>

1 de ago de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – A CASA ABANDONADA






A CASA ABANDONADA
- PEDRO LUSO DE CARVALHO



Festas e risos na casa,
inveja de muitos,
amor no seio da casa
duas almas guardadas,
tesouro vigiado.

Um dia Maria partiu
na madrugada fria,
como fazem os ladrões,
sem se importar com quem ficou.

Lá ficou João que amava Maria,
de Maria não mais falava,
na casa triste,
carente dos risos
e da voz doce que o encantava.

Grande demais era a casa
para João,
tão pequeno,
sem Maria.

Hoje, os que passam à noite
em frente da silenciosa casa,
ouvem gritos de dor
e uma voz a chamar:
Maria!  Maria!




*   *   *






39 comentários:

  1. UAU!!! Linda, tocante tua poesia! E a casa com essa cadeira de balanço vazia, fala muito! ADOREI! abraços, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. A vida como ela é amigo. Num relance a luz se apaga, o riso vira choro e o que era festa se transforma numa profunda solidão.
    Bela inspiração na dor da perda no frio da solidão.
    Uma boa semana.
    Abraços de paz

    ResponderExcluir
  3. Uma poesia bonita e reflexiva. A dor da saudade é gritante e sufocante...
    Boa semana. Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá...
      Agradeço a presença no Ciranda de Frases.
      Uma boa semana p vc e família.
      Abç

      Excluir
  4. Vuelvo porque perdí el comentario que estaba finalizando. Lamentaré que salga repetido. Bien, más o menos quise decir que encontraba muy bien definida la ausencia implacable de quien se hace más presente precisamente porque no está. Me gustó mucho el modo de contarlo.

    Un abrazo y feliz semana.

    ResponderExcluir
  5. Que poema mais emocionante!!! Vivenciei a dor do João, estou em lágrimas!
    Abraços afetuosos!

    ResponderExcluir
  6. Gostei do poema e a foto é inspiradora:)

    Boa semana:)

    ResponderExcluir
  7. Boa noite amigo!
    A dor da saudade vai matando lentamente!...
    Adorei esta maravilhosa poesia, especial.
    Beijo- Seja feliz:)

    ResponderExcluir
  8. Una preciosa poesía donde la tristeza se manifiesta por la soledad, cuando la casa ha sido habitada de amor de risas, y solamente queda una persona en ella.
    *Demasiado grande era la casa para Juan, tan pequeño sin María* Muy bonitas y expresivas son estas letras.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  9. Há ausências que magoam muito e deixam vazios na alma… Um poema de uma enorme e melancólica beleza, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Muita tristeza...quando meus pais se foram ,por força das circunstâncias, a casa
    da minha infância ficou fechada...há muita solidão e saudade, mas depois descobri
    que ela vivia como sempre no meu coração. à força aprendi que o passado não volta e temos que dar oportunidade para outros viverem também momentos tão bons.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Credo, Pedro! Antes morrer de amor do que ficar louco.
    Porém, acontece e conseguiu contar em tão pouco espaço.
    Dias plácidos e inspirados.
    Abraço, Amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  12. Olá Pedro,
    um lindo poema que encanta, sobre a dor provocada pela ausência, pelo abandono, pelo amor não correspondido
    a alma chora
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir
  13. Magnífico, Pedro, magnífico!
    “A Casa Abandonada” é um poema muito bem escrito e subtilmente doseado de emoção. Dos mais belos que já li aqui.
    Aplaudo a escolha da foto.
    Gostei MUITO!
    Abraço, poeta!

    ResponderExcluir
  14. ¡Una catástrofe para Joao!
    En verdad, amigo Pedro, para cualquiera cuya propia María lo abandona.

    Abrazo chileno.

    ResponderExcluir
  15. Un poema lleno de emoción.
    Muy triste el dolor de la ausencia.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  16. Siempre se busca el alma que dejó la casa, bonitas palabras,saludos.

    ResponderExcluir
  17. El dolor que describes no cuesta imaginarlo. Todos hemos vuelto a algún lugar donde aún resuenan los cantos y las risas que vivimos de niños. Y la visión de su deterioro y el conocer qué fue de sus dueños nos encoge el corazón.
    Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  18. Há perdas que são irreparáveis meu amigo.
    Um belo poema.
    Um abraço e continuação de boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  19. Triste poesia, mas bem retratada as causas de uma casa abandonada. Abçs amigo

    ResponderExcluir
  20. De nada sirve una casa cuando la soledad nos agobia, es muy triste.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  21. Gostei muito da relação poema com a imagem, super interessante!
    Uma casa dessas restaurada seria uma casa de sonho.
    Abraço

    Rui
    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  22. Que tristeza deja en el corazón la marcha de un ser querido.
    Destroza la vida de los que quedan.
    Bella la imagen.
    Un abrazo.
    Ambar

    ResponderExcluir
  23. Bom dia, Pedro,
    depois de tanta felicidade, convívio de anos, casa repleta de risos,
    filhos e vizinhos, tanto sol....
    E a morte lhes tira o seu alento, o seu colo, o seu ombro amigo. Sem chances de ficar só, restam os gritos de saudades...A imagem mostra bem o sofrimento do abandono. Abraço!

    ResponderExcluir
  24. Há espíritos que continuam a habitar as casas que abandonaram...
    Excelente poema, parabéns.
    Caro Pedro, um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Uma bela poesia, apesar da tristeza pela saudade que ficou
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  26. OI PEDRO!
    LINDO!
    A IMAGEM ABRILHANTOU TEU POEMA.
    ABRÇS \MIGO.
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  27. Hola Pedro. Mi ausencia se debe a que he estado un par de semanas de vacaciones. He estado en una playa del Mediterráneo. ya he vuelto y empiezo con mis cosas a ver si os puedo distraer un poco.
    Me ha gustado mucho el relato que haces de esa bonita casa abandonada.
    Un fuerte abrazo desde Madrid

    ResponderExcluir
  28. Pedro, gritos de um amor destruído... Grato pela atenção e presença...

    ResponderExcluir
  29. Boa Noite, amigo Pedro!

    "Grande demais era a casa
    para João,
    tão pequeno,
    sem Maria."

    Uns versos que só são compreendidos por quem passou por esta dor gigante que clama pelo Amor que não mais está. O Amor nos torna grandes...
    Muito lindo seu poema!
    Casa grande fica sem o aconhego da doce voz do amado (a).
    Tenha dias felizes e abençoados!
    Abraços fraternais de paz e bem

    ResponderExcluir
  30. Pedro
    Fiquei arrepiada
    com a historia e com
    o pensamento de passar ali
    em frente.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  31. Teu poema é tão belo quanto triste! Não sei a razão de tanta beleza em poemas tristes, talvez pela amargura e sensibilidade que despertam, pela solidariedade à qualquer Ser triste, magoado em seus sentimentos. E nada tão triste quanto o abandono. Um dos mais tocantes poemas lidos aqui.

    Um dia Maria partiu
    na madrugada fria,
    como fazem os ladrões,
    sem se importar com quem ficou.


    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  32. Cuando se ha ido de tu vida, el ser amado, la vida parece que pierde sentido.
    Todo en la casa, recuerda su presencia.
    Allí está el sillón , en donde se sentaba, esperando su regreso.

    Aquel libro de poesía, que skempre leía incansablemente.

    En los armarios, su ropa guardada celosamente, conservando el aroma de la fragancia, que siempre utilizó.

    Todo está como lo dejó, pero la casa se encuentra vacía y sin alma, desde que ella partió.

    Besos



    ResponderExcluir
  33. Tão doloroso, tão sentido e tão belo!
    As partidas despedaçam o coração de quem ama.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  34. Olá Pedro, passando pra deixar meu fraternal carinho pelo seu dia!

    Deixo o link da minha singela homenagem.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  35. https://afetocolorido.blogspot.com/2018/08/feliz-dia-dos-pais.html

    ResponderExcluir
  36. Tão veemente essa dor que se espalhou pela casa num silêncio sufocante pela ausência
    Tão belo e tão triste, Pedro
    Pedro o meu carinhoso abraço pelo seu dia. Que seja um dia de muitos sorrisos, muitos abraços e estrondoso em afetos

    ResponderExcluir
  37. Pedro, belíssimo poema! Parabéns! Gostei mesmo do: 'Grande demais era a casa para João, tão pequeno sem Maria." Andei meio afastado e estou retornando pouco a pouco. A minha posse será, tudo indica, em 20/09/18. Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO