>

30 de jan. de 2022

[Poesia] O VIOLÃO – Pedro Luso de Carvalho

 



O  VIOLÃO

Pedro Luso de Carvalho



O violão ficou mudo,

ali no canto da sala,

com as dores deste mundo.

Cala-se o pinho, o aço cala.


Aonde andará agora,

nesta noite enluarada,

já tão próximo da aurora,

quase finda a madrugada.


Onde está, violonista,

exatamente nesta hora,

estará longe da vista,

aonde andará agora?


Violão e violonista,

que um acaso separou

aquela antiga conquista,

ferida que não curou.


Serão adiante lembrados,

com elevada emoção?

Será que foram amados,

violonista e violão?





____________//____________






31 comentários:

  1. Um belo poema que parece uma musica Pedro.
    Quando não mais se ouvem os acordes do pinho,
    que tornavam as noites mais românticas.
    O amor se perdeu ou foram as cordas da amarra de dois corações, que
    se arrebentaram na fragilidade da relação?
    Bonito trabalho da poesia amigo.
    Uma feliz semana com paz e harmonia com poesia.
    Abraços amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo estimulante comentário, amigo Toninho.
      Grande abraço, poeta;

      Excluir
  2. Uno strumento delizioso, che accompagna in tutti i momenti di gran malinconia...
    Versi belli, buona settimana, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Um violino e um violão são quase sempre garantia de tempo bem passado.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  4. Lindos questionamentos em poesia tão legal pensando nos dois que separados estão:violonista e violão! abraços, linda semana! chica

    ResponderExcluir
  5. O violão parado. Onde anda o violinista? Espero que lhe passe a mágoa de ausências indesejadas. Espero que ande a encontrar inspiração para novas e bonitas músicas...
    Uma boa semana com muita saúde, meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Belissimo poema, amigo Pedro.
    Onde está bem patente, a realidade dos nossos tempos.

    Votos de uma excelente semana, com muita saúde!

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. el lenguaje de la música, lo entiende todo el mundo y es lo que puede hermanar más, a pueblos y naciones.

    Besos

    ResponderExcluir
  8. O poema fez lembrar imediatamente de Cartola, este compositor e poeta admirável como você, meu caro Pedro. Em especial o Cartola de Cordas de aço:
    Ai, essas cordas de aço
    Este minúsculo braço
    Do violão que os dedos meus acariciam
    Ah, este bojo perfeito
    Que trago junto ao meu peito
    Só você violão...
    (...)
    Gostei muito do seu poema, meu caro amigo!
    Cuide-se, meu amigo!
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  9. Una belleza de poema.
    Y una hermosa nostalgia.
    Muy bonito.
    Feliz semana.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito. muito deste poema!! :))
    -
    Recordar...é viver na saudade 💖

    Beijos, e uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  11. Caro Pedro,
    O violão é um instrumento derivado do alaúde árabe. O primeiro exemplar desse instrumento, recebeu uma forma abaloada, diferente da conhecida hoje, sendo esculpido a partir de trabalho realizado com as mãos, em madeira de alfarrobeira, há cerca de (2.000 anos a.C.), na antiga “Babilônia”. Após, foi levado pelos muçulmano para a “Península Ibérica” e depois, se espalhou pelo Mundo, sendo dedilhado por músicos extraordinários, que deram notoriedade a este belo instrumento de cordas.
    É sempre bom ler o amigo.

    Deixo o link da minha página de frases para que possa visitar:

    https://frases-dougblog.blogspot.com

    Abraços e boa semana!!!

    ResponderExcluir
  12. Hermoso poema a guitarra y guitarrista. Gracias por este homenaje tan bonito Pedro. Te dejo un abrazo desde Uruguay con cariño.

    ResponderExcluir
  13. Gosto do poema, e da foto.
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  14. Nem fala Pedro!
    Pois tenho filho musico
    e quando ele viaja a
    cada fica vazia e extamente
    no canto da sala, ficam seus
    violões mudos.
    Seu texto é uma linda
    letra de música.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  15. Gostei imenso do poema , com tanta sensibilidade , muito bem ilustrado com uma bela foto.

    Gosto muito de instrumentos de cordas. Lamentavelmente não sei tocar nenhum ...nem de cordas nem nenhum outro.

    Meu abraço lhe deixo um abraço com voto de excelente Fevereiro :)

    ResponderExcluir
  16. E como eu adoro ouvir tocar violão.
    Belíssimo poema
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  17. Buena pregunta sobre dos compañeros de vida. ¿Quién de los dos fue más amado? ¿La guitarra? ¿El guitarrista?
    No sabemos.
    Pero sí que, unidos, ambos fueron felices.

    Con mis buenos deseos, Pedro.

    ResponderExcluir
  18. Un bello poema que musicado bien se puede acompañar con una guitarra.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  19. LINDA LEMBRANÇA! A RELAÇÃO ENTRE O VIOLÃO E O SEU COMPANHEIRO É UM CASO DE AMOR ETERNO... UMA AMIZADE SINCERA A QUEM TUDO SE PERDOA. UM FICA PERDIDO SEM O OUTRO...
    UM ABRAÇO

    ResponderExcluir
  20. Violão e violonista!
    Cordas que não tangem e alma que não se eleva
    pelo prazer que a música traz à vida.
    Belo poema, caro Pedro, que a sua sensibilidade
    poética lhe ditou.
    Assim como não quer a coisa, devo dizer-lhe que
    o meu violão queda-se num canto da minha sala.
    Eu olho para ele, ele olha para mim. Ambos à espera
    do momento seguinte que não chega...

    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  21. Olá, amigo Pedro,
    Passando por aqui, relendo este excelente poema que muito apreciei, e desejar um Feliz fim de semana, com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Precioso Poema Pedro, donde se refleja esa relación de guitarra y guitarrista, dos compañeros que cantan alegrías y penas. Seguramente ahora en estos años de dolor para tanta gente, esas cuerdas están silenciosas.
    Un gusto la lectura Pedro.
    Un abrazo y buena semana.

    ResponderExcluir
  23. Quando o amor é verdadeiro, neste caso pela música, o encontro mais tarde ou mais cedo vai acontecer.
    Adorei este seus versos melodiosos amigo Pedro.

    UM beijinho, feliz semana!

    ResponderExcluir
  24. Olá, Pedro! Que emoção ler este lindo poema! Acredito que por vezes as cordas se calam mesmo. Costumo chamar de "tempo do silêncio". As músicas também se fazem no silêncio. No tempo certo retornam, e chegam ainda melhores que antes. Tenho para mim que a música quando toca a alma, jamais é esquecida. Sempre haverá amor para o violão e o violonista!!

    Boa semana, meu caro!
    Gratíssima por tua visita!

    ResponderExcluir
  25. Con motivo de esta situación incierta y triste que llevamos viviendo, se avecina un tiempo de descanso, de silencio, hasta las esperanzas se han congelado, pero llegará el día, en que esas cuerdas vibren y lancen sonidos de alegría al viento.
    ¡Precioso poema!
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  26. Cuando el amor es real, verdadero, no hay mejor guitarrista para esas cuerdas de guitarra.
    Las ausencias también existen, esperemos su amanecer.
    Precioso y reflexivo poema Pedro.
    Feliz día. Un abrazo

    ResponderExcluir
  27. Um poema bem urdido repleto de nostalgia entre violinista e violão.
    Mas, sabe, eu acho que sim, que ambos foram amados.
    Gostei bastante.
    Deixo votos de boa semana com saúde e em paz.
    Um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  28. Nos tempos actuais até o som destes instrumentos se consegue reproduzir sem instrumentos... mas não é a mesma coisa! Enfim... vivemos temos que parecem devorar a alma e a essência de tudo... com uma qualquer simulação...
    Certamente os instrumentos terão sido muito amados, por quem aprendeu a tocá-los e não só a saber fazerem-se ouvir... mas a fazerem-se sentir...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  29. Se há amor envolvido em algum momento estarão juntos, Gostei muito do poema e da musicalidade por ele apresentada. Bom domingo.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho