>

1 de mai de 2016

[Poesia] PEDRO LUSO – O pesadelo










O PESADELO

– PEDRO LUSO DE CARVALHO



Eu poderia ter feito algum esforço,
mas deixei a faca correr
sobre a palma da mão.

Atraiu-me a tênue linha de sangue,
desenhada na mão – rasto
deixado pela fria lâmina.

No espelho da faca, a rudeza
do tempo – dor e medo
expressos em meu rosto.

Qual a razão – perguntei-me –
de ainda segurar a faca
que me desafiava.

Nenhuma resposta acudiu-me
(enfeitiçou-me a afiada
lâmina da faca).

Esperei, sem resistência,
com as poucas forças
que tinha, pela ação da faca.

No pulso, dor atroz – a lâmina
afiada da faca rompeu
as grossas veias.




*  *  *




41 comentários:

  1. Olá Pedro
    Teu poema é tão intenso que formei a imagem mental da lâmina afiada fazendo o sangue gotejar das veias. Ainda bem que foi somente um pesadelo excepcional e magistralmente delineado, Parabéns meu amigo
    Uma linda semana
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Boa noite amigo Pedro
    Belo poema, um pesadelo bem carregado de emoção,
    contado ao pormenor!Típico do bom poeta que é,
    Parabéns amigo.
    Um abraço e uma abençoada semana.

    ResponderExcluir
  3. Una pesadilla que involucra alto sentir de perdida de la vida en la figura del goteo de sangre por donde se escapa el fluido vital...versos que envuelven en un realismo muy cercano al poeta y su sentir...
    Felicitaciones Pedro
    Fuerte abrazo

    ResponderExcluir
  4. A volte, gli incubi che viviamo, sono talmente vicini alla realtà da sembrarci veri...
    Poesia originale, molto gradita e piaciuta
    Buona settimana e un saluto, Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  5. Puxa,Pedro! Que pesadelo esse, de arrepiar e tão bem colocadas as sensações em versos... Muito impressionante! Maravilhoso poema! abraços, ótima semana,chica

    ResponderExcluir
  6. Me ha impactado lo real de los versos ... Besetes.

    ResponderExcluir
  7. Caro dr. Luso perfeita sincronia o poema e a gravura, palavra e imagem, dois gaúchos...o pesadelo se esvai no fino fio de sangue, é tão frio e existe tanto medo, sobe uma angústia até a garganta, e quase sufocando termino de ler o poema. Excelente. Uma experiência única.
    ps. Carinho respeito e abraço

    ResponderExcluir
  8. Amido poeta Pedro, bem colocado os versos, do pesadelo que, há muitos que o vivem realmente, em minha opinião, a igreja não tem o direito de dizer que estão condenados ao inferno quem se suicida, pois ao chegar a esse ponto acredito que já estão absolvidos pela triste aflição!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  9. Pesadelos e Sonhos! Sonhos lindos, como um paraíso que jamais vivenciaríamos, lindo, surreal. Mas nada é de graça, também nosso inconsciente nos remete aos infernos! Quem, de sã consciência, olharia uma lâmina afiada em suas mãos e cometeria ato tão cruel, tão desatinado consigo mesmo?

    Belo e profundo poema, Pedro, retrata as nuances que poderemos ter, mesmo emergindo de profundo sono... Tudo é inconstante no ser humano, até no seu descanso!

    Beijinho daqui do lado.

    ResponderExcluir
  10. Una pesadilla de las que no hay que vivir con tanto cuchillo que le persigue.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  11. Los sueños son hermosos, las pesadillas no. Espero que no tengas pesadillas a pesar de lo bien que las canalizas.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  12. Incubi che a volte sembrano talmente veri, tali da ispirare una poesia come fosse successo realmente. Versi molto apprezzati. Un caro saluto poeta Pedro, Grazia!

    ResponderExcluir
  13. Um poema corajoso, tanto no seu sentido explícito, quanto no implícito. Gostei muito.
    Boa semana.
    Beijo*

    ResponderExcluir
  14. Pedro
    Mesmo na sua forma (mesmo sendo sonhador, não me lembro de ter pesadelos), é bem interessante o fio condutor, que se nos apresenta. Quero dizer: o poema está muito bem conseguido.

    BRASIL: O SORRISO DE DEUS.
    Capitania de São Vicente
    Se comentar o post agradeço.
    http://amornaguerra.blogspot.pt/

    Abraços

    ResponderExcluir
  15. Apesar da condensação, os detalhes não escapam. As asas inquietas e os signos do voo no pesadelo. "sufocante", mas belo!
    Abr.,

    ResponderExcluir
  16. Bom dia.
    Essa linda oesia se fez real
    em meu caminhar aos 17 anos ( hj tenho 53),
    por minha sorte o pulso negou ser cortado
    pela faca.
    Fantastica poesia!
    O aguardo la no Espelhando.
    Bjins
    Catiah Alc.

    ResponderExcluir
  17. Ola Pedro como sempre seus poemas ou crônicas são ótimos e esse bem realista e tenso, pois nos pontos extremos dos pesadelos ficamos paralisados e a agonia se espalha de uma forma absurda e até acho que é esta agonia que nos acorda, ainda bem.
    Muito bom, amei.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  18. Dor, medo, insegurança... e tantos outros sentimentos, creio eu, movem quem faz uso dessa faca. Talvez não pensem em fim, mas em um grito de socorro que por alguém será ouvido (ou que deixou de ser captado). Seu pesadelo nos traz a cena e o pavor que ela provoca, se colocada na realidade. Muito bom o seu poema. Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Apesar de arrepiante é um belo poema meu amigo, ricamente detalhado.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  20. La poesía se desgrana lentamente en el sueño. No se trata de un arrebato, escenifica un acto meditado y de ahí su impacto al leerla.
    Y de escenas así, aunque sea una pesadilla más vale huir al primer asomo de lucidez. La mente es perversa, Pedro.

    ResponderExcluir
  21. Menos mal que las venas eran fuertes porque si no...
    Muy bonito poema Pedro y con un final muy bueno.
    Un abrazo desde Madrid

    ResponderExcluir
  22. Que pesadelo hein, só faltou descrever o calor do sangue jorrando.Quem sabe nosso inconsciente joga através de sonhos e pesadelos nossos mais secretos segredos de dor, medo, angústia ...Sua descrição é tão perfeita que podemos sentir o corte , a lâmina, enfim tudo. Excelente! Abraço!

    ResponderExcluir
  23. Um pesadelo terrível descrito num extraordinário poema.
    Um abraço
    Maria

    ResponderExcluir
  24. Não fosse o título, eu interpretaria a ação descrita de outra forma.

    Fiquei bem impressionada. Abraços/

    ResponderExcluir
  25. qué poema más bello, pedro, buen fin de semana

    ResponderExcluir
  26. O suicídio é sempre um pesadelo, para o próprio e para a família e amigos.
    Um excelente poema, de um realismo extremo.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  27. o titulo já diz tudo ou quase.
    um poema muito forte.
    bom fim de semana.
    beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  28. Pedro,

    Um poema excelente (sempre) e fiz a leitura como a metáfora poética
    da faca e também o pesadelo, como momentos difíceis que muitas vezes
    ficamos paralisados, na vida carregamos muitas mortes
    e renascimentos também.
    A obra de Iberê perfeita para acompanhar o poema.
    Ah a poesia! Um caminho expressivo tão único, né Poeta!...
    Sempre admirável a excelência e limpidez da sua poética.
    Abraço de paz.

    ResponderExcluir
  29. Terminar así es una verdadera pesadilla, tu poema duele en el alma.

    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  30. Uau!!1 Essa pegou na veia mesmo!
    Muto intenso e profundo...Um grito da alma desesperada pela dor!

    Um abraço e um feliz dia das mães!

    ResponderExcluir
  31. Boa noite Pedro
    Poema intenso e arrepiante, cheguei a imaginar mentalmente a lâmina afiada fazendo o sangue gotejar das veias. Cruzes credo rsrs, acho que teria dificuldade de voltar a dormir rsrs. Ainda bem que foi somente um pesadelo que terminou se transformando em um ótimo poema. Um lindo més de maio para você e a querida Tais. Abraços.

    ResponderExcluir
  32. Cristalina metáfora que o poeta desenvolve com mestria. É tal a evidência da agressão que na leitura me parece sentir a faca na mão.
    Muito bom o poema.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  33. Olá Pedro,

    Um pesadelo tão tenso que pode refletir as angústias retidas nas profundezas de um ser. Através dos versos pode-se imaginar o desespero que acomete uma pessoa a ponto de encorajá-la a um ato impensado e derradeiro.
    Interessante o foco poético. Um poema forte e muito bem construído.

    Passo para agradecer sua sempre amável visita. De vez em quando, pausas ou recolhimentos são necessários para o refazimento de nossas energias.

    Abrace a Tais por mim pelo Dia da Mães.

    Ótimo final de semana.

    Abraço e até breve!

    ResponderExcluir
  34. Muy bueno tu poema, Pedro: bien pudiera ser real, de hecho parece que los suicidios están de moda... Por cierto por esta parte del mundo hay bastantes, ojalá no fuera así que dejan una inmensa tristeza! Hace poco tiempo se cortó las venas uno de mis primos, cuesta superarlo.
    El cuadro de esa pintura, parece un bosque de duendes.

    Te dejo un besito, toda mi estima y gratitud.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  35. METÁFORAS QUE TOCAN FIBRAS...!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  36. Inmenso poema.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  37. Um poema excelente! Um pesadelo? Um apelo da morte ou do abismo?
    Beijos.

    ResponderExcluir
  38. Ah Pedro, este faz sentir o frio fio da lamina que passa e leva um rastro vermelho nas borda finas que brilha nos olhos e mancha o piso onde outrora.
    desfilara nossos passos vacilantes da ultima dança.
    Perfeita tradução da perda da vontade de lutar e viver.
    Mas tudo fora um sonho pesado, maquinado pela dor oculta.

    Meu abraço

    ResponderExcluir
  39. Pedro: Me ha gustado mucho, esta poesía. Es tan real y al mismo tiempo dulce. Un gran abrazo Eva

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO