>

4 de dez. de 2020

[Poesia] CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE – Amar


 


                      - Pedro Luso de Carvalho

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE nasceu em Itabira, Minas Gerais, a 31 de outubro de 1902. Como integrante do grupo belo-horizontino, participou do movimento literário modernista. Com seus companheiros de geração, editou A Revista, nos anos de 1925-1926.

Como jornalista, desempenhou importantes cargos nos jornais Diário de Minas, Minas Gerais, entre outros. Escreveu crônicas, nos anos de 1954 a 1968, para o Jornal carioca, Correio da Manhã, com o título geral de “Imagens”. Depois passou para o Jornal do Brasil, onde manteve uma coluna no Caderno B.

Funcionário público, exerceu funções no Governo de Minas Gerais; depois, no Rio de Janeiro, foi chefe do gabinete do Ministro da Educação, Gustavo Capanema, de quem era amigo. Integrou a equipe do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Aposentou-se após 35 anos de serviço.

Drummond, que definiu a si próprio como o poeta que se encontrava em busca do “sentimento do mundo”, faleceu no Rio de Janeiro no dia 17 de agosto de 1987, aos 85 anos (incompletos). Legou-nos uma obra poética e literária de inestimável valor.

Segue, de Carlos Drummond de Andrade, o poema Amar - In, Claro Enigma/Carlos Drummond de Andrade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Record, 1991, p 49-50.



A M A R  

- Carlos Drummond de Andrade 



Que pode uma criatura senão,

entre criaturas, amar?

Amar e esquecer,

amar e malamar,

amar, desamar, amar?

Sempre, e até de olhos vidrados, amar?



Que pode, pergunto, o ser amoroso,

sozinho, em rotação universal, senão

rodar também, e amar?

Amar o que o mar traz à praia,

o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,

é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?



Amar solenemente as palmas do deserto,

o que é entrega ou adoração expectante,

e amar o inóspito, o áspero,

um vaso sem flor, um chão de ferro,

e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.



Este o nosso destino: amor sem conta,

distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,

doação ilimitada a uma completa ingratidão,

e na concha vazia do amor a procura medrosa,

paciente, de mais e mais amor.



Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa

amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.









27 comentários:

  1. Boa tarde Pedro,
    Carlos Drummond de Andrade um grande vulto da cultura brasileira.
    Adorei o poema que partilhou.
    Um beijinho e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  2. Um poeta exemplar que deixou fascinante obra poética sem dúvida alguma

    Feliz fim de semana

    ResponderExcluir
  3. Ele é maravilhoso,Pedro e tu escolheste uma poesia linda! abração, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Amamos Drummond de Andrade na sua poesia e na tocante recitação de Marília Pera.

    Obrigada, Pedro.

    Beijinho e Saúde!

    ResponderExcluir
  5. Buena muestra de su poesía y un resumen muy bueno de la actividad de ese escritor.

    Besos

    ResponderExcluir
  6. Este é o Drummond em sua bela síntese e escolha de poesia.
    Nosso representante da turma da Semana nos anos 20 e fomos agraciados com belas poesias ao longo de sua vida com belos livros. Drummond tinha um olhar à frente do tempo.
    Bom ver o conterrâneo nesta sua série bem elaborada.
    Grato Pedro e bom fim de semana com os cuidados amigo.
    Meu abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  7. Que poema maravilhoso, meu amigo! E a narração só acrescenta à toda força que ele tem.
    O amor é o lado doce e inebriante que embala nosso viver, mesmo sendo muitas vezes miragem.
    Obrigada pela partilha, abraço e bom final de semana!

    ResponderExcluir
  8. Pedro,
    Amo Drummond sempre.
    Adorei ler mais essa
    bela publicação.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  9. Numa breve passagem - com mensagem colada - a fim de poder chegar a todos. Desejando que todos se encontrem bem de saúde. Obrigada a todos por não me terem “abandonado” Voltando, conforme o tempo me permitir. :)
    --
    “ Liberdade hipócrita ”
    -
    Beijo e um excelente Fim de Semana;-Prolongado.

    ResponderExcluir
  10. Drummond o gênio da literária encantando com suas maravilhosas pérolas
    Um abraço amigo Pedro

    ResponderExcluir
  11. No lo conocía y me ha encantado su poema.
    Un placer lo hayas compartido.
    Te deseo un feliz fin de semana.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde de paz, amigo Pedro!
    Amo o poema amar do Drummond.
    Muito boa sua biografia e a declmação da Marília é fenomenal.
    Tenha saúde em todos os níveis do seu ser!
    Abraços fraternos de paz e bem

    ResponderExcluir
  13. IMPRESSIONANTE bela esta postagem, que vejo como uma homenagem a esse grande poeta.
    Amo seus versos que fizeram parte desde minha adolescência até hoje...
    Pedro obrigada pela partilha. desculpe a ausência das visitas...
    grande abraço, fique bem com saúde sempre
    Léah














    ResponderExcluir
  14. Boa tarde, Pedro,
    confesso que suas escolhas são fenomenais,e agora nos acrescenta o grande Carlos Drummond de Andrade, um exemplo de belos escritos valorizando mais nossa cultura na literatura e arte poética.O poema, muito bem escolhido, "Amar", muito bem interpretado por Marília Pêra. Parabéns e obrigada pela partilha. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  15. Ficou maravilhoso o poema na voz dessa atriz que muito admiro. É interessante quando alguém competente recita versos assim, com entonação que nos dá mais que a simples leitura deles. Pedro, que escolha magnífica! Um mineiro precioso, amado, admirado, respeitado. Gostei demais de vê-lo aqui! Linda semana para você e Tais!

    ResponderExcluir
  16. Que maravilha que é ler Carlos Drummond de Andrade! Sim, só nos resta amar. Apesar de tudo. Apesar de nada. "O nosso destino, amar sem conta" Gostei de ouvir Marília Pêra.
    Continue a cuidar-se, meu Amigo Pedro.
    Tenha uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Pedro, foram os Poetas que plasmaram nossa maneira de olhar e sentir o mundo...plasmaram a nossa juventude e ajudaram a formar a nossa identidade. Drummond foi o poeta que me fez sentir a realidade mais profundamente... de uma forma intensa em sua carinhosa ironia trazia consigo todos os sentimentos de uma forma poética mas verdadeira, e conseguia passar em sua poesia a dor e a alegria do viver. Em sua ironia que as vezes deixava transparecer eu li uma frase dita por ele sobre ele mesmo : Cansei de ser moderno, agora serei eterno . Que síntese! ETERNO! Obrigada pela postagem.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  18. Magnífico el poeta que buscaba el sentimiento del mundo.
    Ha sido un placer conocerle a través de ti.
    Gracias.

    ResponderExcluir
  19. Obrigado, poeta Pedro Luso
    por esta belíssima revisitação do Carlos Drumond de Andrade, poeta
    que tanto admiro

    grande abraço, meu caro Pedro

    ResponderExcluir
  20. Grato abraço por estes deliciosos momentos de poesia .

    Admiro muito Andrade e Marília.

    Bom resto de semana

    ResponderExcluir
  21. Pedro Luso que bom é voltar aqui depois de uma longa ausência.

    Carlos Drumond de Andrade é um dos maiores nomes da poesia brasileira de todos os tempos e seu este poema é um hino ao amor.
    Uma declamação excelente como seria de esperar da grande e saudosa actriz Marília Pêra.

    Acredito que só o amor pode mudar o mundo para melhor.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  22. Olá amigo Pedro,
    Primeiro peço desculpas pela ausência, tenho tido alguns problemas que me tiram do ar.
    Que maravilha de partilha e lindo a saudosa Marilia Pera com toda expressividade narrando essa maravilhosoa´ obra poética que é o Versar do grande poeta Drumond.
    Antecipo meus votos de Natal e Boas Festas, darei pausa nos blog's até meados de janeiro para um descanso mental e curtir o visual do meu mar.

    Pra vc e família um Natal sem aglomeração, mas com amor a Jesus.
    Abreijos para o casal que gosto muito!

    ResponderExcluir
  23. Um grande escritor, com uma obra notável (e imensa).
    Obrigado pela partilha.
    Continuação de boa semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir

  24. Oi Pedro, prazer em passar por aqui. Vejo que neste site vou aprender muito sobre poesia do nosso grande país vizinho. Sou fã de Legião Urbana e Renato Russo apesar da pequena "barreira idiomática".
    Eu fico por aqui. Saudações de Buenos Aires

    ResponderExcluir
  25. Um poeta excelente! Dos mais célebres!
    Com um imenso peito aberto ao amor...
    Saudades da Marília...
    Excelente 'post', amigo Pedro.
    Dias bons. Abraço
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  26. Sempre um prazer imenso, percorrer os caminhos de pura inspiração de Drummond!
    Que nunca me canso de descobrir e apreciar!...
    Fabulosa partilha, como sempre, por aqui!
    Beijinhos! Continuação de Festas Felizes, para todos!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho