>

14 de mai. de 2021

[Poesia] PEDRO LUSO – A Máscara

 

Iberê Camargo - Brasil  /  Fantasmagoria  - 1987



                                       A MÁSCARA

                    - Pedro Luso de Carvalho




Para que tanto riso,

se lá fora a noite é escura,

se os fantasmas assustam

incrédulos passantes ?

Para que tanto riso,

se não há pão na mesa,

se a fome é má conselheira,

se há tanto descaminho?

Para que tanto riso,

se há desesperança,

se estão fechadas as igrejas,

se há fiéis desconsolados?

Para que tanto riso,

se abriram-se os presídios,

se os bandidos estão cá fora,

se em casa estamos presos?

Para que tanto riso,

se não há mais governo,

se há tanta injustiça

se o barco está à deriva?

Para que tanto riso

se há o domínio do medo,

se atrás da áspera máscara

escondem-se nossos rostos?




____________________//_______________________





37 comentários:

  1. Realmente, perante esses fatos, para quê tanto riso?
    Gostei muito do poema a condizer com a fantasmagórica foto.
    .
    Feliz fim de semana …Abraço de amizade.
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderExcluir
  2. Linda e profunda e tudo, até nossos sorrisos estão escondidos.Resta sorrir com os olhos... abraços, lindo fds! chica ( Bem trazido e escolhido Iberê!)

    ResponderExcluir
  3. Um poema muito bonito! Amei:))
    -
    Neste sossego aonde me permito esperar ...
    -
    Beijos e um excelente fim de semana!

    ResponderExcluir
  4. ... E se fossero risate ansiose? Isteriche?
    Mi piace la tua poesia.
    Ciao Pedro buon weekend.
    enrico

    ResponderExcluir
  5. Achei fantástico esse teu poema, gosto muito da repetição "Para que tanto riso", dá grande força ao poema.
    Na verdade, não temos o porquê de tanta alegria través de inúmeros sorrisos. Falta-nos tudo, inclusive o interêsse pelo povo brasileiro, e um governo à altura do Brasil.
    Beijinho aqui do lado.

    ResponderExcluir
  6. Para que tanto riso,

    se não há pão na mesa?

    Boa noite de muita paz, amigo Pedro!
    Fico impressionada como pode também...
    Confirma que somos muito mais egoístas do que aparentamos.
    Tirando pelo meu Estado, a fome está matando, causando violência generalizada...
    Vi uma reportagem que mais me identifiquei na Pandemia inteira.
    O riso permanente nos corações é consequência de novo vírus explicado muito bem pelos psicólogos: positividade tóxica, Pedro.
    Sua poesia ressalta bem a reportagem que assisti há cerca de uns dois meses
    Muito bom ter lido aqui. Obrigada pela partilha
    Tenha um final de semana abençoado!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  7. Ilustração perfeita para sua inspiração Pedro. O tempo do nada, do vazio que implanta em nossos olhos, na angustia que invade nossos corações, na injustiça que desfila pelos tapetes coloridos onde a justiça deveria reinar soberana. Então se sorrimos deve ser de teimosos em crer numa esperança utópica de que algo vai mudar, nesta situação que nos encontramos, entregues aos sem escrúpulos e mínimo de decência.
    Compartilho deste grito amigo Pedro.
    Um bom fim de semana.
    Abraços amigo.

    ResponderExcluir
  8. Inutili risa, quando la situazione è rave e bisogna rimbocarsi le maniche per risolverla
    Buon fine settimana, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  9. La imagen habla por sí sola, seres fantasmales, vidas que hace tan solo unos años no se podrían concebir, penurias, pandemia, ¡sálvese quien pueda! Gobiernos sin escrúpulos.
    Letras de llanto, sonrisas perdidas e injusticias reinantes es tu bello poema un grito de desesperanza y falta de amor. Luchemos por un mundo mejor.
    Un abrazo y buen resto de semana desde el levante español.

    ResponderExcluir
  10. Es un gran poema y, además, refleja una realidad.
    Esperemos que pueda renacer la alegría.
    Te deseo un feliz fin de semana.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  11. Excelente poema, Pedro! Inexplicável esses risos todos que vemos por aí, parecem corpos sem alma, verdadeiros zumbis, sem emoção, sem razão e principalmente sem zelo pelo próximo. É o medo e a falta de medo, sempre a separar, mas sem resultados positivos para ambos lados, perdemos todos...os risos da dignidade.
    Adorei a leitura e reflexão, amigo, bom final de semana!

    ResponderExcluir
  12. Como diz um amigo, poeta como você, “chapeau”. De fato, parece que há muitos palhaços, rindo, indiferentes ao drama do povo brasileiro. O poema é de uma crueza, que nos comove. E a tela de Iberê Camargo é uma bela conjugação de vozes dos pampas.
    Cuide-se meu amigo. E não tire a máscara, a que você usa o protege. Bem, a dos governantes...
    Um abraço, meu amigo Pedro Luso!

    ResponderExcluir
  13. Algo habremos hecho mal y ahora estamjos paagando la consecuencia de nuestros actos.

    Besos

    ResponderExcluir
  14. a máscara sorri e ri, e até tapa a tristeza dos olhos, Pedro
    o coração aflige-se e chora
    abraço e bom domingo

    ResponderExcluir
  15. Pedro,
    Muitas vezes nos
    fazemos esta mesma
    pergunta e o silêncio
    é nossa resposta.
    Lindos versos.
    Bjins de domingo.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  16. Um belíssimo poema, Pedro. "Muito riso, pouco siso" diz o povo e tem razão. As situações do dia a dia, dão mais vontade de chorar do que de rir.
    Estou de volta depois de três dias de cama, com febre, dores no corpo todo, vómitos e inchaço nos pés e mãos. E como toda a gente me diz que o pior é a segunda dose, estou bem arranjada. Bom mas o que interessa é que hoje já estou bem.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderExcluir
  17. Olá Pedro!
    Que lindo poema e grandes verdades todas elas no virar de cada esquina, mas é o que temos para contar e o governo que temos...um beijinho e resto de um bom domingo.

    ResponderExcluir
  18. Un hermoso poema que refleja la realidad y la inconsciencia de tantos que todavía se permiten el no cumplir con las normas para evitar más riesgos.
    A pesar de todo, hay que sonreír a la esperanza.
    Un abrazo Pedro, y buena semana.

    ResponderExcluir
  19. Una imagen tétrica nos avanza el contenido de tu poema, que de una bella forma nos muestras lo que nos esta pasando.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  20. Parabéns pela inspiração, Pedro.
    Está um grande poema muito expressivo e sentido. Excelente, tanto no aspeto formal, como na mensagem que transmite.
    Continuemos a aguardar dias melhores. Abraço, poeta amigo.
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  21. Olá Pedro
    Tempos difíceis, doridos, sofridos
    Mas deixemos que o sorriso da esperança seja o adorno de nossas máscaras e não todas essas mazelas que nos agridem
    Uma poema extraordinário meu amigo
    Um abraço e uma feliz semana

    ResponderExcluir
  22. Onde não há justiça nem paz social não há motivo para risos. Um poema que chama a atenção para tanto desgoverno que aflige...
    Uma boa semana com muita saúde, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  23. Um poema profundo e sentido que retrata a dor, a angústia, a injustiça e o desespero do povo brasileiro.
    Tenha uma tranquila e boa semana
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  24. Olá, amigo Pedro!
    Um alerta muito oportuno, para a realidade que estamos a viver. Em que muitos fingem não ver. Ignorando a triste realidade em que estão mergulhados.

    Profundo e sentido poema.
    Abraço, e ótima semana!

    PS: Parabéns pelo bonito espaço!

    ResponderExcluir
  25. É verdade pra que riso
    Nesta triste pandemia?
    Se o vírus contagia
    Muito mais os sem juízo
    Como os que riem. É preciso
    Sorrir, não rir, pois eu vejo
    Que o riso corre em sobejo,
    Mas o sorriso é escasso.
    Sorriam! Sonhem com abraço
    E não percam esse desejo!

    Gostei do poema, amigo Pedro Luso! Muito riso, pouco siso! Dizia um ditado antigo. Precisamos de sorrisos que alegram nossas almas esvaziadas de sonhos por medo da pandemia. Parabéns! Grande abraço, amigo! Laerte.

    ResponderExcluir
  26. Querido amigo, nuestros rostros están ocultos pero no nuestra alma que sigue sufriendo.
    Siempre es agradable leerte y, aun que no se hacer poesía, me gusta mucho leerla cuando otros la hacen tan bien.
    Un fuerte abrazo

    ResponderExcluir
  27. Talvez que esse riso seja uma forma de disfarçar a infelicidade.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  28. Olá, amigo Pedro!
    Há risos que escondem a dor que sentem.
    E se escondem por traz dessa máscara.

    Excelente poema!

    Votos de uma excelente quarta feira!

    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  29. Oi Pedro! os tempos sombrios merecem a sua reflexão e de fato o riso agora parece escárnio.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde Pedro

    seu poema é uma pedrada no charco, é actual e verdadeiro, doí, estes tempos dolorosos e sombrios que atravessamos, você soube fazer um poema forte e sincero.
    também gostei muito da tela que fez suporte ao poema, bem escolhida e bastante bela.
    tenha dias abençoados junto de Taís com muita paz e saúde.
    Beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  31. Uma profunda reflexão do tempo pelo qual passamos com máscaras, mas que não embote nossos desejos e sonhos. Abraços.

    ResponderExcluir
  32. Bom dia, amigo Pedro!
    Passando por aqui, relendo este excelente poema. E desejar um Feliz fim de semana, com muita saúde!

    Abraço de amizade.

    ResponderExcluir
  33. Rir nem sempre parece fazer sentido com o que nos cerca. Mas é sempre melhor que chorar ou maldizer a sorte da vida...
    Um poema magnífico, gostei imenso.
    Bom fim de semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  34. La risa enmascarando la problemática del mundo, a veces quizás sea utilizada como un escape a tantas cosas que vivimos provocadas siempre por la falta de empatía, me ha gustado mucho tu poema
    Un abrazo carmen

    ResponderExcluir
  35. Meu amigo Pedro

    Considero este Poema um dos seus melhores, pela mordacidade e ironia com que faz a leitura de uma realidade que nos foge entre os dedos.

    A crítica ao "status quo" é elegante e subtil e vemo-nos enredados nessa "Máscara" de que fazemos parte e que, talvez, nos sirva de disfarce agora que somos obrigados a usar uma máscara física.

    Parabéns.

    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  36. Rir... para se enganar o medo... se não aos nossos olhos... aos olhos dos outros...
    Um formidável poema... que nos revela, o que está por trás da máscara... nós e nossos medos... numa realidade que nos ultrapassa... em dimensão e entendimento... mais tarde ou mais cedo...
    Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir
  37. Don Pedro:
    precisamente por eso, ante tanta desgracia, un buen "riso" hace bien.
    Abraços.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho