>

22 de set de 2019

[Conto] PEDRO LUSO – O Velho Ferroviário (reedição)



O VELHO FERROVIÁRIO
PEDRO LUSO DE CARVALHO

O velho ferroviário acorda antes que soe a campainha do velho relógio. Desliga-o para que a mulher continue dormindo. Ainda falta mais de hora para nascer o sol. Vai até a cozinha, já uniformizado, esquenta água e leite para a primeira refeição. Parte pela metade o pão que se encontra na gasta cesta de vime, sobre a mesa rústica. Apressa-se para chegar no horário. Tem muito que fazer na estação, quando o trem cruzar a fronteira. Vem do Uruguai e segue para o centro do país. A mulher esgueira-se até a janela para ver o marido sair. Lá fora o vento minuano zune fortemente. Curva árvores e moitas. Logo uma nuvem de poeira tira-o de suas vistas.
É quase noite quando ouve barulho na porta. É o marido que retorna da estação. Há brilho nos seus olhos. Nos ouvidos, o som do apito do trem, que se espalha pelo pampa. A densa barba grisalha esconde a melancolia que traz no rosto. Deixa transparecer apenas o tímido sorriso. A mulher vê a mesma cena repetir-se desde o dia em que os trens deixaram de circular. Só não lembra mais quantos anos se passaram desde esse dia.
Até onde o meu pobre velho levará essa maldita ilusão? – pergunta a mulher para si mesma, com voz cansada.



*   *   *


32 comentários:

  1. Amigo Pedro,
    Fiz muitas viagens (quando criança), com os meus saudosos pais, no "Trem de Prata", indo do Rio de Janeiro a São paulo.
    Trens exercem em nós um fascínio... Trens estão em filmes, na literatura como símbolo de magia... Em "Harry Potter", lá está ele, fumegante e pomposo "Expresso de Hogwarts", o trem que transporta os alunos de magia da "Estação de King's Cross", para a "Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts".
    Trens nos remetam a liberdade sobre trilhos, aventuras e romances no "Orient Express".
    Fora a beleza arquitetônica das estações.
    Gostei muito da reedição dessa tua postagem.
    Um abraço e bom domingo!

    ResponderExcluir
  2. Accesa nostalgia dei tempi passati.....che non tornano più!
    Brano molto originale, apprezzato.
    Buona domenica e un sorriso, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  3. Siempre me han encantado las estaciones de ferrocarril, me han resultado enigmáticas, con ese atractivo de que la gente viene y va hacia no se sabe que destino, pero son desoladoras cuanto se ven abandonadas, puedo comprender la tristeza que supone para los trabajadores donde pasaron sus años día tras día.
    Muy bonito el relato Pedro.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  4. Tão lindo e tocante e esse velho trabalhador ferroviário que não apaga de sua mente c a vida que sempre levou... Lindo,Pedro! abraços, ótimo domingo,chica

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do conto, Pedro.
    Ótima semana.
    Abraço, Amigo.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  6. Pedro,
    Lindo texto.
    Penso que muitas vezes as pessoas
    que acompanham avida um do outro
    devem estar atenta para essa fase
    de transição. Pois muitos se perdem
    por se sentirem sozinhas;
    Lógico que ficará saudade de uma rotina,
    de uma ocupação. Entretanto a Vida
    é mais que isso...
    Por aqui quando meu esposo se aposentou e
    meninos voaram fui Eu me encarreguei
    de criar novas expectativas
    pra nossas vidas. No inicio foi
    complicado pra ele, mas em bom
    tempo tudo se encaminho...
    Bjins CatiahoAlc. de Ótima nova semana
    Blog: https://delasdelesouviceversa.blogspot.com/
    Blog: https://reflexosespelhandoespalhandoamigos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Las circunstancias se repiten en nuestros países, amigo Pedro. Esa foto de la Estación Ferroviaria San Luis Gonzaga, podría ser perfectamente una ex estación
    chilena, lejos de los esplendores de antaño, pese a la contaminación que generaba el carbón.

    ¡Buen domingo...y buena semana!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Pedro, mais uma ilusão que se acaba...é sempre assim em nosso país..tudo que deveria dar certo acaba . Por que será?
    Um abraço

    ResponderExcluir
  9. que saudade de uma vida anteriormente vivida com a sensação de ser útil à sociedade!belo texto sobre a passagem do tempo que leva os hábitos de outrora e a razão de viver para muita gente !
    bom domingo, com ou sem comboio!
    Angela

    ResponderExcluir
  10. Ilusão? Penso que não
    Um saudosismo de uma época em que feliz trabalhava com amor naquela estação onde via a chegada e partida do trem que ainda povoa a sua memória
    Um ótimo domingo, Pedro
    Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Qué poema tan bello y sentimental!!.
    Me gustan mucho las estaciones y también viajar en trén.
    Me hace recordar muy buenos y entrañables tiempos.
    Un beso. Feliz domingo.

    ResponderExcluir
  12. Que partilha mais emocionante! O trabalho que é feito com amor, nunca se apaga da lembrança e a gente vive nessa ilusão rotineira de sair todo dia para exercer o que tanto amamos e foi significativo na nossa vida. Tenho saudades da primeira escola que lecionei e mentalmente, sempre, faço o mesmo trajeto.
    Abraços fraternos!

    ResponderExcluir
  13. Sempre fantástico :))


    Bjos
    Votos de uma óptima noite.

    ResponderExcluir
  14. A saudade de uma vida que se viveu com amor e que deixou de fazer sentido quando acabou. Muito bom.
    Abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  15. Cuento corto y profundo, una buena semana.

    ResponderExcluir
  16. Mi piace molto questo tuo scritto, stimola la mia fantasia come se guardassi un filmato.
    Felice autunno, un abbraccio
    enrico

    ResponderExcluir
  17. Essa imagem fez lembrar inúmeras estações ao abandono aqui em Portugal...
    Abraço

    😉
    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subscrevam

    ResponderExcluir
  18. Que bom Pedro esta reedição e assim nos partilhar um conto, que emociona.
    Como mineiro que sempre tem um trem na cabeça, posso imaginar este velho, saudosismo e paixão. Todos os dias acorda e espera o amigo trem, que acredita que um dia ainda volte a parar naquela estação. Assim sonha e cria sua ilusão.
    Triste e emocionante amigo.
    Uma feliz semana primaveril para vocês.
    Meu terno abraço de paz.

    ResponderExcluir
  19. Olá:- A merecer profunda reflexão. Passa o tempo, fica a saudade.
    .
    POEMA ** O mar e o destino **
    .
    Feliz início de semana

    ResponderExcluir
  20. Uma ilusão que não acabou na memória do velho ferroviário. É isso que o faz viver…
    Emocionante conto, meu Amigo Pedro.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  21. Uma soberbo texto!! Amei de verdade!!

    -
    Melancolia das manhãs ...
    Beijos e uma excelente semana!

    ResponderExcluir
  22. Em muitos de nós vive uma estação abandonada. E o silvar do comboio também.
    Achei o conto ternurento e com um desfecho que nos deixa quebrados.

    Parabéns, Pedro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde primaveril, amigo Pedro!
    Lembro-em de quando postou este conto e me emocionou.
    Temos coisas na vida que somos como o velho do trem... fazemos questão de preservar para nosso próprio bem, pois foram e são uma da coisas mais belas que nos aconteceram...
    Oxalá a mulher o entenda bem!
    Tenha dias felizes e abençoados com flores no coração!
    Abraços fraternos e paz e bem

    ResponderExcluir
  24. Ninguém pode fugir aquilo que verdadeiramente sé é. e tu, meu caro amigo, Pedro Luso, és um verdadeiro e talentoso Poeta! ainda que fales da "prosaica" vida de un ferroviário, que perdeu o emprego,

    exclente texto, Pedro
    parabéns!

    grande abraço

    ResponderExcluir
  25. ... "que verdadeiramente somos", deve ler-se

    ResponderExcluir
  26. Coloco-me no lugar da mulher do ferroviário, imagino ver todos os dias a mesma cena, a mesma ilusão, a saudade do companheiro e nada conseguir fazer para aplacar sua dor...
    Mas esse é o curso da vida. Quantos ‘ferroviários’ não estarão assim por essa vida afora? Bela história contada num conto curto e de agradável leitura. Um pouco tenso, o que deu o sabor à história.
    Aplausos! Beijinho.

    ResponderExcluir
  27. Cuando se tiene una vida con vocación de ferroviario, tiene que costar mucho el romper con esa rutina diaria, si mal lo tiene que pasar el hombre, su mujer es una santa al tener que soportarlo día a día.
    Un bello relato que invita a reflexionar sobre los cambios.
    Cariños y buena semana.
    Kasioles

    ResponderExcluir
  28. Los tiempos vividos en ese viejo ferrocarril han dejado una honda huella y todos los pasos que ha hecho diariamente, se han ido automatizando hasta tal punto que sus pies les lleva irremediablemente ante la vieja estación.

    Su trabajo ha ocupado una parte fundamental en la vida y se convirtió en uno más de sus grandes amores.

    Besos

    ResponderExcluir
  29. Achei muito interessante atualmente esta sua postagens. Parabéns!
    Número dos famosos

    ResponderExcluir
  30. Um belo e interessante texto meu amigo, gostei e aproveito para desejar a continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  31. Serão tristes, todas as ilusões? Algumas nos ajudam a continuar vivendo...

    ResponderExcluir
  32. E todos nós temos pelo menos um pouco de ferroviário...
    Um magnífico conto, parabéns.
    Caro Pedro, tenha um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO