>

2 de abr de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – As Cartas




AS CARTAS
PEDRO LUSO DE CARVALHO


Com zelo guardo as cartas recebidas,
leituras tantas vezes repetidas.
Alívio para minhas dores d’alma.

Dizem essas cartas o que eu não via,
olhos toldados pela ambição vil.
Vejo agora a perda não resgatada.

Consolam-me essas cartas delicadas
nas noites de quieta solidão.
Cânticos daqueles anos perdidos.

Nas cartas vejo a lonjura do tempo,
agora presente nessas missivas.
Aonde andará minha missivista?




  *  *  *



31 comentários:

  1. Lettere contenenti parole intense e importanti sulle quali porre pensieri del momento
    Sempre bello leggerti, Pedro, buona festività di Pasquetta e un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  2. Hola Pedro, bello poema, en honor a una carta, me ha tradido a la mente aquellos años en los que nos comunicabamos a través de una carta.
    Un placer leerte.
    Feliz semana.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso. Bom dia :))

    Hoje:- És o motivo, és a letra, és todo uma canção
    Bjos
    Boa Segunda - Feira de Páscoa

    ResponderExcluir
  4. As cartas cada vez menos presentes em nosso cotidiano...Hoje tudo WhatsApp e coisas assim...Pena, mas temos algumas bem guardadas! abraços, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  5. Belo, belo, belo!!!
    Lembrou-me que há anos não recebo nem envio qualquer carta.
    E logo eu, que gosto de escrever e de ler!
    Um dia destes vou escrever uma longa carta. Para mim!
    Uma carta conforto para ler, reler e assim aliviar "minhas dores d'alma". Como diz o poeta!
    Pedro, que bem expressas em verso emoções e sentimentos. Parabéns!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Que bonito leer las cartas de antaño con las que se viven nuevamente los recuerdos y las sensaciones dejadas en ella, como hermosas son las que tú has escrito en estos versos.
    Un placer y un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia amigo Pedro,
    Espero que tenham vivido um abençoado momento pascoalino com muita reflexão e paz!
    Mas por andará sua "missiva?", revire ai o coração da Thaís, com certeza cais encontrar. Lindo poema. Gosto da sua versatilidade e do seu linguajar acessível.
    Feliz semana , desejo ao casal!

    Bjs no coração!

    se puder visite:
    http://eucontoparavoce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. As cartas. Também escrevi e recebi tantas, meu Amigo... Era um gosto e tantas vezes uma ajuda. As que se guardam servem de memória de bons e maus momentos. O seu poema vem lembrar isso, neste tempo que já ninguém escreve cartas.
    Uma boa semana.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  9. Poema lindo demais!!!:)

    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  10. As cartas sempre lidas após o passar do tempo, nos trazem muitas recordações.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  11. Bonito poema Pedro, hoje em dia não ficaríamos felizes se esperássemos cartas, o correio sempre em greve, e quando aparece é trazendo contas a pagar. É a vida modernosa.
    Abraços, Léah

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente cada vez mais se escreve menos.
    Um belo poema meu amigo.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  13. Entrañables e inolvidables cartas. Hermosos y queridos recuerdos.
    Muy bello poema.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  14. Hermoso y emotivo poema, amigo Pedro. Es una justa añoranza de tiempos en que las cartas eran lo máximo, lejos todavía del impacto y rapidez de la correspondencia cibernética.

    ResponderExcluir
  15. Muito belo amigo e há quanto tempo não se escrevem cartas. Boas recordações sem dúvida. Gostei muito meu amigo. Pedro, boa semana e beijos com carinho

    ResponderExcluir
  16. Cartas! lembranças de um tempo de mais carinho e romantismo...o amor e a amizade eram perenes nas letras de uma carta.A vida era mais plena pois o tempo que intermediava fazia parte e alimentava a espera. saudade da delicadeza de uma carta!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  17. Hay cartas que son un recuerdo de momentos felices y releerlas nos dan paz. Bello poema.

    mariarosa

    ResponderExcluir
  18. Recordar cartas recebidas e aquelas que nunca se receberam mas que se desejava.
    Gostei muito de o ler.

    ResponderExcluir
  19. No es fácil definir la nostalgia, transmitir ese delicado velo que envuelve nuestra alma cuando recordamos las cartas y a nuestr@ corresponsal.

    ResponderExcluir
  20. Nem sempre vemos o mesmo...
    Um poema brilhante, parabéns, gostei imenso.
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  21. Outros tempos, em que as cartas eram a única forma de comunicar com quem estava longe.
    Belíssimo poema
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  22. Uma bela volta ao passado às missivas, que muito nos encantaram e inspiraram, hoje uma página virada,que ainda nos ativam o romantismo saudosista como este belo poema.Eu que fui um escrevinhador de cartas de minha família Pedro posso viver esta sua reminiscência com aquelas cartas perfumadas que a missivista principal enviava,rsrs.
    Bela viagem para nós Pedro.
    Grande abraço e bom fim de semana com paz e luz.

    ResponderExcluir
  23. Pedro,

    Este teu belíssimo poema é uma louvação
    ao valor das palavras, no seu transporte
    de importância do significado do
    afeto. Assim, eram as cartas, um meio
    de comunicação sublime, sem corretor
    de texto e o exercício da escrita tão perto do
    coração, às vezes a única ponte de
    comunicação ente amigos ou
    parentes que iam residir em outros
    estados ou outros países. Acho que
    é particular de quem gosta de escrever
    poesia esta relação de amor às
    palavras e as cartas tinham este
    sublime e belo meio de expressão
    das palavras numa arte inesquecível.
    Gosto de ler as cartas de poetas
    consagrados que se correspondiam,
    tem alguns livros publicados com estas
    cartas de poetas e escritores.
    Apreciei imensamente e é sempre assim,
    aqui no seu espaço :
    "Consolam-me essas cartas delicadas
    nas noites de quieta solidão. "
    Parabéns sempre pela a arte
    da sua poesia, meu amigo.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  24. En las cartas veo la lejanía del tiempo, dices de manera poética y es verdad porque reflejan un pasado quizá no muy lejano.
    Las cartas están llenas de retazos vida.
    Un placer como siempre leerte.

    ResponderExcluir
  25. um fio de nostalgia percorre o poema, quase uma súplica balbuciada
    como uma vela a iluminar o percurso dolente das emoções guardadas
    e que se denunciam em cada verso

    gostei muito deste belo e sensível poema, meu amigo

    forte abraço

    ResponderExcluir
  26. ¡Lástima que hoy en día ya nadie escriba cartas!
    A mí me encantaba recibirlas y contestarlas, guardar una carta y releerla, es algo parecido a entablar una comunicación con la persona autora de esas letras, aunque ella ya no esté, ha dejado una profunda huella.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  27. Podem chegar, em segundos, correspondências na nossa caixa de e-mails, pode lotar, mas nada como as cartas, que vinham com selo de expectativa, curiosidade, de amizade, de romantismo. Como era bom! Saudades de muitas coisas de tempos passados, e por que não falar? Não é saudosismo, são lembranças que ficam na memória. Uns dizem que agora é presente, mas eu diria que o passado é nossa história, mais pura e consumada. E o futuro são nossos sonhos que se manifestam no presente. Tenho guardada uma caixa decorada com carinho muitas recordações escritas por nós, de meus pais, cartinhas de colegas, e que recordações lindas. Letra caprichada e as emoções relatadas, gravadas ali. A emoção é diferente dos e-mails de hoje.
    Mas enfim, o mundo anda, dizem ser moderno. Também acredito, mas modernidade nada tem a ver com emoção. Belo poema, nasceu lá do fundo de tuas memórias, das nossas.
    Beijinho daqui do lado!

    ResponderExcluir
  28. As cartas são um tesouro. Quase relatam a vida de cada um. Pedro, como a vida mudou! Belo poema!

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  29. Um retorno à ternura, a despeito do tempo.
    Lindo poema.
    Beijo

    ResponderExcluir
  30. Preciosa composición, Pedro. Da gusto pasar por aquí, leer y llenarse de cosas buenas.
    Un abrazo!

    ResponderExcluir
  31. Substituiu-se a materialização do que dava origem a uma carta... pela efemeridade da facilidade, com que se manda um mail, por exemplo...
    Perdeu-se o lado poético, e formal da vida... em detrimento do lado prático, e transitório!... Com tudo o que implicava, o ritual de enviar uma carta...
    Trocou-se a emoção... pela razão... em quase tudo... quem consegue ser feliz, no mundo da razão, o tempo todo?... Por isso o mundo está como está... irracionalmente... racional... e emocionalmente... no fundo!...
    Mais um belíssimo, e assertivo trabalho poético, que mais uma vez, tanto nos oferece, sobre o que reflectir, Pedro!...
    Um grande abraço! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO