradas palavras, Pedro... que são mesmo um fiel retrato, dos conturbados tempos actuais, que se vão respirando por este mundo fora, na actualidade...
    Bjs
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO