>

14 de abr de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – Tristezas do Brasil




TRISTEZAS DO BRASIL
PEDRO LUSO DE CARVALHO



Neste andar, sinto a tristeza da terra,
há desprezo pela terra ferida,
cortaram árvores em plena vida,
pelo lucro, envenenaram rios.

Neste andar sinto nos pés terra seca,
desprezo dos ávidos pela terra,
importa da terra arrancar ouro
para os poderosos, vida farta.

Neste andar, sinto não ter resistência,
na densa bruma somem meus esforços.
No Brasil, inexpugnável muralha
feita de leis, escudo de apátridas.

Neste andar no nordeste, sol ardente,
secas, áridas terras do sertão,
rezas dos sertanejos pelas chuvas –
Deus dá pão para saciar a fome?




*  *  *




33 comentários:

  1. Una serie di osservazioni intense, che riflettono il tuo profondo pensiero sulla terra del Brasile, Pedro.
    Sempre bello leggerti, buona domenica e un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema este. Lindo, mesmo sendo sofrido.
    Sim amigo Pedro, "Deus dá pão para saciar a fome". Por vezes demora a chegar mas chega!
    Não desanimar, sempre resistir, poeta de versos fantásticos.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Passando a fim de conferir uma excelente publicação.
    O poema é de uma beleza única. Lindo demais.
    .
    *Mulher; Flores e Borboletas, em sintonia poética (Poetizando) *
    .
    Votos de um dia feliz.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia!
    Poema lindo demais!! Amei

    Beijo. Bom Domingo

    ResponderExcluir
  5. Pedro, triste, realmente a situação deste nosso gigantesco país. Terra onde a classe dominante, mesquinha e egoísta, raciocina apenas com suas riquezas particulares, sem o menor pudor, e sem entender exatamente qual deveria ser seu
    papel na sociedade. Lamentável. Um país tão rico em recursos naturais sendo sucateado por egoístas. Grato por tua visita e pela indicação do almatua à Taís. Grande abraço e aguardemos que este país tenha uma classe dominante um pouco mais comprometida com o Brasil.

    ResponderExcluir
  6. Nosso lindo país tão massacrado e expurgado pela ganância há que se empoderar e como a fênix ressurgir pleno de esperança como uma verdadeira nação para cada cada um de seus filhos que enfim aprenderá não só amá-lo mas finalmente passará a respeitá-lo na sua essência e unicidade
    Um maravilhoso domingo amigo Pedro
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Un poema profundo con un doloroso sentir y muy bello poeticamente.
    No hay mal que dure siempre, y la esperanza ayuda en la espera.
    Me gustó mucho Pedro.
    Un abrazo y buen domingo.

    ResponderExcluir
  8. Pedro ao ler seu poema de pura lucidez e entendimento desta desigualdade deste Brasil, não tenho como não resgatar os anos 60 com nossos compositores, poetas engajados na luta pela amenização do sofrimento do sertanejo esquecido à toda sorte e crenças. Não posso deixar de resgatar "Terra plana" e o "Plantador" de Geraldo Vandré. Nesta leitura revivi plúmbeos tempos amigo. E busco onde esperançar e não vejo este suporte e então eu sofro desta onda de desacreditar amigo Pedro.

    Meu terno abraço amigo e que a semana venha sem bombardeios.
    Chega de bombas e mísseis nos céus.

    ResponderExcluir
  9. Um poema que é um grito de revolta pelos maus tratos do país e do planeta devido à ganancia.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  10. Tantas são as mazelas do nosso pobre e tão lindo país... Linda poesia realista! abração,chica

    ResponderExcluir
  11. Sus estrofas podrían servir de editorial para un periódico contando la pena por lo que podría ser y no es.
    Nuestro filósofo Unamuno escribió, "Me duele España", un concepto similar.
    Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  12. Mais um poema seu que é um grito de alerta contra todo o mal que se faz contra a Natureza, contra as Pessoas. Muito belo e muito lúcido, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  13. Muito triste a situação dos estados onde a seca aperta. Já não lhes bastam os desmandos políticos, ainda vem a seca com a fome a sentar-se à mesa do povo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  14. Gran sentimiento en este buen poema.
    Excelente.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  15. Que tus poemas lleguen abrir los corazones encerrados, un abrazo.

    ResponderExcluir
  16. Muy bonito...un saludo desde Murcia...poema muy chulo.

    ResponderExcluir
  17. Letras en verso que muestran los sentimientos del poeta por su tierra.
    La madre tierra que nos vio nacer y a la cual deberíamos amar y respetar, la acosamos constantemente con un maltrato que en nada merece y a la larga a todos nos pesará.
    Cariños y buena semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  18. um poema que é um grito de alerta!
    e também contra aquilo que os humanos fazem contra a natureza.
    que venha a chuva em forma de benevolençia.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  19. Belo, forte, dolorido poema que fala de nossas verdades, nada do que falas é ficção, não! É a dor dos brasileiros, a mostra do que foi roubado, a baixa dignidade que nos deixaram em prol de seus desejos chulos, de suas riquezas cobiçadas e alcançadas. Isso é cuidar de um país? Isso é amor ao povo? Não, isso é a farra do Congresso Nacional e das Instituições contaminadas em vários cantos da esfera política, por anos de irresponsabilidade e ganância. Penso que nosso país ficou neurotizado, doente. Mas haverá um dia em que o amor à pátria gritará mais alto e, quem sabe, se fará ouvir. Só assim para recuperarmos nossa dignidade.
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde Pedro,
    Magnífico poema que alerta contra todas as atrocidades que estão ferindo não só o Brasil mas o mundo inteiro.
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderExcluir
  21. El cuadro es bonito pero un poco triste. Lo de la lluvia, por lo menos aquí, ya es demasiado. Tenemos inundaciones y caídas de tierras, creo que tanto se lo hemos pedido a Dios que nos ha hecho caso.
    Un abrazo desde Madrid.

    ResponderExcluir
  22. Se nota amigo Pedro, como te duele tu Brasil querido. Compartimos tu dolor y elevamos la esperanza.

    ResponderExcluir
  23. Tu poema hoy, Pedro, es un grito que lleva el viento de acá para allá hasta ser escuchado en todo el mundo. Tu bello país y sus gentes merecen lo mejor.
    Abrazos

    ResponderExcluir
  24. É urgente ter esperança, Amigo.
    Todos os países passam por fases menos boas, há uns anos estivemos à beira da bancarrota... Também temos corrupção, mas muito bem encapotada.
    Os crimes contra a terra são realmente inadmissíveis.
    Melhores dias venham para este planeta!
    Abraço, Pedro
    ~~~~

    ResponderExcluir
  25. Amigo poeta Pedro, tantos são os versos que nos deram, desde o passado e em tempos modernos que ainda vemos o mesmo quadro, parece que não muda nunca!
    Brasil, um continente inteiro, rico, fértil, lindo, mas...
    Pena que assim seja, as "Tristezas do Brasil" muito bem mostradas aqui em versos inspirados, tens sensibilidade ímpar! Parabéns poeta!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  26. Tens uma escrita elegante, Pedro. Teus poemas se vestem de encanto, transmitindo com eficiência uma mensagem crítica e nos fazendo pensar. Parabéns!

    ResponderExcluir
  27. Anelito per una terra che si ama, e che spesso, viene maltrattata indiscriminatamente per l'avidità di coloro che pensano di poter fare e disfare a piacimento. Ma il pianeta quando non ne può più si rivolta contro l'uomo. Un canto questi versi che toccano il cuore. Complimenti per questi versi e Buona serata Pedro, Grazia.

    ResponderExcluir
  28. Boa tarde, Pedro, seu poema nos mostra literalmente as"TRISTEZAS DO BRASIL", infelizmente, o povo sofre, uns menos outros bem mais.A tela de Portinari, mostrando a tristeza e a realidade dos retirantes, no nordeste, a seca faz isso, expulsa seus filhos. O Brasil, nossa pátria querida esta dilapidada, por pessoas que só querem o bem próprio,vale a pena, o grito dos seus versos, sempre haverá esperança de um futuro melhor. Excelente! Abraços!

    ResponderExcluir
  29. Un buen poema que es una crítica contra el poco amor que tiene el hombre por la naturaleza. Árboles y ríos son nuestra forma de vida, y alimento, pero algunos no cuidan el bien de la tierra.

    mariarosa

    ResponderExcluir

  30. Bom dia Pedro. Uma pergunta que não quer mesmo calar: "que país é esse? Poema de cunho social oportuno... Um grito com endereço certo!

    Deixo aqui o link do meu novo blog intitulado A PAÍBA PARA O MUNDO.

    https://aparaibaesuasbelezas.blogspot.com.br/

    Abraço e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  31. amargo e sentido Poema, Pedro
    Deus parece andar de facto muito ocupado (ou distraído)! bom seria que os humanos lhe aliviassem as tarefas e, por suas próprias mãos e seus passos, trilhassem os caminhos da Justiça-

    forte abraço. meu amigo

    ResponderExcluir
  32. Poema lindíssimo. Entre palavras e versos se escrevem grandes verdades.
    .
    * Criança brincando ... em interno lamento. *
    .
    Cumprimentos poéticos.

    ResponderExcluir
  33. Pedro, a minha curiosidade empurrou-me até aqui, vinda do blogue do Gil :)
    Pedro, os poemas são como as orações devem levantar-se cada vez mais, e mais alto, porque o mundo no seu todo sofre, por um uso cada vez mais acelerado dos seus recursos :(
    parece que nada merece respeito e que as próximas gerações não são valorizadas, não lhe deixarão belezas e riquezas que o mundo construiu durante milhares de anos, não têm todos filhos ?!
    abraço
    Angela

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO