>

16 de nov de 2015

[Conto] PEDRO LUSO – A morte encomendada


      
    
    A MORTE ENCOMENDADA
            – PEDRO LUSO DE CARVALHO

Na estrada de terra formam-se pequenos tufos de poeira, com o tamborilar dos cascos do cavalo contra o chão. Afiadas esporas pressionam o ventre do animal. Venâncio quer chegar à casa do compadre antes do anoitecer. A tarde é quente e silenciosa. Apenas o som do trotar obstinado quebra o silêncio. Venâncio ajeita-se na montaria. Lembra-se do trato recém-feito. A família do estancieiro não lhe pagará antes que a sua morte seja vingada. “Será que o compadre matou o estancieiro?” – questiona-se.
Mesmo conhecendo seu compadre – bom marido e bom pai –, Venâncio não deixa que a dúvida mude os seus planos. Pensa somente no dinheiro. Vem-lhe a mente a festa do batizado do afiliado. Lembrança que logo se apaga. Importa é levar adiante o seu plano. Qualquer descuido pode custar-lhe a vida.
– Daqui já avisto a casa do compadre – fala em voz alta, como se conversasse com o animal, que avança na cadência de sua marcha.
Um frio perpassa-lhe o corpo. Conhecia bem a valentia do compadre. Mas sabe que, com cuidado, logo terminará o serviço. Sente-se então animado ao pensar na recompensa. No dinheiro, que facilitará a criação de seus dois filhos.
No pequeno sítio, o compadre prepara-se para a doma. Já havia encilhado o cavalo. Ventas inchadas, o animal relincha e se joga contra a cerca. Joga as patas dianteiras para o alto, e desce agitado. Forte coice atinge o palanque, no qual esta preso pelo cabresto. O compadre pensa, com uma ponta de orgulho: “Gosto desse cavalo safado”.
Ia montar, mas esperou a mulher, que vinha em sua direção. Ela diz ao marido que Venâncio havia chegado, e estava à sua espera. O homem fica incomodado com a visita inesperada. “Tanto serviço tem por fazer”, pensa. Precisa domar o cavalo para os trabalhos do sítio. Deixa o animal e vai ao encontro de Venâncio. A mulher segue-o, caminhando atrás dele.
– Buenas, Venâncio! – A que devo a visita?
– Buenas, compadre! – Estou de passagem, e parei para ver o afiliado.
A criança chora no berço, no quarto ao lado da sala. A mulher pega o filho nos braços e o embala. Ouve pedaços da conversa dos dois homens. O tom da voz de Venâncio deixa-a inquieta. Nunca o viu assim. Um mau pressentimento faz com que aperte o filho contra o peito.
– Mulher, o Venâncio vai ficar para um prato de sopa.
– Está bem – responde ao marido. – Não demoro.
Os homens continuam conversando na sala. Venâncio tropeça ainda mais nas palavras. Com o lenço, seca o suor do rosto. A mulher vem avisar que a sopa está servida. Sentam-se à mesa. Terminada a sopa, os dois homens voltam à sala para continuar a conversa.
– Compadre, me permite pegar meu afiliado? – Faz tempo que não vejo o guri.
A mulher não precisa ser chamada. Entra na sala com a criança e a entrega ao padrinho. Da cozinha, ouve a conversa dos dois homens, e os vê sentados, um diante do outro. Naquele instante, assusta-se com o estampido que ouve, e entra desesperada na sala, quando Venâncio entrega-lhe o filho e sai rapidamente. No chão, o marido agoniza.

  * * *


27 comentários:

  1. Pedro, que surpresa tive com esse conto! Trama pesada, regada por um ato de muita covardia pensada, porém conseguiste colocar até um pouco de poesia no galopar do cavalo, no tamborilar dos cascos ao chão e as esporas a incomodar-lhe o ventre; a poeira levantando... a descrição está bela.
    Mas o que nossa espécie não faz movida por tão baixos interesses? Com seu compadre! Que triste futuro o da criança... Tua descrição vai afunilando e termina num triste fim. Na mais pura agonia.

    Beijinhos!!

    ResponderExcluir
  2. Conmovedora historia con un final triste y de futuro incierto para el niño. Excelente y secuencialmente perfecto.Un abrazo

    ResponderExcluir
  3. conto maravilhoso..rico em detalhes.. senti todo o drama que o Venâncio viveu me senti angustiada torcendo para que ele não fizesse o "serviço". final triste e mais uma vez é comprovado que o dinheiro está acima de valores morais.. adorei seu blog..beijo

    ResponderExcluir
  4. A covardia é típica da personalidade de muitos assim como a ganância também, o que fica bem explicito aqui. Gosto da sequencia lógica que usa nas histórias que escreve, Pedro, e sempre com a riqueza de detalhes nas narrativas.
    Um abraço.
    O tempo nos consome e portanto a ausência se fez presente, compreende?

    ResponderExcluir
  5. Olá Pedro!
    Tê-lo como seguidor é, verdadeiramente, uma honra. Faz-se, entretanto, oportuno parabenizá-lo pela beleza de seus escritos.
    Abraço,

    ResponderExcluir
  6. Visitando, lendo, conhecendo!
    Boa estratégia, pegar a criança para disfarçar...


    abração, volto.

    ResponderExcluir
  7. ░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░
    ░░░▄██▄██▄░░▄██▄██▄░░░
    ░░░▀██▄██▀░░▀██▄██▀░░░
    ░░░░░▀█▀░░░░░░▀█▀░░░░░
    ░░░▄░░░░░░░░░░░░░░▄░░░
    ░░░░▀▄▄▄▄▄▄▄▄▄▄▄▄▀░░░░

    Vine a visitar tu blog... y a dejarte una sonrisa.

    B E S O S
    K I S S
    P E T O N E T S

    ResponderExcluir
  8. Gostei de descobrir esta história e o seu blogue!
    Gosto da sua escrita fluida.
    Até breve!

    ResponderExcluir
  9. Um belo conto meu amigo com um final dramático.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  10. As vezes o final é inevitavelmente dramático...É a vida!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Una historia magistralmente contada, con un final dramático y triste.
    Saludos, Pedro.

    ResponderExcluir
  12. A arte da narrativa bem patente neste conto.
    Abraço

    ResponderExcluir
  13. Deixei-me envolver pela sua excelente narrativa.
    Os contos tal como a vida nem sempre têm um final feliz.

    Beijinho


    ResponderExcluir
  14. Olá Pedro
    Um conto muito bem escrito.
    Infelizmente o dinheiro muitas vezes sobrepõe-se aos valores morais, quem dera que fosse só nos contos, mas a verdade é que estas situações são recorrentes no dia a dia.
    Um beijinho
    Teresa

    ResponderExcluir
  15. Que sujeito descarado, entra, come e mata, sem mais nem menos,
    na frente da mulher. Ah! se eu pego esse Venâncio , ele vai ver...
    Legal o seu conto, bem interessante, Pedro.
    Beijo e Boa noite!

    ResponderExcluir
  16. Oi Pedro,
    Antigamente era assim em abundância, portanto já dividi tudo que tenho para me precaver e tem uma cláusula.
    Agora se matarem meu filho, o assassino não chega nem a ser preso, será enterrado no mesmo dia.
    Aí com razão...
    Beijos no coração
    Minicontista2

    ResponderExcluir
  17. ¡Hola Pedro!!!

    Nos dejas un estupendo relato, se nota que eres un gran pensador. Felicidades: lástima que no tenga un final más feliz. Mas esta muy bien narrado.
    Gracias por tu buen hacer y por tu huella en mi puerto.
    Te dejo un beso y toda mi estima.
    Se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  18. Um final trágico, uma excelente narrativa.
    Um abraço.
    Maria

    ResponderExcluir
  19. O título nos possibilita uma pista da sua narrativa, num conto
    muito bem construído, numa cena final rica de detalhes
    do drama...
    Interessante foi evidenciar o sexto sentido da mulher:
    "Um mau pressentimento faz com que aperte o filho
    contra o peito."
    Apreciei muito, Pedro!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Uma tragédia contada em três passos, como que a "crónica de uma morte anunciada" no mau pressentimento da mulher.
    Uma narrativa muito visual. Cinco estrelas! Você já pensou em escrever argumentos para cinema?...Tanto este conto, como o conto anterior dariam óptimas curtas metragens.
    Gostei muito, Pedro.
    Bom fim de semana.
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respondo: caso seja convidado, é possível que escreva (aqui em Porto Alegre temos diretores de curta metragem muito conhecidos). Tenho alguns amigos escritores que escreveram roteiros para curta metragem, e como gostaram da experiência, voltaram a escrever.
      Agradeço o estímulo, Laura.
      Abraços.

      Excluir
  21. Pedro Luso, aprecio muito o género de literatura contista e o teu conto está conduzido de modo a prender o leitor. Gostei!
    Abraço

    ResponderExcluir
  22. Está narrado de un modo tan real pero, la verdad, como yo lo he sentido: es un crimen terrible. Sin otra justificación que dedicar el dinero a la crianza de sus hijos. Lo hace fríamente, por encargo, es un trabajo por el que le van a pagar. A mi en este relato me falta la segunda parte y es la trampa en la que puede caer el asesino. Queda un testigo y quien ha encargado el crimen, puede negarse a pagar y denunciarle. Pone los pelos de punta ver la frialdad del individuo. El éxito del relato realista ha sido conseguido. El mundo del crimen puede ser así aunque nos espante.

    ResponderExcluir
  23. Muy bien descrito el pragmatismo criminal del sicario, Pedro.
    Paso a paso, siguiendo el plan sin dejar que nada le distraiga, porque cualquier profesión precisa el diseño de un fin. En este caso, priorizar el futuro de los hijos propios antes que de los ajenos.
    De otra manera, de ceder a los sentimientos, ¿cómo llevar a cabo un crimen teniendo en brazos al hijo de la víctima?

    ResponderExcluir
  24. Pedro, sua narração é muito bem feita. Acompanhamos os passos até visualmente. Esse mal pressentimento costuma ser gritante, em ocorrências na natureza. A sensibilidade e a capacidade de observação se fazem presente.
    Há muitos que desconhecem afinidades e afeto quando estão diante da possibilidade de ganhar algum dinheiro. Gostei muito! Abraço.

    ResponderExcluir
  25. Além de comovente, rico em detalhes. Li de um só fôlego... Até parece real. Muito bom .
    Abcs!

    ResponderExcluir
  26. Com bela descrição uma construção perfeita sobre a ganancia.
    Valores destroçados sentimentos apagados com um final dramático..
    Ficou comigo a lembrança de meu tio Jose Venâncio exímio amansador de cavalos a quem já dediquei um conto.
    Muito bom Pedro.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

PEDRO LUSO