>

24 de jul. de 2022

[Crônica] NOSSO DOMINGO NA REDENÇÃO – Pedro Luso de Carvalho

 

Parque da Redenção - Porto Alegre / RS - Brasil -  ( foto aérea DHRONIX )  



NOSSO DOMINGO NA REDENÇÃO

            - Pedro Luso de Carvalho



Finalmente, chegou o domingo. O sol entrou pela vidraça e clareou a mesa, onde estávamos tomando café. Uma observação: aqui em casa dizemos simplesmente café para a nossa primeira refeição, que não é tão simples assim. É possível que aqui em Porto Alegre essa refeição também seja chamada de café.

Quando terminamos o café já estávamos prontos para ganhar a rua ensolarada, já perto das 10 horas. Ficamos um pouco eufóricos em meio às pessoas que enchiam as calçadas.

Nossa Senhora – disse a Taís – nós parecemos duas crianças saindo de casa para brincar!

Isso tinha um pouco de verdade, e pode ser explicado pelo fato de termos ficado presos em casa por uma semana, devido à chuva incessante e ao frio intenso.

Quando estávamos bem perto do Parque da Redenção, banhado pelo sol, vimos com alegria a rua José Bonifácio cheia de gente alegre e sorridente.

Todo o mundo reunido ali no famoso Brique da Redenção, pessoas que passeavam acompanhadas, outras sozinhas sem estarem solitárias, e, em meio a tanta gente, também passeavam com os seus donos, cães de várias raças ou sem raça definida, e de todos os tamanhos, levados como importantes membros de suas famílias.

Não preciso dizer que a nossa manhã se estendeu para além do meio-dia, e somente retornamos à casa quando o sol despedia-se de nós com as cores do crepúsculo no horizonte ainda tão perto de todos, que também se despediam dele e do Parque da Redenção, que nos aqueceu o corpo e a alma nesse domingo.




__________________________//_________________________





29 comentários:

  1. Olá, amigo Pedro!
    Um dia assim é para aproveitar até o último pedacinho dele que nos seja permitido.
    Como precisamos de dias ensolarados a fim de derreterem preocupação e tensão pelo mundo caótico que nos apresenta tentando nos desestabilizar.
    Muito bonita sua crônica.
    É, realmente, redentora, uma manhã ensolarada que se estende pela tarde afora.
    Lembrei-me da manhã da Ressurreição...
    Tenha uma nova semana abençoada!
    Abraços fraternos de paz

    ResponderExcluir
  2. Festejámos em família o aniversário do meu sogro.
    Fechados em minha casa.
    Quase criminosos aos olhos destes loucos que governam Macau.
    Abraço, boa semana

    ResponderExcluir
  3. Foi mesmo um lindo domingo e nós também estávamos no Parque da Redenção, Brique, etc... abraços, chica

    ResponderExcluir
  4. Para quem do lado de cá imagina um Brasil sempre quente e solarengo, perceber que há zonas que têm estações mais definidas é interessante.
    Bom dia
    Boa semana

    ResponderExcluir
  5. Um bom passeio para apanhar sol e refrescar as ideias faz sempre tão bem.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Olá, amigo Pedro,
    Não há nada mais interessante e gracioso, que desfrutar do sol da manhã.

    Gostei muito desta crónica.
    Votos de uma excelente semana, com muita saúde!
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Has pasado un domingo muy bueno y lo has sabido disfrutar. Ha hecho un buen día para disfrutarlo, tanto es malo pasar excesivo frío, como excesiva calor y esa excesiva calor, es el punto en que no encontramos en uno de los veranos más riguroso de nuestra historia.
    Besos.

    ResponderExcluir
  8. Um belo e bem passado domingo.
    Um parque com água é uma bênção.
    Boa semana, caro Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Pela sua crónica foi um domingo fantástico em que o sol aqueceu o corpo e deu alegria à alma. Como é tão bom passear em dias soalheiros.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Maravilha, crônica tão verdadeira e cheia de sensibilidade. Sim, parecíamos 2 crianças que saem para rua com toda a sua ingenuidade e sensibilidade para brincar ao sol. Só faltava bola, corda para pular... E é assim que vemos como ficamos felizes com tão pouco! Pouco?? Não, é muito; alegria e saúde nos tempos atuais é o maior presente que temos, até podemos dizer que somos sobreviventes dessa tragédia que se chama pandemia. Quero é isso para nós e para todos, sol, gente alegre, um parque para extravasar toda essa alegria que temos dentro de nós.
    Adorei demais essa bela crônica!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  11. Um domingo no parque para gritar liberdade é tudo de bom e lindo mestre.
    A gente precisa ver o Sol, o luar e o entardecer dourado, tudo como uma nova carga de nossas baterias para enfrentar a semana.
    Abraços e feliz semana com temperatura agradável.

    ResponderExcluir
  12. Olá, amigo Pedro,
    Passando por aqui, agradecendo a visita e gentil comentário no meu cantinho, e desejar a continuação de ótima semana com muita saúde.

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Muy bella crónica. Me emociono. Te mando un beso.

    ResponderExcluir
  14. Anônimo06:23

    É sempre bom um passeio para apanhar sol e refrescar as ideias
    Deu para perceber que foi um domingo cheio de boa energia.
    É bom quando assim acontece.
    Brisas doces **

    ResponderExcluir
  15. Uma verdadeira Redenção! são dias perfeitos que acabam sendo dádivas!
    Felicidades!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  16. Pedro,
    Que dia maravilhoso esse que
    nos descreve!
    Por aqui tivemos 8 dias de
    ferias em companhia de
    amigos que vieram a Pasargada.
    Foi maravilhoso como foi
    ler seu texto.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  17. Cuando realmente nos encontramos a gusto, en grata compañía y además el día acompaña pocas ganas, tenemos de regresar a casa, esos días, a simple vista, suelen ser los mejores improvisados y sin planificación alguna.
    Encantado de leerte amigo Pedro.
    Un gran abrazo y te deseo un buen fin de semana.

    ResponderExcluir
  18. Olá, Pedro!
    Que dia maravilhoso nos descreve, como é bom passar um domingo no parque, desfrutar de um belo dia de sol!

    A você e família, desejos de um feliz final de semana.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  19. Magnífica Crónica de um Dia de Verão ( ou a imitar bem)! Percebo a alegria a extravasar quando se é confinado pela chuva, no tempo dela...
    Hajam mais e novos dias assim.


    Abraço
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  20. Aqui na Bahia, o desjejum também costuma ser chamado simplesmente de: café. Um convidativo dia ensolarado de domingo, pede mesmo ser bem aproveitado.

    Um abraço. Tudo de bom.
    APON NA ARTE DA VIDA 💗 Textos para sentir e pensar & Nossos Vídeos no Youtube.

    ResponderExcluir
  21. um dia em beleza, fico a "invejar" tão saborosa identificação com tua cidade

    grsnde snrsço, POeta

    ResponderExcluir
  22. É bom guardar em nós essa capacidade de alegria das crianças ...

    Dias assim, alegres e com tanta coisa agradável, devemos vivê-los até ao último instante. Que tenham muitos mais.

    Em Portugal também se diz : café ou pequeno-almoço.

    Abraço , Pedro, bom domingo para vós.

    ResponderExcluir
  23. Há muito que aqui não vinha
    Pedro Luso de Carvalho,
    Desculpe o meu ato falho.
    Deu-se por culpa da minha
    Ocupação, já mesquinha,
    Por dedicar-me a um só tema
    E distante de ser poema
    Que gosto, mas eram balanços,
    Balancetes e outros tantos
    Relatórios nesse tema.

    Larguei a tesouraria
    Da Diretoria antiga
    E à nova, eu mitigaria
    A sede do estar em dia
    Com as contas da Academia
    Minha prova via escrita
    Do "guarda-paper" que imita
    Um formado Contador
    E pus a ela a dispor
    Mensagem quase infinita.

    Despido da incumbência,
    Já me sinto livre e solto
    Como se estivesse envolto
    De liberdade, em essência.
    Pois bem, falei da ausência,
    Falemos da Redênção
    Não minha, a do teu Rincão,
    Da nossa pátria emprestada
    Que nos acolheu e em cada
    Um de nós, há a gratidão

    Ao Porto Alegre dos casais,
    Não apenas dos Açores,
    Também nosso e dos amores
    Que encontramos nesse cais
    De atracação, e jamais
    O esqueceremos, um dia,
    Com a embarcação em via
    Em rumo certo -a nau tua
    Que, carregada, flutua
    Ou a minha: afundou, vazia.

    Estimado amigo, como é bom vir aqui e matar um pouco das saudades de nosso dias antigos cheios de vida e loucuras. Tudo passa e o que se tem são recordações de quem nos deu amor e alegria. E viva a vida que se leva por não se levar nada dela. Abraços. Laerte.

    ResponderExcluir
  24. Nos dices que llamáis al desayuno tomar un café, decirte que aquí antes cuando alguien venia a tu casa se le agasajaba con un "trozo de pan" al que se le solía acompañar con embutidos y queso entre otras cosas.
    Nos dices que no pudisteis salir de casa durante unos días por la lluvia aquí fue por el calor.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  25. Momentos encantadores você descreveu, Pedro. O prazer de poder sair, dar uma volta, observar... tudo isso é vida. Instantes que guardamos com carinho. Abraço.

    ResponderExcluir
  26. Uma zona maravilhosa! Grata pela partilha de momentos tão agradáveis, Pedro!
    Vocês aí com chuva em excesso, e aqui pela Europa, muitos países, inclusive o nosso com falta dela... o nosso rio Tejo em determinados pontos do seu curso, já se tornou num riacho de atravessar a pé! E está de novo todo o nosso território em alerta máximo de incêndios, por estes dias!
    As alterações climáticas, já deixaram de ser um problema das gerações futuras... tornaram-se um problema bem actual!...
    Um beijinho! Continuação de bons momentos, por aí! Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
  27. boa tarde Pedro.
    uma crónica bela e leve.
    oxalá todos os domingos fossem assim.
    gostei de ler.
    beijo
    :)

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho