>

28 de dez. de 2020

[Poesia] CESÁRIO VERDE - De tarde

 



                     - Pedro Luso de Carvalho

José Joaquim Cesário Verde nasceu a 25 de fevereiro de 1855, na capital de Portugal, Lisboa. Muito cedo começou a trabalhar na loja de ferragens da família (seu pai era comerciante e lavoreiro).

Supõe-se que Cesário Verde era autodidata, já que não se tem conhecimento de sua formação escolar. Depois de ter completado 18 anos, passou a escrever para diversos jornais e revistas.

A influência do parnasianismo e do realismo é uma característica de sua poesia. E isso não é difícil de ser constatado em razão da escolha dos temas, que são extraídos do cotidiano da vida portuguesa. Resulta, daí, uma poesia de inconteste originalidade. "Ele criou, em Portugal, a poesia do concreto, do vulgar ou do quotidiano" - afirma João Gaspar Simões. - "A sua descoberta mais evidente consistiu em valorizar poeticamente a linguagem por que se designam as coisas concretas".

Silva Pinto, amigo fraterno do poeta, reuniu-lhe as produções dispersas, menos algumas condenadas pelo autor, e foram publicadas postumamente, em 1887, com o título de O livro de Cesário Verde.

Cesário Verde faleceu a 18 de julho de 1886, com apenas 31 anos, em Lisboa, cidade em que nasceu e da qual se tornou o seu grande cantor, em versos de grande objetividade descritiva.

        Obra: O livro de Cesário Verde, Lisboa, 1887 - publicada postumamente.

   O poema de Cesário Verde, que segue, com o título 'De tarde', confirma o que acima foi dito sobre sua poesia (LINS, Álvaro. BUARQUE DE HOLLANDA, Aurélio. Roteiro Literário de Portugal e do Brasil. Vol. I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966, p. 279, 282-283):




DE TARDE

                              - Cesário Verde




Naquele piquenique de burguesas,

Houve uma coisa simplesmente bela,

E que, sem ter história nem grandezas,

Em todo o caso dava uma aquarela.



Foi quando tu, descendo do burrico,

Foste colher, sem imposturas tolas,

 A um granzoal azul de grão-de-bico

    Um ramalhete rubro de papoulas.



Pouco depois, em cima duns penhascos,

Nós acampamos, inda o sol se via;

E houve talhadas de melão, damascos,

E pão-de-ló molhado em malvasia.



Mas, todo púrpuro, a sair da renda

Dos teus dois seios como duas rolas,

Era o supremo encanto da merenda

O ramalhete rubro das papoulas!




____________________//___________________






29 comentários:

  1. Muito bom. Adorei a publicação bem como, o poema!! :))
    .
    Nesta época, de amargo, e doce sentimento
    .
    Beijo. Abraço, e continuação de Boas Festas, com muita saúde.

    ResponderExcluir
  2. Gostei de ler. Estudámos Cesário verde há três anos na Universidade Sénior.
    Abraço, saúde e boa semana

    ResponderExcluir
  3. Linda poesia e gosto de ler as biografias!Interessante sempre conhecer!abraços, FELIZ 2021e tuuuuuuuudo de bom pra vocês! chica

    ResponderExcluir
  4. É prazeroso conhecer a biografia do poeta antes de degustar a excepcionalidade do belo versar. Eu não conhecia o poeta mas fiquei encantada com a sua melodiosa poesia
    Um abraço amigo Pedro

    ResponderExcluir
  5. O poeta que gostava de deambular e observar.
    À medida que caminhava, tudo observava. Sozinho ou acompanhado, registrava tudo.
    Se acompanhado, repartia o olhar entre o que via e com quem o acompanhava...
    Bela partilha, meu caro poeta!

    ResponderExcluir
  6. Un autore molto interessante, di cui ho letto molto volentieri, gli intensi e notevoli versi.
    Auguri per un sereno 2021, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  7. Um grande poeta. Um poema maravilhoso de ler...
    .
    Cumprimentos poéticos

    ResponderExcluir
  8. Um grande poeta... e uma publicação que me fez viajar no tempo... pois alguns dos seus trabalhos, eram dissecados ao pormenor, no ensino secundário...
    Belíssima partilha, Pedro!
    Estimo que tenham passado um Natal, o mais feliz possível, dadas as limitações destes tempos que atravessamos!...
    Deixo um beijinho, e os meus votos de um 2021, incomparavelmente melhor, para si e todos os seus!
    Tudo de bom! Continuação de Boas Festas, para todos!
    Ana

    ResponderExcluir
  9. Oi, Pedro, que bom conhecer um poema tão belo! ao ler o poema visualizei a cena com se fosse um quadro...quase pintei em minha mente.
    Obrigada! Um ANO NOVO com saúde , paz e amor para você e toda sua família.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  10. Não me lembro dele, Pedro rss. Sua objetividade descritiva, conforme mencionou, é clara no poema que escolheu e que me encantou. Uma pintura, já que nos permite visualizar o que está sendo versado. Seu blog é muito rico, meu amigo.
    Pedro, desejo que você, Tais, os filhos, vivam um ano muito, muito feliz. Um ano de luz que apague todas as sombras que têm coberto o mundo. Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Caro Pedro,
    Bela lembrança deste taciturno poeta lisboeta, que alguns historiadores relatam sobre sua vida acadêmica, que ele teria frequentado aos 18 anos, o “Curso Superior de Letras” (mas, por apenas alguns meses), entre os anos (1873–1874).
    “José Joaquim Cesário Verde”, escrevia com melancolia e beleza, como nestes versos, tão atuais ao momento que passamos no Mundo.

    “Nas nossas ruas, ao anoitecer,
    Há tal soturnidade, há tal melancolia,
    Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
    Despertam-me um desejo absurdo de sofrer!”

    Um abraço e que (2021), nos traga mais que paz... Nos traga saúde!!!

    ResponderExcluir
  12. Um lindo poema, Pedro,os versos são leves e automaticamente nos transportam para a cena, adorei!
    Difícil imaginar essa cena nos dias atuais, independente de pandemia. Imagino que o romantismo permeava a cabeça dos jovens em tempos passados onde havia muita proibição. Mais um poeta a morrer jovem, viva as vacinas, viva a Ciência!
    Abraço e Feliz ano novo para vocês, com muita saúde e afeto!

    ResponderExcluir
  13. Un bello poema.
    Qué pena se fuese tan joven!!.
    Muchas gracias por estas biografías tan interesantes.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  14. Stupenda poesia per la soavità dei versi, descritti con una grazia con cui si rimane incantati, forse era innamorato della donzella. Spiace che un altro poeta abbia avuto vita breve, sicuramente non esistevano le cure che ci sono oggi. Un abbraccio ed un augurio di buon anno amico Pedro. sperando in un anno migliore di questo 2020.

    ResponderExcluir
  15. Os " piqueniques das burguesas " pouco importavam, perante a beleza natural do quotidiano das gentes simples; daria, sim, uma bela aquarela, não só a vista que teve o autor de cima do penhasco onde estivera, mas também, quando qualquer um de nós, tem a capacidade de parar para observar os pequenos pormenores do quotidiano das pessoas, as pequenas maravilhas da natureza, os pequenos gestos que , se quisermos, podemos manifestar em prol do outro. E, aproveitando este belo poema de Cesário Verde, quero deixar aqui o meu abraço e os votos de que tenham SAÚDE neste novo ano para poderem viver o dia a dia com alegria, abraçando, saudando, afagando todos os que vos rodeiam; estamos todos carentes de afectos, carentes de um quotidiano sereno, sem medo de passear pelos parques floridos, sem receio de visitar o vizinho, enfim....carentes de um dia a dia com aquela liberdade que tão bem nos faz, a liberdade de manifestar o que de melhor há em nós, os afectos. Isso, Pedro, é o melhor que vos posso desejar, a ti, Taís e filhos...que em 2021 a SAÚDE se mantenha para assim continuarem a ter uma vida com essência, com carinho, com muitos momentos felizes. Um beijinho, querido Amigo e obrigada pela tua amizade
    Emilia 🙏 🌈

    ResponderExcluir

  16. Olá Pedro, espero que você tenha um lindo final de ano e um excelente 2021.
    Divirta-se e que a arte e a poesia sejam um refúgio da realidade que às vezes arrasta
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  17. 🕊️Um novo ano vai começar, lembre-se de sonhar para que você continue a ter motivos para ser feliz.🕊️

    Feliz 2021, amigo Pedro!
    Abraços fraternos de gratidão
    Obrigada por mais um escritor em pauta.
    😘🏡🙏🙌

    ResponderExcluir
  18. Sorrisos...
    As papoilas das searas são lindas e vistosas, mas fenecem em pouco tempo... Sorrisos...
    Escollheu bem o poema que caracteriza bem o estilo peculiar deste poeta, sempre com nuances bucólicas e admirador da ruralidade.

    ANO NOVO BOM E FELIZ.

    O meu abraço, amigo Pedro.
    ~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  19. Hoje passo para lhe desejar um 2021 tão pacifico como um bebé, tão luminoso como o sorriso de uma criança. Que a saúde e a normalidade voltem à nossa vida, como a Primavera regressa após cada Inverno. Feliz 2021
    Abraço e saúde

    ResponderExcluir
  20. ¡Lástima que muriese tan pronto! Pese a no conocer su obra, después de leer este poema, sé que ha dejado profunda huella.
    Deseo que tengas una feliz salida y entrada de año.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  21. A obra de Cesário Verde é toda muito descritiva, e neste poema em particular verifica-se o gosto de Cesário pela mulher simples que não se dá a luxos e que, tal como ele, gosta da natureza e do campo.
    Obrigada por ter partilhado esta leveza.
    Feliz 2021 amigo Pedro, com saúde e paz e saibamos sempre apreciar a beleza da vida.

    beijinho

    ResponderExcluir
  22. Olá, querido amigo Pedro!
    Para redimir-me de 7 meses de ausência fiz questão que fosse ao teu encantador cantinho poético a minha primeira visita de 2021.
    (não fiz contas, foi um passarinho que cantou no meu ouvido...)
    Conheço mal a obra de Cesário Verde. Falha minha, eu sei, mas gostei de o ver/ler aqui.
    Beijo, FELIZ ANO NOVO.

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde, Pedro!
    Um Feliz Ano novo recheado de alegria!
    Um abracinho!
    🎀Megy Maia🎀

    ResponderExcluir
  24. La poesía de lo cotidiano no es fácil, luce mucho más cantarle a las hadas y unicornios o al poderoso Thor de la Mitología nórdica.
    Por eso, cuando alguien es capaz de hacer lírica del simple acto de bajarse de un burro y adentrarse en un campo, chapeau, hay que descubrirse.

    Con mis mejores deseos de un Feliz Año 2021, amigo Pedro.
    Que nos haga olvidar el pasado, devolviéndonos todo lo bueno que se llevó.

    ResponderExcluir
  25. Boa tarde, Pedro, gosto de ler suas postagens sobre os grandes nomes da Literatura. Hoje nos premia com o autor do Realismo sem ficção.Percebe-se a beleza real nos versos de Cesário Verde. O poema "De tarde" nos descreve perfeitamente o piquenique, todas as ações e acontecimentos são descritos em seus versos de uma maneira, que mais nos parece ver uma bela pintura.Excelente sua postagem. Desejo a você e Tais um Ano Novo repleto de bênçãos, abraço!


    ResponderExcluir
  26. Um poema fantástico de Cesário Verde, o poeta que nos dá as palavras como num filme... Adorei encontrá-lo aqui.
    Um ano de 2021 com saúde, amor, esperança e paz, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  27. Um grande poeta e aproveito para desejar ao meu amigo um Excelente Ano de 2021.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  28. Comovida e grata por encontrar aqui o grande Cesário, lhe deixo o meu abraço com votos de excelente 2021, meu caro Pedro!

    ResponderExcluir
  29. Boa noite Pedro,
    Uma emoção ver aqui esta homenagem ao grande Poeta de Língua Portuguesa Cesário Verde, que em tempos fazia parte dos manuais escolares.
    Gostei imenso do poema que partilhou que não conhecia.
    Obrigada, Pedro!
    Desejo-lhe e a sua Família Feliz 2021, com muita saúde.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho