>

11 de jan. de 2022

[Poesia] VERÃO E PRAIA - Pedro Luso de Carvalho

 

Balneário Camboriú / Santa Catarina - Brasil

                  


VERÃO E PRAIA


       - Pedro Luso de Carvalho




Aqui tudo parece estar bem,

no calor da tarde, mar a frente

sob sol abrasador do verão,

com gente bronzeada na praia.


Aqui tudo parece estar bem,

em todos os dias do verão,

sempre tão pródiga a natureza

tecendo rendas na fina areia.


Aqui tudo parece estar bem,

na praia sob este sol da tarde

parecendo coração de mãe,

acolhendo a todos igualmente.


Aqui tudo parece estar bem,

a praia está repleta de gente,

e delas nada pode ser dito,

sejam elas anjos ou demônios.


Aqui tudo parece estar bem,

nesta sagrada época do ano,

gente boa e má sob este sol,

todos juntos neste paraíso.




_________________________//_______________________





35 comentários:

  1. Linda poesia e realmente olhando assim TUDO parece estar bem! SQN...Mas o verão e aglomerações com estranhos seguem a despeiro do novo vírus...abração,chica

    ResponderExcluir
  2. La Madre Naturaleza nos acoge y todo parece estar bien. Pero no hay que fiarse. El enemigo no descansa.
    Un poema muy acertado a los tiempos que nos ha tocado vivir.
    Gracias Pedro.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  3. Que ganas tengo ce tener delante a el mar, lo cura todo.
    Todos junto que hermoso Pedro.
    Un abrazo Pedro

    ResponderExcluir
  4. Una poesía que entiendo se debe a que tu lugar de residencia este en el hemisferio sur porque aquí a la playa solo de paseo.
    La poesía es de mas belleza.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  5. Acordes perfeitos para essa faixa de litoral de Camboriú. Há um só detalhe na arquitetura dos versos. É que a repetição "Tudo parece estar bem" soa irônico tal a situação em todos os aspectos diante do que vivemos... O poeta sabe como dizer as coisas...
    Um abraço, caro amigo Pedro!

    ResponderExcluir
  6. Olá, amigo Pedro!
    Cheguei há pouco do meu passeio vespertino e as praias estão muito lotadas do jeitinho que descreve poeticamente.
    Gente de todo tipo.
    Para ajudar à saúde, caminho pela calçada oposta e não no calçadão.
    Minha cidade está igual ao coração de mãe. Acolhe todos mineiros e campistas.
    Esperemos que não haja mal maior, amigo.
    Tenha dias abençoados com saúde junto aos seus!
    Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  7. Fiquei tão entusiasmada lendo seu poema e sonhando com uma praia mas só quando as chuvas cessarem aqui em Minas Gerais pois já não temos estradas por onde trafegar devido às quedas de barreiras e estradas totalmente interditadas.
    Fecho os olhos e me imagino nesta bela praia oferecida a mim através de suas poéticas palavras meu amigo
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Boa noite" amigo Pedro!
    Realmente parece está em tempos normais, aqui é bem pior que air, aqui é aglomeração mesmo, esperamos que não piore mais do que está.

    Tenha uma ótima noite com sua família.

    Abraço amigo.

    ResponderExcluir
  9. Aqui tudo parece estar bem...bons e maus neste paraíso.
    E o mundo lá fora pegando fogo.
    A anáfora marca a intensidade de tal forma que mesmo sem
    a imagem conseguiríamos visualizar tudo o que o poeta
    nos quer transmitir.
    Belo poema, amigo Pedro.
    Abraço
    Olinda

    ResponderExcluir
  10. Caro Pedro,
    Avancemos “remando”... Mar não nos falta, também não nos falta esperança.
    Como diz a frase do “general romano Pompeu”, qual o grande “Fernando Pessoa” poetizou:

    “Navegar é preciso, viver não é preciso!”

    Porém, se não vivemos não navegamos e vice-versa.
    Abraços meu bom amigo!!!

    ResponderExcluir
  11. Momentos que regeneram a alma.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Como reza el dicho " Nada nuevo bajo el sol" Pedro. Vivimos rodeados de quién sabe quién y a veces ni siquiera sabemos quien es nuestro compañero, menos en que piensa. La playa atrae buenos y malos, quién se resiste? Un abrazo poeta.

    ResponderExcluir
  13. Un'atmosfera colma di serenità, lungo la spiaggia di una calda estate...
    Sempre bello, leggerti, buongiorno Pedro,silvia

    ResponderExcluir
  14. En los lugares de recreo, siempre parece que está bien todo, y supongo que será así, por lo menos para los que disfrutan el momento... pero cierto es que fuera de esos ambientes, las cosas siguen regular, y muy mal para otros.
    Muy bonita y acertada tu poesía Pedro.
    Un abrazo, y disfrutemos de los buenos momentos.

    ResponderExcluir
  15. Bons e maus neste paraíso onde tudo parece estar bem. Sabemos que não está. E o Poeta também sabe, apesar do calor, do verão, dos corpos bronzeados.
    Mas fiquei com saudades do calor porque por cá está frio...
    Cuide-se bem meu Amigo Pedro.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Querido amigo poeta Pedro.
    Que linda imagem e poema inspirado, pois é, as praias estão todas assim, lotadas, parece até que nada está acontecendo, a fuga da dor é assim, mas se todos se cuidassem teria outro desfecho, que pena que nem todos se cuidam!
    Amei ver, essas águas frias de Camboriú eu conheci, lugar lindo demais!
    Sua inspiração não poderia ser diferente, por mais que queiramos fugir da realidade, ela está sempre presente, andei também curtindo um pouco a " minha praia", sempre digo "meu mar" quando dou uma fugidinha pra lá!
    Abraços apertados e ainda dá tempo de desejar feliz ano novo!

    ResponderExcluir
  17. O Parecer não é estar. Pelo menos deixamos que a imaginação desfrute!:)
    -
    Tricoto sonhos e ilusões

    Beijos e um dia feliz!

    ResponderExcluir
  18. La imagen transmite relax y tranquilidad. Muy bonita.
    Muy bueno tu poema.
    Disfruta de felices días.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  19. Bellissima esposizione in questa poesia colma di luce e solare. Tutto sembra bello, lontano il ricordo della pandemia. Bellissime immagini di quei fantastici arenili, fanno venire la nostalgia dell'estate, mentre in Italia siamo in pieno inverno e con l'emergenza del covid.Un caro saluto amico pedro, ti auguro una serena settimana, Grazia.

    ResponderExcluir
  20. Olá, amigo Pedro.
    Poema sublime! Onde a ironia, está bem patente nestas belas palavras.

    De facto assim é. Parece que está tudo bem, não estando.

    Gostei muito.

    Continuação de boa semana, com muita saúde.
    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Disfrutar de los buenos momentos es bueno, siempre y cuando se haga con el debido respeto hacia los demás. No olvidemos la tragedia que aún se cierne sobre la población de cualquier país. Seamos prudentes pues en ello.
    Un bello poema que refleje una realidad bien distinta a los momentos que estamos viviendo.
    Un gran abrazo Pedro y cuidaros mucho.

    ResponderExcluir
  22. موضوعكم متميز فى عرضة لكل الجوانب وشامل التفاصيل
    ندعوكم الى الاطلاع على موضوعات فى مدونتنا تخص اعمال

    ديكور واجهات منازل حديثة
    وتشطيبها باجود خامات تشطيب الواجهات مثل
    الحجر الطبيعى
    تعرف على
    الحجر الفرعونى

    حجر هاشمى
    وانواع
    ديكورات حجر مايكا
    تستخدم فى اعمال تكسية الواجهات وتشطيبها باحدث
    ديكورات حجر هاشمى

    ResponderExcluir
  23. Qui in Italia invece tutto sembra andare male. Il maledetto covid continua a fare vittime.
    Grazie per i tuoi bei versi.
    enrico

    ResponderExcluir
  24. Na praia tudo aparenta estar bem, é uma espécie de intervalo nos problemas que nos assolam.
    Excelente poema, onde o olhar do poeta, com alguma ironia, nos dá um retrato de um paraíso irreal de mar e areia.
    Bom fim de semana, caro amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  25. La realidad no es igual en todo el mundo, cierto. Mucha vida se ha llevado, pero mucha vida queda... Gracias por estos versos llenos de realidad que invitan a la reflexión.
    Te deseo un año llenos de bondades y alegrías.
    Abrazos. 🤗🌞

    ResponderExcluir
  26. Olá, amigo Pedro.
    Assim é caro poeta. Na praia tudo aparenta estar bem. Mas a realidade é bem diferente.
    Excelente poema!

    Votos de um excelente fim de semana, com muita saúde!

    Abraço amigo.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  27. Lindo poema.
    Bom fim de semana

    ResponderExcluir
  28. Oi Pedro, você assistiu " Não olhe para cima" ?
    bem assim...
    Um abraço e vacina para que te quero!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Guaraciaba, não assisti, mas já ouvi falar muito bem do filme.
      Vou providenciar.
      Boa semana, um abraço.

      Excluir
  29. A imagem é linda e na verdade aí tudo parece bem.
    Penas que tantas vezes as aparências iludem.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderExcluir
  30. Aunque todo parece bastante bien, siempre nos quejamos de calor y cuando llegamos al invierno, como estamos aquí, nos quejamos de frío.

    Besos

    ResponderExcluir
  31. Que saudade de uma praia!!! Por aqui temos algumas lindas, mas tenho evitado. Gostei demais dos teus versos Pedro, trouxeram um momento de calmaria e serenidade!

    Gratidão!

    PS.: Andei sumidinha, por conta dos meus trabalhos. Abraço!

    ResponderExcluir
  32. Bravo Pedro!
    Lá tudo parece estar bem.
    Lá sentados de frente para o mar e de costas para este outro Brasil que nada vai bem, há fome, miséria, intolerâncias e gentes invisíveis aos olhares insensíveis.
    Aqui nada vai vem em contraste com o falso paraíso onde a alegria e o bem duram pouco até a primeira chuva.
    Belo trabalho de sua arte amigo.
    Abraços e uma semana bem leve com paz.

    ResponderExcluir
  33. "Não olhe para cima"... também sugiro esse filme, Pedro... em jeito de comédia... reconhecemos o mundo onde já vivemos...
    Cada vez mais, sabemos estar mergulhados... no que parece, mas não é... pelo mundo fora!...
    Adorei o poema com esta subtil e acutilante verdade inferida, que o percorre...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderExcluir
  34. Pedro:
    todo parece estar bien... pero da la impresión de que no. Que subyace un peligro. ¿El virus?
    Ojalá pase pronto y el verano esté realmente bien.
    Abraços.

    ResponderExcluir

LOGO O SEU COMENTÁRIO SERÁ PUBLICADO.

OBRIGADO PELA VISITA.

Pedro Luso de Carvalho