>

18 de mar de 2018

[Poesia] PEDRO LUSO – A Porta




A PORTA
PEDRO LUSO DE CARVALHO



Terei batido na porta errada,
não será esta a minha casa,
meu refúgio, onde entro sorrateiro?

Ao meu sinal a porta não abre,
em algum lugar esqueci a chave,
e já é noite, abrigo de fantasmas.

No interior da casa não há luz,
nenhum sinal de gente na casa,
assustam-me os ruídos que ouço.

Na noite já alta, clara noite,
tentativas vãs de abrir a porta
vou em busca do brilho de uma estrela.





*  *  *





38 comentários:

  1. Parabéns amigo Pedro!
    Lindo poema, há muitos momentos que nos parece que batemos na "porta errada" não há duvida!...
    Desejo-lhe um óptimo fim de semana, seja muito feliz.
    Beijo Fraterno!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia. É sempre maravilhoso ler as suas poesias. Deliciou-me.
    .
    * Mãos de amor que seguram um livro fechado ( Poetizando ) *
    .
    Votos de um dia feliz

    ResponderExcluir
  3. Una notte particolare, in cui ci si sente sperduti, alla ricerca del giusto giaciglio, che sembra non esistere....forse le stelle illumineranno la giusta strada da seguire...
    Sempre bello leggerti, Pedro, felice domenica e un saluto,silvia

    ResponderExcluir
  4. Linda tua poesia,Pedro! Tão bom ir em busca do brilho da estrela...
    Mas confesso, que ao te ler, imaginando uma cena, tive que brincar com vocês: Aí vai:


    Pedro em casa chegou,
    sua chave não girou,
    a porta não abriu...
    Quando finalmente acertou,
    Taís o nocauteou!


    abração,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsssss, pois é, Chica, pra que serve aquele rolo de esticar massa conhecido por todas nós??? Não resisti ao teu verso, querida amiga!
      Beijo, uma ótima semana!

      Excluir
    2. Brincar é preciso, né? Assim desopilamos nesse mundo de tantas coisas... um rolo de massa vai bem😅😅😅😅😘😘

      Excluir
  5. La casa es el refugio seguro ante las tinieblas de la noche, la inseguridad y el miiedo hace vacilar a la hora de abrir las puertas. Tantas medidas de seguridad hacen titubear a la hora de recordar esa clave mágica, que es la que hace abrir esa puerta.

    Besos

    ResponderExcluir
  6. Que bello Pedro, cuadro de Van Gogh y poema de la mano...genial
    Un placer leerte, me ha encantado.
    Feliz domingo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  7. Muito belo.
    Um beijinho e bom domingo.
    Ailime

    ResponderExcluir
  8. Un poema muy interesante, y bien conseguida esa incertidumbre que da la situación en la oscuridad de la noche, pero como en la vida misma, siempre aparece una estrella que iluminan las sombras.
    Un abrazo Pedro.

    ResponderExcluir
  9. Pedro,
    Li algumas vezes teu belo poema, depois de pronto, e para meu entendimento usaste essa metáfora ‘da porta’ como uma tentativa de um encontro conosco ou com coisas nossas que calou profundo num momento qualquer; da vontade de entrar e encontrar o que buscamos, à procura da estrela iluminada...
    Muito sensível e com profundidade!
    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  10. Pedro o medo é encontrarmos a porta fechada!
    Adorei a brincadeira da amiga Chica.
    Bjs e um ótimo domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  11. Há quase sempre uma estrela que nos ilumina...

    ResponderExcluir
  12. Gosto de Van Gogh e do teu poema, Pedro. O que era refúgio passou a ser ausência. Haverá outros caminhos, se procurarmos a luz.
    Boa mensagem!

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  13. Precioso poema acompañado de una pintura hermosa.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  14. Magnífica sua poesia, sua decisão de ir busca do brilho da estrela e a reflexão que nos conduz é esplêndida.
    Abraços e uma semana bem feliz!

    ResponderExcluir
  15. Pedro,
    Para continuar a ler belos poemas teus, peço que nunca percas a chave da porta da imaginação poética e encontres, para te iluminar, a mais brilhante estrela do céu.
    Quando procuramos, achamos. Mesmo por trás de uma porta fechada!
    Abraço, amigo.

    ResponderExcluir
  16. Que bonito poema. Adorei :))

    Hoje:- Saudosa Viagem...

    Bjos
    Votos de uma boa Segunda-Feira.

    ResponderExcluir
  17. O mundo é não nossa casa comum, não é verdade, amigo Pedro?
    e as estrelas e o sonho são guia!

    gostei muito.

    abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O mundo é nossa casa comum" - deve ler-se

      Excluir
  18. Es bueno abrir puertas y pensar que siempre es para mejor, pero si esta se resiste siempre nos quedarán las estrellas.
    Muy bonito tu poema. Abrazos

    ResponderExcluir
  19. La pintura de V. van Gog es perfecta para tu bonito poema.
    En muchas ocasiones podemos equivocarnos de puerta, pero siempre encontraremos el camino que nos guíe hasta encontrar a nuestra estrella.
    La noche estrellada de este gran pintor, está llena de ellas.
    Cariños y buen comienzo de semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  20. Amigo Pedro, relapso e atarefado que andei, há tempo não circulei por este espaço, o que hoje faço. Belo poema, meu amigo! Gostei imensamente. A porta é sempre um símbolo místico para mim e para muitos. E fez lembrar-me do nosso mestre Fernando - Se alguém um dia bater em tua porta / Dizendo se um mensageiro meu, / Não acredites, nem se seja eu / ... Grande abraço, amigo! Laerte.

    ResponderExcluir
  21. Gostei de ler.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  22. Bonito seu poema as metáforas falando do medo, das incertezas, e de outra época, das lembranças de quando tudo era certo e bonito como um céu estrelado.
    Me desculpe se interpretei erradamente seu poema, mas eu gostei e muito.
    Grande abraço, Léah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada a desculpar, Léah. Gostei da sua interpretação. Ademais, é sempre um prazer receber a sua visita e também o seu comentário.
      Grande abraço.
      Pedro

      Excluir
  23. Magistral poema en un cuadro de Van Gogh, perdido en las estrellas se encuentra esa luz.
    Abrazo

    ResponderExcluir
  24. A porta errada como uma metáfora da vida e dos caminhos que escolhemos para que ela se cumpra. E tantas vezes precisamos que uma estrela nos guie...
    Gostei muito do poema, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite, amigo Pedro,Van Gogh fazendo parte desta postagem linda.
    Em nossa vida há muitas portas, e já batemos em muitas, mas não conseguimos entrar, aí vem a tristeza, a solidão, o medo, a angústia e o pedido a Deus para que um dia, entremos pela porta certa.Abraço!

    ResponderExcluir
  26. A(s) porta(s) tem a simbologia de "estados da alma", as
    estruturas de sentires, como também os portais de
    estágios da psiquê..
    São tantas as portas interiores e como também as portas que
    a vida nos coloca, lugares em escolhas, algumas portas se fecham
    e outras portas surgem na dinâmica da vida...
    Admirável também neste seu poema, e em outros anteriores, sempre
    o poeta a trabalhar a poesia como arte na limpidez textual
    e originalidade.
    O desfecho traz o significado magnífico de transcender a porta
    (realidade) na busca do sonho (símbolo da estrela):
    "Na noite já alta, clara noite,
    - tentativas vãs de abrir a porta-
    vou em busca do brilho de uma estrela."

    Parabéns pela obra poética, meu caro amigo Pedro.
    A escolha da obra de Van Gogh perfeita para
    a sua obra poética.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  27. Existe sempre uma alternativa.
    Belo poema meu amigo.
    Abraço

    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  28. Demoledor lo que se intuye en la soledad del protagonista.
    ¿De veras ha olvidado la llave? O será que ya no es bienvenido en su casa…

    ResponderExcluir
  29. há sempre uma porta que não se abre mais , mas sempre podemos encontrar um novo rumo à luz das estrelas...belíssimo poema com muitas interpretações.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  30. sim...quando a porta não se abre
    é urgente
    é necessário
    o brilho de uma estrela

    muito belo o seu poema

    bom fim de semana.

    beijinhos

    :)

    ResponderExcluir
  31. sempre vem, mas que inspira sempre um bela estrututra

    ResponderExcluir
  32. Quantas portas se fecham ao longo da vida!
    Temos de estar tão preparados para elas, como para as que se abrem...
    Mas quando uma porta se fecha... haverá sempre uma janela que se abre... nem que seja com vista para alguma estrela...
    Adorei o poema, que terminou com esperança... e não com uma sofrida conformação!
    Um grande abraço
    Ana

    ResponderExcluir
  33. Nunca sabemos qué habrá al otro lado de la puerta.
    Abraços, don Pedro.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO